Coluna do jornalista
José Daniel Heldt,
publicada no
Jornal de Limeira



e-mail






ARQUIVO




 


   26.9.08  
SEM SAL OU AÇÚCAR
Faltando aí uma semana para as eleições municipais, a disputa continua do mesmo jeitinho que começou: apática e desanimadora. Se não há motivação nem entre os candidatos, imagina então com o eleitor.

MARIMBONDO NO PÉ
Obras pipocando em ritmo acelerado. Máquinas por tudo quanto é canto. Pintura de guias e dos sinais de trânsito de solo impecavelmente retocada. Governo prestando contas de forma transparente daquilo que fez. Bom seria se tivéssemos eleições municipais todos os anos, fala sério.

QUE NOBREZA?
Por mais que meus dois neurônios façam hora-extra, não consigo entender porque a propaganda eleitoral é apresentada na TV no dito cujo horário nobre. Até hoje não vi nada de nobre na conversa fiada dos candidatos que ali se apresentam.

REFORMA POLÍTICA JÁ
Se tiver um tempinho, amigo leitor de qualquer canto do Brasil, preste atenção nas pessoas jurídicas (e se sobrar tempo, nas físicas também) que doam verbas para a campanha dos políticos de sua cidade. Se essas idealistas e desinteressadas (não ria) doadoras aparecerem (direta ou indiretamente) nos próximos anos na lista de fornecedores do governo eleito, é bem possível que passaram a receber de volta o investimento. Com juros, correção monetária e lucro, é óbvio. E adivinha quem é que paga essa farra?

VAMOS ECONOMIZAR
Olha, se a lei me permitisse, eu bem que votaria em algum candidato a vereador-júnior ou em vereador da 3ª Idade. Justifico: se for para montar outro Legislativo só para dar nome às ruas e títulos de cidadania, imagino que esses vereadores dariam conta do recado com eficácia. Sem quaisquer ônus ao erário, acrescente-se.

BLASFÊMIA
Fala a verdade: tem coisa mais ridícula e reles do que esse negócio de citar - em vão, diga-se - o nome de Deus em meio a uma campanha política?

ÀS OVELHINHAS
E por falar em Deus, toda vez que me contam que uma ou outra facção religiosa ordena que seus fiéis votem nesse ou naquele candidato, lembro-me que já ouvi falar de um tal de livre-arbítrio.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:08 AM



   12.9.08  
UM OLHO NO PEIXE, OUTRO NO GATO
Considero uma total falta de respeito ao eleitor - indesculpável, acrescente-se - o egoísmo de um candidato a vereador que implora votos no horário eleitoral e depois de eleito deixa a Câmara para ocupar cargo no Executivo. Oras, se a única intenção é se dar bem na vida e estar o quanto mais próximo possível do poder, por que não desocupa a moita já em vez de desperdiçar o voto que o eleitor vai lhe dar?

A FILA ANDA
Um leitor pergunta se já escolhi em quem votar para vereador e quais critérios utilizo na escolha. Já escolhi sim, mas em nosso regime democrático não é permitido que eu declare a quem vai meu precioso (tanto quanto o seu) voto. Dos 180 candidatos, aliás, uns quatro ou cinco considero cidadãos íntegros e que merecem ocupar uma cadeira no Legislativo. Como só tenho direito a um voto, utilizo alguns critérios para a escolha, entre eles o de ser contrário a qualquer tipo de reeleição. Além desse, outro que julgo supimpa é votar no prefeito de uma tendência partidária e no vereador de oposição a essa tendência. É que sempre pensei que sem oposição não há evolução nem fiscalização. Vide a atual conjuntura.

NÃO PRECISAVA SER FEITO?
Passados quase quatro anos (tempo para chuchu, acrescente-se), cadê a remodelação do setor de transporte público? Cadê as melhorias e a integração de linhas? Cadê o respeito ao usuário do transporte coletivo?

OPERAÇÃO MELISSA
Penso que o melhor para o Brasil é trocar, a cada eleição, a "tchurma" que está no poder. Afinal, não temos que melhorar a distribuição de renda no País?

PAPEL ACEITA TUDO
Já vou logo confessando meu total desconhecimento a respeito dos planos de governo dos candidatos. Não li nenhum até agora. Nas eleições passadas até tive essa curiosidade, mas hoje ando meio que sem tempo a perder e, portanto, resolvi descartar de vez leituras inócuas. Mesmo sem conhecer aquilo que anunciam como plano de governo, arrisco-me a dizer que todos só contemplam meras frases de efeito a respeito das necessidades da população. Se você leu, por favor, diga-me se o documento não tem mais cara de folheto de propaganda do que de um plano consistente, com metas quantitativas e qualitativas claramente especificadas? Em qual deles, por exemplo, você viu uma meta com data prevista para ocorrer ou índices numéricos a serem alcançados? Em qual plano leu que a meta do governo é fazer com que a cidade atinja um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) superior ao atual? Então...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:24 AM



   29.8.08  
EX-ROSA?
E não é que depois das críticas de que a Câmara só funciona para dar nomes a ruas e títulos de cidadania, parece que agora os nobres edis resolveram inovar? Querem em bloco revogar a homenagem que alterou o nome da ex-praça das Nações Unidas, na Boa Vista, para Rosa Granzotto Rosada. Assim, diante do ineditismo de ato tão estranho, penso que o mais sábio a quem recebeu nos últimos tempos título de cidadania é botar as barbas de molho. Vai saber até onde essa onda de miudeza política e a falta de coisa mais importante a fazer pode chegar...

NOVO CEP
No horário (humorístico) eleitoral tem um ou outro candidato prometendo que vai mudar a cidade. Ok, mas me faz então uma gentileza, por favor: não esquece de enviar o novo endereço quando isso acontecer.

VAMOS EXPORTAR INDÚSTRIAS?
Quer saber? Acredito que vai faltar espaço para a carrada de indústrias que os candidatos estão prometendo trazer para Limeira.

MEU É QUE NÃO É
Nem bem nasceu e já tem uma penca de políticos reinvindicando a paternidade da instalação do campus limeirense da Unicamp. Na dúvida, sugiro um exame de DNA.

REAJA QUE MELHORA (2)
Peço licença a você aí do outro lado da página para continuar com minhas lamúrias a respeito de temas que me incomodam. Como se sabe, o brasileiro, infelizmente, é um povo exageradamente cordeiro e há tempos é educado a não reagir. Penso, entretanto, que já passou da hora da gente tomar vergonha na cara e deixar de ser tratado como pano de chão, especialmente pelos políticos que elegemos e sua "tchurma". E vou logo avisando aos espertalhões de plantão: minha intenção não é incitar a desordem. Como cidadão, quero sim é que as leis sejam respeitadas à risca. Não dá mais para aceitar calado que a canalhice de alguns espertinhos seja incorporada como algo normal na sociedade.
Quem anda reagindo com sabedoria, aliás, é o Supremo Tribunal Federal (STF), que confirmou recentemente a proibição ao nepotismo, que já era patente desde 1988 com a aprovação da Constituição. A reação do STF acabou, ao menos por enquanto, com a farra dos canalhas que sempre deram até hoje um jeitinho de entender a lei conforme lhes convinha. Outra reação vem da Justiça Eleitoral, com a campanha pelo voto consciente, pois quatro anos realmente é muito tempo para se jogar na lata de lixo.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:34 AM



   24.8.08  
E LÁ VAMOS NÓS OUTRA VEZ
Se me virem gargalhando solitariamente dentro do meu veículo enquanto dirijo ou discutindo com o rádio à minha frente, já vou logo avisando: não fiquei louco, não; a culpa é do horário (humorístico) eleitoral, que iniciou esta semana. É diversão garantida ouvir o que os candidatos (não) têm a dizer. Os discursos continuam, é claro, na mesmice de sempre.
Quem está no poder repete a fórmula de alardear as obras que fez. Pois sabe que eu sempre pensei que quem fazia obras eram as empreiteiras? Pagas, é óbvio, pelo dinheiro dos impostos que recolhemos. Por serem desconhecidos, outros candidatos ainda gastam um tempo (o nosso) divulgando o currículo de suas vidas. Até parecem candidatos em busca de um emprego.
É que na verdade o são, pois o salário das funções políticas não é de se jogar fora. Já na ala dos candidatos a vereador, tem gente falando que a saída é investir na educação dos “cidadões” (sic). M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a. Sugiro então começar pela educação deles mesmos, ensinando-os um mínimo de regras a respeito da língua portuguesa. Então fica assim: se tiver que ter fé pelo menos do tamanho de um grão de mostarda para que os candidatos que aí estão mudem o destino da nossa política, não contem comigo: minha mostarda já acabou faz tempo.

TEMPO PERDIDO
Propaganda veiculada na TV pela Justiça Eleitoral alerta para a importância de elegermos bons candidatos, dando a entender que uma escolha errada nos faz perder quatro anos. Concordo e essa é uma das razões que me leva a ser contrário à reeleição. E se quatro anos é considerado muito tempo, imagina então quantas décadas já perdemos reelegendo alguns membros do Legislativo.

REAJA QUE MELHORA
Fico incomodado toda vez que ouço o conselho de que a melhor estratégia diante de um criminoso é não reagir. Estamos criando nossas crianças com base nesse preceito de que é melhor entregar nossos bens materiais em troca de continuarmos vivos. Concordo, em parte, com o argumento de que diante de alguém armado, vamos levar a pior se reagirmos. Mas viver representando o papel de saco de pancadas também já não é levar a pior?
Por favor, me ensina aí você do outro lado da página, que tem paciência de sobra para ser um cidadão pacato e cordeiro, como não reagir diante da carrada de filas que nos fazem perder um tempo valioso da vida? Como não reagir quando vereadores resolvem legislar em causa própria pedindo que bancos lhes concedam juros mais baixos do que os oferecidos à população que realmente trabalha?
Como não reagir ao ver seu automóvel arrombado em plena luz do dia no Centro enquanto você paga impostos para ter segurança? Como não reagir diante das dezenas de telefonemas que invadem a privacidade do meu lar oferecendo-me uma penca de cartões de crédito?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:01 PM



   15.8.08  
BARGANHE COM QUALIDADE
Da mesma forma que imagino que um ou outro candidato entrou na disputa pelo governo municipal apenas para utilizá-la como alavanca para o pleito de 2010, penso também que dezenas de candidatos a vereador nem sonham em se eleger. Estão, é claro, de olho nas futuras nomeações.
A impressão que esses candidatos passam é que estão muito mais interessados em resolver seus próprios futuros do que em trabalhar pela cidade. Assim, como bom caipira que sou, sempre fico com um pé atrás com políticos desse naipe, que só enxergam a vida pública mirando o buraco de seus próprios umbigos.
Creio, inclusive, que já passou da hora de surgirem novas lideranças, com novo jeito de governar, diminuindo radicalmente os cargos comissionados e melhorando o nível das nomeações (já que dependem delas para barganhar apoios), privilegiando as técnicas em detrimento das essencialmente políticas.

ORA QUE MELHORA
A Igreja Católica distribuirá cartilha e vai orientar os eleitores sobre como escolher o candidato com perfil mais adequado. Perfeito, pois esse tipo de ação só poderia partir de uma entidade religiosa. É que do jeito que anda a nossa classe política, só rezando mesmo e tendo muita fé.

SEM DESCULPAS ESFARRAPADAS
Já declarei várias vezes aqui minha posição contrária à reeleição, de presidente da República a síndico de prédio. Até porque jogar fora o voto duas vezes seguidas demonstra o quanto estúpidos conseguimos ser. Mas sabe que agora, pensando cá com meus velcros, passei até a enxergar ao menos um solitário ponto positivo numa reeleição? É que o reeleito não terá como utilizar a velha desculpa de que não fez isso ou aquilo por herdar dívidas de seu antecessor. Seria atirar contra o próprio pé.

MIREM-SE NOS AFILHADOS
A coluna "Vai & Vem" colocou na semana passada em discussão uma questão supimpa: "Os 180 candidatos a vereador em Limeira este ano tentariam uma vaga na Câmara Municipal caso o cargo não fosse remunerado?" A resposta, óbvio, é um sonoro "não". Sabe que até acredito que muitos deles o fariam? Aliás, temos bons exemplos de cidadãos que até já trabalham de forma voluntária na política.
Não me refiro aos nossos nobres edis. Falo (escrevo) dos afilhados deles, os vereadores juniores e os da terceira idade. Esse pessoal parece inclusive que tem se saído muito melhor em seus trabalhos voluntários quando comparamos aos dos titulares das cadeiras, que recebem mensalmente pelo trabalho (força de expressão) que desenvolvem.
Minha sugestão diante desse comportamento exemplar é que numa futura reforma política (não ria, por favor), vereador seja transformado num trabalho de cidadania voluntária, sem direito a qualquer mordomia. Entretanto, enquanto isso não ocorre, bem que os criadores poderiam ao menos se espelhar no trabalho de suas criaturas.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:38 AM



   25.7.08  
INTOLERÂNCIA ZERO
Estima-se que, após a implementação da lei seca, houve uma redução de mais de 40% nos acidentes de trânsito em todo o Brasil. Uma boa notícia, sem dúvida. A informação, entretanto, traz a sensação de que os outros 60% restantes são causados por motoristas sóbrios que cometem outras infrações, tais como trafegar em excesso de velocidade, avançar preferenciais e sinais fechados, falar em celular enquanto dirigem... A esses motivos acrescentem-se também a má conservação e sinalização das vias. Então, será que se vigorasse o mesmo rigor (multa, suspensão da habilitação e detenção) para essas condições, a quantidade de acidentes não seria reduzida a zero? Caso o motivo do acidente fosse a falta de manutenção e sinalização das vias - dever dos governantes -, as penas seriam endereçadas ao ocupante do cargo.

MAIS QUATRO OU DOIS?
Tem-se a impressão que alguns candidatos ao governo municipal entraram na disputa apenas para utilizá-la como trampolim para as eleições de 2010. Resta saber se é também o caso do prefeito, que tenta sua reeleição. Se reeleito, a questão é: governa até 2012 ou renuncia no meio do caminho?

SENTADAS, ÓBVIO
E um grupo de assistentes sociais ainda espera por um sinal da administração municipal para retomar as negociações sobre o Plano de Carreira, iniciadas no ano passado. Em meio a tantas moções e requerimentos emitidos pela Câmara nos últimos tempos, será que nenhum vereador (ligadérrimos ao "social") vai abraçar a causa dessa classe de profissionais? Ou quem sabe um vereador-júnior...

PRAZO DE VALIDADE: QUATRO ANOS
Ainda penso que a solução dos problemas da cidade não se restringe à escolha desse ou daquele candidato. Continua, sem dúvida, nas mãos dos eleitores, cuja ferramenta é o voto. A validade do voto, aliás, não expira no dia da eleição e sim perdura por exatos quatro anos. Entretanto, para que isso ocorra é necessário que o trabalho do eleito seja fiscalizado de perto, muito perto, até o último minuto de mandato.

CHEGA DE BLA-BLA-BLÁ
E sabe que este ano ainda não tive o (des)prazer de ler um único plano de governo? Nem sei porque ainda penso que isso seja algo necessário, pois já estou careca (nem tanto) de saber que papel aceita de tudo. E publicar programas pífios de governo, sem estabelecimento de metas com indicadores numéricos quantitativos e qualitativos e sem prazos estabelecidos é uma afronta tanto ao eleitor como ao meio ambiente. Para que sacrificar árvores para juntar uma dúzia de folhas de papel num documento inútil?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:11 AM



   11.7.08  
TUDO PELO SOCIAL
Taí algo que não se pode negar: o Legislativo trabalhou sobejamente pelo social durante todo este mandato. Confesso-vos que já perdi a conta da carrada de títulos de cidadania e outras homenagens e honrarias que entregaram por lá. Enfim, tudo pelo social. Provavelmente pelas colunas, é claro.

DEUS NOS ACUDA
Não parece, mas já foi dado o pontapé inicial para as eleições municipais. E mais uma vez vai chover candidato e, principalmente, promessa. Os números não são ainda oficiais, mas a previsão da Justiça Eleitoral é de que sejam contabilizados aproximadamente 400 mil pedidos de candidaturas em todo o País. Nestas eleições, serão disputados 5.563 cargos de prefeito, com o mesmo número de vices, e cerca de 52 mil vagas de vereadores. Em Limeira, por exemplo, 181 pessoas registraram candidatura para concorrer a 14 vagas de vereador. Ou seja, 12,9 candidatos por vaga, um verdadeiro vestibular político.
A boa notícia é que a Justiça Eleitoral vai analisar a documentação e a vida pregressa de cada candidato antes de homologar a candidatura. Nada mais justo. Se está em vigor a tal de lei seca, que pune severamente o motorista alcoolizado supondo que ele é um risco à sociedade, imagine então deixar um político com ficha suja se aventurar a cuidar do dinheiro público, o nosso dinheiro. Assim, se houve uma redução de cerca de 40% de acidentes de trânsito por causa da lei seca, penso que é possível que o índice de corrupção também seja reduzido em virtude desse cuidado da Justiça Eleitoral.
Aliás, por falar em corrupção, a classe política conseguiu ao longo dos últimos escândalos um feito deveras incrível. Mudou o paradigma constitucional de que todo cidadão é inocente até que se prove o contrário. No caso dos políticos, pelas tantas denúncias de improbidade que já vimos, imagino que o pensamento reinante hoje na sociedade é de que todos são corruptos até que provem o contrário.

QUE VANTAGEM MARIA LEVA?
Sinceramente? Nem no tranco meus dois neurônios entendem a magnitude do espírito de voluntariedade e desprendimento de um cidadão que se disponha a trabalhar dessa forma pela cidade. Só consigo imaginar uma única resposta: é amor, sublime e verdadeiro, pelo município. Ou então alguém aí me responda, por favor: em sã consciência, no mundo dos negócios alguém se aventuraria a investir R$ 885 mil para, ao final de quatro anos, receber de volta cerca de R$ 407 mil? Explico melhor o meu espanto financeiro: li aqui no Jornal de Limeira que a previsão dos gastos em campanha de um único candidato a prefeito é de R$ 885 mil. No dia seguinte, a coluna "Vai & Vem" trouxe a informação de que o salário líquido do prefeito é de R$ 8.468,71. Assim, após quatro anos de mandato, 48 salários desse correspondem a cerca de R$ 407 mil. E mesmo se acrescentarmos de forma exagerada à conta mais um salário, correspondente ao cargo de vice (considerando que fosse a mesma remuneração), o total chega a R$ 814 mil. Ué? Ainda assim não haverá um prejuízo de R$ 71 mil?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:34 AM



   4.7.08  
ÁLCOOL QUASE PURO
Em Diadema (SP), fecharam um posto que vendia gasolina adulterada com 96% de álcool. Penso que erraram no diagnóstico. Vai ver era álcool adulterado com 4% de gasolina e solventes.

MUDANÇA DE HÁBITO
Por falar em álcool, a Lei Seca que passou a vigorar em 20 de junho e proíbe radicalmente o uso de bebida alcoólica por condutores de veículos tem dado o que falar. Fiquei sabendo que tem gente que não come mais bombom de licor antes de dirigir. Tudo por causa da multa de míseros R$ 955, suspensão da carteira de habilitação por 12 meses e principalmente da possibilidade de detenção para quem for flagrado dirigindo depois de beber.
Continuo com a opinião de que a intenção da lei é benéfica à sociedade, mas a dose aplicada um tanto que exagerada. O foco da lei é punir por antecipação o cidadão ao supor que ele não tem condições de conduzir com segurança seu veículo após ingerir qualquer quantidade de bebida. Sendo assim, o mesmo grau de punição deveria ser aplicado a todos os motoristas que excedem os limites de velocidade, invadem as vias preferenciais e cometem outras tantas infrações de trânsito. Afinal, por fazerem isso quando sóbrios, pode-se supor também que são muito mais perniciosos à sociedade.

TEVE QUADRILHA?
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu no último fim de semana ministros e convidados para a festa junina da Granja do Torto, residência de campo da Presidência da República. Dizem que a maioria dos convidados compareceu vestida a caráter para a festa. O "arraiá" da Granja do Torto é organizado pela primeira-dama e ocorre anualmente desde o início do primeiro governo Lula, em 2003. Será que a conta da festança foi paga com cartão corporativo?

MOÇÃO DE APELO
Conversei esta semana com um grupo de assistentes sociais, profissionais que se sentem desprestigiadas com a falta de atenção da administração municipal. Contaram-me que desde o ano passado iniciaram uma negociação com o prefeito para o envio à Câmara de proposta de reestruturação da categoria, tal como ocorreu com os dentistas, e que nos últimos meses não foram mais sequer atendidas.
Apesar do aparente descaso para com a categoria, as profissionais continuam unidas e firmes no propósito de trabalhar pelo desenvolvimento social de Limeira, cumprindo normalmente suas obrigações para com a população.
Depois de várias tentativas frustradas de falar com o prefeito para a continuidade das negociações, as profissionais ainda confiam que ele as receba ao menos para explicar as dificuldades que encontrou em levar adiante o que haviam antes combinado.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:16 AM



   27.6.08  
RECEITINHA PRÉ-ELEITORAL
Prepare-se: vêm aí as eleições municipais. Não quero parecer pessimista, mas é preciso ter muita paciência para sobreviver ao marasmo deste período. Tenho uma sugestão: enquanto você ouve as promessas dos candidatos no horário político, aproveite para saborear junto com a família um delicioso frango com whisky, uma receita que recebi de um amigo. Anote aí os ingredientes: um frango, whisky, sal, pimenta, cheiro verde, azeite de oliva e azeitonas.
Modo de preparar: pegue o frango e beba uma dose de whisky; tempere o frango com sal, pimenta e cheiro verde a gosto e massageie o danado com azeite; coloque o forno para pré-aquecer por 10 minutos e, enquanto aguarda, sirva-se de uma boa dose de whisky. Use as azeitonas como "tira gosto"; coloque o frango numa assadeira grande e sirva-se de mais uma dose de whisky; "axuste o terbostato do vorno e debois de uns vinch binutos, bote o vrango pra assassinar, digu, assar"; - beba mais uma dose de whisky e "debois de beia hora, abra o vorno pra gontrolar a assadura do vrango"; cozer, costurar, cozinhar, sei lá, o "vrango". Deixa o filho da mãe do pato no "vorno" por umas 4 horas; tire o "vrango do vorno, mas num vai gueimar a mão, pô"; mande mais uma boa dose de whisky pra dentro... De você, é claro; "begue o vrango que gaiu no jão, enxugue o filho da mãe com o bano de jão, coloque numa pandeja, bois avinal você nem gosssta muito de vrango mesmo. E bassa a régua".
Deixando agora a brincadeira de lado, lembre-se: ao votar, não beba. Se sóbrio você já faz o que faz com seu voto, imagine então se beber...

BEBER NÃO PODE; VENDER PODE
Por falar em whisky, passou a vigorar a lei seca. A partir de agora, o uso de bebida alcoólica por condutores de veículos está radicalmente proibido. Antes, era permitida a ingestão de álcool em quantia equivalente a dois copos de cerveja. Agora, quem for flagrado dirigindo depois de beber, além da multa de R$ 955, tem a carteira de motorista suspensa por 12 meses. E em alguns casos pode até dar cadeia.
A nova lei pode até ser benéfica à sociedade, mas pecou pelo exagero. E só vai funcionar se houver fiscalização. Assim, é preciso saber se a polícia terá aparato e condições necessárias para exercer com eficácia essa fiscalização. Penso que não, pois outras barbaridades no trânsito, cometidas por motoristas sóbrios, também são proibidas e mesmo assim continuamos convivendo com elas diariamente.
E se o simples ato de beber passou a ser a principal infração, deixando em segundo plano as conseqüências dele resultantes, por que então não proibir a comercialização indiscriminada de bebidas alcoólicas? Só para reflexão: quem irá fiscalizar o marido embriagado que, em casa, agride a mulher e os filhos? Quem fiscalizará o pedestre alcoolizado que, trançando as pernas, se coloca desnorteado à frente dos veículos em movimento?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:56 AM



   22.6.08  
PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE GRAMADOS
Com quem converso, é quase unânime a opinião de que o atual governo já realizou mais pela cidade do que os governos anteriores. Limeira, aliás, virou um canteiro de obras. Não se trata, entretanto, de algo a ser comemorado como um feito extraordinário. Afinal, não é para cuidar com carinho da cidade (e da quantia que recolhemos em forma de impostos) que elegemos um governo? Assim, penso que não é este governo que está fazendo mais do que a sua obrigação; os anteriores é que talvez fizeram menos.

GULOSO
O governo Lula tenta recriar o extinto "imposto do cheque", vulgo CPMF. Desta vez, travestido de contribuição social para a saúde - CCS. Já aprovada pela Câmara dos Deputados, a CCS seguiu para o Senado, onde a idéia enfrenta resistências. Tomara que não vingue, pois a interpretação do que significa a sigla CCS já foi feita de forma brilhante pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf: "Contra o Seu Salário".

OUTRA SUGESTÃO
Ainda não é certo que no próximo mandato a Câmara terá novamente 21 vereadores. Pelo sim pelo não, caso ocorra, já deitei aqui a sugestão de que eles se dividam em três grupos de trabalho. Um para botar nomes em ruas, outro para distribuir homenagens e títulos de cidadania e o último grupo para fiscalizar os atos do Executivo. Aliás, sobre essa minha sugestão, uma leitora escreveu propondo a divisão não em três, mas em quatro grupos. Cada um deles com cinco membros, totalizando 20 vereadores. O vigésimo primeiro ficaria de suplente. A explicação da leitora: o resultado da divisão de 21 por três é sete, número tido como a "conta do mentiroso". Tem razão, é melhor então a gente não arriscar. Ah, o quarto grupo sugerido ficaria responsável por fiscalizar o grupo de fiscalização. Supimpa.

NÃO ACREDITO
Comentam nos bastidores que o prefeito teria dado a entender a um grupo de servidores municipais que não depende deles para ganhar a eleição. Sinceramente? Não acredito que tenha feito isso porque seria uma demonstração de despreparo e arrogância política, atitude desastrosa para um administrador público. Além disso, seria um manifesto de desprezo à capacidade dos servidores de se mobilizarem e entornarem o caldo da eficácia dos serviços públicos por se sentirem insatisfeitos com o tratamento a eles dedicado. Entretanto, se o fez, penso que ainda dá tempo de reparar a indelicadeza e desculpar-se pela infeliz afirmação. É bom lembrar que servidor público é cidadão com direito a voto. Seus familiares, amigos e quem mais conseguir arrastar, também.

MARIPOSAS
Inspirados em mote dos bacharéis em Direito ("consulte sempre um advogado"), alguns jornalistas que se relacionam de maneira pouco ética com o poder poderiam lançar o selo: "adube sempre um jornalista".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:38 AM



   6.6.08  
ONDE ESTÁ TOTÓ?
As eleições municipais estão logo aí, quase dobrando a esquina. E para não perder o costume, agarradinhos a elas estarão de volta também os velhos discursos políticos de sempre. Anota aí: a "tchurma" da oposição vai meter o pau no que o governo fez até agora e com certeza virá com a promessa de que no governo deles tudo será diferente. Sei, sei... Já da "tchurma" que está no poder e vai tentar a reeleição o lero-lero que se espera vai girar em torno das obras que realizou e aproveitará para fazer também as surradas comparações e críticas em relação aos governos anteriores.
Oras, é natural a quem esta no poder divulgar as obras que realizou. Aliás, diga-se, não fizeram nada mais que a obrigação, pois foi para isso que os elegemos. Ou será queriam ganhar um salário polpudo para não fazer nada pela cidade durante quatro anos?
Não sei dizer em qual discurso o eleitor vai acreditar. Da situação ou da oposição? E também não tenho certeza do que o eleitor espera de quem é eleito, mas imagino que do Executivo espera-se que faça a cidade andar a passos mais ágeis e largos rumo ao desenvolvimento sustentável; do Legislativo, espera-se um maior empenho de seus membros e principalmente que estejam mais atentos às necessidades da população. Ah, e também que não fiquem aí dizendo "amém" a tudo que o que o Executivo joga lá de cima.
Minha sugestão, aliás, para o novo quadro de 21 vereadores que vem por aí é que eles se dividam em três grupos de trabalho. Um grupo para cuidar da difícil tarefa de botar nomes em ruas, o outro para distribuir homenagens e o último para fiscalizar com rigor os atos do Executivo.
De qualquer forma, nesse horizonte eleitoral que se avizinha, só há mesmo uma única certeza: a de que a cada eleição o eleitor fica muito mais consciente. Consciente de que está num mato-sem-cachorro.

PASSANDO A RÉGUA
Considero profícua para o desenvolvimento sustentável de Limeira a notícia de que o Legislativo voltará a ter novamente 21 membros. Assim, com mais cabeças pensantes, imagino que em pouquíssimo espaço de tempo não restará uma única rua sem nome e nenhum cidadão sem um honroso título.

UMA ONDINHA DE NADA
E li aqui no Jornal de Limeira o anúncio de que vem por aí uma nova onda de aumentos de preços. Da água (+4,88%), do gás natural veicular (+40,82%) e do pedágio (+11,52%). M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a. Ah, e até o preço da aposta na Mega-Sena sofre (na verdade, quem sofre é o apostador) aumento. Assim, em vez de onda não seria mais correto a gente chamar esse desastre para o bolso do contribuinte de tsunami?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:19 AM



   28.5.08  
TENHA DÓ
E não é que as viúvas da CPMF tentam ressuscitar esse imposto que foi sepultado no final do ano passado após vigorar anos a fio? M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a, nem deixaram o defunto esfriar. Será que esse pessoal da base aliada ao governo não tem mais nada de interessante a fazer pelo País do que ficar criando formas de arrancar o couro do contribuinte brasileiro? Tenha dó, gente, dá pelo menos um ano de sossego, vai.

MUDA O DISCO, PÔ
Outro assunto que também já deu nos córnios é que vira e mexe uns espertalhões resolvem retomar a idéia de aumentar o número de vereadores. Sei que é necessário criar empregos no Brasil, mas não no Legislativo. E para mim já tem gente demais nesse ramo e o trabalho anda escasso. Tanto é que por aqui raramente se tem notícia de que realizaram mais que uma sessão na semana. E se há quem queira verdadeiramente trabalhar pelo bem da comunidade, que o faça então de forma voluntária, sem arrancar um único tostão a mais do erário. E se for para trabalhar gratuitamente, aproveita e coloca aí logo uns 50 de uma só vez para legislar pela cidade. Agora, se tiverem que ganhar, minha sugestão é dobrar o número atual de vereadores, mas sem onerar os cofres públicos. Ou seja, cada um dos 14 vereadores adota um outro vereador e divide democraticamente com ele o seu salário. E passa a régua.

ATÉ QUANDO?
Mulher melancia, mulher jaca, mulher melão. Pois é, enquanto as mulheres ainda lutam pela dignidade feminina, algumas se dispõem a serem entendidas como muleta publicitária ou como mero objeto de desejo sexual masculino. Esse tipo de mulher, aliás, já foi apelidada de LPM, ou seja, louca pela mídia. E em troca dos 15 minutos de fama, prestam-se a ajudar alguns espertalhões metidos a compositor a venderem suas músicas (?) com letras idiotas, enquanto outras se expõem como atrativo publicitário para a venda de cerveja e de uma penca de outros produtos. Pobre de ti, mulher que ainda não se deu conta da tua grandeza como ser humano e do teu importante papel na sociedade.

Mas isso me fez lembrar de uma piada que me enviaram e que mostra que o tempo passa e a mulher tem muito ainda pelo que lutar. Quando uma repórter da TV brasileira visitou há 10 anos um país em conflito no Oriente Médio, notou que as mulheres de lá caminhavam sempre meio metro atrás dos maridos. Ao voltar àquele país recentemente, a repórter observou uma mudança de hábito e que agora as mulheres caminhavam pelo menos uns cinco metros à frente de seus maridos. Curiosa com a mudança de comportamento, a repórter quis saber o que tinha acontecido para que ocorresse tão significativa alteração dos costumes, aproximou-se de uma das mulheres e perguntou: "O que foi que aconteceu para que se extinguisse aquele costume absurdo da mulher caminhar atrás dos maridos e agora caminham gloriosamente à frente deles?". E a mulher respondeu: "Minas terrestres."
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:33 AM



   16.5.08  
ALTO NÍVEL
Considero supimpas as primeiras indicações apresentadas pelos vereadores-juniores na primeira sessão ordinária realizada esta semana. O estudante Rodrigo Vieira Lima propôs a criação de um cemitério de animais; a estudante Rafaela Crott Petrolino pediu melhorias na sinalização de solo da região central. Se mantiverem esse ritmo, seus padrinhos terão muito o que aprender com eles. E que tal já pensarmos também num projeto de criação do prefeito-júnior?

CHEGA DE COTA
Ao completar seu 20º aniversário, a Constituição Brasileira ainda garante que todos são iguais perante a lei. O problema é que nos últimos anos o estabelecimento de cotas de privilégio para algumas classes de cidadãos deixa esses grupos muito mais iguais que os outros.

ESPELHO, ESPELHO MEU
O presidente Lula disse esta semana que pretende instituir diárias para os ministros com o objetivo de "acabar com a sacanagem". Assim, mesmo não citando os gastos do seu governo com os mal falados cartões corporativos, ele confirma que algum tipo de "sacanagem" existe no uso desses cartões. O uso indevido dos cartões, aliás, já deu muito o que falar. Até dossiê dos gastos do ex-presidente FHC já vazou. Suspeita-se, inclusive, que foi por ordem da ministra da Casa Civil, cuja titular defendeu no Congresso que gastos de ex-presidentes devem mesmos ser abertos.
Concordo com ela. E nessa linha de pensamento, deveriam abrir também os gastos do ex-presidente Lula. Falo dos gastos do primeiro mandato, de 2003 a 2006, do qual Lula já pode ser considerado ex-presidente. Mesmo porque foi ele mesmo quem andou bradando que neste País está para nascer alguém que venha querer discutir ética com ele, né mesmo?
Lula revelou esse projeto de acabar com a "sacanagem" dos cartões durante as comemorações dos 30 anos da greve dos trabalhadores da Scania, em São Bernardo do Campo. Aliás, quando chegou ao evento, foi ovacionado pelos companheiros aos gritos de "um, dois, três, Lula outra vez". Uma clara demonstração de que tem gente insistindo num terceiro mandato para ele.
É claro que o presidente descarta a idéia e nega seu desejo por um terceiro mandato, mas desconfia-se que quando está só, em frente a um espelho, é bem possível que repita a conhecida passagem da fábula da Branca de Neve em que a madrasta má invocava ao espelho a confirmação de sua beleza triunfal como a maior de todas. No caso dele, é possível que diga ao objeto: "espelho, espelho meu, antes na história do Brasil já houve um presidente mais popular e competente que eu?" Não dá para imaginar qual é a resposta do espelho, é claro.
Se fosse eu a questionar o espelho mágico, com certeza diria: "espelho, espelho meu, ainda existe alguma esperança de dias melhores para um eleitor tão pacóvio quanto eu?"
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:04 PM



   9.5.08  
NO 3º?
Li aqui no "Vai & Vem" que Lula teria dito ao o presidente do PT local que até o final do mandato dele haverá muitos investimentos na região e em Limeira. Uaaauu! Mas será que ele se referiu ao final deste segundo ou somente do terceiro mandato?

PASTEL DE VENTO
Depois das críticas do governador José Serra à lei limeirense que proíbe as queimadas e aos caminhões de Limeira que passam pela Capital, aumenta a suspeita de alguns amigos de que ele realmente não gostou mesmo daquele pastel que comeu quando esteve por aqui em campanha.

LIMEIRA: AME-A OU AME-A
A poucos meses das eleições municipais, começou o corre-corre para saber quem vai se ajeitar com quem. De um lado, partidos se unem pró-reeleição do prefeito. De outro, agremiações criam uma ou duas frentes de oposição. De qualquer dos lados, o eleitor espera que apresentem o mesmo propósito: trabalhar pelo desenvolvimento da cidade e pelo bem-estar de seu povo. Aleluia, aleluia!
É uma pena, entretanto, que uniões como essas ocorram só nestes poucos meses que antecedem as eleições. Pior é desconfiar que as coligações partidárias normalmente estudam apenas a ascensão de um ou outro grupo ao poder. Pior ainda é que a união dos vencidos se derreta logo após o resultado das urnas, juntamente com aquela vontade louca que manifestavam de trabalhar pela cidade.
Mesmo assim, tomara que um dia uma coligação seja entendida como sendo algo mais do que a busca pelo poder ou a simples barganha de cargos. Oxalá promovam a união em torno de grandes ideais comunitários e não apenas de idéias de vantagens grupais. Tenho fé que Limeira ainda terá um futuro brilhante. Sua localização geográfica é privilegiada, seu parque industrial invejável, seu comércio arrojado e os limeirenses já são exemplos de voluntariedade. Só por estes atributos qualquer cidade do mundo seria considerada um modelo de excelência. Mas ainda não somos! E não somos talvez porque não sabemos capital de quê afinal queremos ser. Da jóia folheada, do voluntariado? E se não temos os nossos sonhos para a cidade declarados, o futuro sempre será algo incerto.
Mas o destino de Limeira não está gravado em pedra. Quando muito, encontra-se rabiscado na areia e cabe a nós - os 186 mil eleitores - a responsabilidade de reescrevê-lo. Vamos começar já este ano?

CAPITAL DO "DEIXA PRA LÁ"
Liga não, amigo leitor, afinal o que são lá mais de 70 erros num conjunto de apostilas que foi vendido a um preço tão módico para Limeira, né mesmo?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:41 PM



   2.5.08  
SÓ FALTA O BOLSA-DIGNIDADE
Até 2010 pode apostar: uma penca de programas assistencialistas ainda vão rolar por debaixo da ponte da hipocrisia. Em setembro, por exemplo, o governo deve lançar um programa destinado a famílias de baixa renda para trocar 10 milhões de geladeiras antigas por novas, já apelidado de Bolsa-Geladeira. Um dos objetivos é diminuir o consumo de energia elétrica. Entretanto, diante da crise de escassez de alimentos que o mundo começa a viver, corre-se o risco de ter uma geladeira novinha mas nada para colocar dentro dela. E não dá para manter uma geladeira, mesmo que mais econômica, apenas como objeto de decoração só porque tem uma luzinha cordial que acende quando você abre a porta.
Agora se a meta (eleitoral?) é a criação de projetos sociais, sugiro então que se crie antes de mais nada o bolsa-dignidade. Em duas versões: aos adultos, um posto de trabalho; às crianças, vagas nas escolas. Para ambos, um serviço público de saúde mais decente e humano.
Imagino, ainda, que a maioria dos cidadãos prefere ter um trabalho e comprar o modelo de geladeira que quiser, a continuar recebendo esmolas do governo. Se bem que, pensando melhor, já conhecemos muitos movimentos por aí, mas até hoje ainda não vi um bando de cidadãos saírem às ruas para formar o movimento dos sem-trabalho. Será que é por medo de que o movimento dê certo e, por azar, crie realmente postos de trabalho para os manifestantes?

NOSSA CRISE
Não sou contrário aos programas assistencialistas. Acho até que eles representam saídas imprescindíveis em alguns momentos, como em tempos de guerra ou de grave crise que assole a sociedade. Mas até onde se sabe, não estamos em guerra e a única crise com que convivemos nos últimos tempos é a de falta de vergonha na cara.

PRIMEIRA-SOGRA?
E o Brasil virou mesmo o paraíso dos escândalos com o dinheiro público. Toda semana aparece um caso novinho em folha. Haja criatividade. Um dos mais recentes é o do Governador do Ceará que terá que explicar ao Tribunal de Contas porque levou a primeira-dama, dois secretários e suas respectivas esposas por uma viagem pela Europa no Carnaval. A denúncia é que ele teria usado dinheiro público para pagar os gastos da viagem. A sogra do governador, mãe da primeira-dama, também fez parte da comitiva. Uaaauu! E não é que agora inventaram também a função de primeira-sogra?

VOTO DOBRADO?
Por falar em primeira-dama, continuo não entendendo esse negócio das mulheres dos governantes participarem ativamente das atividades políticas de seus maridos. Para mim família é família, trabalho é trabalho e política é política. E não me lembro qual é a lei que diz que o meu voto vale por dois. Ou seja, dou meu voto ao político e de lambuja elejo também a esposa dele para participar das mordomias?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 11:23 AM



   18.4.08  
RESSACA
Lembra daquele ditado: um é pouco, dois é bom, três é demais? Pois é, lá vêm os amigos e companheiros do Lula outra vez com essa conversa mole de oferecer um terceiro mandato a ele. Nunca estive lá, mas imagino que o poder deve ser um osso tão saboroso de roer que depois que se chega lá ninguém mais quer largar.
E o pessoal faz de tudo também para chegar ao poder. No período eleitoral, por exemplo, todo político vira santo. E sempre dá um jeitinho de se misturar ao povo para parecer que é um de nós simples mortais. Aqui mesmo em Limeira já vimos candidatos andando pelo Centro da cidade e comendo pastel no comércio para parecer aos olhos míopes do eleitor um homem simples, humilde. Ô dó!
O último candidato, aliás, que fez algo parecido com isso foi o governador José Serra. Mas imagino que ele não gostou do pastel que comeu aqui, pois pouca atenção tem dado aos pedidos da cidade. Devem ter botado molho de pimenta demais ou o pastel era de vento.
Já numa cidade vizinha, um amigo me contou que durante a campanha para sua reeleição, o presidente passeava por um bairro popular quando sentiu sede. Parou então numa casa em que havia uma mulher na porta e pediu gentilmente:
- A senhora poderia me dar um copo de água gelada?
A gentil senhora, que não reconheceu o presidente, disse para seu filho que estava ali perto:
- Luis Inácio, vá buscar um copo d água pra esse senhor, menino!
O presidente ficou todo orgulhoso, pensando que o nome do menino era em sua homenagem e perguntou:
- A senhora chamou seu filho de Luis Inácio, é para homenagear alguém?
- Não, disse a mulher, na verdade o nome de batismo dele é Fernando Henrique, só que ultimamente ele tem feito tanta besteira e falado tanta asneira que a gente resolveu botar esse apelido nele...
Pois é, eleição é uma verdadeira festa democrática. Mas é bom que o eleitor sempre tome muito cuidado, pois os exageros numa festa podem provocar ressaca no dia seguinte. E no caso de reeleição, o cuidado deve ser até redobrado, pois um mandato já está de bom tamanho, dois é exagero e três já fica parecendo que é golpe.

TROCA-TROCA INOVADOR
E se 2008 continuar dando samba a dobradinha Félix/Zovico, repito aqui minha sugestão de inovação na política local. Explico: nas eleições desse ano Zovico se candidataria a prefeito e Félix a vice. Assim, as ações de governo não sofreriam descontinuidade, pois imagino que há um entrosamento saudável entre eles. Além disso, se a idéia de Félix é se candidatar a deputado em 2010 - filme que já assistimos em governos anteriores -, evitaria que a administração municipal sofresse um descompasso provocado por sua renuncia para concorrer a esse cargo.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:40 AM



   11.4.08  
RECALL ELEITORAL
Tornou-se comum de uns anos para cá as empresas promoverem recall em seus produtos para reparar algum defeito de fabricação. B-e-l-e-z-a! Será que não está na hora da gente fazer também um recall em nossos políticos?

ISABELLA E O DEUSES
A notícia que tomou conta da mídia nos últimos dias é a morte da menina que aparentemente foi jogada da janela do 6 andar de um prédio. Como urubu em busca de carniça, a imprensa acompanha de perto o caso para não perder um só detalhe. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a. Em busca de um furo jornalístico querem descobrir antes da polícia quem é o assassino. Até enquete andam fazendo. Mas é preciso ter cautela em casos como esse que cria um sentimento popular de indignação para não pré-julgar e condenar inocentes. Lembram do caso da Escola de Base, quando uma família inteira foi pré-condenada e eram inocentes? Pois é, jornalista também comete erros e exagera nas doses. Aliás, nessa semana em que se comemora o dia do jornalista, fica para reflexão a frase de um poeta pernambucano que talvez defina o comportamento da maioria de nós: "os médicos e os advogados pensam que são deuses; os jornalistas têm certeza".

A tragédia da menina Isabella tomou tanto espaço na mídia que nos fez esquecer por alguns momentos as outras violências cometidas nesse país. Falo da incompetência explicita de nossos governantes na prevenção da epidemia de dengue que já matou dezenas de outras crianças no Rio de Janeiro. Aliás, até este momento, quantas "isabellas" será que já morreram por lá; não atiradas pela janela, mas picadas por um simples mosquito?

E nos esquecemos também por alguns instantes da tortura praticada por uma empresária de Goiânia contra uma menina de 12 anos, encontrada amordaçada e acorrentada em meados de março.

Além da perversidade humana, o que mais me chamou a atenção nesse caso foi a declaração da empresária que disse que não achava que estava torturando, mas educando a menina. Para mim, declarações desequilibradas como essa tem o mesmo teor de dissimulação daquelas desculpas dos governantes de que nada sabiam quando membros de seu governo são pegos com a boca na botija em atos de corrupção.

A imprensa, digo, a polícia ainda não descobriu quem matou Isabella. A torturadora de Goiânia já está presa. E junto com ela outras cinco pessoas foram indiciadas por co-autoria e por omissão. E pensando cá com meus velcros, talvez seja por omissão e por co-autoria que nós eleitores também deveríamos ser imediatamente indiciados. Quer saber o crime que insistimos em cometer? Utilizar com estupidez o nosso voto na hora de escolher gente honesta e competente para nos governar.

E O VICE?
A Prefeitura está criando (mais) um cargo: gerente da cidade. Pois sabe que a vida inteira eu sempre pensei que era para essa tarefa que a gente elegia um prefeito?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:04 AM



   28.3.08  
ANDANDO PRA FRENTE
Imagino que Limeira tem poucos assuntos importantes ainda não resolvidos. Isso atrapalha a vida dos vereadores, que são obrigados a buscar idéias novas em outras localidades para melhorar a nossa vida por aqui. Esta semana, por exemplo, um vereador propôs o cadastramento obrigatório de bicicletas. A inspiração veio de um projeto implementado em Santa Rita do Passo Quatro, uma cidade de 27 mil habitantes.

Tanto lá como cá, entretanto, a idéia não é original. Quarenta anos atrás, quando o vereador talvez ainda nem tivesse nascido, além dos automóveis, já se emplacavam bicicletas e carroças por aqui. Não sei dizer se essa lei caducou ou qual foi o motivo dela cair no esquecimento, mas se a obrigatoriedade for implantada novamente, com certeza o nosso trânsito vai melhorar muito e não mais viveremos estressados. Vamos ter também um aumento no número de empregos, pois a cidade necessitará de mais fiscais de trânsito e gente trabalhando na confecção de adesivos para identificar as bicicletas.

Por sorte eu guardei a placa da bicicleta que tinha quando era criança. É de 1969 (b-a-r-b-a-r-i-d-a-d-e), registrada sob número 1.118. Agora, só falta comprar uma bicicleta nova e viver feliz para o resto da vida.

Por falar em bicicleta, lembrei-me que outro dia dois amigos se encontraram e um deles, ao ser questionado onde tinha comprado a bicicleta novinha em folha, explicou:
- Cara, você não vai acreditar. Eu caminhava pela Marginal Tatu ontem à noite e de repente apareceu uma morena linda, com corpo escultural e andando nessa bicicleta. De repente ela parou, jogou a bicicleta ao chão, foi tirando lentamente sua roupa, peça por peça, e ficou totalmente nua. Aí ela deu uma piscadinha e disse: "Vem, querido, pega o você quiser".

E é claro que não tive dúvida, peguei a bicicleta e saí feliz da vida. Acho que fiz a melhor escolha porque estou meio gordinho e as roupas da moça com certeza não iam servir em mim.

A PRAÇA É UMA MÃE
Manhã do Sábado de Aleluia. Para trafegar dois quarteirões na Rua Dr. Trajano Camargo, da Capitão Kehl até a Tiradentes, demoro quatro ciclos completos do sinaleiro. Motoristas desorientados fecham o cruzamento na Dr. Trajano com a Tiradentes. Vive-se isso habitualmente durante a semana no horário de pico. O cruzamento da Carlos Gomes também está caótico.

Decido subir pela Senador Vergueiro, pois percebo que a Santa Cruz está com o trânsito interrompido devido a obras na Alferes Franco.

Sorte: consigo vaga na Senador. Do outro lado da rua está o relógio da Praça Toledo Barros. Um pouco mais acima, três agentes de trânsito conversam animadamente sob a sombra de uma árvore frondosa. Pedestres circulam entre os carros.

Motoristas não conseguem respeitar as faixas ao tentarem se auto-organizar para fazer o trânsito fluir. Visito lojas e mais tarde volto ao automóvel. O relógio continua lá, fincado na esquina da praça. Um pouco mais acima, três agentes de trânsito conversam animadamente sob a sombra de uma árvore frondosa.

Lembro que a partir de abril a cidade deve ganhar 60 agentes de trânsito. O efetivo poderia ser bem maior, calculo. Há espaço suficiente para todos na praça. Com direito à sombra.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 1:17 AM



   21.3.08  
OVO DE COELHO?
Páscoa é momento de reflexão, é a celebração da vida. É tempo de renovação, de ressurreição. É uma oportunidade de rever erros, de arrepender-se e começar uma vida nova.
Por falar em erro, tem um que cometemos diariamente. É essa nossa mania de reclamar dos políticos. Oras, quando criticamos os políticos, estamos criticando a nós mesmos. Porque o problema não está no político e sim em quem o elegeu. Político, aliás, não se elege sozinho; nós é que votamos neles.
Sinceramente? Não vejo como mudar esse panorama sombrio que envolve a política a curto prazo, pois dependeria de uma mudança de cultura do povo brasileiro. Povo? E o que se pode esperar de um povo que só pensa em levar vantagem em tudo? Um povo que valoriza a esperteza e não o trabalho.
Um povo que é fã ardoroso e conhece a fundo a vida dos "brothers" televisivos, mas não sabe o nome de um único escritor brasileiro. Um povo que se julga esperto por puxar um gato da TV a cabo. Um povo que sonega tudo o que é possível e até o que não é possível.
O que esperar de um povo que não sabe o significado da palavra pontualidade? Que se conforma com filas e com quem vende lugar nelas. Que joga lixo pelas ruas e reclama da prefeitura. Que comete infrações e reclama de ser multado.
O que, afinal, esperar de um povo cuja única leitura são as notas policiais? Que finge dormir quando um idoso ou uma gestante entra no ônibus. Que dirige o carro sem respeitar o pedestre. E que sempre reelege políticos afastados sob a acusação de desvio de verbas públicas.
É hora de parar e refletir, mas não aquela reflexão infantil de tentar adivinhar que tamanho seria o fiofó do coelho que bota um ovo, por exemplo, número 21. É hora de refletir sobre o que temos feito com o nosso voto. Pois quem planta milho, colhe milho e quem planta mandioca, colhe mandioca. Enquanto nosso voto for destinado aos Barrabás, é por esse tipo de político que continuaremos sendo governados.

VOTO NULO
Pensando bem, meu voto sempre foi nulo, mas antes que meus amigos democratas me condenem, vou logo avisando: não sou eu quem anula o voto. Todas as vezes foram os políticos em quem votei. É que apresentaram um desempenho tão sofrível e pífio frente ao que haviam prometido que meu voto ficou parecendo uma verdadeira nulidade.

CONTINUO CONTRA
Não mudei de opinião: continuo contrário à reeleição. De presidente da República a síndico. Coleciono há anos uma penca de motivos para pensar assim. Entretanto, se um dia me apresentarem um único reeleito que tenha trabalhado melhor que no primeiro mandato ou que não tenha renunciado ao meu sagrado voto para tentar cargos em outras esferas, mudo imediatamente de opinião. Duvido que um dia isso aconteça.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 11:44 AM



   14.3.08  
COM O GU NA CABEÇA...
Conversei esta semana com o amigo Gu (Diário) Tigers, que me contou detalhes da brilhante performance de seu personagem Guléia durante evento realizado no Hospital de Mulher em comemoração ao dia internacional delas. Gu, aliás, declara-se pré-candidatíssimo pelo PV a uma vaga no Legislativo. Imagino que teria uma participação deveras supimpa por lá.

... E PEDRA NAS SANDÁLIAS
No troca-troca (no bom sentido) de opiniões, disse a Gu que, no cenário atual, imagino que o único eventual pré-candidato com condições de representar um pedrisco nas sandálias confortáveis da reeleição do prefeito é o vereador Cesar Cortez, também do PV. E passa a régua.

BOA NOTÍCIA PARA OS JORNALISTAS
Cada vez que publicam os resultados de pesquisas médicas, fico com a pulga atrás da orelha. Já não sei mais se dá para confiar cegamente em tudo o que divulgam, principalmente quando se trata de informações sobre saúde e que contrariam o que antes era tido como a mais absoluta das verdades.
Veja só um exemplo: dias atrás, quem é fã dos refrigerantes sem açúcar foi pego de surpresa com a informação de uma universidade norte-americana de que o consumo diário de uma latinha de refrigerante diet aumenta em 34% o risco de ter síndrome metabólica, um conjunto de fatores que podem levar a problemas cardiovasculares e ao diabetes. Quase que ao mesmo tempo, uma outra universidade informou também que experiências realizadas com ratos de laboratório mostraram que a sacarina - um adoçante artificial utilizado na composição dos refrigerantes diet - pode engordar mais do que o açúcar. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Ainda bem que os meus amigos gordinhos não são ratos.
Outra notícia da área da saúde, desta vez vinda de pesquisadores europeus, contraria frontalmente o que pregava a classe médica. Pesquisadores afirmam agora que a bebida alcoólica consumida de forma moderada oferece o mesmo grau de proteção ao coração que a atividade física. Dizem inclusive que as pessoas fisicamente ativas e habituadas a beber têm - pasmem - 50% menos risco de sofrer doenças cardíacas do que as abstêmias e sedentárias.
De qualquer forma, contraditória ou não, pelo menos esta última notícia até que é otimista. Principalmente para quem gosta de bater um papo com os amigos enquanto saboreia uma(s) cerveja(s) gelada(s).
Aliás, a notícia é tão boa que merece ser comemorada com os amigos. O problema vai ser chegar tarde em casa, vindo de uma dessas comemorações etílicas com os meus amigos jornalistas e tentar convencer minha mulher de que eu estava apenas tentando cuidar com mais carinho da minha saúde:
- Pô, benhê, é a mais pura verdade. Você não confia nos cientistas?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:10 PM



   7.3.08  
QUEM É QUE PAGA?
E o prefeito estuda multar em R$ 1 mil os donos de terreno sujo. E quando o terreno pertencer à municipalidade, quem é que vai pagar?

AH, ESSAS MULHERES!
Meus amigos do sexo masculino que me perdoem, mas são as mulheres que movem o mundo. E não é de hoje que elas as responsáveis por colorir, dar sabor, alegria e algum sentido às nossas vidas. Basta reparar: um ambiente sem mulher é um ambiente sem vida, sem entusiasmo, um meio-ambiente.
As mulheres me encantam quando se mostram inteligentes, competentes e dinâmicas. E encantam pela doçura que exalam da alma, pela meiguice no olhar ou pela beleza corporal. Encantam pelos cuidados que têm com os cabelos e em manter a suavidade e o frescor da pele perfumada. E olha que nem precisavam de tudo isso para atrair a atenção dos homens. Bastaria apenas que trajassem um vestidinho preto básico para rapidamente despertarem a cobiça masculina.
E por falar em cobiça e mulher, lembrei-me de uma piadinha. Diz a lenda que uma multidão estava reunida aos pés do monte Horeb para ouvir Moisés anunciar os dez mandamentos. Quando Moisés foi anunciar o sétimo mandamento, acabou trocando a ordem e disse: "Não cobiçarás a mulher do próximo!"
Como a multidão era formada por uma maioria de homens, mais que depressa eles começaram a gritar: "Corta o sete, corta o sete!" E dizem que foi assim então que surgiu o traço que corta o número sete. Não cortaram esse mandamento, é claro, mas o empurraram para o fim da lista.
Deixando a brincadeira agora de lado, o que eu queria dizer é que nós homens temos o dever de reverenciar a superioridade das mulheres e rendermos a elas as nossas mais sinceras homenagens pela passagem do Dia Internacional da Mulher.
Para as mulheres, eu tiro o meu chapéu. Com algumas exceções, é claro.

PENSE GRANDE "PELAMORDEDEUS"
Tem vereador sugerindo que concessionárias de veículos plantem árvores para compensar a quantidade de automóveis que vende; tem vereador querendo educar a população sugerindo normas de etiqueta para uso dos celulares que já fazem parte do cotidiano. Ué? Será que todos os outros problemas mais importantes que afligem os limeirense há anos - o desenvolvimento, por exemplo - já foram resolvidos?

DEU RIMA!
Câmara Itinerante nós já temos. Quando é que afinal vamos ter uma atuante?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:46 PM



   29.2.08  
MEU VOTO É DELE
Lula disse esta semana que o equilíbrio das contas externas brasileiras contou com uma "ajudazinha de Deus". Eis, portanto, uma excelente opção de voto para as próximas eleições: todo-poderoso na cabeça.

EVOLUÇÃO
Os sonhos mudam com o tempo. Antes, o cidadão sonhava apenas em ser indicado para um cargo comissionado no serviço público. Hoje, além do cargo, sonha em ser agraciado também com um cartão de crédito corporativo.

SERÁ QUE AGORA VAI?
Finalmente, o governo resolveu tirar as nádegas da cadeira e está propondo alterações na lei para tentar diminuir a violência no trânsito. Aleluia, pois faz tempo que as estatísticas nos mostram que o trânsito mata muito mais que as guerras e os atentados terroristas.

Entre as novas regras propostas, criminalizar os excessos de velocidade é uma medida que considero acertada. Nossas ruas e estradas não são pistas de corrida e não dá mais para tolerar que alguns motoristas irresponsáveis não sejam severamente punidos quando colocam a vida de outras pessoas em risco.

E no embalo dessas novas regras, proibiu-se também a venda de bebidas alcoólicas às margens das rodovias federais. Sinceramente? Dessa regra eu não gostei e considero injusta e ineficaz. Injusta porque prejudica o negócio de comerciantes instalados à beira dessas rodovias e pune por tabela os cidadãos não-motoristas, ou seja, os passageiros que mesmo não estando ao volante são impedidos de exercerem o livre direito à cidadania.

Continuo acreditando que não são as bebidas alcoólicas as grandes vilãs do trânsito e sim a falta de consciência e educação dos motoristas - que, mesmo sabendo dos riscos, teimam em dirigir alcoolizados. Pois se proibir a venda de bebidas fosse a melhor das medidas, a regra deveria então ser estendida às cidades também porque em nossas ruas e avenidas cruzamos diariamente com motoristas embriagados e mal educados.

No meio de tantas novas regras, tem uma que particularmente considero a mais eficaz de todas. Trata-se da proposta de aumentar o valor das multas. Bingo! Dizem que as pessoas só mudam por amor ou dor. Sendo assim, a gente está careca (força de expressão) de saber que a melhor forma de educar o brasileiro é mexendo aonde ele mais sente dor: no bolso.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:26 PM



   22.2.08  
CPI - UM ASPECTO IMPORTANTE
Se ainda não é possível prever qual será o resultado da CPI das Apostilas, ao menos para duas coisinhas a instalação da comissão já serviu: tirar do marasmo os trabalhos do Legislativo e, principalmente, colocar em discussão a qualidade do ensino municipal.
Em nível estadual, a gente já está careca (força de expressão) de saber que o ensino não anda bem das pernas e os resultados das últimas avaliações comprovam essa tendência. Agora, em nível municipal, a fala da educadora da USP, Lizete Arelaro, alertou para a "precariedade pedagógica" do material sob investigação e ainda colocou em xeque o sistema de apostilamento do ensino ao concluir que "se conseguirmos desestimular os municípios a adotar as apostilas já estaremos contribuindo para a educação do País".
Imagino que não se esperava tanto da educadora convidada, mas somente a confirmação dos erros já publicamente apontados no material. Entretanto, como trouxe à baila a dúvida sobre a necessidade do Poder Público transferir suas responsabilidades educacionais a terceiros, penso que é a hora certa de colocar o tema para ser amplamente discutido pela sociedade. Este e outros mais. Gente e profissionais competentes para isso não faltam por aqui.

TOFRÉU PARA TODOS
Quero crer que o assunto principal neste final de semana é a badalada cerimônia de entrega do Oscar, troféu da academia americana de cinema. Com direito a tapete vermelho, mulheres lindíssimas (homens nem tanto) e elegantérrimas. Uau! Um luxo só!
Já na semana passada, em outra cerimônia, o filme "Tropa de Elite" foi premiado merecidamente com o troféu Urso de Ouro no festival de cinema de Berlim. Dez anos atrás, em 1998, outro filme brasileiro, "Central do Brasil", também foi premiado com esse mesmo troféu.
Como se sabe, troféu é um objeto entregue normalmente aos vencedores de uma competição. E há vários tipos de troféus, tanto na forma como na função a que se destinam. Os mais comuns são as estatuetas e taças. Tem também as medalhas, as placas e aqueles em forma de canudo, uma honraria entregue em solenidade de formatura às pessoas que vencem uma das etapas do ensino.
Tem até troféu que não é entregue, acredita? São aqueles em forma de malas de dinheiro, tomados de assalto pelos corruptos. A esse tipo de gente, meu desejo é que um dia também lhes seja entregue, pelas mãos da polícia, um outro tipo de prêmio: o Troféu Algemas de Aço.
Já inventaram troféu para quase todos os tipos de situação. E cada um de nós recebe o troféu que merece. Eu mesmo carrego sempre comigo os que já assumi há tempos e que podem ser chamados de troféus do Eleitor Brasileiro. Um deles é um vermelhíssimo nariz de palhaço, um troféu que a gente passa a ter direito quando escuta as promessas dos políticos em ano de eleição. O outro - em forma de banana - recebe-se nos quatro anos que se seguem durante o governo de quem elegemos.
Mas não ria dos meus troféus não, pois se você é eleitor também tem direito a recebê-los. Com louvor.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:11 AM



   1.2.08  
NÃO BATA PALMAS PARA A MISÉRIA
O sistema educacional brasileiro continua preocupante. Já comentei aqui sobre o desempenho medíocre alcançado pelo Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos, quando as notas dos estudantes brasileiros colocaram o País entre os últimos colocados em matemática, leitura e ciências. Dias atrás, outra má notícia: segundo estudos da Presidência da República, baseado em pesquisa do IBGE de 2006, um em cada cinco jovens entre 18 e 29 anos deixa a escola antes de completar o ensino fundamental.
A notícia é desastrosa, principalmente quando há previsão de uma demanda adicional no mercado de trabalho de 400 mil novos técnicos até 2010, segundo estudos da Confederação Nacional da Indústria (CNI). E tem coisa que imagino ser ainda pior, pois entre os alunos que concluem o ensino fundamental é fácil encontrar jovens que mal sabem escrever o próprio nome ou realizar uma simples operação matemática. São analfabetos oficialmente diplomados. E se não sabem ler, com certeza têm sérias dificuldades para entender as leis e as informações que chegam a todo o momento pelos diversos meios de comunicação. Mesmo assim, têm o direito a escolher pelo voto quem trabalhará (força de expressão) por eles. Desconfio até que são eles que trazem de volta à vida pública aqueles políticos que - de forma covarde - renunciam aos mandatos para escapar de serem cassados quando acusados de corrupção.
O cidadão mal informado é presa fácil nas garras dos políticos espertalhões. Por serem mal formados e mal informados, são muitas vezes ingênuos a ponto de se conformar com as ações populistas anunciadas pelos governos como solução para os grandes temas sociais. Falo, por exemplo, das tais bolsas-esmolas.
Imagino, entretanto, que há um lado perigoso numa sociedade composta por cidadãos mal informados e que deveria ser observado com maior carinho por nossos governantes. É que um belo dia, quem imagina que é mais fácil governar e controlar uma população de analfabetos, pode ter uma surpresa desagradável. E a resposta dessa sociedade de ingênuos pode brotar a qualquer momento de forma enraivecida, semelhante à que ocorreu numa piadinha que me contaram:
"Durante um show da banda U2, o vocalista Bono Vox, conhecido por sua preocupação com as causas sociais, pediu silêncio ao público e começou a bater palmas compassadamente. E disse no microfone:
- Eu quero que vocês pensem em algo muito sério. Para terem uma idéia da miséria no mundo, a cada batida das minhas mãos uma criança morre de fome na África.
Bono mal acabou de falar e alguém da arquibancada gritou furioso:
- Então pára de bater palmas aí, ô seu filho da p...!"


RECALL DE HONESTIDADE
Sinceramente? Não estou nem um pouco preocupado com a penca de erros nas apostilas adquiridas pela prefeitura. Se um dromedário é confundido com um camelo ou um retângulo é chamado de quadrado, conserta-se facilmente com um recall no material mal elaborado. O foco principal da CPI, entretanto, deve ser o de comprovar a lisura na celebração do contrato. Se atestada pela CPI, será para nossos jovens um exemplo saudável de honestidade no trato com o erário. Deus me ouça, pois aí não se aceita recall.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:16 PM



   25.1.08  
ERA PASTEL DE VENTO?
Enquanto candidato, o governador José Serra (PSDB) passeou com sua caravana pelas ruas do Centro de Limeira. Numa das paradas estratégicas, os fotógrafos registraram o momento - emocionante - em que ele humildemente saboreou um pastel no comércio local. Imagino, entretanto, que não tenha gostado do que comeu. Falo isso porque depois de eleito, inclusive com votos dos limeirenses, Serra parece não ter lá uma grande simpatia aqui pela Capital dos Laranjas.
Seu mais recente presente a Limeira, por exemplo, foi autorizar esta semana, às escondidas, a transferência da sede da Diretoria Regional de Ensino para Rio Claro. Nem os funcionários, pasmem, sabiam da mudança. Estranho, muito estranho.
E Limeira certamente perde com mais essa decisão velada do governador, mas penso que o maior prejudicado é o diretório local do partido do governador - o PSDB - que, em pleno ano de eleições municipais, fica agora com o abacaxi de justificar aos eleitores porque não tem força sequer para influenciar um governo de sua própria bandeira partidária. É certo que isso trará dificuldades a qualquer candidato a prefeito que o partido decidir lançar este ano. Nada mais justo!

SOU PRÉ-CANDIDATO
É ano de eleições e começam a aparecer os primeiros pré-candidatos à Prefeitura de Limeira. Os anúncios ainda são feitos de forma tímida, até porque a lei eleitoral não permite que o candidato saia por aí gritando para todo o mundo que é candidato. Por enquanto, são somente intenções de candidatura. A corrida eleitoral só vai esquentar mesmo depois das convenções partidárias, lá pelos meados do ano.
Até agora, sei de dois pré-candidatos a prefeito em potencial. Um deles é o prefeito Silvio Félix (PDT), que é pré-candidato natural à reeleição. No lugar dele, até eu que sou mais bobo também seria. Principalmente se governasse - e é o caso - sem qualquer oposição ou concorrente de peso.
Outro que se declara pré-candidatíssimo é o vereador César Cortez (PV). Ele, aliás, aposta na transferência das dezenas de milhares de votos que recebeu como candidato a deputado nas últimas eleições. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, é claro, mas se isso acontecer será uma pedra nas sandálias eleitorais (por enquanto confortáveis) de Félix.
A novidade este ano deve ficar por conta do PT, que aqui em Limeira manifestou interesse em conversar com outras siglas, inclusive com as quais já foi um dia oposição. Penso que isso é bom para o partido porque, mesmo carregando a vantagem de ser a sigla do mui nobre presidente Lula, o resultado obtido pelo PT local nas últimas eleições não tem sido lá dos melhores, para não dizer risível.
E no embalo da temporada de pré-candidaturas, aproveito para anunciar também a minha pré-candidatura. Não a prefeito ou a vereador, é claro. Sou pré-candidato a eleitor votante. Explico melhor: eleitor eu já sou. Votante?
Bom, isso vai depender muito de quem serão os candidatos e de suas propostas para a cidade. Enquanto isso não acontece, vou levando minha humilde vidinha de eleitor. Em banho-maria. Para não deixar a dona esperança esfriar.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:13 PM



   18.1.08  
APAGADÉRRIMA
Já tivemos apagão da energia elétrica, do álcool combustível, do transporte aéreo, do gás e pode vir por aí um novo apagão elétrico. Todos passam. Só esse maldito apagão de ética na política parece não ter fim...

HELDTORIAL
As novas regras impostas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para os motociclistas lembram muito aquele kit de primeiros socorros que uns 10 anos atrás era obrigatório nos automóveis. Quando foi decretado, houve uma corrida desesperada às lojas em busca do produto - que chegou a ter fila de espera em alguns momentos. Na época, os fabricantes do kit arrecadaram rios de dinheiro dos motoristas e, no final das contas, essa idéia maluca acabou nem vingando.

A história do kit parece se repetir agora, desta vez com os capacetes utilizados pelos motociclistas. E confesso que meus dois neurônios não conseguiram ainda entender como é que um selo do Inmetro e algumas etiquetas reflexivas mixurucas vão dar um basta na guerra que acontece diariamente no trânsito, provocada pelos motoristas mal educados.

É impressão minha ou o Brasil é um celeiro de soluções absurdas e simplórias para os seus grandes problemas?
No embalo das soluções "fast-food" de gabinete, enquanto na cidade de São Sebastião, no interior de Alagoas, o uso do capacete foi proibido porque um juiz quer que por lá os bandidos mostrem sua cara, no sul um deputado gaúcho propõe a limitação da garupa nas motos.

Idéia por idéia, sou mais pela do juiz - que reduziu a zero em sua cidade os crimes cometidos por motoqueiros e que afirma com todas as letras, que o capacete está ultrapassado porque protege a cabeça do motoqueiro, mas esconde a cara do bandido. B-i-n-g-o!

Já a proposta do deputado gaúcho de limitar a garupa prejudica notadamente o cidadão honesto e que paga em dia seus "ipeveás" da vida. Quer saber como? Se você, por exemplo, comprou uma moto para passear com sua esposa e essa proposta maluca vingar, das duas, uma: vai ter que passear sozinho ou vai ter que comprar uma outra moto só para ela. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a.

Paciência tem limite. Em vez de ficar brincando de inventar regras milagrosas, não está na hora da gente investir pesado em educação no trânsito, na punição severa de quem usa um veículo como arma, na melhoria e segurança das vias públicas e no combate rigoroso à criminalidade, seja ela realizada por um carona de moto ou por um político espertalhão?

ENVELHESCÊNCIA
Sempre achei que a vida é bela, mas aprendi com o pulsar dos anos que se a gente não der a ela uma forcinha com um silicone aqui, uma plasticazinha ali e uma lipo acolá, a coisa vai ficando para lá de feia.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:20 PM



   12.1.08  
COMEÇOU A CORRIDA
E começaram a aparecer intenções de pré-candidaturas para as eleições deste ano. O jovem Mauro Gonçalo, filho de Natalino Gonçalo, ex-diretor do Senai e hoje diretor na Associação Limeirense de Ensino (Alie), pode ser uma das novidades no quadro do PPS concorrendo a uma vaga no Legislativo. Outra novidade nessas eleições pode ser o retorno ao cenário político dos ex-vereadores José Roberto de Toledo (PSC) e Paulo Sérgio Oliveira (PTN).

SHOPPING
E não é que Lula tinha mesmo razão quando afirmou recentemente que o povo está indo mais ao shopping? Para conferir, é só passar pela Rua Carlos Gomes aos sábados à noite para notar as grandes aglomerações que ali se formam.

HELDTORIAL
Além de ser bissexto, 2008 também é ano de eleições municipais. E pensando cá com meus velcros, ao comparar um evento ao outro, surgem algumas coincidências interessantes.
O ano bissexto foi adotado em 238 a.C. no Egito como forma de corrigir a diferença entre o ano-calendário e o ano solar. Nas eleições municipais, também temos uma oportunidade única de corrigir uma diferença que sempre se mostra gritante. Para saber do que estou falando, basta você aí do outro lado da página comparar a lista de promessas que o seu candidato fez na última eleição com a listinha daquilo que ele realmente realizou até agora.
O ano bissexto, como se sabe, ocorre somente de quatro em quatro anos, quando nele é incluído mais um dia ao mês de fevereiro, que passa a ter então 29 dias em vez de 28. As eleições municipais também acontecem de quatro em quatro anos e, da mesma forma como esse dia extra inserido em fevereiro, aparecem em cena os já manjados políticos bissextos.
Se você ainda não sabe, são aqueles políticos que elegemos, normalmente para o Legislativo, e que passaram os três primeiros anos do mandato se fingindo de vaso. Agora, necessitando mais uma vez da ajuda do eleitor, surgem em cena discursando que - não ria - trabalharam dia e noite para honrar o nosso voto.
Pior é que entre eles existem ainda os que merecem o Troféu Óleo de Peroba por serem extremamente cara-de-pau. Eu daria esse troféu, por exemplo, aos que viveram até hoje pendurados na barra da saia do governo e agora teimam em aparecer fantasiados de oposição. Não vai colar, é óbvio, porque carnaval só acontece em fevereiro.
Para passar a régua, é bom lembrar que depois de 2008, o próximo ano bissexto só ocorrerá em 2012. As eleições municipais também. Então, veja bem o que você fará com o seu voto este ano porque, se errar agora em 2008, só terá chance de corrigir o erro quatro anos depois. Se não morrer de desgosto antes, é claro. Em todo caso, um feliz 2009.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:00 PM



   9.1.08  
HELDTORIAL
As notícias, entre tantas, de que cinco pessoas foram atingidas por bala perdida durante o reveillon em Copacabana, de que um turista morreu baleado na cabeça em assalto no litoral paulista onde uma mulher e criança também foram baleadas, já nem nos abalam mais. Ocorreram outras tantas desgraças piores durante o ano, que essas já são até consideradas corriqueiras.
Para mim, por exemplo, a corrupção é que continua sendo o pior desgraça desse país e a que mais afeta diretamente a vida dos brasileiros. E mesmo com o trabalho constante da Polícia Federal e do Ministério Público no combate a esse câncer social, estamos longe de comemorar uma vitória. Um dia pode até diminuir um pouco, se nós brasileiros, revestidos com o poder de eleitor, resolvermos dar um basta e não tolerar mais ver, por exemplo, os nossos governos negociarem abertamente cargos em troca de apoio político. Penso que quem assim age é corrupto. Assim como os políticos e suas distintas e mui amadas agremiações que na outra ponta desse iceberg de lama aceitam tal tipo de negociata.
As organizações não-governamentais (ONGs) que tratam do tema são unânimes em afirmar que o principal combustível que alimenta a corrupção é a distribuição festiva de cargos públicos sem a realização de concursos. Não que todos os que entram por essa porta escancarada do apadrinhamento sejam de má índole. Mas reflita comigo: se ganhasse um cargo de presente, com um salário polpudo, e no decorrer do trabalho percebesse que o seu padrinho não age com conduta politicamente correta, você o denunciaria? Provavelmente não! Assim, nas próximas eleições é bom você aí do outro lado da página observar se o seu candidato concorda com essa idéia e cobrar dele uma atitude a respeito.
Além da corrupção outro sentimento que incomoda o brasileiro é a sensação de impunidade e a facilidade com que os suspeitos escapam de um julgamento público. Basta ver a quantidade de políticos que apelam para a renuncia e com a maior cara-de-pau volta rindo da gente nas eleições (ou semanas) seguintes.
A sensação de impunidade, aliás, o brasileiro percebe também na falência do sistema prisional. Diz aí se você não se sente desanimado ao ver que os aparelhos celulares continuam circulando pelos presídios, utilizados pelos chefões do crime para comandar da cadeia seus comparsas que estão aqui fora? E não fica injuriado também ao ver que os presos têm direito a sexo garantido pelas visitas íntimas e a passear fora da prisão nos principais feriados?
Ao ver com freqüência essa verdadeira farra que é financiada pelos impostos que pagamos lembro-me de países como a Arábia Saudita, onde contam que alguns crimes são puníveis com chicotadas em praça pública e outros com a amputação de membros do corpo, tais como a mão e o pé.
É óbvio que não precisamos chegar a esse nível de barbárie aqui no Brasil, mesmo que uma multidão se anime a pensar assim em relação a cortar algo dos estupradores. Mas também não precisamos deixar a vida deles caminhar nessa moleza. E assim, enquanto existir corrupção e não tivermos competência para promover uma reforma na legislação criminal e penitenciária, penso que a nossa única alternativa para acabar com os políticos corruptos e com os que não se mexem para resolver os problemas da sociedade é amputar algo valioso deles, o nosso voto.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:05 PM



   29.12.07  
REPARANDO A INJUSTIÇA
O leitor João Martins comentou em meu blog que fui injusto em parabenizar apenas o vereador Antonio César Cortez (PV) por ter assinado pela abertura de CPI para investigar as denuncias a respeito do contrato para fornecimento de apostilas ao ensino municipal. Como o leitor (quase) sempre tem razão, tento reparar aqui esse ato que ele considerou injusto, estendendo os parabéns também aos demais vereadores responsáveis pela abertura da CPI: Almir Pedro dos Santos (PSDB), José Carlos Pinto de Oliveira (PT), Nelson Caldeiras (PT) e Tarcílio Bosco (PSB). Feito esse registro, explico que a intenção de parabenizar destacadamente o vereador Cortez nem foi tanto pela assinatura no documento da CPI, mas pelo fato dele finalmente ter se decidido a colaborar com a transparência administrativa tão apregoada por todos os governos que passam pela administração municipal. Os outros vereadores, no meu humilde entendimento, fizeram o papel que acredito que lhes cabe como pertencentes a uma bancada oposicionista. Cortez, entretanto, é visto como pertencente à bancada governista e por isso é que mereceu o destaque especial. E vou logo avisando: vou parabenizá-lo efusivamente outra vez se ele ainda se decidir também pela abertura de CPI da Merenda Escolar.

MINIRRETROSPECTIVA
Para mim as melhores notícias de 2007 foram a aprovação da fidelidade partidária e o fim da CPMF. Sem esse imposto o governo petista vai ter agora que descobrir uma nova forma de enfiar a mão no bolso do contribuinte para continuar distribuindo as suas bolsas caridosas ao povo humilde, uma espécie de esmola que ele dá com o dinheiro dos outros. O nosso dinheiro, claro.
Já a pior notícia do ano penso que foi mesmo o resultado medíocre alcançado pelo Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos. As notas dos estudantes brasileiros deixaram o País entre os últimos colocados em matemática, leitura e ciências. E o pior resultado ficou por conta do Estado de São Paulo, este paraíso onde moramos e vivemos alardeando ser o mais rico e desenvolvido do País. Imagina então se não fosse.

ARRUMANDO AS MALAS
Da formação atual da Câmara, amigos analistas políticos já apostam que apenas cinco vereadores têm alguma chance de se reeleger no próximo ano. Um ou dois por mérito próprio, os demais por estarem ligados a facções religiosas de onde brotam seus votos. O jeito então é o pessoal já pensar na arrumação das gavetas porque o ano eleitoral passa rapidinho.

ANO FELIZ
Apesar dos governos que temos, desejo a você que me lê aí do outro lado da página um feliz 2008, com saúde, sabedoria e sucesso.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:23 AM



   12.10.07  
O INÍCIO
É muito fácil entender a razão do caos que a tempos começa a tomar conta do sistema educacional no Brasil. Resultado de pesquisa elaborada a partir de dados coletados por ocasião do Saeb 2003, exame do governo que avalia a qualidade do ensino no país, revela que (pasmem) 45,5% das vagas de diretores de escolas públicas são lotadas por profissionais que nem foram selecionados por concurso público. Esses diretores chegam ao cargo por indicação de políticos (sempre eles, né?) ou por escolha do Poder Executivo, via secretários de Educação ou gente a eles subordinada.

O MEIO
E já que na segunda-feira (15/10) comemora-se o dia do Professor, amigos que atuam no ensino público aproveitam para comentar que a cada dia fica mais difícil ser professor. Concordo! Além de enfrentar salas de aulas do ensino médio entupidas por mais de 40 alunos, o que no meu humilde entendimento torna inviável qualquer metodologia de ensino aplicada, professores com quem conversei reclamam que raros são os diretores que demonstram estar preparados para o cargo e que poucos dão respaldo à atuação educacional e disciplinar exercida pelos professores. Já ouvi, inclusive, relatos de professores que foram ameaçados fisicamente por alunos e que nenhuma providencia foi tomada pela direção das escolas. É evidente que a culpa pelo ensino ineficaz que começa a florescer no país não se concentra apenas na atitude de alguns diretores de escolas, mas penso que é a partir de um levante corajoso dessa categoria que poderia alentar a sociedade em relação ao futuro educacional de nossos jovens. Aos professores, penso que lhes cabe o dever de não serem coniventes com os possíveis engodos educacionais e de continuarem denunciando os possíveis desvios do ensino cometidos em nome da mera obtenção de dados estatísticos.

E O FIM
Então, enquanto não houver um posicionamento firme da direção das escolas em não aceitar que professores sejam desrespeitados no exercício sublime do ofício e depois disso deles cobrar a eficácia pedagógica, o ensino continuará capengando e apresentando resultados educacionais considerados como ridículos. Resultados, aliás, parecidos com os que já foram relatados pelos dados do Saeb, ao mostrarem que quase a metade dos alunos do Estado de São Paulo termina o ensino médio com conhecimentos de escrita e leitura equivalentes a de um aluno da oitava séria.

REFLEXÃO LIGHT
Para quem gosta de pensamentos, aí vai um que considero revelador: “Quem olha para fora, sonha; quem olha para dentro, acorda”. Bom feriado!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:56 AM



   5.10.07  
INCHAR PARA GOVERNAR?
Tomara que o pessoal daqui não tenha levado a sério, mas o presidente Lula disse que o verdadeiro "choque de gestão" no Brasil será feito quando o Estado "contratar mais gente, mais qualificada, mais bem remunerada". Assim, sugeriu que o servidor público é desqualificado e que seu salário é baixo e contrariou alguns conceitos de administração, pois na iniciativa privada a eficácia só é demonstrada quando se produz mais, melhor e com menos funcionários. Se, entretanto, inchar a máquina pública resolvesse alguma coisa, nosso País seria modelo nesse quesito já no governo petista. É que de 2002 a 2006, o número de servidores federais teve um aumento superior a 10%, saltando de 598,5 mil para 659,9 mil. O problema, aliás, nem é tanto o aumento de cargos, principalmente se houver uma necessidade real, mas o que irrita mesmo é constatar que eles são preenchidos por nomeação, ou seja, sem concurso público, e distribuídos como moeda de troca entre os afilhados dos que apóiam o governo.

A FARRA CONTINUA
O senador Almeida Lima (PMDB/SE), aliado declarado do presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB/AL), será o relator de um dos processos contra ele no Conselho de Ética. Alguém aí do outro lado da página ainda dúvida que Renan será mais uma vez absolvido?

NENHUMA NOVIDADE
Dados inéditos do último Saeb mostram que quase a metade dos alunos do Estado de São Paulo termina o ensino médio com conhecimentos de escrita e leitura equivalentes aos de um aluno da 8ª séria. Embora se trate de uma informação de extrema gravidade, não é nenhuma novidade para quem já convive diariamente com o ensino, cujas salas de aula, por exemplo, são entupidas por mais de 40 alunos.

ACEITA SUGESTÃO?
Não é à toa que o Brasil piorou sua posição no ranking da percepção de corrupção entre políticos e autoridades de todo o mundo - de 70º para 72º lugar. No Congresso, por exemplo, a corrupção, digo, a negociação (leia-se distribuição de cargos públicos em troca de apoio) política para recriação da CPMF até 2011 continua comendo solta. Dias atrás, aliás, o presidente Lula afirmou que sem a CPMF não dá para governar o País. Então, já que lhe falta competência para administrar o País sem os cerca de R$ 40 bilhões anuais desse imposto, penso que a melhor saída seria ele renunciar. E passa a régua!

COISA DE MACHO
E a Síntese de Indicadores Sociais do IBGE mostra que as mulheres chefiam quase 1/3 das famílias no Brasil. Já meus indicadores pessoais informam que nos 2/3 restantes a última palavra é sempre dos homens, entre as quais: "sim, benzinho", "é para já meu amor", "já estou indo, querida".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:26 PM



   28.9.07  
TROCA-TROCA 2008
Termina nesse final de semana o prazo para quem deseja filiar-se a um partido ou mudar de sigla partidária e concorrer no próximo ano à vaga de prefeito, vice ou vereador. O troca-troca partidário, aliás, já ocorria desde o início dos atuais mandatos, mas de forma mais pacata. Agora, na reta final, o corre-corre tornou-se mais visível. Nenhuma novidade grandiosa, entretanto, foi registrada, a não ser a saída do ex-prefeito José Carlos Pejon do PSDB. Previsível, diga-se, após o anúncio do retorno do também ex-prefeito Pedro Kühl ao ninho tucano.
Então o jeito agora é o eleitor aguardar as inúmeras possibilidades de coligações que certamente surgirão para as eleições de 2008 e ver no que vai dar. No momento, tudo é especulação. Inclusive o que escrevo aqui. Mas com quem conversei a respeito, a opinião já pode até ser considerada quase que uma unanimidade: Silvio Félix (PDT) tem tudo para ser reeleito. Com as mãos amarradas e com os pés nas costas, complementam os pesquisados.
E aos que se dizem da oposição (e nesse rol incluem-se os tais de “políticos bissextos” que só mostram a cara de quatro em quatro anos e aqueles outros que só o são porque não foram de alguma forma beneficiados pelo atual governo), expediente saudável de um regime que se diz democrático, resta como única esperança a tentativa de abocanhar a maior número possível das 14 cadeiras existentes na Câmara Municipal. Assim, ao menos por alguns meses de 2009, podem esses eleitos se posicionar a favor de alguma idéia contrária à de quem estiver no comando do governo. Porque depois disso, a continuar essa maldita avacalhação do eleito mudar de partido a seu bel prazer sem qualquer sanção, não há garantias de que o surto oposicionista continue vivo, pois já assistimos diversas vezes filmes iguais a esse.

BASTA DE CPMF
Enquanto o governo tenta comprar, digo, aliciar, digo, negociar (ufa!) apoio no Congresso para aprovar a prorrogação da Contribuição Provisória (sic) sobre Movimentação Financeira (CPMF), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) movimenta-se na direção contrária, pela extinção da contribuição. Ao atacar a continuidade da CPMF o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, prega um boicote aos políticos favoráveis a sua prorrogação e diz que a sociedade tem que dar um basta no aumento de impostos. E tem mesmo! Pois antes de continuar prorrogando contribuições é necessário que o governo faça sua lição de casa e promova a diminuição dos gastos públicos. E principalmente quedeixe de buscar de forma vergonhosa o apoio parlamentar em troca de nomeações e distribuição de cargos públicos, ação que para mim se configura como uma prática escancarada e descarada de corrupção.

E BASTA DE PROMESSA
Cadê a melhoria no sistema de transporte coletivo em vez da greve que surpreendeu os limeirenses essa semana? Vai ficar para o ano que vem? Ou será incluída no rol de promessas do próximo mandato?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:38 PM



   23.9.07  
E CÁ?
É bem possível que o comportamento dos senadores que absolveram o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), por quebra de decoro, respingue nos políticos locais do PMDB e PT. Contrariando a opinião dos brasileiros, foram os votos dos senadores desses partidos que ditaram a absolvição. Dos peemedebistas é até compreensível, pois se aninham na mesma agremiação de Renan. Já dos petistas, incluindo as vergonhosas abstenções, é que não caiu bem. Resta saber, entretanto, se os políticos limeirenses endossam o voto de seus companheiros partidários e se serão cobrados no próximo ano, de eleições municipais, pelo que seus pares fizeram às portas cerradas lá no Senado.

RENAN E CPMF: SOU CONTRA
Ainda sob a ressaca pela absolvição do presidente do Senado, Renan Calheiros, da acusação de quebra de decoro, o brasileiro aguarda agora pacientemente por uma possível renovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), imposto que um dia nos enfiaram goela abaixo como de caráter provisório e destinada a socorrer o caos que vivia a saúde pública.
Mais de uma década depois, a CPMF não só não resolveu os problemas que o país tem na área de saúde como não deixou de ser provisória. Virou, aliás, mais uma dessas formas ditatoriais que o governo tem de enfiar a mão no bolso do contribuinte, sem dó nem piedade. Essa espécie de assalto deve render 40 bilhões de reais no próximo ano, crédito que o governo inclusive já fez constar de seu orçamento de 2008.
E se a verba da CPMF já consta do orçamento, das duas uma: ou o governo errou feio ao contar com algo que a princípio deveria estar morto e sepultado já a partir de dezembro deste ano ou então tinha certeza que o Congresso saciaria novamente sua sede de arrecadação, dando-lhe de beber até o ano de 2011. A segunda hipótese parece a mais coerente, pois em todos as esferas o que se tem visto é o Legislativo abençoando os projetos do Executivo, esquecendo-se que os legisladores são eleitos com o compromisso de trabalhar para e pelo povo, não para si mesmo e pelo governo.
Já do outro lado do muro democrático, para não contabilizar como perda total o resultado do caso Renan, políticos da oposição ameaçam azedar a maionese da renovação da CPMF, alertando que só votarão daqui para frente projetos que sejam de interesse do povo brasileiro. Oras, quer dizer então que não faziam isso até agora? E se Renan não fosse absolvido, então votariam em favor da renovação da CPMF contrariando o clamor da opinião pública pelo fim deste imposto?
Após sua absolvição numa sessão totalmente opaca, Renan disse que o resultado foi uma vitória da democracia. Ao observar o comportamento dos governistas que votaram a seu favor, incluindo os que se abstiveram, e esse beicinho que agora a oposição faz ao encenar um “dá-o-dedinho-que-to-de-mal-contigo”, penso cá com meus velcros que na verdade os louros da vitória continuam pertencendo à demagogia. Para não perder o costume!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:05 PM



   14.9.07  
CRÔNICA DA LEMBRANCINHA
Amanhã Limeira completa mais um ano de vida e fico matutando cá com meus velcros que presente cada um de nós limeirenses daria à nossa querida cidade no dia do seu aniversário. Um novo aeroporto? Novas indústrias acompanhadas de uma penca de novos empregos? Quem sabe uma nova rodoviária? Ou seria melhor uma nova classe política?
Na verdade, são tantas e antigas as necessidades reclamadas pelos limeirenses para a cidade que fica até difícil de se decidir por apenas uma delas. Se pudesse, com certeza eu daria a ela um presente que considero muito útil: uma nova mentalidade política, que provocasse a união de todos os segmentos da sociedade trabalhando com o único propósito de transforma-la numa cidade progressista e sempre de portas e janelas escancaradas ao desenvolvimento de todos os setores. Isso traria de volta a Limeira, acredito, um velho status que um dia ela já até teve: capital. Já pensou se ela fosse reconhecida como a “capital do desenvolvimento sustentando”? Supimpa, não acha?
Entretanto, como é certo que o surgimento de uma nova mentalidade política aqui na terrinha é algo que esta a milhares de anos luz distante de um dia acontecer, até que me contentaria se ao menos os governos que passam pelo troninho da cidade se preocupassem mais em trabalhar para cumprir o que prometem em campanha e menos em insistir nessa mania de botar a culpa de seus insucessos nas críticas que recebe de setores da imprensa ou da oposição. Aliás, quando um governo resolve botar a culpa do atraso no desenvolvimento da cidade nos setores oposicionistas, acaba revelando seu despreparo administrativo e depondo contra si mesmo, pois todos os últimos governos já foram um dia oposição e como se sabe o descompasso no desenvolvimento também já dura décadas. Então...
Mas voltando ao presente que Limeira deveria ganhar, lá se vai mais um aniversário e a certeza que não foi ainda dessa vez que a cidade ganhou aquela tão sonhada brastemp. Infelizmente. Os mais saudosistas devem até recordar as grandes obras que eram inauguradas décadas atrás na semana do aniversário do município. Mas isso já faz um bom tempo e rever o passado agora não vai nos trazer o que tanto sonhamos: uma cidade em que o desenvolvimento salte aos olhos. Entretanto, enquanto aguardamos pacientemente por dias e governos melhores, a gente vai se conformando com os outros pequenos presentes que a cidade recebe, tais como o tapa no visual que aos poucos a administração tem proporcionado às praças, avenidas, canteiros centrais e no até então moribundo Ribeirão Tatu.
Afinal, esse nosso conformismo latente em relação às miudezas que a cidade recebe já faz parte da consciência coletiva por aqui. Aliás, depois que surgiu o conceito que movimenta as tais lojas de 1,99, não me lembro de nenhum governo que não tenha lançado mão daquela velha desculpa para entregar algo de presente à população limeirense no dia do aniversário da cidade:
- “Olha, não repara não, tá? É só uma lembrancinha...”
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:12 PM



   31.8.07  
DÁ PRA COPIAR?
Li no Estadão que o Movimento Nossa São Paulo: Outra Cidade, formado por cerca de 300 organizações da sociedade civil, entregou aos vereadores da Capital um anteprojeto que bem poderia ser copiado aqui pelo Legislativo limeirense. Trata-se de uma tentativa de amenizar o velho hábito que os candidatos têm de prometer mundos e fundos durante a campanha eleitoral e depois não fazer nada ou fazer algo diferente do que prometeu. Entre outras coisas o anteprojeto prevê que o prefeito eleito publique no Diário Oficial e divulgue para a imprensa, 90 dias após o início do mandato, um Programa de Metas. E a cada seis meses venha a público prestar contas das ações realizadas para cumprir as metas. Bingo! Outro quesito interessante (e importante) é que ao plano não devem ser incorporadas propostas vagas e as metas devem trazer indicadores qualitativos e quantitativos, compatíveis com o que foi apresentado por ele durante o período eleitoral. Antes da publicação do plano, aliás, as metas precisam ser aprovadas pela Câmara Municipal. E aí, vamos experimentar já para o próximo eleito por aqui?

EXAUSTÃO
Cansei de ser esfolado há anos pela tal de Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e agora ainda querem prorrogá-la até 2011. Que raios de “provisória” é essa que não tem mais fim, caramba?

NÚMEROS DECRESCENTES
Um em cada quatro brasileiros é contemplado com os benefícios do Programa Bolsa Família. Trocando em miúdos, 25% da população brasileira vive em estado de pobreza e necessita da contribuição assistencialista da sociedade para sobreviver. Como ação de caráter emergencial utilizada para amenizar por algum tempo a vida dos brasileiros carentes, o programa é até louvável e seus resultados são positivos. Entretanto, penso que um governo já em seu segundo mandato, a partir de agora não deveria mais exaltar em seus discursos a grandeza dos números de atendidos pelo programa e sim festejar quando esses índices finalmente apresentassem queda. Aliás, quando houver notícias de redução no número de famílias atendidas (hoje estimado em 11,1 milhões), aí sim é possível ter certeza de que a quantidade dos que estão em estado de miserabilidade no país está recuando e que as ações de emancipação social estão dando certo e livrando tantos milhões de brasileiros das barras de programas de cunho assistencialista.

DUVIDEODÓ
Falta pouco mais de um ano para o fim do mandato. Será que ainda dá tempo de construir uma nova rodoviária, um novo aeroporto, licitar e implementar melhorias no transporte coletivo e colocar em vigor o Plano de Carreira do funcionalismo?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:53 PM



   24.8.07  
DANÇA DAS CADEIRAS
A habitual dança das cadeiras partidárias já começou e vai até 30 de setembro. O negócio é se ajeitar como pode para se dar bem nas próximas eleições. O troca-troca partidário, aliás, é até normal num país como o nosso, cuja cultura política ainda nem deixou de usar fraldas. A agremiação que oferecer mais, leva. Peralá: antes que me entendam mal, falo de mais prestígio, mais condições de se eleger, oquei? Infidelidade partidária? Nem pensar, dona Maria! A justificativa é que se troca de partido porque estão preocupados em encontrar formas mais eficazes para atender aos anseios dos eleitores. Pior, dona Maria, é que o nariz nem cresce... E o que pensa o eleitor? Oras, quem é que está preocupado com isso? O voto é eletrônico, mas o pensamento do eleitor ainda é movido à lenha. De resto...

JÁ GANHOU?
Pois é até fácil imaginar que Félix tem tudo para ser reeleito com ampla vantagem no próximo ano. A não ser, é óbvio, que ocorra algum impedimento legal. Nem tanto porque seu governo é exemplar ou diferente de outros que já vimos, pois não é! O prefeito reelege-se com as mãos amarradas e os pés-nas-costas por absoluta falta de opção. Como já discorreu um editorial aqui do JL essa semana, não há nada novo no front da disputa pelo (tão) cobiçado troninho municipal. Dos concorrentes naturais que são citados, o trabalho de Pejon (PSDB) e Kühl (sem partido) o povo já conhece e a maneira como Quintal (DEM) administraria a cidade é ainda uma incógnita. Penso que só terão chances se somarem forças. Os três. De resto...

OPOSIÇÃO?
Aliás, o que se nota é que o governo atual não tem hoje quase nenhuma oposição. A não ser, claro, um ou outro franco-atirador voluntário ou raros setores da imprensa que ainda cumprem o papel de criticar os atos que entendem como em desacordo com os interesses da coletividade. São os tais de “golpistas” na visão do presidente e os “atravancadores do progresso” na do governo municipal. Não fossem eles, a vida do governo seria um verdadeiro mar-de-rosas, hein? De resto...

E A CÂMARA?
Mas e a Câmara – pergunta-me sabiamente um leitor – porque cargas d´água não cumpre seu salutar papel de fiscalizar os atos do Executivo e propor grandes feitos para a cidade? Bom, essa eu respondo como meu amigo Gú Tigers certamente responderia: “câmera, que câmera?”. Ela continua lá mesmo no endereço e prédio de sempre, com o mesmo estacionamento coberto de sempre, promovendo as mesmas atividades de coluna, digo, cunho social de sempre, trabalhando no mesmo ritmo de sempre, e fazendo essencialmente as mesmas coisas de sempre. Aliás, a percepção das pessoas com quem eu converso é que o trabalho daquela Casa se restringe a botar nome em ruas, nomear novos cidadãos e gerar aplausos em forma de moção. De resto...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:10 PM



   17.8.07  
BASTA!
Obrigado por mais de uma década ter que engolir goela abaixo a desculpa de que era apenas algo provisório (risos), cansei de ser esfolado pela tal de Contribuição “Provisória” sobre Movimentação Financeira (CPMF). Se é uma contribuição e não imposto, então tenho direito de me recusar a contribuir?

TOP SECRET
Nas eleições, o voto é secreto. Depois, o que permanece em absoluto segredo é o trabalho de alguns eleitos, principalmente do Legislativo. Caramba, há políticos que por mais que a gente faça um esforço danado, não consegue descobrir o que é que anda fazendo e nem mesmo porque cargas d´água ele foi eleito. Bom, talvez nem eles mesmos saibam...

A ETERNA CAIXA DE PANDORA
Em pleno gozo da envelhescência, quando penso que já tinha visto todo tipo de barbárie que teria que ver nessa vida, esqueço que o Congresso Nacional continua sua sina de ser uma verdadeira fábrica surpresas. Desagradáveis, acrescente-se. Nem falo aqui da situação do presidente do Senado, que não arreda as nádegas de sua cadeira nem que a vaca (do rebanho dele) tussa, mesmo com as suspeitas gravíssimas de ter contas pessoais paga por uma construtora e agora como um produtor de “laranjas”. Com certeza ele vai enrolar por lá até o último suspiro político.
E essa notícia agora de que a Câmara está pronta para votar um grande “trem da alegria”? São emendas que darão estabilidade a funcionários públicos que não fizeram concurso. Se vingar, terão também, pasmem, direito inclusive a aposentadoria integral. Estima-se que serão nada menos que 60 mil servidores e que de quebra outros 200 mil temporários podem também ser beneficiados. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a, quase a população de uma cidade do tamanho de Limeira!?!
Deve ser mais uma dessas piadas de mau gosto vinda daquela Casa, né? E ainda há quem diga que movimentos como o Cansei - que foi criado para lutar entre outras coisas contra a corrupção que come solta em todos as esferas - é golpismo da oposição para desestabilizar ou derrubar o governo. Golpe é o que os políticos vivem nos pregando cada vez que votamos. Aliás, não é golpe não: é conto-do-vigário.
Cansei de eleger esse pessoal; cansei de ser palhaço; cansei de me irritar; cansei de escrever...

TAPA NO VISÚ
Um dos pontos do governo Félix que considero positivo é a preocupação com o visual da cidade. Lembro de já ter elogiado aqui as reformas de praças com o retorno das fontes luminosas e também o cuidado com o visual da entrada principal de Limeira, a Avenida Major José Levy Sobrinho. Agora, é certo que após o fim das obras, tanto a Praça Toledo Barros como a Marginal Tatu serão locais dignos também de receber elogios pelo bom gosto do visual. É aguardar e conferir.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:50 PM



   10.8.07  
A LESMA LERDA DE SEMPRE
Fora um ou outro gato-pingado (sem ofensas, claro) esperneando aqui e ali, em Limeira a oposição política – essencial a qualquer regime democrático - é bissexta e narcisista. Só ocorre às vésperas de período eleitoral, de quatro em quatro anos, e por interesses exclusivamente pessoais ou corporativos.

FICA FRIO!
Ao assumir um setor em crise há mais de 10 meses, o novo presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi, confessou: “Nessa área não conheço nada”. Num país onde o presidente insiste em dizer que não sabia tanto do mensalão como de outros escândalos, e que também desconhecia a dimensão do caos aéreo brasileiro, um desinformado a mais no governo não vai fazer muita diferença, né?

CRÔNICA DAS DUAS ORELHAS
O nosso presidente declarou que tem duas orelhas. Informação supimpa! Sabe que eu nem tinha reparado nesse detalhe estético? E foi ele mesmo quem alertou para esse detalhe ao se referir às vaias que vem recebendo desde a abertura do Pan 2007, no Rio de Janeiro. Disse ainda que usa as duas orelhas: uma para escutar as vaias, a outra para os aplausos. Só não falou qual delas é normalmente mais utilizada.
Bem, duas orelhas eu também tenho. Só que as minhas só têm ouvido nos últimos tempos as abobrinhas vindas das nossas autoridades e já estão até cansadas de escutar também as desculpas esfarrapadas dos políticos para o não cumprimento das promessas de campanha. Mas essa já é uma velha reclamação e a conversa aqui é sobre as duas nobres orelhas do nosso presidente. Aliás, se as vaias o incomodam deveria utilizar a orelha do aplauso para escutar um pouco mais o povo que, acrescente-se, não é só formado pela turba dos que vivem sob a misericórdia dos tais programas de bolsa-esmola. É preciso que se leve em conta que a nação é formada também pelos cidadãos pertencentes à classe média, baixa ou não, cujos bolsos são constantemente esfolados pelos impostos e pelas tais contribuições “provisoriamente eternas” para que haja verba suficiente para o amparo social dos mais necessitados.
E se ainda assim as vaias democraticamente continuarem, sugiro que ele aceite aquele conselho amável cuspido por sua própria ministra do turismo, Marta Suplicy: “relaxa e goza”. Ou então, se não conseguir relaxar nem gozar, faça como eu também farei de agora em diante sempre que um político iniciar seu discurso: use protetor auricular.

ORA QUE MELHORA
Em solidariedade aos brasileiros que estão aterrorizados com as tragédias aéreas, o presidente sabiamente declarou: “Toda vez que o avião fecha a porta, entrego a minha sorte a Deus”. Pois sabe que eu faço o mesmo na hora de votar? Cada vez que eu aperto a tecla “confirma” da urna eletrônica também entrego minha sorte a Deus. Um dia sei que Ele vai me atender. Aleluia, aleluia!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:34 PM



   3.8.07  
JÁ?
E leio aqui no JL que o recesso da Câmara terminou na última terça-feira e as atividade do 2° semestre já iniciaram. Putz, e não é que eu ando meio desligado mesmo?! Sabe que eu nem tinha percebido que os vereadores estavam em férias. Merecidas, claro, pelo tanto que produzem por lá.

CARAPUÇA
Gostei da declaração do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: “Aja ou saia, faça ou vá embora”. Será que ele estava pensando no governo Lula?

BOM EM QUÊ?
Um leitor pergunta se tem algum político brasileiro que eu considere bom. Como não explicou em que sentido se referiu à palavra “bom”, talvez a resposta fique um pouco truncada. Mas vamos lá: na verdade, em todo o Brasil, de norte a sul, só há dois políticos que ainda julgo como dignos, idôneos, politicamente corretos e coerentes: os senadores Pedro Simon (PMDB) e Jefferson Peres (PDT). Os demais também considero bons, mas em vários outros sentidos. Têm os bons de promessa, os bons de conversa, os bons criadores de gado...

VALEI-NOS SÃO PAC
Recebo e-mail da Assessoria Geral de Comunicações da Prefeitura informando que a Secretaria de Obras e Serviços Urbanos já requereu ao governo federal que obras de Limeira fossem incluídas no PAC (Plano de Aceleração do Crescimento). Foram feitos 10 pedidos que somam um montante superior a R$ 50 milhões, que serão destinados aos projetos: novo aeroporto; bacias de contenção do bairro Granja Machado, da Barroca Funda e da Bacia do Varga, pertencentes ao plano de macrodrenagem; prolongamento da avenida Ana Carolina de Barros Levy; reforma da praça Coronel Flamínio Ferreira; plano de mobilidade urbana; ferroviária; Sistema de Saúde (reformas); e obras de infra-estrutura. Esclarecem também que as verbas do PAC anunciadas recentemente foram destinadas ao setor de saneamento básico, segmento no qual Limeira não pode requisitar recursos públicos por ter seu serviço de água e esgoto concedido à empresa Águas de Limeira. Ok, o jeito agora é orar e aguardar.

CELEBRIDADE
Fico sabendo que na Holanda um homem que conversa com gansos virou celebridade. M-o-l-e-z-a! Desse jeito minha queridíssima já pode ser considerada celebridade-mor. Além de conversar diariamente com o Fábio Junior (calopsita) e com o Dodô (peixinho betha), ainda arruma tempo para dar atenção às lamúrias deste burro que vos escreve.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:06 PM



   31.7.07  
MINGUANDO
Pois é, a cidade não fez parte da lista de verbas do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), o Fórum local também ficou de fora do pacote estadual de obras e ainda por cima podemos perder a Diretoria de Ensino. Putz, se a cidade continuar nessa toada será que vai sobrar alguém para apagar a luz do lampião?

SÓ REZANDO
As férias escolares estão chegando ao fim. E junto com as aulas, voltam também os velhos problemas no trânsito perto das escolas do Centro. Valei-me São Cristóvão.

CRÔNICA DOS OUTROS TEMPOS
Lembrei-me agora que em minha infância (caramba, isso já faz algum tempo...), brincava com imitações de revolveres, com espoletas que copiavam os tiros que os “mocinhos” dos filmes de faroeste (alguém aí do outro lado da página lembra disso?) endereçavam aos bandidos. Hoje, se fosse pego por aí brincando com uma dessas antigas imitações de arma, iria direto para a cadeia. Nem daria tempo de explicar que estava matando (no bom sentido) saudades da infância. Os tempos são outros, claro. Algumas brincadeiras perderam o encanto para o computador e para os videogames. Outras deixaram de ser um simples divertimento infantil e se transformaram em formas de praticar atos criminosos. A proibição do comércio de armas de brinquedo é um exemplo de que pela lei é possível amenizar um pouco a criminalidade. E o tema me traz a mente as pipas que, principalmente nesse período de férias escolares, voltaram a ocupar os céus das cidades. Mas tal como os revólveres de brinquedo, há tempos deixaram de ser divertimento para se transformarem também em armas. Basta notar que hoje os jovens já não sentem prazer em empinar suas pipas se não puderem duelar com outras, testando suas habilidade numa batalha em que o cerol (cola com caco de vidro que se passa na linha para ficar cortante) é a munição. Penso que ainda não ocorreu aqui em Limeira nenhum desastre em que um motociclista teve a vida ceifada pelo azar de ver uma linha com cerol enroscando em seu pescoço. Os sustos, entretanto, já foram muitos. E já tem até lei que proíbe o uso do cortante, mas como sempre algo de difícil fiscalização. A saída então talvez seja acabar de vez esse tipo de brinquedo. Com ou sem o maldito cortante. Para chegar à conclusão de proibir de vez mais esse brinquedo, basta ver as notícias de que as pipas enroladas nos fios geram quase que diariamente queda e interrupções de energia elétrica e de que já houve registro de acidentes com pessoas que estavam empinando ou tentando recuperar uma pipa na rede elétrica de distribuição. Assim, penso que tal como ocorreu com os meus velhos (e põe velho nisso...) revólveres de espoleta não haverá outra saída para as pipas que também faziam parte da minha infância: virar lembrança e assunto para as crônicas de um envelhescente.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:03 AM



   20.7.07  
MODERNIZAÇÃO
Considero interessante a proposta do vereador Joaquim Raposo (PRP) que propõe disponibilizar a tecnologia “wireless” em Limeira, que permite a comunicação por meio de ondas eletromagnéticas (sem fios, portanto). Se bem entendi, um dos objetivos é que a população tenha acesso à internet de forma mais fácil e econômica. Nem tanto assim, é óbvio, pois mesmo com a implementação da tecnologia ainda é necessário que o cidadão tenha um computador com modem. Um serviço, portanto, que imagino não beneficiar uma grande parcela da população limeirense; os sem-computador. Por outro lado, quando se fala em internet, é necessário lembrar que já passou da hora das páginas da Prefeitura e da Câmara serem mais dinâmicas e disponibilizarem um leque maior de informações essenciais aos munícipes e não apenas releases. Então, antes de pensar na instalação de novas tecnologias, que tal cuidarmos com maior carinho ao menos do básico necessário e já existente?

EMPATAMOS
O presidente Lula diz que ficou triste com as vaias que recebeu durante a cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos, no Rio. Aliados defendem que elas foram injustas e que ele não as merecia. Pois é, triste eu também já estou faz algum tempo e acho que também não merecia um segundo mandato dele.

RENUNCIEM
Segundo levantamento do Ministério da Justiça estima-se que pelo menos sete jovens entre 18 e 29 anos são presos a cada hora no Brasil. Azar o deles de não pertencerem à classe política, senão bastaria que renunciassem, né?

É UMA PIADA
Depois de tantos escândalos que já assistimos e agora a penca de senadores envolvidos em suspeitas de participação em esquemas de desvio de dinheiro, a piada corrente em Brasília é que dois políticos analisavam uma proposta de negociata de milhões de reais, quando um deles perguntou:
- Quanto nos dariam por isso?
- Num país sério, nos dariam pelo menos uns quinze anos de cadeia, eu acho.

É OUTRA PIADA
Amigos comentam que tem gente que diz fazer parte do governo somente para retribuir o que a cidade já lhe ofereceu e para ter a oportunidade de trabalhar em prol dos cidadãos mais humildes. Bom, “trabalhar pelo social” (como argumentam) com o dinheiro do contribuinte e ainda por cima ganhando salário de comissionado, até eu que sou mais tonto...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:55 PM



   13.7.07  
CRÔNICA NARÄNJENSE
Li outro dia uma história interessante contada por Olavo Bilac. Cansado de cuidar de suas terras, o dono de um pequeno sítio resolveu vende-lo e pediu a um amigo publicitário que descrevesse a propriedade para colocar um anuncio no jornal. Depois de pronto, o anuncio dizia o seguinte: “Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um ribeirão. A casa banhada pelo sol nascente oferece a sombra tranqüila das tardes na varanda”. Passados alguns meses os dois amigos tornaram a se encontrar e o publicitário perguntou ao dono do sítio se tinha feito um bom negócio ao vender a propriedade. O amigo respondeu que tinha desistido de vender o sítio e justificou: “Depois de ler seu anúncio é que percebi a maravilha de que era proprietário. Decidi manter o sítio e aproveitar melhor de suas belezas naturais, da vida mais saudável e prazerosa que ele podia me oferecer”. A crônica de Bilac me fez pensar quais qualidades da nossa cidade descreveríamos num anúncio se acaso pudéssemos vende-la? Imagino que são tantas que a gente se daria conta da maravilha que é o lugar onde moramos. E com absoluta certeza também desistiríamos da idéia de vende-la. Mas é óbvio que em meio a tantas qualidades também perceberíamos alguns pequenos defeitos. Aliás, um deles - e que imagino ser comum a todas as outras cidades - é a classe política, que teima em governa-la com desapego. Mesmo assim eu jamais venderia minha cidade. Nem mesmo a trocaria por qualquer outra. Já os políticos, se alguém aí do outro lado da página se interessar pode levar de graça... Ah, e o carreto é por minha conta.

INVERSÃO
E um leitor pergunta se tenho ódio dos políticos já que só tenho criticas em relação à atuação deles. Na verdade, não tenho nada contra a classe política e do meu dicionário de vida jamais constou o sentimento de ódio. Entretanto, pelo que a maioria deles faz (ou deixa de fazer) pelo povo, deve ser eles que nos odeiam. Então o certo é perguntar: “políticos, o que é que vocês têm contra nós, seus eleitores”?

É O FIM
Ainda sob a suspeita de quebra de decoro, o presidente do Senado Renan Calheiros reage aos pedidos de outros senadores para que se afaste do cargo: “Se quiserem a minha cadeira, vão ter que sujar as mãos”. Ué, será que a cadeira está tão suja assim? Alguém aí não teria uma luva pra emprestar pro pessoal?

QUESTÕES CULTURAIS
No Japão, um ministro se enforcou após ser denunciado por corrupção. Na China, um ex-funcionário foi sentenciado à morte por aceitar suborno para aprovar medicamentos. No Brasil, se o calo aperta o pessoal renuncia com a maior cara-de-pau e ainda volta rindo (da gente) no próximo mandato.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:48 PM



   6.7.07  
A CULPA É DA IMPRENSA?
E como já é do conhecimento do leitor, ainda não foi dessa vez que as cortinas do espetáculo do crescimento limeirense se abriram. Mais uma vez, para não perder o hábito, a cidade ficou vendo a banda passar e não constou da lista das cidades que receberão verba do Plano de Aceleração Econômica (PAC) do governo federal. Outras cidades da região, que têm governo com os olhos voltados ao empreendedorismo, como é o caso de Piracicaba, Rio Claro e Americana, constam da lista de beneficiadas. Não é o nosso caso, infelizmente. Nem estamos na lista; nem tivemos até o momento a sorte de eleger uma administração pública competente nesse aspecto. Há décadas, aliás. E também dessa vez, quero crer, é bem possível que tentem botar parte da culpa em alguns setores da imprensa, né? É uma pena, pois se a cidade fosse finalmente contemplada com investimentos, mínimos que fossem, essa sim seria uma “boa notícia” real. Fica para a próxima. Ou quem sabe para os próximos. Governos.

A CULPA É DO BURRO?
No Senado, em meio ao escândalo envolvendo o presidente Renan Calheiros, acusado de usar a construtora Mendes Júnior para pagar pensão e aluguel à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha, semana passada foi a vez de escutas da Operação Aquarela, da Policia Federal, provocarem denúncias que atingem agora o ex-senador Joaquim Roriz. Suspeita-se que o senador negociou a partilha de mais de R$ 2 milhões com o ex-presidente do Banco de Brasília, montante proveniente de um esquema de desvio de dinheiro de cartões de crédito. Já o atual presidente do Conselho de Ética do Senado, Leomar Quintanilha, que parece querer atrasar o trâmite do processo contra o companheiro Renan, é agora citado como suspeito de participar de um esquema de fraude em licitação para a construção de um estádio de futebol em Tocantins, para o qual o senador apresentou uma emenda ao Orçamento no valor de R$ 100 mil. Enquanto por aqui todos os suspeitos se declaram inocentes, do outro lado do oceano vem a notícia que na cidade de Soweto, na África do Sul, um cavalo foi preso pela polícia apenas porque levava na carroça dois suspeitos de roubo e a carcaça novinha de automóvel Corolla. Essa notícia um tanto que bizarra me faz pensar que se por aqui ainda não conseguimos prender um único político envolvido em todos os escândalos que já assistimos, talvez a saída seja então prender o burro. Não se assuste e nem precisa sair correndo para acionar alguma dessas entidades de proteção aos animais. Falo deste burro – euzinho mesmo – que vos deita aqui semanalmente essas mal traçadas linhas. Pois é como me sinto na condição de eleitor; um réu confesso responsável por colocar e manter essa gente no poder por intermédio do meu voto.

REFLEXÃO CAIPIRA
Deus sempre olha por todas as pessoas. Mas enxerga com mais facilidade as que se mexem.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 10:51 PM



   29.6.07  
AGORA VAI?
Na semana passada sugeri ao presidente da Câmara Municipal de Limeira, Eliseu Daniel dos Santos (PSC), que formulasse apelo para que o prefeito apresente o Plano de Carreira dos servidores municipais. Afinal, creio que já passou hora das autoridades darem (no bom sentido) um pouco mais de valor e atenção aos funcionários públicos concursados, utilizando-se a mesma eficácia e agilidade que todos os governos tiveram ao criarem cargos comissionados. A categoria, aliás, espera anos a fio que se cumpra a promessa que os governos lhe fizeram quando em campanha. E não é que no mesmo dia em que sugeri a cobrança aqui na coluna recebi e-mail da Coordenadoria de Imprensa da Câmara informando que Eliseu protocolou moção de apelo direcionada ao prefeito nesse sentido? Então, nada mais justo do que parabenizar a iniciativa do presidente e torcer para que ela não caia novamente em esquecimento.

Q.P.I.
E enquanto aqui na terrinha a decisão sobre o Plano de Carreira dos servidores continua patinando na maionese, o governo Lula criou na semana passada mais 660 cargos de confiança (de quem?) na esfera federal. Com mais essa leva, agora já são mais de 22 mil cargos que são preenchidos apenas tendo como critério técnico o “QPI” das pessoas, ou seja, “Que Padrinho Indicou”. Tudo bem que Lula tinha prometido criar 10 milhões de novos empregos ainda no seu primeiro mandato, mas a gente só não contava que eles seriam via cargos comissionados. Aliás, no governo Lula, os gastos com pessoal no Executivo cresceram 57% e cresceu também em 545% a arrecadação do dízimo dos filiados do PT que ocupam esses tais cargos de confiança. Uma dessas raras coincidências da vida, não é verdade?

REFLEXÃO CAIPIRA
Refletindo sobre as notícias do Brasil, entre elas a hilária sugestão de “relaxa e goza” aos passageiros, cuspida pela ministra do Turismo, Marta Suplicy, a respeito do caos aéreo, tento entender: “se o Brasil é mesmo um país sério e governado por pessoas sérias, então é o seu povo que não presta?”

DUAS VEZES SANTO?
Por ocasião da visita do Papa ao Brasil, os vereadores Miguel Lombardi (PR) e Eliseu Daniel do Santos (PSC) apresentaram o Projeto de Lei nº 179/07, com o objetivo de perpetuar o nome de Frei Galvão em uma das ruas, avenidas, praças ou logradouros públicos de Limeira. Nada mais justo para homenagear o primeiro santo brasileiro não fosse, é claro, o caso do ex-vereador José Roberto de Toledo (PSC) já ter apresentado tal propositura (Projeto de Lei nº 207/98), aprovada em 08/02/99. Tudo bem que o santo mereça nosso respeito e homenagem, mas duas proposituras não é um pouco de exagero? Ou seria falta de controle sobre o que é proposto naquela Casa?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:13 PM



   22.6.07  
FOCO CASEIRO
Considero mais que justa a preocupação do presidente da Câmara Municipal de Limeira, Eliseu Daniel dos Santos (PSC), que protocolou na semana passada uma moção de apelo a José Serra (PSDB), governador de São Paulo, cobrando reajuste salarial dos servidores públicos estaduais. Penso, entretanto, que motivado por essa nobilíssima preocupação em nível estadual, o vereador poderia também formular apelo para que o prefeito local aprove por aqui - o mais breve possível - o Plano de Carreira dos servidores municipais, assunto, aliás, que já se arrasta há anos e vem amargurando a categoria.

CIDADE SEM LEI?
Até quando os motoristas vão transformar em caos o trânsito na saída das escolas, notadamente na rua 7 de Setembro, sem que as autoridades tomem alguma providência?

E OS PEDESTRES?
Quando se fala em problemas no trânsito de Limeira, lembro que no Centro os pedestres sofrem com as calçadas que já não oferecem segurança às pessoas. Nelas, obrigados a desviarem de postes e lixeiras que inundam o espaço diminuto, pedestres interagem com os automóveis na rua, correndo o risco de atropelamento. E aí vem a questão: se não dá para alargar as calçadas, até quando a prefeitura vai autorizar o funcionamento dos carrinhos de lanches existentes nas ruas Senador Vergueiro e Carlos Gomes, que transformam a calçada (já apertadíssima) em lanchonete, espalhando cadeiras para conforto total dos clientes?

CONSTATAÇÃO
No trânsito, alias, o maior causador e responsável pelos desastres tem sido o excesso de velocidade. Já na administração pública, o maior desastre com certeza e a lerdeza na tomada de ações e no cumprimento das promessas.

OLHO POR OLHO
Exausto de limpar diariamente a fuligem provocada pela queima de canaviais que emporcalha o quintal e a piscina de sua casa, meu amigo Sérgio Romano coloca em pauta uma questão interessante a ser respondida: já que os responsáveis (donos e diretores de usinas) pela queimada de cana podem sujar a sua casa, então ele também tem direito de jogar latas de lixo no quintal da casa deles sem que seja processado e preso?

PHILOSOPHIA PHINA
Deus é fiel. Eu é que não presto mesmo!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:23 PM



   8.6.07  
COLUNA DOIS
Na discussão de parecer contrário a um projeto de sua autoria que previa transparência na Saúde, o vereador Almir Pedro dos Santos (PMDB) questionou: "nós estamos aqui para fiscalizar ou vereador só deve ficar dando nome de rua e títulos honoríficos, coisas dessa natureza, como garotos de recados?". A pergunta foi endereçada aos vereadores. Se fosse aos eleitores, posso até imaginar qual seria a resposta.

OS INDENIZADOS
E a Justiça cancelou a chamada "verba indenizatória" (R$ 15 mil) que os parlamentares recebiam mensalmente, destinada ao reembolso de supostos gastos que tinham em seus Estados. Nada mais justo. Pelo que estão produzindo no Congresso, quem deveria receber verba indenizatória é o eleitor.

AO APRENDIZ
O aprendiz superou o mestre. Esta imperdível a edição de junho do fanzine Diário (Gú) Tígers. Dessa vez "arrebentaram" nos quesitos humor, criatividade e irreverência. Fico feliz por dedicarem a edição de 18º aniversário a este humilde jornalista que vos escreve. Não mereço, mas agradeço.

BOM USO
E pela terceira semana consecutiva, a prefeitura publica suas "boas notícias". Como contribuinte sempre fico apreensivo com tal prática. É que não gostaria de ver o dinheiro do meu imposto sendo utilizado na divulgação de obras que nem sequer ainda foram concluídas. Aliás, a prática de divulgar obras também me traz uma leve sensação de campanha política antecipada. Penso que o foco das propagandas da Administração Municipal deveria ser com campanhas de conscientização da população em relação à economia de água, limpeza pública, combate a dengue e outras informações de interesse dos cidadãos.

SEM EFEITO
Considero interessante o questionamento que a Comissão de Assuntos Relevantes da Câmara fez à Prefeitura a respeito de 26 leis que possivelmente não estariam sendo cumpridas. De que adianta o município despender verba para manter um Legislativo em funcionamento, se as leis que forem produzidas por lá não forem levadas a sério?

DOS MALES, O MENOR
Já que a gente não dá sorte de eleger governos que promovam o desenvolvimento da cidade, nas próximas eleições o jeito é escolher um que pelo menos consiga manter as empresas que ainda temos por aqui.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:41 AM



   1.6.07  
PAPEL CARBONO
Você aí do outro lado da página já reparou que o comportamento dos governos que já tivemos normalmente é uma cópia fiel de seus antecessores, principalmente quanto ao não cumprimento das promessas de campanha? Pense bem se você já não viu esse filme antes: no primeiro ano de mandato, quase nada é feito e as desculpas são sempre de que o antecessor deixou dívidas e que a administração pública é excessivamente burocrática, dificultando a tomada de decisões. No segundo e no terceiro anos, como o eleitor praticamente já se esqueceu de tudo o lhe foi prometido (e até em quem votou), asfalta-se uma rua aqui, ajeita-se o visual de uma praça ali e chovem aqueles malditos anúncios de que farão isso e aquilo, anúncios que, é claro, nunca serão levados a sério. Aliás, essa é a famosa tática do anuncismo, um procedimento que já faz parte do manual de todo político profissional. Finalmente, no último ano de mandato, o político vem a público com aquela velha e surrada ladainha de que precisa de mais quatro míseros aninhos para realizar aquelas grandiosas obras que um dia chegou a prometer. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a, gente! Tudo bem que eu sou loiro, mas daí a pensar que sou otário já é querer demais, né?

PORTAS ABERTAS
E um leitor enviou e-mail estranhando o tempo que administração municipal está demorando para encerrar definitivamente as atividades da Empresa de Desenvolvimento de Limeira (Emdel). Bem, depois de tudo o que já vi acontecer por aqui, nada mais me causa estranheza.

HAJA CORDA
No Japão, um ministro acusado de corrupção se enforcou antes mesmo de depor sobre as acusações que lhe imputavam. Se a mania pegasse aqui no Brasil, penso que não haveria corda suficiente.

ATÉ TU, BOSCO?
Com a aprovação final do projeto de reestruturação administrativa da Câmara Municipal, mantendo-se o aumento na quantidade de cargos comissionados, Limeira perdeu (mais uma vez) a oportunidade de ficar conhecida como a capital nacional da transparência pública. Turvou!

AGORA VAI
A Mesa Diretora da Câmara apresentou na última segunda-feira projeto que cria o Código de Ética da Casa. Ué?! E como é que essa tal de ética era tratada por lá antes disso?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:14 PM



   26.5.07  
ERA MESMO URGENTE?
E alguém aí do outro lado da página tinha dúvida de que o projeto de reestruturação administrativa da Câmara Municipal seria aprovado? Eu não! Só não pensava que seria assim, em regime de urgência. E cheguei também a pensar que iriam rever a necessidade de aumentar a quantidade de cargos comissionados. Tive até a impressão que ouviriam a opinião da sociedade a respeito do assunto antes de se decidirem. Principalmente porque andaram falando em novos tempos naquela Casa e algo parecido com estar mais democrática. Mas (até me repetindo de outras vezes) penso que os nobres edis estão isentos de quaisquer culpas pela existência dessa espécie de distanciamento entre os reais interesses da sociedade e o que é discutido semanalmente por lá. E se acaso fosse mesmo obrigatório apontar culpados, imagino que a própria sociedade limeirense é quem deveria ser levada ao banco dos réus. Não sei dizer se por preguiça ou por puro desencanto, mas parecemos uma sociedade politicamente apática e amorfa, constituída por grupos formados de cidadãos que têm interesses comuns. Os deles próprios. Assim, completamente desinteressados em participar das decisões importantes a respeito do destino (incerto) de Limeira, manifestam-se apenas quando é conveniente à sobrevivência do próprio grupo. Infelizmente.

DESRESPEITO
E o leitor Carlos Gomide pede que eu comente aqui sobre a irresponsabilidade dos motoristas e a falta de respeito que têm com as placas de sinalização de "proibido retornar à esquerda" existentes na avenida Campinas, principalmente próximo a uma faculdade ali existente. Gomide diz que inclusive já fotografou diversas conversões feitas de modo irregular. Seu maior receio é que se as transgressões continuarem a prefeitura poderá fechar todos os retornos (como já aconteceu com alguns), causando transtornos à população que respeita as leis de trânsito e se utiliza corretamente daquela via. Como pedido de leitor é uma ordem, está comentado!

ONDE ESTÃO?
E estou procurando até agora onde é que estão as tais "boas notícias" que a Administração Municipal publicou em informe publicitário aqui no Jornal de Limeira. Os dois primeiros itens do informe, que dizem respeito ao arquivamento do processo contra a Prefeitura por suposto superfaturamento na compra de peças automotivas, e o terceiro - que o Tribunal de Contas de União considerou normal e dentro da lei a compra de merenda em 2005 - podem até ser considerados boas notícias. Para quem se defendia dessas acusações, é claro. Para o restante da população, não passa de informação trivial, pois agir com lisura no trato do erário é o mínimo que se espera de um governante. Já os itens 4 e 5, duplicação de avenidas, penso também que se tratam também de notas triviais e que melhor seria anunciá-las ao término das obras. Um dia, outras obras (a construção do paço municipal, por exemplo) também foram consideradas "boas notícias" aqui na terrinha. E deram no que deram!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:59 PM



   18.5.07  
DATAS FESTIVAS
Um dos trabalhos que os vereadores desenvolvem com maestria é a indicação de datas comemorativas. O objetivo - quero crer - é despertar a consciência da sociedade para temas relevantes. Nessa linha de pensamento, aí vão minhas humildes sugestões para mais algumas indicações comemorativas: Dia de Combate (Ferrenho) à Corrupção, Dia de Apoio (Irrestrito) a Realização de Concurso Público, Dia de Conscientização (Efetiva) do Eleitor, Semana de Incentivo (Sincero) ao Empreendedorismo Público.

COLÓQUIO SÚBITO
- Meo, tão falando por aí que em quatro anos esse governo vai fazer por Limeira o que não foi feito nos últimos quarenta.
- Sério?! E quando é que vão começar?

RESPEITO À CONSTITUIÇÃO
Não é por nada não, mas como prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, sugiro aos vereadores que leiam (e releiam quantas vezes for necessário), na íntegra, o Artigo 37 da Constituição Brasileira antes de votar o projeto de reestruturação em estudo na Câmara. Para quem não se lembra, é o artigo que determina a necessidade de concurso para o ingresso em cargo ou emprego público.

DISCRIMINAÇÃO?
E já que toquei no assunto, entendo que impedir somente os parentes até 3º grau dos agentes políticos de ingressarem no serviço público sem concurso, como aprovado recentemente pela Câmara, é algo discriminatório e antidemocrático. Porque pode para uns e não para outros? Cadê o princípio de igualdade entre as pessoas que dizem existir nesse País? Que culpa afinal tem um cidadão de ser parente de agente político? Assim, penso que até para resolver esse caso, a melhor solução ainda é a realização de concurso para todo e qualquer santo cargo ou emprego público. No Executivo, Legislativo e Judiciário. Imagino, inclusive, que Limeira seria reconhecida como a capital nacional da seriedade pública se resolvessem respeitar esse quesito da Constituição Federal Brasileira.

PENSE GRANDE
Li a matéria do Jornal de Limeira informando que os investimentos em Limeira despencaram na gestão do atual governo e lembrei-me que foi sugerido recentemente pela administração municipal que uma parte da imprensa é culpada por essa situação catastrófica. Não descobri ainda se me incluíram nessa lista. Aliás, até me sentiria lisonjeado se me auferissem tanto poder assim. E se acaso tivesse mesmo o poder de mudar o rumo das coisas, certamente eu ordenaria com convicção: apesar de seus governos, arriba Limeira!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:27 PM



   12.5.07  
FOGOS DE ARTIFÍCIO
Se o propósito era combater o nepotismo, penso que a proposta de Emenda à Lei Orgânica do Município que proíbe a contratação de parentes de até 3º grau por agentes políticos em todos os órgãos da administração pública municipal, de autoria do Executivo, não passou apenas de um gesto simbólico. Fogos de artifício. E tenho opinião idêntica a respeito da outra proposta (rejeitada), de autoria do vereador José Carlos Pinto de Oliveira, que proibia os parentes até o 4º grau. A duas apresentaram os mesmo tipos de fragilidades, uma delas inclusive já comentada pela imprensa, que é a de não impedir o maldito nepotismo cruzado. Para quem ainda não sabe o que isso significa, é aquela política do compadrismo entre governos. Algo do tipo "eu-nomeio-o-teu-parente-aqui-e-você-apadrinha-o-meu-aí".
Entendo que se existisse uma disposição séria de varrer - não para debaixo do tapete, é claro - de vez a prática nefasta do nepotismo e do apadrinhamento político, bastava que o cerne da proposta respeitasse o próprio texto concebido na Constituição Federal, mais especificamente o Artigo 37, do qual destaco duas partes: "a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego...", e também "as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento". Em resumo, só existe uma única saída para que o cidadão comum tenha acesso aos cargos, empregos e funções públicas: o concurso público. Ou seja, respeitar o que preceitua a Carta Magna brasileira. As práticas atuais não promovem a justiça, a impessoalidade e a moralidade pública.

PÔ, ATÉ DE FORMA VOLUNTÁRIA?
E me responde aí você do outro lado da página que é mais inteligente que este pacóvio que vos escreve: que vantagem Maria leva de trancar a porta da esperança do serviço público aos parentes dos agentes políticos, se a mantêm escancarada para a penca de amigos e apadrinhados do convívio político?

SÚPLICA CAIPIRA, DE JOELHOS
Propostas apresentadas no Congresso sugerem a extinção das eleições municipais de 2008 e a prorrogação dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores por mais dois anos. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Não faz isso com a gente não, pelamordedeus!

O PAPA ESTÁ CERTO
O papa Bento 16 utilizou a mesma expressão usada por João Paulo 2o e chamou a América Latina de "continente da esperança". E é verdade, pois aqui no Brasil, por exemplo, a gente vive da esperança de ter dias melhores e, principalmente, políticos e governos melhores. E olha que não é de hoje!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:35 PM



   4.5.07  
DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ
Dois vereadores do município de Quatiguá, localizado a 320 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná, foram afastados recentemente sob a alegação de infidelidade partidária. O ato considerado infiel: um deles foi eleito pelo PSDB, outro pelo PP, e acabaram trocando de partido, o PMDB, depois de eleitos. A interpretação da existência de infidelidade nesse caso veio por conta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que entende que o mandato pertence ao partido e não ao político eleito.
Putz, até que enfim, hein? Para mim, sempre foi essa a única e derradeira interpretação, pois não fossem os votos dos partidos, raros seriam os políticos que conseguiriam se eleger. Aliás, sem partido não se pode nem disputar eleições. Agora esse entendimento começa a tomar corpo sob forma jurídica. Se vingar, o que não acredito muito que ocorra, pode trazer um naco de moralidade ao surrado mundo político.
O problema é que aqui no Brasil nem tudo o que é entendido como algo que pode agregar valor moral à sociedade dura muito tempo. Infelizmente. Assim, logo, logo os políticos inventam um jeitinho de continuar fazendo troca-troca. De partido, esclareço.

ADULTÉRIO ELEITORAL
Quer saber a verdade? No fim das contas, da penca de problemas que temos, esse negócio de infidelidade partidária é até o menor. Pior que isso é aquela espécie de adultério eleitoral que todo político pratica com o seu eleitor quando deixa de cumprir boa parcela do que prometeu em campanha. Até hoje, aliás, em pleno gozo da envelhescência, ainda não tive, por exemplo, o prazer de ver um único político que não cometesse esse tipo de infidelidade. Infelizmente, porém, a maior parte da população que vota ainda insiste em desempenhar o papel de cônjuge traído, fingindo que é a última a saber. Ou, pior, parece ter personalidade acentuadamente masoquista e continua gostando de ser politicamente chifrada.

LÁ SE VÃO BEM MAIS DE 100 DIAS...
E as sessões do Legislativo continuam ordinárias.

LÁ SE VÃO MAIS DE 28 MESES...
E as ações pró-desenvolvimento da cidade seguem no mesmo ritmo dos finados governos. Devagar, bem devagarinho. Com exceção dos anúncios de futuras obras, é claro.

EMPATE TÉCNICO
E amigos me contam que um ou outro vereador não fica lá muito contente quando registro aqui na coluna minha opinião a respeito do trabalho do nosso dinâmico Legislativo. Então empatamos. Como limeirense, e principalmente como eleitor, também não fico nada feliz com o trabalho que desenvolvem por lá.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:00 PM



   27.4.07  
SAUDOSISMO CAIPIRA
E não é que o limeirense tem mesmo a mania de ser saudosista? Explico: durante o governo Paixão, o pessoal vivia chorando pelos cantos de saudades do governo D´Andréa. No governo Kühl, sentia saudades do governo Paixão. Com Pejon, dizia-se que bom mesmo era no tempo em que Kühl era o prefeito. Hoje, já há quem se declare mortinho de saudades dos "bons tempos" (sic) do governo Pejon. E penso que há mesmo fortes motivos para a existência desse saudosismo que já se mostra crônico. Imagino, inclusive, que um deles seja a completa ausência de esperança de que um dia ocorra um surto desenvolvimentista por aqui. Acho difícil de acontecer, mas não totalmente impossível. Basta vontade política. De toda a sociedade, é óbvio. Mas voltando ao saudosismo, ocorreu-me uma dúvida que o amigo aí do outro lado da página talvez até possa responder: será que em 2009 sentiremos também saudades do governo Félix?

SUGESTÃO SUPIMPA
E a prefeitura iniciou, a pedido da nobre vereadora do PTB, Nilce Segalla, estudos para a instalação de aparelhos de ar condicionado no velório municipal. Imagino que a proposição, supimpa diga-se, surgiu da observação de que havia a necessidade de oferecer um pouco mais de conforto, ao menos físico, às pessoas que lá freqüentam. Os que ainda estão vivos, é óbvio. Nada contra a idéia, pois chorar pela morte de entes queridos num ambiente refrigerado é muito mais agradável do que num calor infernal (no bom sentido, claro). Portanto, seguindo a linha de pensamento - a de amenizar as agruras dos cidadãos -, sugiro que estudem também a possibilidade de instalar cadeiras na calçada em frente à agência do INSS local e comprar uma penca de guarda-chuvas. É que dá um dó danado todo dia ver aquele pessoal esperando horas a fio por um atendimento. Em pé, no relento, na chuva ou ao sol.

PRODUÇÃO EM MASSA
Já o nobre vereador do PSC e presidente da Câmara, Eliseu Daniel, preocupado com o aquecimento global e com a preservação do meio ambiente, sugere a utilização de papel reciclado na impressão de documentos daquela egrégia Casa. Concordo plenamente. Tanto que tenho cá até uma humilde sugestão para complementar tal proposta ecologicamente correta: que os vereadores se unam e apresentem mensalmente todas as propostas de nomes de rua e títulos de cidadão de uma só vez, relacionados num único requerimento. Assim, economiza-se tanto o papel quanto o tempo gasto para aprovação, que seria feita em lote. Ah, e a paciência de seus eleitores também.

1º DE MAIO
Na sala de aula os alunos preparam uma redação sobre o Dia do Trabalho e surge uma dúvida:
- Professora, o certo é escrever que os políticos são eleitos para trabalhar ou para trabalharem?
- Tanto faz, Joãozinho, o importante é que o façam.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:18 PM



   21.4.07  
CADA UM NA SUA
Pois é caro amigo aí do outro lado da página, se você ainda está lembrado, num passado não muito distante tivemos por aqui um governo que via com bons olhos e tratava com muito esmero da Hípica Municipal porque o filho gostava de cavalos. Nada contra. Já tivemos também num passado mais recente quem tinha os olhos voltados para a pintura de guias, sarjetas e tudo o mais que pudesse receber uma bela pintada (no bom sentido, é claro). Nada contra. Hoje o foco está meio que voltado para o embelezamento de canteiros de avenidas e algumas praças, com o plantio ou substituição do tipo de grama antes utilizado. Nada contra. Será, entretanto, que um dia ainda teremos a sorte de eleger um governo que se encante de vez com o tema desenvolvimento e empreendedorismo? Tudo a favor, óbvio.

RISCO DE CASSAÇÃO?
Cassado pela Câmara Municipal de Limeira em 2001, o ex-vereador Paulo Sérgio Oliveira contou-me certa vez que um dos motivos alegados para a sua cassação foi por ele não utilizar o "português" como idioma oficial em seus discursos e pronunciamentos realizados naquela Casa. Nunca entendi direito, confesso, que maldade haveria em tal prática que pudesse causar até a cassação de um vereador. Mas na verdade lembrei-me do assunto porque recentemente foi instituído por aqui um tal de Dia do Controle de Stress, por indicação da nobre vereadora Nilce Segalla. Nada contra, é claro, porque pelo menos uma vez por ano a gente vai se lembrar que anda um bocadinho estressado. Com a eficácia dos políticos, evidentemente. E se a utilização de termos estrangeiros é mesmo transgressão às leis, penso então que a vereadora deveria rever rapidamente a grafia de sua indicação, alterando o seu "stress" original por "estresse", pois este último já consta dos dicionários há mais de uma década como forma aportuguesada do primeiro, que é um anglicismo.

CURTURA PURA
E como essa coluna vez por outra também é cultura, para quem ainda não sabe, estresse - segundo o Dicionário Escolar da Língua Portuguesa - significa: "soma das perturbações orgânicas e psíquicas provocadas por diversos agente agressores, tais como: trauma, emoções, choque cirúrgico, intoxicação, fadiga, exposição ao calor ou ao frio, etc". Pois se for isso mesmo que a vereadora sugere controlar, então a palavra "estresse" cabe perfeitamente no lugar de "stress". E passa a régua.

TEOREMA CAIPIRA
Se for verdade que parte da imprensa tem mesmo todo esse poder de atravancar o desenvolvimento de Limeira como foi aventado recentemente pelo prefeito, então no dia (valei-me, Santo Expedito) que ele (o desenvolvimento) resolver finalmente dar o ar da graça aqui pela terrinha, por justiça os louros da vitória com certeza também serão atribuídos a esse naco da imprensa. E com louvor.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 10:50 AM



   15.4.07  
TRIÂNGULO AMOROSO
Interessante essa discussão que o pessoal do comércio, via sindicatos classistas, trava a respeito do horário ideal de fechamento das lojas aos sábados. Penso, entretanto, que devido a ansiedade em determinar qual seria para cada um deles o melhor horário, talvez acabaram se esquecendo que existe um terceiro personagem - o principal, aliás - nessa negociação: o cliente (vulgo consumidor) que sustenta ambas as partes. Já se sabe por acaso qual o horário que mais interessa à população limeirense? Ou será que a idéia reinante, em pleno século 21, é que os consumidores que têm a obrigação de se adaptar ao horário por eles escolhido?

OPORTUNISTAS
Admiro a posição firme de alguns políticos que nunca se postam em cima do muro. Entra governo, sai governo e lá estão eles, sem titubear, fincando pé-firme num dos lados. Sempre do lado de quem está no poder, é óbvio.

TRATAMENTO ESTRANHO
Sinceridade? Confesso que nunca entendi direito esse negócio da gente tratar de primeira-dama a esposa de presidentes, governadores e prefeitos. Considero, aliás, esse tratamento um tanto quanto pejorativo e que dá a impressão de subserviência dessas mulheres. Penso que fica sempre no ar a impressão de que, se existe uma dama que é considerada a primeira, pode haver conseqüentemente uma segunda, quem sabe até uma terceira. Minha sugestão é que as esposas dos políticos deveriam abdicar desse encargo. Pois se fosse lá um tratamento notadamente digno e carinhoso, não acha que seria utilizado também para os maridos das mulheres que assumem esses cargos? Mas diz aí você do outro lado da página, por acaso já viu algum homem ser tratado como primeiro-cavalheiro? Eu ainda não!

É O FIM!
Deputados decidiram não trabalhar mais às 2a feiras. E nos outros dias da semana, quando é que começarão?

TÁTICA DO ANUNCISMO
Não há como negar: os últimos governos municipais sempre foram bons anunciantes. E dentre as muitas coisas que anunciam cada vez que há um desconforto em relação ao que falta à cidade, só o distrito industrial, por exemplo, já foi merecedor de uns seis ou sete anúncios. Alguns deles inclusive em tom festivo e com direito à apresentação de pomposas maquetes. Para dar um certo ar de veracidade ao anúncio, é claro. Mas de concreto mesmo só é possível vislumbrar a necessidade de continuar gastando nosso estoque de paciência. E a certeza de que novos anúncios virão. Uns novos; outros em reprise na sessão "vale-a-pena-anunciar-de-novo".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 10:32 AM



   6.4.07  
OK, MEA CULPA
Passados aí dois anos e três meses, matuto cá com meus velcros e concluo que o governo Félix até agora se mostrou pouco diferente de seus antecessores. A cidade anda (força de expressão) no mesmo ritmo de sempre. Patinando! E nessa altura do campeonato, pelo habitual ranger das rodas da carroça, não imagino se ele terá ainda fôlego para cumprir a totalidade do que prometeu enquanto candidato. Torço (de verdade) para que o faça. Mas já não boto mais minha mão no fogo apostando em grandes resultados. A lógica me diz que Félix pedirá mais quatro anos para acabar o inacabável. É costume de quem chega ao poder. Quem entra toma gosto e faz de tudo (força de expressão) para não arredar o pé do troninho. No que diz respeito ao desenvolvimento, um dos principais temas de interesse da população, os resultados seguem risíveis. E parece que a idéia agora é botar a culpa pelos transtornos desenvolvimentistas nos cidadãos que cobram resultados. Até concordo que a maior parcela de culpa não deve mesmo ser atribuída ao governo. Tal quinhão cabe como uma luva aos milhares de eleitores que sufragaram seus votos de confiança, imaginando que este governo seria diferente dos anteriores, uma espécie de "salvador-da-pátria". Não foi até agora! Incluo-me, enfim, nessa categoria de eleitores culpados. Fazer o quê, né? Errar é humano.

CONTA OUTRA
Mas hilária mesmo é a ladainha ensaiada pela penca de escudeiros que vem a reboque de todo santo governo. Basta alguém cobrar resultados ou questionar o cumprimento de promessas e já vem um deles com a justificativa: "estamos fazendo muito mais do que fez o governo anterior". Trololó para incentivar boi a vestir o pijaminha listrado e dormir. Oras, quem disse que elegemos prefeitos para fazer mais que o seu antecessor (que, invariavelmente, também quase nada faz)? Elegemos administradores públicos confiando naquilo que eles mesmos nos prometem. E, sem querer abusar, imaginando também que se esforçarão para fazer sempre um bocadinho além do prometido. Quando não fazem, concedem-nos o sagrado direito da cobrança. Agora, se cada eleitor que cobrar resultados for considerado da oposição e culpado por afugentar as chances de desenvolvimento, então estamos fritos, porque em final de feira a turba oposicionista engrossa sobremaneira. Penso, entretanto, que deixar de cumprir promessas justificando que está fazendo mais do que o antecessor e pinchar a culpa nos outros são maneiras de esconder a ineficácia administrativa. E abusar da ingenuidade do eleitor. Ah, da paciência também.

PONTO G
Olha que eu até tentei me lembrar, mas cheguei à conclusão que já faz um bom tempo que não temos por aqui um governo com "G" maiúsculo. O último dessa estirpe, aliás, foi o..., o... Putz, gente, ajuda aí, quem foi mesmo?

NA ENXURRADA
E já que adiaram a despoluição do Ribeirão Tatu para 2014, não daria para postergar os aumentinhos nas tarifas de água e esgoto também para essa data?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:55 AM



   30.3.07  
E NÃO ERA CONVERSA DE PESCADOR
Dessa vez a previsão de despoluição total do Ribeirão Tatu ficou para 2014. Pelo histórico, arrisco minha saúde financeira apostando um real que um pouco antes desse novo prazo o pessoal prorroga outra vez. Se não me falha o mísero par de neurônios, houve um anúncio festivo em governo anterior de que por volta de 2008 o limeirense já estaria pescando tranqüilamente nas límpidas águas do ribeirão. Tenho um amigo, aliás, que até comprou tralhas novas de pesca sonhando com essa possibilidade. "Faiou, João!"

SÓ PRA ENTENDER
Em 2005 o PT de Limeira apresentou um dossiê denunciando o suposto superfaturamento na aquisição de itens da merenda escolar. A conversa defensiva que circulou na época era de que se tratava de mera denúncia motivada por fins políticos. Nessa linha de pensamento, quer dizer então que a conclusão dos auditores do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) também tem o mesmo tipo de motivação?

TAMANHO NÃO É DOCUMENTO
Quando se trata, aliás, de dinheiro público, tanto faz superfaturar R$ 9,9 mil, R$ 1 ou R$ 1milhão. O resultado será sempre o mesmo: improbidade administrativa.

ÁLBUM POLÍTICO
Li o comentário do leitor Isaías Aires de Alencar, publicado na última terça-feira no Leitor Escreve. Concordo plenamente com ele que em vez de mudar para a Lua, como eu sugeri dias atrás num momento de total desânimo, melhor mesmo seria educar o povo a votar e tirar de vez de circulação algumas figurinhas carimbadas da política local. Confesso, entretanto, que ando perdendo a esperança de ver isso acontecer. Quem sabe meus netos (que ainda nem nasceram) tenham um dia esse privilégio. Quanto às figurinhas carimbadas, às vezes o povo até tira o colecionador da parada, mas elas - as figurinhas - voltam à circulação com uma rapidez impressionante, grudando no álbum do primeiro novo colecionador que lhes passa a língua. No bom sentido, claro.

É BOIADA?
Uma amiga, professora do Estado, conta que em suas aulas do Ensino Médio as classes são superlotadas por nada menos que uns 48 alunos. Em partes isso explica porquê a qualidade do ensino em São Paulo é um fiasco!

PEDALA, GOVERNO FÉLIX
Gostei do aumento no limite de velocidade no Anel Viário e em algumas importantes avenidas. Antes, ao trafegar por essas vias eu me sentia assim como uma espécie de tartaruga motorizada. Um tédio! Agora, aproveitando o embalo, será que não daria para aumentar também um bocadinho da velocidade do desenvolvimento de Limeira?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:41 PM



   23.3.07  
É SINA?
E continua o grande desafio de morar em Limeira e não se estressar. Missão quase impossível, fala a verdade? Dessa vez um leitor sugere que eu tente uma nova aventura: trafegar pela avenida Campinas, na altura da faculdade instalada naquela via, no horário das 19 às 19h30mim. P-e-l-a-m-o-r-d-e-d-e-u-s! Eu já faço isso quase que diariamente. O trânsito ali fica mesmo uma zona, parecendo orifício da extremidade terminal do intestino de bêbado. Fila dupla de vans, ônibus e automóveis impedem que outros veículos sigam em paz pela avenida. Fiscais de trânsito no local? Nem pensar! Aliás, só tenho me deparado com esse pessoal durante o dia, no Centro da cidade. Fora do Centro? À noite? É querer demais, né gente? Então, o jeito é apelar: valei-me São Cristóvão!

VAI ENCARAR?
Por falar em trânsito no Centro, o leitor já teve a infelicidade de trafegar pela rua Dr. Trajano, entre as ruas Tiradentes e a Carlos Gomes, e por um azar danado dar de cara com o afunilamento que ocorre quando é hora do veículo de transporte de valores (vulgo carro-forte) resolve parar na agência bancária existente no lado esquerdo daquele quarteirão?

MUDE-SE PRA LUA
Para quem sonha com dias e governos melhores aqui na terrinha, tenho uma singela sugestão: mude de cidade. Já para quem sonha com políticos melhores em todo o País, só mesmo mudando para a Lua. Ah, mas faça isso antes que algum deles também resolva se inscrever nesses programas espaciais da NASA.

SOBRE O VALE-REFEIÇÃO
Recebo da Câmara um amável e-mail com esclarecimentos sobre a refeição servida naquela Casa. A assessoria de imprensa informa que a refeição servida aos vereadores não é paga com dinheiro público; o valor é dividido entre todos os vereadores; a refeição é servida durante o intervalo; não existe um cardápio determinado; o pão com presunto e queijo, custeado com dinheiro da Câmara, é servido de forma controlada apenas às segundas-feiras, porque nesse dia os funcionários não voltam para casa para jantar devido à realização da sessão ordinária. Ok, feito o registro. Mas aguardo a resposta a outras questões que formulei e volto ao assunto numa próxima coluna.

IMPOTÊNCIA CAIPIRA
Caramba! O mundo todo preocupado em reduzir o tamanho do buraco de ozônio e a gente aqui sem competência nem para acabar com a penca de buracos que proliferam em nossas ruas e avenidas?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 4:55 PM



   16.3.07  
VALE-REFEIÇÃO?
Li aqui na vizinha Vai & Vem que o cardápio da Câmara ficou um bocadinho mais caprichado. Trocaram o simplório pão-com-presunto-e-queijo por jantar incrementado inclusive por macarrão. Se antes meus dois neurônios já não entendiam o porquê (raios) de servir merendinha no intervalo das sessões, agora sim é que eles entraram em parafuso. A dúvida: será que não seria mais sensato que os edis comparecessem às sessões já comidos, digo, jantados? Ou, já que a fome atrapalha o bom andamento das sessões, não daria para trazer de casa uma quentinha como fazem os miseráveis trabalhadores assalariados? Fala a verdade, leitor, tem como a gente não se estressar com uma notícia dessas? Ainda se o trabalho (força de expressão) naquela Casa fosse voluntário até seria possível engolir uma ou outra mordomiazinha. Como não é, penso que melhor seria que repensassem a necessidade de continuar com essa prática pouco usual aos preceitos do bom senso.

MISSÃO IMPOSSÍVEL
E por falar em temas estressantes, o advogado Eduardo Ramos conta-me que seu médico recomendou que ele se mantivesse calmo e não se estressasse por qualquer motivo. Ramos confessa que foi a coisa mais difícil que já lhe pediram até hoje. E é mesmo! Morar em Limeira é estar vulnerável a uma carrada de situações enervantes. E ele sugere que eu lance aqui uma série de desafios para que os leitores testem sua capacidade de não se estressar. O primeiro desafio sugerido é: passar pela Rua 7 de Setembro, das 17:45 a 18:30, entre as ruas Boa Morte e Treze de Maio sem perder a calma. Confesso que já enfrentei esse desafio e não é mole não! Ramos também fez o teste e relata: "Não tem como não se estressar. Ali naquela quadra existe um colégio e todo santo dia tem fila dupla; o trânsito é uma zona. Para guardar lugar os pais já estacionam - irregularmente - do lado direito da rua, antes mesmo de acabar a aula. Ficam com os alertas ligados, curtindo um som e com o ar-condicionado ligado, enquanto os trouxas que passam por ali têm que se virar para afunilar o trânsito e atravessar o trecho. E sempre tem carros que ficam parados no meio do cruzamento, com o semáforo fechado, atrapalhando quem vem pela Rua Boa Morte. Lamentável mesmo é não ver nenhum guarda municipal punindo, ou pelo menos orientando o trânsito no local". Mas não se preocupe, caro leitor, agora seus problemas de stress acabaram de acabar, pois foi incluído no calendário oficial de Limeira e Dia do Controle do Stress, graças a um Projeto de Lei da vereadora Nilce Segalla.

RIMA DA SEMANA
De nomeação em nomeação, o Plano de Carreira do funcionalismo é empurrado com o barrigão. Rimou, né?

TEOREMA CAIPIRA
Se os cientistas afirmam que sonhar ajuda a prevenir a gravidez entre os jovens, então a culpa pelo grande número de adolescentes grávidas é dos políticos. Afinal, quem é que vive acabando com os nossos sonhos?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:01 PM



   10.3.07  
ANDO DEVAGAR PORQUE JÁ TIVE PRESSA...
Todo mundo está careca (força de expressão, gente) de saber que Limeira não tem uma rodoviária decente; não tem um sistema de transporte coletivo eficaz; não tem uma política agressiva de atração de novos empreendimentos e desenvolvimento. Em compensação, temos que dar graças a Deus por ter uma Câmara Municipal atuante e muito preocupada em instituir, por exemplo, um dia municipal para Ação de Graças e uma semana inteirinha para a Conscientização e Prevenção à Anorexia e Bulimia Nervosa; em conceder quase que semanalmente títulos de cidadania; em disciplinar a colocação de outdoors nas ruas, vias e avenidas expressas da cidade; em reposicionar as câmeras de vídeo instaladas em seu próprio prédio; em perpetuar o nome de Menino Jesus a uma das ruas, avenidas, praças ou logradouro público; em manter a exigência de homenagens a pessoas falecidas há mais de um ano com exceção para casos em que o homenageado tenha sido uma autoridade, civil, militar ou eclesiástica. Valei-me, santo Onofre.

GRAÇAS A DEUS
E por falar em dia de Ação de Graças, para mim eles só ocorrem de quatro em quatro anos, por ocasião da troca dos políticos que encerram o mandato entregando o bastão aos novos eleitos. Vão com Deus!

PLANO DE CARREIRA
Ainda não deu para entender de onde surgiu a repentina motivação do prefeito em acabar com o nepotismo no Executivo e no Legislativo, enviando para tanto projeto à Câmara Municipal. De qualquer forma, trata-se de uma medida salutar e digna de aplausos. Entretanto, para que os mesmos aplausos ocorram de forma mais efusiva, só falta agora estabelecer que todos os cargos da administração sejam preenchidos exclusivamente por intermédio de concurso público. E os de confiança, por funcionários efetivos de carreira.

IMPUNIDADE ZERO
Em vez de perder tempo discutindo se a redução da maioridade penal diminui ou não a criminalidade, não é melhor a gente arregaçar as mangas e lutar pela redução irrestrita da impunidade?

NÃO ACREDITO!
E dos bastidores vem o boato de que estão tentando fritar o contrato da Área Azul com a empresa Hora Park, vislumbrando uma possível vinda de empresa que administra o mesmo tipo de serviço na cidade de Mogi Guaçu. Não há, óbvio, como confirmar a informação e por isso penso que se trata mesmo de boato. Entretanto, se acaso um dia isso acontecer, só o fato de pré-anunciar aqui essa possibilidade já não indicaria uma espécie de jogo de cartas marcadas; um vício de licitação?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:31 PM



   2.3.07  
TERCEIRIZA TUDO, JÁ!
Limeira poderá receber verbas internacionais para investimentos, por exemplo, nas áreas de saneamento, recapeamento e aterro sanitário. É que a prefeitura contratou uma empresa especializada em prospectar recursos internacionais. Aqui ao Jornal de Limeira o prefeito Silvio Félix justificou a medida dizendo que "a prefeitura não dispõe de uma equipe especializada" para realização desse tipo de trabalho. Bingo! E mesmo não havendo uma previsão de quanto a cidade poderá lucrar com essa medida, imagino que se trata de uma iniciativa bastante sensata e promissora. E penso também que o Executivo deveria tornar essa espécie de terceirização prospectiva em prática habitual para as ações dos temas que não tem competência (ou tempo) para fazer. Assim, nessa linha de raciocínio, será que não seria interessante contratar desde já empresas especializadas para promover o desenvolvimento de Limeira, para a modernizar o transporte coletivo, para implementar um Plano de Carreira para os funcionários públicos, e trocentas outras coisinhas mais? Não é por nada não, mas dizem que o seguro morreu de velho e tanto a prudência quanto o caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Assim, é interessante lembrar que agora só faltam mais 22 meses para o fim do governo. E apenas 19 para as próximas eleições, né?

DESABAFO
A leitora Rosane Aparecida Gonçalves envia-me uma espécie de desabafo, que contém algumas questões que nem imagino como responder. Ela tem um filho de 21 anos, que traz em seu currículo o Ensino Médio e diversos cursos profissionalizantes realizados em conceituadas instituições de ensino. O jovem procura a tempos por uma vaga no mercado de trabalho. E em tom de desabafo, ela pergunta: "como um jovem pode investir em sua educação profissional, ir ao PAT e agências de emprego todos os dias, se não tem condições financeiras nem para pagar uma única passagem de ônibus?" E Rosane continua: "Não estou pedindo uma esmola de trabalho para o meu filho, mas perguntando porque para nós, limeirenses, tudo é tão difícil, não só nessa área como também o acesso à educação, saúde e habitação. Na saúde, por exemplo, se não fosse a boa vontade de profissionais voluntários, que se doam em seus consultórios particulares através do Dispensário Madre Tereza de Calcutá, muitas pessoas já estariam com os dias contados". Feito o registro!

IMPERDÍVEL
No dia 24/03, às 20h, no Teatro Vitória, o Studio de Dança Daniela Alonso apresenta o espetáculo "Don Quixote", com adaptação coreográfica de Luciana Campanini, em comemoração ao 5º aniversário daquela academia. Os ingressos já estão à venda e a novidade aqui é que este pacóvio que vos escreve participará (pela primeira vez na vida) no papel de Don Quixote. Uaauuu! Sem qualquer experiência no ramo, a não ser assistindo há 19 anos as apresentações de minha filha, só espero não atrapalhar as competentes bailarinas com quem vou contracenar. Mesmo assim, aí vai o recado: te cuida, Reinaldo Gianechinni.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:32 AM



   10.2.07  
ACELERA
Ainda nem foi implementada e tem gente aplaudindo e outros criticando a mudança no limite de velocidade no Anel Viário para 70 km/h. Eu sou um dos que aplaude, pois sempre considerei a velocidade de 60 km/h meio que "tartaruguesca". Os que dizem entender de trânsito afirmam que com o aumento da velocidade aumenta-se também o risco de acidentes. Não acho que isso seja uma questão totalmente verdadeira. Penso que os acidentes são provocados mais pela imprudência dos motoristas, pelo desrespeito às regras do trânsito e pelo lamentável estado de conservação e sinalização das vias, do que pela velocidade nela permitida. Por outro lado, concordo quando dizem que o aumento em 10 km/h na velocidade atual não vai refrescar tanto assim o tempo de percurso. Melhor seria aumentar logo para uns 80 km/h. Entretanto, o que ajudaria muito na melhoria do quesito de tempo seria a eliminação total daquelas malditas lombadas ainda existentes em trechos do Anel Viário e estudar novas soluções para algumas rotatórias que já andam provocando engarrafamento nos horários de pico.

DESACELERA
E ainda em relação ao trânsito, leitores reclamam que existe uma verdadeira indústria de multas aqui em Limeira. Não concordo! Primeiro porque caso fosse mesmo verdade não seria uma indústria e sim um "serviço de multas de trânsito". Depois, se multas são aplicadas é porque o multado cometeu uma infração prevista em lei, normalmente o excesso de velocidade. Mas voltando a supor que os olhos da municipalidade estejam mais voltados à arrecadação de fundos pela aplicação de multas do que a utilização desse procedimento para educar os motoristas, penso que é fácil acabar com essa "indústria": é só a gente não cometer mais infrações de trânsito, o que levaria esse serviço (indesejável) à falência total.

EM 2050?
É impressão deste pacóvio que vos escreve ou esse negócio de despoluir o Ribeirão Tatu já foi efusivamente anunciado em governos anteriores? Já não haviam prometido que os limeirenses estariam pescando em águas límpidas por volta do ano de 2008? E não gritavam que a promessa não era conversa de pescador? Engraçado é que normalmente tais anúncios sempre são feitos quando se vai anunciar reajustes nas contas de água. Quero crer que por mera coincidência. Agora, fala-se que a despoluição do Tatu deve ocorrer somente em 2011. Assim, se a cada governo que passa o prazo for prorrogado, nem imagino se estarei vivo quando um dia isso acontecer. Quem sabe meus netos (que ainda nem nasceram), né?

REFLEXÃO DIET
Há um desequilíbrio evidente nas políticas sociais brasileiras de distribuição de renda. É pouco pão para muito circo. E de quebra uns palhaços aqui pagando entrada nesse espetáculo mambembe.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:37 AM



   2.2.07  
DO LEITOR
O leitor Jair Gellacic envia uma idéia até que interessante para resolver o verdadeiro festival de buracos que tomou conta das ruas de Limeira. Ele sugere que eles sejam pintados na cor amarela, que sabidamente significa atenção. E eu acrescento a sugestão de que a pintura seja feita com tinta fosforescente, aquela que brilha no escuro ao receber um facho de luz. Assim a gente pode enxergar os ditos cujos de noite também, né?

CONFISCOS EM SÉRIE
Ao assumir o governo em 1990, a primeira medida do ex-presidente Fernando Collor de Mello foi confiscar as contas de cadernetas de poupança dos brasileiros. Tinha prometido que não faria, mas fez. Já o presidente Lula, em seu primeiro mandato confiscou parte do tempo de trabalho dos brasileiros que seriam computados para a aposentadoria. E acabou confiscando também por conta da série de escândalos envolvendo membros do seu governo a confiança que se tinha de que seu partido, o PT, era totalmente ilibado e diferente dos demais. Não é! Neste segundo mandato, o confisco agora parece estar focado num naco do FGTS. Enquanto sindicalista Lula sempre brigou por esse e por outros direitos dos trabalhadores. Pelo jeito, mudou de idéia. Resta saber que outras surpresas desagradáveis ainda estão por vir até 2010 por conta do ex-sindicalista.

HELDTORIAL
E fez bem o vereador César Cortez (PV) em desistir da idéia de apresentar projeto autorizando aos prefeitos que indiquem suas esposas para cargo comissionado. Exceções desse naipe são altamente prejudiciais à transparência que se espera de todo homem (e mulher) público. Ninguém, é óbvio, duvida que as esposas dos prefeitos tenham competência para assumir cargos públicos. Da mesma forma que não se pode duvidar também do profissionalismo dos que ingressam no serviço publico pelo caminho suave dos cargos comissionados. Entretanto, é necessário enxergar, mesmo que a contragosto e pelas lentes míopes da política, que há milhares de outros cidadãos com o mesmo grau de competência dos familiares dos políticos, esperando sentados à beira do caminho que lhes ofereçam a oportunidade de concorrer de forma democrática a essas vagas públicas. Se, portanto, é mesmo verdade que o vereador preocupa-se com o que a opinião pública pensa a respeito do tema, minha humilde sugestão é que ele apresente projeto regulamentando definitivamente a contratação de servidores públicos apenas e tão somente por concurso. Sem quaisquer exceções. E aproveite a oportunidade para que se reconheça o trabalho eficaz que os servidores desenvolvem, cobrando com unhas e dentes da prefeitura o tão sonhado e prometido Plano de Carreira.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:18 AM



   19.1.07  
ZEROU?
A vereadora Elza Tank assumiu essa semana a Secretaria da Saúde. Os comentários anteriores dos bastidores sinalizavam que havia uma espécie de promessa (pendente desde a campanha eleitoral) do prefeito de criar para ela a tal de Secretaria da Mulher. A pasta para cuidar exclusivamente de assuntos da mulher, como sonhava Elza, não vingou. Mas parte do que ela desejava proporcionar às cidadãs limeirenses com certeza poderá realizar nesse novo cargo. E não há como negar a força política e a competência gerencial da vereadora, digo, da secretária. Assim como não se pode negar também que o prefeito cumpre com essa nomeação parte do que andou prometendo quando em campanha. Agora, entretanto, só falta o quinhão das promessas destinado ao que realmente interessa à maior parcela da população, porque para com os aliados parece que ele acaba de passar a régua.

TÁTICA DA URGÊNCIA ESPECIAL
Pelo tempo que os técnicos da prefeitura já levaram para elaborar o projeto de licitação dos serviços de transporte coletivo, imagino que vem por aí algo surpreendente; quem sabe até um exemplo de logística para o mundo. E enquanto a população aguarda pacientemente, entre uma crise e outra do setor, penso que os vereadores devem ficar atentos para uma possível votação em regime de urgência. Mesmo que os técnicos levaram mais de ano para concluir os estudos é sempre prudente olhar com carinho especial o que é de suma importância para o futuro da cidade e o bem estar da população.

CONTA OUTRA, VAI
Achei no mínimo cômica a afirmação do deputado Raul Jungmann (PPS-PE), que foi denunciado pelo Mistério Público (MP) por suposto envolvimento em desvio de verbas quando ministro do Desenvolvimento Agrário. Ele disse algo parecido com "renuncio se alguém achar roubo". Deve ser uma piada, né? Pois se fosse político (mas não sou, esclareço desde já) até eu que sou lá mais ingênuo e bobão também renunciaria se me pegassem numa situação dessas. Ao renunciar o denunciado não escapa da denúncia do MP, mas se esquiva de ser cassado por seus pares, processo que o manteria inelegível por anos a fio. Penso, entretanto, que os políticos que renunciam são os que querem se safar de uma possível exposição que mancharia sua imagem pública. De maneira fast-food.

BOM EXEMPLO
E fico sabendo que em Amsterdã, capital da Holanda, erguerão uma estátua de bronze dedicada às prostitutas do mundo. Nada mais justo! A estátua foi encomenda à escultora Els Rijerse pela ex-prostituta Mariska Majoor, que há dez anos criou um centro sobre a prostituição naquela capital. As autoridades Holandesas apóiam a iniciativa. Eu também apoiaria! Ao menos por lá, diferentemente daqui, monumentos são construídos para quem dá duro (no bom sentido; o de trabalho) na vida.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:49 PM



   13.1.07  
,ESTOU A MAIS TEMPO
E o prefeito Silvio Félix parece que ficou sensibilizado com a matéria aqui do Jornal que apontou Limeira como líder da região ao conceder o Bolsa-Família para 8.497 famílias. Não era para menos, pois não é de hoje que a cidade se mostra capengando em seu desenvolvimento e com a população visivelmente empobrecida. Percebe-se, por outro lado, que há um esforço do governo em assistir socialmente a miséria das famílias; os números mostram isso. Entretanto, é necessário sensibilizar-se também com a necessidade urgente de implementar ações mais arrojadas e inovadoras para resgatar a pujança que um dia a cidade já teve. Imagino que foi para isso que a população o elegeu. Ao menos o meu voto de confiança teve esse objetivo.

SUGESTÃOZINHA
Olha que eu já ouvi uma penca de vezes os vereadores dizendo que estão 24 horas a serviço da população. E é o mínimo que poderiam fazer, pois foram eleitos e recebem um salário polpudo para isso. Minha humilde sugestão, entretanto, tendo em vista que o presidente eleito da Casa prevê um novo ritmo nos trabalhos e essa surpreendente disposição dos edis em atender diuturnamente os anseios do povo, que a Câmara passe a realizar não mais apenas duas, mas cinco reuniões semanais. De segunda a sexta. Só para tirar o atraso.

VAI VIRAR PANELA
E penso que já passou da hora da prefeitura aumentar um bocadinho o valor do pedágio que se paga na rodovia Limeira-Cordeirópolis. Pelo jeito, o que se arrecada hoje naquela praça (putz, essa palavra lembra lazer e diversão; nesse caso, com o nosso dinheiro) não é suficiente para a manutenção daquela via. É que tem dois ou três buracos por ali já merecendo até presente de aniversário.

TAPA NO VISU
Aleluia, aleluia! Finalmente retomaram o cuidado com o visual da principal via de acesso à cidade, a avenida Major José Levy Sobrinho, plantando flores no canteiro central. Tudo bem que a cidade anda lá carente de ações desenvolvimentistas, mas é sempre importante deixa-la bem cuidada e preparada para o futuro. Afinal, "nóis é pobre mais é limpinho e arrumadinho, né?".

INEXPLICÁVEL
Converso com meu amigo José Luiz Dalfré, renomado oftalmologista, e por mais que colocássemos em funcionamento os nossos cinco neurônios (os três dele e os meus dois), não obtivemos resposta para a questão: por que o presidente Lula tirou férias no início de janeiro se ele ainda nem começou a trabalhar?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 11:53 AM



   5.1.07  
MOTE SUGESTIVO
Já vi tempos atrás governo que se gabava da grandiosidade de seus atos desenvolvimentistas e utilizava como mote algo parecido com: "quarenta anos em quatro". Pois como eleitor eu já me daria por satisfeito se por aqui anunciassem para 2007/2008: "setecentos e trinta dias em dois anos".

NA CONTRAMÃO?
Grande parte dos governadores que tomaram posse agora em janeiro já anunciou, entre outras medidas, um corte de 20 a 30% na quantidade de cargos comissionados em seus Estados. Infelizmente, imagino que a redução é motivada por questões econômicas. Melhor seria se fosse por razões éticas e lançassem de vez mão de concursos públicos. Já aqui na terrinha a situação financeira parece que vai muito bem obrigado. Pelo menos é o que se deduz depois que um dos últimos projetos de lei de 2006 ampliou a estrutura de comissionados da Administração Municipal em mais 74 cargos. Com as bênçãos da Câmara Municipal, acrescente-se.

NAS ENTRELINHAS
O novo presidente da Câmara Municipal, Eliseu Daniel, diz que pretende realizar um mandato mais democrático. Para um leigo como eu, seria correto inferir então que o mandato da presidência anterior foi meio ditatorial?

PORQUE SOMOS IDIOTAS
Eis uma reflexão enviada por um leitor e que não consegui responder: "Se o horário oficial é o de Brasília, por que é que a gente tem que trabalhar na segunda e na sexta-feira?"

CÁLCULO SEMPRE ATUAL
E quando anunciaram que o novo Salário Mínimo seria de R$ 380,00, lembrei-me de um artigo publicado no jornal Pasquim, há uns 30 anos atrás (putz, to entrando na envelhescência!!!), e enviado recentemente pelo leitor Felício Antonio Colaneri Neto. Naquela época o Ministro da Fazendo era Mario Henrique Simonsen e tentava-se explicar no artigo como calcular qual seria o valor ideal desse salário. Eis a fórmula utilizada:
- Preço de um cafezinho: R$ 0,80;
- Preço de um pãozinho francês: R$ 0,25;
- Uma pessoa normal vive muito bem tomando um cafezinho e comendo um pãozinho (sem manteiga, é claro), quatro vezes por dia. Portanto: (R$ 0,80 + R$ 0,25) x 4 = R$ 4,20 por dia;
- Uma família é composta, em média, por quatro pessoas. Logo: R$ 4,20 por dia x 4 pessoas = R$ 16,80;
- O mês tem 30 dias (isto, até quem ganha salário mínimo sabe). Assim, R$ 16,80 x 30 dias = R$ 504,00, ou seja, esse é o valor mínimo ideal para Salário Mínimo.
Bom, como foi fixado em R$ 380,00, das duas uma: ou o cafezinho e o pãozinho francês estão muito caros ou erraram feio no cálculo do salário.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:06 AM



   30.12.06  
FELIZ 2009
Começam a ser vislumbradas três possíveis dobradinhas políticas a vingar nas eleições de 2008: Silvio Félix com José Carlos Pejon, Pedro Kühl com Lusenrique Quintal, e Eliseu Daniel com César Cortez. Já meu amigo, o grande jornalista Paulo Corrêa, aponta uma quarta dupla: Patati e Patatá.

ÉRAMOS DOIS
Por conta de escrever aqui na semana passada que fazia par com o pensamento do prefeito quando ele deu a entender, em entrevista à TV, que não estava totalmente satisfeito com o desempenho do seu governo, recebo comentário de Marciél Gorrido Junior engrossando o coro dos insatisfeitos: "Agora já somos três!"

PEDIDO DO LEITOR É ORDEM
Alguns leitores me escreveram nas últimas semanas dizendo (e leitor sempre tem razão) que critico demais a classe política. Pedem que vez por outra esse pacóvio que vos escreve também apresente idéias em vez de só criticar. Entendi com isso que desejam que eu tente ver o lado positivo dessa classe de abnegados. Trata-se, é óbvio, de uma tarefa um tanto que árdua essa que me pedem, mas como insistem que apresente ao menos uma sugestão, a única que me ocorreu no momento é que, com raríssimas duas ou três exceções, a melhor coisa que os políticos podem fazer em benefício da sociedade é renunciar ao mandato e passar a vez para outros.

HELDTORIAL
A recente eleição da nova presidência da OAB local me deixou um tanto que esperançoso. É que lembrei de ter lido que uma das propostas da chapa eleita é participar um pouco mais da vida da cidade, cobrando maior eficácia de nossas autoridades. Pois se assim for, penso mesmo que até já passou da hora de entidades e associações classistas deixarem de olhar apenas para os problemas umbilicais (que também não são fáceis e poucos, é claro) e na condição de "pessoas" jurídicas lançar-se no combate à ineficácia dos serviços públicos, ao investimento muitas vezes inadequado do erário e à falta de cumprimento das promessas de campanha. Isso deve ser entendido como responsabilidade social, termo em moda e que invariavelmente é confundido com o simples ato de plantar árvores, reciclar materiais e de realizar campanhas sazonais de arrecadação de alimentos, agasalhos e outras tantas necessidades da população miserável.
Entendo que responsabilidade social tem a ver também com o posicionamento firme diante a possíveis desmandos e descasos políticos que venham a ocorrer. Temas esses que se combatidos deixariam de impedir o desenvolvimento social e promoveria a dignidade dos cidadãos, sem que fosse necessário continuar com o assistencialismo cada vez mais pernicioso e humilhante, travestido de bolsa disso ou cota daquilo. A questão crucial, entretanto, é saber até quando assistiremos a classe política escrever como bem entender o nosso destino. Quando deixaremos de pensar que a responsabilidade de promover mudanças sociais é tarefa exclusiva dos governos? Quando, afinal, exigiremos que os atos públicos, em todas as esferas, sejam completamente transparentes e exclusivamente corretos? Pode ser já em 2007?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:38 AM



   22.12.06  
ABAIXO DE ZERO
Se me pedissem para dar uma nota ao que os trabalhos (não ria, leitor, é pura força de expressão) da Câmara Municipal representaram para o progresso de Limeira em 2006, certamente seria um zero bem redondinho. Merecia até nota negativa, abaixo de zero, mas meu espírito natalino anda meio caridoso. E matutando cá com meus velcros sobre a situação, creio que é o tempo o responsável por impedir que a luz da nossa esperança política se apague. É que sentimos que ele, o tempo, passa cada vez mais depressa. Um dia já não tem mais as mesmas 24 horas de antigamente. Assim, leitor, anime-se: é Natal e já se passaram 24 meses. Agora só faltam outros 24 para que a gente renove a penca de políticos que elegemos na eleição passada. Passa rapidinho!

FELIZ 2009, SE PUDER
Nos bastidores o ti-ti-ti é que José Carlos Pejon, Lusenrique Quintal e Pedro Theodoro Kühl são os principais concorrentes de Silvio Félix em 2008. Eu incluiria nesse rol o candidato Nulo da Silva.

REFLEXÕES 100% DIET
De que adianta ter nova Mesa Diretora e nova Corregedoria na Câmara se os vereadores continuam os mesmos? Você torraria o dinheiro de sua empresa na compra de um ônibus de R$ 559 mil? Antes de duplicar, tem como consertar uns buracos que já estão comemorando aniversário na via Limeira-Cordeirópolis? Se um dia elegermos uma mulher para a prefeitura ela também indicará o marido para a presidência do Ceprosom?

É O FIM!
Em recente entrevista à TV Jornal o prefeito deu a entender que não estava totalmente satisfeito com o desempenho do seu governo. Então já somos dois!

COLÓQUIO FLÁCIDO
Fala a verdade, ô coisa chata essa de todo governo justificar que nada fez no primeiro ano de mandato porque pagou dívida e trabalhou com o orçamento do antecessor. Penso que não fez por falta de criatividade ou porque é desinformado. Na iniciativa privada, se um gerente recém-contratado vier com essa conversa mole, leva o pé no traseiro; é sumariamente despedido. Pois até eu que sou mais bobo e não entendo neca-de-pitibiriba de administração pública sei que os orçamentos rolam de um ano para o outro, quanto mais alguém que se diz preparado para ser prefeito. Em todo caso, para não ter nunca mais que ouvir esse nhenhenhém, um recadinho aos futuros candidatos a prefeito que acidentalmente lêem a coluna: cara, você vai ter que pagar dívidas de seu antecessor!

SACO CHEIO
Desejo que num próximo Natal, Papai Noel seja mais benevolente e nos traga finalmente um bom governo. Eu ainda acredito em Papai Noel. E que um dia ainda teremos um bom governo também. Boas Festas!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:53 PM



   15.12.06  
CÂMARA FANTASMA
E além de assessores fantasmas, contam que algumas cidades também estão infestadas por vereadores fantasmas. São aqueles nobres edis que comparecem às sessões do Legislativo somente de cadáver presente, mas cujo espírito continua a quilômetros de distância dali, possivelmente vislumbrando uma forma de agradar o prefeito em troca de mimos pessoais ou bolando uma nova negociata política. Membros dessa súcia nem se dão ao trabalho de arrastar correntes (cansa demais, né?) e povoam o Legislativo somente para balançar a cabeça positivamente a favor de todos os projetos e leis apresentados pelo Executivo e em troca levar alguma vantagem. Não fiscalizam porcaria nenhuma. Não questionam patavina do que vem da Prefeitura. Quando dizem que trabalham 24 horas pela cidade referem-se aos nomes que dão às ruas, aos títulos de cidadania que propõem para aliciar o voto de famílias inteiras e aos troféus festivos de "faz-de-conta-que-você-merece" que entregam. Graças a Deus que não temos esse tipo de vereador aqui em Limeira, não é verdade?

ÔNUS PARA O ÔNUS
O amigo Mariano Tito, 1o Sargento, Assessor do Comando Militar do Sudeste, envia-me e-mail comentando sobre a vinda da Febem para Limeira. Tito, que morou na cidade por dois anos e serviu no Tiro de Guerra local, considera Limeira uma cidade maravilhosa e fez menção aos movimentos sociais aqui existentes, em especial o dos negros. Ele lê a coluna pela internet e me diz: "É certo que a possível vinda da Febem realmente não é uma coisa boa, pois Limeira tem um trabalho Social (social com letra maiúscula) muito, mas muito interessante mesmo! Eu tive a oportunidade de verificar isso de perto, sei do cuidado da sociedade limeirense em acolher seus menores, mas só que infelizmente a cidade, com seus quase 300 mil habitantes, "produz" dezenas de menores para essa entidade e, sendo pouco ou muito, eles estão aí e não temos como negar. Talvez a ida da Febem para Limeira seria o "ônus para o ônus". Digo isso pelo fato de Limeira ter todo esse cuidado com os seus menores e mesmo assim, por ter esse número de menores internos, parece que falta algo que talvez hoje fuja do nosso conhecimento, para que se resolva esse problema de vez e quem sabe no futuro não teremos tais unidades em lugar nenhum". Feito o registro, caro amigo!

REFLEXÕES 100% DIET
Que serventia tem uma recomendação da Corregedoria do Legislativo? O que tem a ver Ciências Econômicas com Promoção Social? As calçadas do Centro são para o trânsito e segurança dos pedestres ou para as cadeiras dos carrinhos de lanches? Como cristão, você daria a outra face aos cruéis assassinos da família de Bragança Paulista? As ruas de Limeira estão esburacadas ou são os buracos de Limeira que estão asfaltados?

INDEPENDÊNCIA OU MORTE, POLÍTICAS
Na próxima semana tem eleição da nova mesa diretora da Câmara. Nos bastidores, o suspense fica por conta de quem seria o queridinho (ou queridinha) a ser apoiado pelo prefeito. Penso, entretanto, que ele não apoiará ninguém, pois caso o faça estaria cometendo a mesma tal de ingerência de poderes que recentemente ele alegou existir para barrar o envio de cópias de contratos da prefeitura ao Legislativo.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:16 AM



   8.12.06  
JÁ MURCHOU UM BOCADINHO
Semana passada fiz menção a duas flores do governo Félix que considerava elogiáveis: asfaltamento de bairros e reforma das praças. Sobre a primeira, recebi e-mail do jornalista Marcos Paulino ressaltando que o governo Félix "só asfaltou o bairro Ernesto Kühl e o que faltava do Belinha Ometto". Marcos lembra-me que nas gestões de Pedro Kühl e José Carlos Pejon foram asfaltados mais de 30 bairros (uaauuu!!!), "fora o asfaltamento das ruas de paralelepípedo do Centro e das dezenas de pontas de rua, aquelas obras necessárias, mas que não aparecem porque normalmente ficam em bairros afastados". Bom, é claro que isso não tira o mérito do que o atual governo fez no Ernesto Kühl, mas agora, diante dessas novas informações, concluo então que essa flor até que já não se mostra tão viçosa como parecia.

A OUTRA TAMBÉM
Mas, peralá! Desse jeito a outra flor também já vai murchar. Pois acabo de lembrar que a praça Toledo de Barros, a principal da cidade, anda carente de atenção. Quando é que vão afinal dar um tapa no visual daquela praça? E os peixinhos, atração das crianças, voltam a enfeitar o entorno da Gruta? Bom, se um dia resolverem dar o ar da graça por lá, sugiro que aproveitem a oportunidade para pedir aos flanelinhas donos do pedaço para que desacorrentem as suas cadeiras dos postes, lembrando a eles que ali não é o quintal de suas casas. Ah, e se autorizam o funcionamento de carrinho de lanche armando barraca em plena praça, é justo também que concedam espaço então para todos os outros tipos de ambulantes e camelôs da cidade.

JÃO 2008
Recebo e-mail do jornalista João Leonardi, após tê-lo relacionado como um dos limeirenses ilustres que estariam aptos a compor a Câmara Municipal em 2009, segundo minha visão hipermétrope, é claro. Ele agradece a lembrança, mas diz não ser candidato a neca-de-pitibiriba. Entretanto, o amigo velho, digo, o velho amigo deixa escapar nas entrelinhas uma emenda a essa negativa: "por enquanto".

AGORA SÓ FALTA O HELICÓPTERO
Sinceramente? É incompreensível numa cidade que não tem sequer uma estação rodoviária decente, que têm dificuldades de realizar operações tapa-buraco e melhorias no trânsito, e que pede ajuda financeira para realizar investimentos na segurança pública, saber que o Ceprosom comprou um ônibus top de linha, de 14 metros de comprimento (será que dobra as esquinas de nossas quelhas?), por R$ 559 mil. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Tenho certeza que as necessidades dos envelhescentes seriam satisfeitas plenamente apenas com a metade desse valor. Entretanto, se tem dinheiro sobrando até para adquirir um ônibus de luxo, há também uma penca de outras necessidades prioritárias que já são reclamadas pela população há muito mais tempo.

VISITE E VOTE
E você, amigo leitor, poder opinar sobre o desempenho do governo Félix nesses dois primeiros anos. É só visitar o meu blog ( http://www.heldt.blogger.com.br) e participar da enquete. Espero você por lá!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:22 PM



   1.12.06  
APOSTO UM REAL
Para não dizer que não falo de flores, há duas coisinhas do governo Félix que considero elogiáveis. Uma é a remodelação das praças. Nelas, o retorno do funcionamento das fontes iluminadas possibilita a volta do lazer e vida noturna também às famílias e não mais exclusivamente aos marginais. Outra é o asfaltamento de bairros da periferia, tais como o Ernesto Kühl e o Belinha Ometto. Para quem conhecia, por exemplo, o Ernesto Kühl antes e agora passa pelas ruas asfaltadas daquele bairro até se assusta com a dignidade e melhoria de vida que as benfeitorias proporcionaram aos moradores. Penso, inclusive, que por ter levado asfalto a esses bairros Silvio Félix já pode até se considerar reeleito em 2008. E com grande vantagem sobre eventuais concorrentes. Não com o meu voto, é óbvio. Nada pessoal, esclareço, mas é que continuo com aquela mania de ser contrário a quaisquer tipos de reeleição. De síndico a presidente da República; nem que me apareçam pintados de ouro. Se bem que um dia até posso ainda mudar esse ponto de vista, é claro. Pois não me considero um envelhescente burro e teimoso. Por enquanto, só burro!

LEGISLATIVO PESO PESADO
E enquanto matuto cá com meus velcros sobre a certeza da reeleição de Silvio Félix, não penso o mesmo em relação à maioria dos que hoje enfeitam a Câmara Municipal. Aliás, lembrei-me que um dia desses meus dois neurônios deram novamente sinal de vida e por estarem confiantes na reeleição de Félix, calculam que seria um grande desperdício deixar de fora do cenário político alguns pesos pesados da política local e que bem poderiam compor o Legislativo em 2009. Eis alguns nomes: José Carlos Pejon, Lusenrique Quintal, Pedro Theodoro Kühl, Wilson Cerqueira, Paulo Sérgio Oliveira, Joaquim Nogueira da Cruz Neto, Valmir Caetano. E ainda incluiria nessa lista outros limeirenses ilustres: Natalino Gonçalo (educador), Odair Zambom (empresário), Valdir Gobbo (médico) e João Batista Leonardi (jornalista). Ah, para a presidência da Casa, não lembrei de ninguém melhor que Elza Tank. Uaaaauu! Isso sim é que seria um Legislativo supimpa, hein?

PENSE GRANDE, PÔ!
Falando em Câmara, antes que de lá me atirem a primeira pedra vou logo confessando minha ignorância quase que total em relação ao regimento daquela admirável Casa. Entretanto, como me considero mais um cronista palpiteiro do que um jornalista profissional, sugiro aos nobilíssimos edis que estudem a possibilidade de agendar a discussão de temas de interesse quase que exclusivos da Casa (mudanças regimentais, aumento do salário de assessores, segurança interna, etc) para as sessões das quintas-feiras que, se não me falham os minguados neurônios da memória, raras vezes saem do papel. Nesse dia, tratariam ainda de outros assuntos essenciais (na visão deles, é claro) ao bem estar da população e ao almejado progresso de Limeira: títulos de cidadania, menções honrosas, indicação de nomes de ruas. Assim, as sessões das segundas-feiras seriam consagradas somente para a discussão de grandes temas municipais e de real interesse aos eleitores, tais como: desenvolvimento sustentado, fiscalização dos atos do Executivo, Plano de Carreira do funcionalismo, concurso para os cargos públicos, integração de linhas no transporte coletivo...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:53 PM



   24.11.06  
COLÓQUIO FLÁCIDO
E depois da atitude do prefeito em buscar a Justiça para não ter que enviar à Câmara os contratos acima de R$ 10 mil bateu uma dúvida cruel: ter uma penca de aliados que compõe a dita cuja "bancada governista" e escolher (a dedo, diga-se) alguém para liderar a aprovação e a defesa de seus propósitos na Câmara também não é uma forma velada, digo, escancarada de ingerência de poder?

BÔNUS PARA O ÔNUS?
O leitor Jonathan, revoltado à beça, me diz que se a Febem fosse mesmo algo benéfico para a cidade com toda certeza jamais seria oferecida aqui para Limeira. Concordo, pois nossa fazenda iluminada acabou virando na última década uma verdadeira curva de rio. O assunto Febem, aliás, deve ainda provocar discussões acaloradas, algo absolutamente desejável num regime democrático. O tema é tão delicado e indigesto que parece até que o Estado montou uma espécie de estratégia de guerra ao enviar sua secretária estadual de Justiça para oficializar a assinatura do prefeito no tal de protocolo de intenções. É que antes de falar qualquer coisa a respeito da Febem, ela saiu a campo anunciando junto a entidades locais alguns brindes de compensação (o Serviço Integrado de Defesa da Cidadania - Sidec, a Câmara de Conciliação e o programa de ações afirmativas do Estado) que a cidade receberia como bônus caso a gente se dispusesse a receber logo de cara duas unidades da Febem com um belo sorriso nos lábios, soltando rojão e empunhando faixas de seja bem-vinda a Limeira. Olha, é certo que a gente aqui é considerado um povo meio que caipira, mas daí a apostar em nossa ingenuidade já é querer demais.

NÃO É FÁCIL PARA NINGUÉM
E ainda sobre a Febem, um outro leitor que me pede anonimato diz que tem uma sugestão para a questão do que fazer com os adolescentes em conflito com a lei que necessitam de internação. Segundo ele, a cidade deve fazer o mesmo que centenas de famílias limeirenses já são obrigadas a fazer com seus filhos queridos que buscam uma vaga em universidades públicas: continuar mandando-os para fora da cidade. Confesso que a princípio a idéia me pareceu meio rude e desumana, mas o leitor não deixa de ter suas razões, pois a vida de milhares de jovens limeirenses (aqueles que nem sequer estão em conflito com a lei) também não tem sido lá nada fácil por aqui. Nem para eles, muito menos para suas famílias.

JOGATINA
Por fim, vejo que o vereador Joaquim Raposo (PRP) já protocolou na Câmara projeto para proibir a instalação de unidade da Febem no perímetro urbano de Limeira e leio na coluna Vai & Vem do Jornal de Limeira que o pessoal daquela instituição desconfia que a resistência à instalação das unidades é fruto de um jogo político. E deve ser mesmo. Aliás, pode até ser um jogo político semelhante ao que o Estado praticou contra Limeira, no governo Jurandyr Paixão, quando retirou da cidade o curso de Engenharia da Unicamp, filho único conseguido durante o governo Paulo D´Andréa. Além de tantos outros serviços e escritórios regionais que saíram daqui com destino a cidades da região. Ah, e sem que ninguém tivesse assinado porcaria de protocolo algum.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:49 PM



   17.11.06  
TÔ COM FELIX
Confesso que estou em cima do muro em relação à instalação da Febem aqui em Limeira. É que não consegui ainda vislumbrar, por exemplo, aonde é que a tal de descentralização que o Estado propõe vai melhorar um sistema que todos concordam já estar totalmente falido. Também considero que é de uma ingenuidade absurda pensar que a aproximação do infrator à família e que chamar aquela instituição de ¿Casa¿ tragam grandes alentos para a gravidade da situação. Desconfio que são raros (e alguns até duvidosos) os casos de recuperação baseados nessas premissas. E se a segregação de pessoas, quer pertinho ou a centenas de quilômetros de suas famílias, fosse solução para alguma coisa, a sociedade já não estaria mais convivendo com tanta criminalidade, pois a história da criação de sistemas prisionais remonta milhares de anos. Na verdade, nem dá para discutir aqui nesse espaço se a Febem, o NAI ou outras idéias são modelos ideais de reforma do comportamento juvenil. Penso mesmo que não há uma saída para o problema do menor infrator que ofereça resultados satisfatórios a curto ou médio prazo. A longo prazo o pensamento reinante é de que é necessário investir maciçamente na educação de nossas crianças e na oferta de oportunidades no campo profissional para nossos jovens. Aliados a isso, um combate vigoroso ao tráfico de drogas ajudaria sobremaneira. Assim, com Febem ou sem Febem, com NAI ou sem NAI, defendo aqui apenas o direito do prefeito Silvio Félix de ser contrário e, portanto, de não ter assinado o protocolo de intenção proposto pela Secretaria Estadual da Justiça na semana passada. Quer sua atitude seja considerada demagógica ou não, ele é o legítimo representante e porta-voz do povo limeirense e tem por dever defender os interesses da sua comunidade. E no caso específico da Febem, há indícios de que a maioria da população seja contrária à sua instalação na cidade. Tenho cá também minhas dúvidas se os que a defendem realmente aceitariam de bom grado que ela fosse instalada nas proximidades de suas residências. E por tudo que já vivenciamos por aqui, a vinda da instituição seria mais um oneroso encargo estadual enfiado goela abaixo para ser digerido pelo governo municipal. Mas voltando ao foco da minha opinião, considero que o ato de aposição da assinatura do prefeito no protocolo tratava-se mesmo de um mero jogo de faz-de-conta. Pois foi a própria secretária estadual de Justiça quem afirmou que a Febem vai ser instalada em Limeira tendo o prefeito assinado ou não o protocolo. Afinal, que valor teria então a concordância do prefeito nesse tipo de decisão democrática?

NÃO TÔ COM FELIX
O que pegou muito mal mesmo foi o anuncio da atitude do prefeito em barrar na Justiça o envio dos contratos de compras feitos pela prefeitura à Câmara. Nesse episódio, a vereadora Iraciara Basseto (PPS) foi feliz ao sugerir ao prefeito que continue enviando os contratos em nome da transparência de sua administração. Afinal, o que se quer evitar: a ingerência ou a possibilidade dos vereadores se depararem com possíveis deslizes administrativos? O ideal mesmo é que todos os atos do governo (contratos, portarias, nomeações) fossem publicados tanto no Jornal Oficial quanto no site da Prefeitura, oferecendo aos cidadãos a oportunidade de acompanhar de perto o trabalho da administração municipal. Mas isso já é pedir demais, né?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:35 PM



   10.11.06  
LEI DA RECIPROCIDADE
A divulgação das informações sobre as contas de campanha dos candidatos, disponibilizadas a partir dessa eleição no site do TSE, é um passo gigantesco na caminhada rumo a ética na política. Agora, ao verificar a lista de doadores (físicos e, principalmente, jurídicos) o eleitor pode, por exemplo, até tirar suas conclusões a respeito da tendência política a que cada candidato pertence. E para quem gosta de acompanhar mais de perto o comportamento ético dos candidatos após as eleições (alguns jornalistas, por exemplo), as informações permitem até inferir sobre os porquês de algumas ações dos eleitos serem consideradas contraditórias para nós ao mesmo tempo em que são normais para eles. Para bons observadores, um pingo é letra.

O CAOS NOSSO DE CADA DIA
Além do criadouro de buracos que se transformaram as ruas de Limeira, o assunto que mais preocupa agora é a situação caótica que o trânsito já apresenta em horários considerados de pico. Para amenizar a situação, fala-se inclusive na implementação de rodízio de veículos, semelhante ao que ocorre na cidade de São Paulo. Essa sugestão, aliás, nem é novidade porque já fazia parte do rol de possíveis soluções estudadas pelas autoridades responsáveis pelo setor no governo anterior. Em 2003, por exemplo, além de melhorias no rebaixamento exagerado que existia para escoamento de água pluviais em alguns cruzamentos e que funcionavam como uma espécie de valeta redutora de velocidade, proibiram também o estacionamento em pontos das vias consideradas estratégicas ao escoamento de veículos, tais como as ruas Dr. Trajano, 13 de Maio, Barão de Cascalho, Santa Cruz, Alferes Franco e Sete de Setembro. Nessa última, entretanto, lembro-me que foi difícil ao meu amigo Geraldo Rigon, do setor de trânsito, intermediar as decisões de proibição. É que ao tentar ouvir as necessidades das partes interessadas ele acabou na época tendo que costurar uma verdadeira colcha de retalhos ao implementar situações diferentes de proibição de estacionamento a cada quadra. Hoje, além desse ziguezague proibitório que precisa ser revisto, nota-se também que o fluxo de veículos nessa via é prejudicado durante a saída de alunos de uma escola ali estabelecida, o que exige uma solução urgente das autoridades.

UM PASSINHO À FRENTE
Encontrar alternativas satisfatórias para diminuir os problemas de trânsito não é tarefa das mais fáceis. Requer estudos e ações permanentes de técnicos e autoridades no assunto. Pois na mesma proporção em que aumenta a frota de veículos em circulação, escasseiam as soluções viáveis para melhoria do fluxo na malha viária. Como agravante, esbarra-se ainda em sérias dificuldades para adestramento de alguns quadrúpedes que só por estarem ao volante teimam em ser reconhecidos como motoristas ou cidadãos. De qualquer forma, alguma medida terá que ser implementada com urgência por aqui. Quer seja um rodízio de veículos, a proibição de estacionamentos, a manutenção ininterrupta das vias, ou um conjunto dessas e outras idéias. Essencial, entretanto, é que se enfrente o problema de maneira exclusivamente técnica, deixando de lado quaisquer decisões políticas ou apelos pessoais e bairristas. A cidade tem que andar! Para frente, preferencialmente!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:56 PM



   3.11.06  
VADE RETRO
Fico sabendo que mesmo com a redução de 31% nos casos de homicídio doloso e 30% no roubo de veículos (sem contar que câmeras de segurança do portal da cidade nem estão funcionando), a prefeitura volta a falar na tal de Taxa de Segurança (TS)? P-e-l-a-m-o-r-d-e-d-e-u-s! Será que não tem outro jeito de governar a cidade sem enfiar todos os dez dedos no bolso do contribuinte? Mas se a única saída para resolver a penca de problemas de Limeira é empurrar taxas goela abaixo do cidadão, anote aí então minhas sugestões de taxação: Taxa de Desenvolvimento (TD), Taxa da Rodoviária (TR), Taxa de Transporte Público Integrado (TTPI), Taxa do Aeroporto (TA), Taxa do Plano de Carreira (TPC), Taxa de Cumprimento de Promessas (TCP)...

SEÇÃO FUXICO CASEIRO
E meu amigo Marciel Gorrido Junior se solidariza com este pacóvio que vos escreve dizendo que sentiu no osso o motivo das minhas incansáveis lamúrias. Por morar perto do clube onde o cantor Fábio Junior se apresentou na sexta-feira, o som alto do evento invadiu sua casa obrigando-o a ouvir o show inteiro. Minha sorte, Marciel, é que aqui em casa deram um tempinho na audição. É que de tanto tocarem o CD, o coitado do cantor já ficou até rouco. Ah, e a música "Pai" acabou até virando "Tataravô".

VERMELHA DE ALEGRIA
Mas é o que diz a sabedoria popular: cada povo tem o governo que merece e nós vamos merecer Luiz Inácio II por mais quatro longos anos. Pior que a reeleição do presidente, aliás, foi ter que encarar minha amiga Rogéria Bassetto de Palma adentrando meu apartamento na noite do domingo passado, trajando vermelho e festejando a vitória com uma bandeira do partido em punho. Fazer o quê, né? Além de me encantar com o otimismo onírico das pessoas que se entusiasmam até com as desgraças, penso que a democracia é exercício de convivência solidária de opiniões políticas antagônicas.

HELDTORIAL
A bem da verdade, não tenho (quase) nada contra Luiz Inácio II. Nem a favor. Até votei nele em 2002, mas aí já se vão quatro anos e continuo com aquela mania de ser contrário à reeleição. O problema nem é tanto o presidente eleito, mas os agregados que vieram a reboque e que certamente imaginaram que fazer parte do poder é estar absolutamente acima das leis. Como Luiz Inácio I não conseguiu controlar (por incompetência de saber o que ocorria ao seu lado) a fuzarca desse pessoal, decidi esse ano votar em Heloisa Helena no 1º turno. E também por considerar que o país economizaria uma grana lascada com a ausência da função de primeira-dama. Não deu samba e no 2º turno só me restou a opção Geraldo, o Alckmin. E cá entre nós, eu até que nem botei lá muita fé também de que ele pudesse fazer um governo melhor caso fosse eleito. Só não queria era repetir o mesmo governo. Mas agora torço para que tanto ele quanto o PT tenham aprendido algo com os erros do primeiro mandato e extirpem de vez de suas fileiras a súcia responsável por tantos escândalos que se sucederam desde 2005. Ser de esquerda não autoriza nenhum cidadão a não ser direito.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:58 AM



   27.10.06  
"VOU REELEGER SILVIO FÉLIX"
Se as eleições municipais fossem hoje e o resultado dependesse do que pensam os leitores que votaram na enquete do meu blog (www.heldt.blogger.com.br), de 13 a 21/10, Silvio Félix teria chances de ser reeleito. Mínimas, mas teria. A enquete ("o que você fará nas eleições de 2008?") obteve 44 participações e apresentou como resultado: "Vou reeleger Silvio Félix" (15 votos - 34,09%); "Se aparecer alguém novo, leva meu voto" (14 votos - 31,82%); "Ainda estou sem palpite" (12 votos - 27,27%); "Anularei meu voto" (2 votos - 4,55%); "Votarei num dos candidatos que hoje são vereadores (Cortez, Eliseu...)" (1 voto - 2,27%). É sábio lembrar, entretanto, que resultado de enquete não é científico e que ainda faltam dois anos para as eleições.

GERALDO NA CABEÇA
Para quem acredita em previsões, Geraldo será o novo presidente do Brasil, com mais de 60% dos votos. A previsão não é dos institutos de pesquisa, é óbvio, mas do professor paranaense Jucelino Nóbrega da Luz, que ficou famoso por escrever cartas (algumas registradas e autenticadas) para as pessoas com quem sonha e já enviou uma penca delas para líderes mundiais. Para se ter uma idéia, ele previu, entre outras coisas: a morte do Papa João Paulo II, o ataque ao World Trade Center, o tsunami na Ásia, a guerra no Iraque e o esconderijo de Saddan Hussein. Logo no início do governo de Luiz Inácio, em 2003, Jucelino enviou carta ao presidente petista dizendo que o seu governo passaria por momentos de muita corrupção, e que ele seria derrotado nas eleições de 2006 por Geraldo Alckmin. Quanto à corrupção, parece que ele acertou em cheio. Domingo, portanto, a gente confere a outra parte da previsão. Para quem gosta do tema e quer conhecer outras premonições do professor, basta acessar o site: www.jucelinodaluz.com.br.

CRÔNICA DA TESE CAIPIRA
Recebo por e-mail a notícia que o presidente Luiz Inácio é beneficiário da Previdência Social e recebe mensalmente R$ 4.509,68 por conta de uma tal de "Aposentadoria de Anistiados". B-a-r-b-a-r-i-d-a-d-e. Como a curiosidade não é privilégio apenas do universo feminino, consulto meu velho amigo dicionário e vejo que "anistia" é sinônimo de "perdão, quase sempre coletivo, concedido principalmente a criminosos políticos". Folheio mais algumas páginas do dito cujo e leio que "criminoso" quer dizer "réu, malfeitor, assassino, bandido". Assim, mesmo que ainda em choque, meus dois neurônios (já amargurados) tentam responder a questão: o meu amigo dicionário está completamente equivocado na interpretação das palavras "anistia" e "criminoso" ou ao receber mensalmente aposentadoria destinada a "réus, malfeitores, assassinos, bandidos" o nosso impoluto presidente acaba por se incluir automaticamente nesse seleto grupo?

CURVA DE RIO
Alguém aí do outro lado da página quer apostar um doce que a Febem começa a funcionar bem antes da Unicamp aqui em Limeira?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:59 AM



   21.10.06  
FARTURA DE FALTA
O Jornal de Limeira informou na quarta-feira que faltam abrigos em mil pontos de ônibus. Lembrei-me também que falta um transporte coletivo integrado e eficaz, falta uma nova rodoviária, falta um aeroporto regional, falta um Plano de Carreira para o funcionalismo, falta fechar definitivamente a Emdel, falta reduzir drasticamente a quantidade de funcionários públicos nomeados e aumentar o número de concursados, falta deixar de investir na compra de prédios antigos (digo, históricos), falta despoluir o Ribeirão Tatu...

COITO ÉTICO
Depois de tudo o que o governo Luiz Inácio e seus honrados e honestíssimos companheiros já fizeram pelo Brasil e pelos brasileiros, caro amigo Felício Antonio Colaneri Neto, é possível até adivinhar qual será a frase principal do seu discurso de encerramento de mandato, depois que acender um charuto cubano: "Foi bom pra vocês?".

PANEM ET CIRCENSES
E uma leitora quer saber minha opinião sobre o que seria melhor para o Brasil: Luiz Inácio ou Geraldo? Olha, dona Margarida, do jeito que as coisas andam melhor mesmo seria se a gente pudesse eleger para presidente alguém da Polícia Federal. Mas como a única opção que nos restou são esses dois ilustres candidatos, penso que tanto faz como tanto fez. O povo será visto pelo eleito como o mesmo bando de pacóvios de sempre.

VALEI-ME, SÃO FÁBIO JUNIOR
O amigo Darci Trabachin de Barros pede que eu avise minha queridíssima que a Ajinomoto está realizando uma promoção que oferece como prêmio um cruzeiro marítimo, com direito a acompanhante e show de Fábio Júnior. Peralá, Darci, o acompanhante (euzinho, diga-se) aqui vai ficar preso num navio ouvindo o cantor? Isso, afinal, é prêmio ou sessão de tortura em alto mar? Mas sabe que até que já fazia um bom tempo que não ouvia mais as músicas do dito cujo lá em casa? Como nada é absolutamente perfeito, no lugar rolou o som de um tal de Rato e de outro tal de Maurício Manieri. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a. Vade retro! O que será que eu fiz para pagar tantos pecados assim? Por sorte (nem tanto assim, é claro) o CD do Fábio Junior voltou às paradas por lá, graças ao show que ele fará em Limeira no dia 27/10. Valei-me, São Fábio Junior. Difícil, entretanto, é agüentar as intermináveis sessões de audição das músicas do cantor que a queridíssima vem fazendo como pré-aquecimento para o dia do show. Fala a verdade, tem gosto para tudo nesse mundo, né?

AGUARDO SUA VISITA
E o leitor pode agora opinar, deixar seus recados ou palpitar sobre as baboseiras que este lerdo vos escreve por aqui. É só acessar a versão virtual da "ponto-e-vírgula", no endereço: http://www.heldt.blogger.com.br.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 4:22 AM



   13.10.06  
NO FORNO
Diagnóstico divulgado na última sexta-feira pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), sobre as condições da malha rodoviária brasileira, trouxe uma notícia alvissareira para a terrinha: a rodovia que liga São Paulo a Limeira foi considerada a melhor do País. Se acrescentarmos a essa informação o fato da cidade ter mão-de-obra qualificada e infra-estrutura já instalada, Limeira bem que poderia retomar imediatamente o ritmo de progresso que tinha décadas atrás. O problema é que na receita desse suculento bolo ainda falta o ingrediente principal: lideranças com coragem e vontade política de promover o sonhado desenvolvimento sustentado. E enquanto aguardamos o aparecimento desse messias, quem sabe numa das próximas eleições municipais, a única certeza que se apresenta é que Limeira continua tendo um passado brilhante pela frente.

CIRCO SUPIMPA DE HORRORES
E já pensou se em vez de exigir que os políticos prestem contas dos gastos de campanha, o TSE resolvesse obriga-los a passar por um aparelho detector de mentiras? O resultado seria deveras interessante. E cômico, é claro. Já imaginou, caro amigo Paulo César Tank, se no próximo debate televisivo entre Geraldo e Luiz Inácio já utilizassem essa prática? Imagina então que comédia seria se o aparelho também aplicasse choque em quem faltasse com a verdade. O eleitor iria morrer de tanto rir. E os candidatos, eletrocutados por tantos choques.

O ROTO OU O ESFARRAPADO?
Duro mesmo é essa maldita certeza de que cada povo tem o governo que merece. Hoje, por exemplo, merecemos Luiz Inácio. Amanhã, pode ser a vez de Geraldo. Assim, diante dessa encruzilhada eleitoral que se avizinha, a frase do leitor Alex Giusti, nas suas bem traçadas linhas aqui no "Leitor Escreve" do último domingo, talvez seja a que melhor defina o estado de ânimo que ora assola milhões de brasileiros: "Deus é brasileiro, mas deve ter justificado o voto".

NOSSOS PROBLEMAS ACABARAM DE ACABAR
E todo mundo sabe que um dos mais importantes trabalhos desenvolvidos pela nossa egrégia Câmara Municipal é a propositura de títulos de cidadania. E todo mundo já sabe também que a desculpa dos governos pela falta de desenvolvimento local é sempre atribuída à ausência de representatividade, em âmbito estadual e federal. Por que não unir, então, o agradável ao útil? Minha sugestão, portanto, é que sejam propostos títulos de cidadania aos deputados eleitos de outras cidades, mas que receberam votos aqui na terrinha. A começar, por exemplo, por Guilherme Campos (PFL), Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB), Nelson Marquezelli (PTB) e Vanderlei Macris (PSDB). Assim, se indicarmos uns quatros titulados por mês, em pouquíssimo tempo a cidade garante uma bancada de deputados formada só pelos "novos cidadãos limeirenses". Putz, bem que meus dois neurônios mereceriam receber um prêmio pelo mérito de idéia tão brilhante, não acha?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:04 AM



   6.10.06  
MEIO PROJETO
É até interessante o projeto dos vereadores Tarcílio Bosco (sem partido) e Carlinhos Silva (PDT), que veta a ocupação de cargos comissionados (incluindo diretores e secretários municipais) por pessoas que não nasceram em Limeira ou que não moram na cidade há mais de cinco anos. Penso, entretanto, que se de um lado a proposta se apresenta como criadora de oportunidades para quem é aqui da terrinha, de outro não avança um centímetro sequer no fechamento do principal portal da corrupção do nosso país: a lotação de cargos por motivos pessoais e apadrinhamento político.
Assim, imagino que o projeto não pode ser considerado absolutamente eficaz na busca pela moralização da vida pública. Para isso, bastava que ele exigisse o cumprimento do Art. 37, incisos II e V, da Constituição Federal, cuja interpretação é: "servidores públicos comissionados e de confiança deverão ser escolhidos exclusivamente dentro do quadro de funcionários (concursados) de cargo efetivo ou de carreira e de nenhum outro lugar mais".
A saída, então, para fechar a porta de entrada da corrupção é concurso público para todos os cargos e Plano de Carreira. Tanto para o Executivo quanto para o Legislativo. Pois se até o prefeito é obrigado a passar por concurso público (as eleições), por que os secretários municipais e todos os demais cargos não?

PRIMEIRA (E ÚNICA) DAMA
Amigos me perguntam se votei em Heloisa Helena por ideologia. Ideologia? O que é isso, companheiro? Isso não nos pertence mais. Tive outras razões para teclar o número 50. Não bastasse o fato de Luis Inácio já ter dado como presidente o que tinha que dar, o amigo leitor já sabe que sou contrário a reeleição. E o Geraldo? Esse também já conheço por tudo que fez pelos paulistas e por tudo que deixou de fazer por Limeira. Cristovam se mostrou excessivamente filosófico e foi considerado o candidato de uma nota só. Educação, é óbvio, sempre será a prioridade desse país. Mas e o resto, véio? Então sobrou para a Heloisa Helena, em quem encontrei, aliás, um motivo fortíssimo para votar: o país não teria, por quatro anos, o cargo de primeira dama. Fala sério, já pensou na economia que isso representaria aos cofres públicos?

OS MOTIVOS
E por falar em economia, o Brasil tem um presidente, um vice-presidente, 27 governadores, 27 vice-governadores, 81 senadores, 513 deputados federais, 24 deputados distritais, 1035 deputados estaduais, 5560 prefeitos, 5560 vice-prefeitos e 55.214 vereadores. Some-se a isso uma penca de aspones que os assessoram e que, aliás, também são sustentados por intermédio dos impostos que recolhemos aos cofres públicos. E ainda perguntam porque há tantos brasileiros com problemas de depressão!?

IRMÃOS DE VOTO
E depois que a eleição do vereador Otoniel Carlos de Lima contou com um empurrãozinho dos irmãos da Igreja Universal de outras cidades, já tem político até estudando a possibilidade de mudar de religião.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:09 PM



   29.9.06  
180 ANOS, 14 DIAS E UMA ERRATA
Recebi e-mails por conta de ter escrito que os 180 anos de Limeira tinham passado em brancas nuvens. Do professor Natalino Gonçalo, veio um elogio pela lembrança, junto com o pensamento: "povo que não cultua seus heróis, conspira contra sua própria grandeza". Concordo. De Celso Leite levei um puxão de orelha. E com razão. Ele diz que meus dois neurônios esqueceram que no ano passado foram colocados alguns postes (na avenida Laranjeiras, por exemplo) para abrigarem semáforos. "Esse ano - completou -, na véspera do aniversário da cidade, foram colocados os semáforos. Como negar tais obras?". E não dá mesmo, né?

SENTADOS À BEIRA DO CAMINHO
Natalino Gonçalo e Celso Leite são, aliás, dois limeirenses que gostariam que a cidade tivesse seu planejamento estratégico, com visão de futuro proposta em consenso popular. Em 2004, o pessoal que iniciou o projeto "Limeira 2020" até que deu um passo importante nessa direção. Mas se a intenção era contar com o apoio dos governos eleitos, cometeram um erro fatal. Pois os governantes só se interessam por seus próprios planos. Aqueles de se manterem o maior tempo possível no poder. Governo algum admite palpites de quem não reza pela sua cartilha. E não aceita idéias que, mesmo mais eficazes e sensatas, não sejam de sua autoria.
E "Limeira 2020" me faz lembrar do doutor Valdir Gobbo, um dos responsáveis pelo movimento, e pessoa por quem tenho apreço. Gobbo, juntamente com outras lideranças, tentou incentivar a sociedade a vislumbrar um futuro brilhante para a cidade. Há cerca de um ano atrás ele me disse que ainda lutava para levar o projeto adiante. Havia, inclusive, mantido contato com a prefeitura, mas de lá só se ouve a eterna ladainha da falta de verba. Hoje, não sei em que pé está o projeto, mas se o amigo ainda se dispõe a envergar as barras de aço da cela onde jaz a vontade política, pode contar comigo. Entretanto, como estímulo, peço apenas que a gente possa sentar de vez em quando durante essa jornada. É para não matar de cansaço a dita cuja esperança.

CONCLUSÃO SUPIMPA
E meu amigo Darci Trabachin de Barros colocou os neurônios (todos os dois) para funcionar e diz que votará somente em candidatos sem mandato. É que ele calculou que o político de primeira viagem (virgem no ramo) leva uns dois anos para aprender alguma falcatrua. Assim, lucramos durante os dois primeiros anos de mandato. Conclusão brilhante!

SOPINHA DE PES
E já que o futuro do Brasil está em minhas mãos, preparei uma colinha para não errar nas eleições de domingo. Vou de sopa de letrinhas, sem repetir uma única sigla partidária. E não reelegerei ninguém! Nem votarei em quem já tem mandato e ainda precisa honrar os votos que recebeu mostrando algum serviço nos próximos dois anos. Os nobilíssimos edis. Nunca votei em partido; voto nas pessoas. As que sinto ter um mínimo de dignidade. Torço, como muitos, pela moralidade na vida pública (difícil de emplacar isso, né?). Mas se acaso errar feio numa das escolhas, conserto na próxima eleição. Tal como faço agora com Lula, que nunca mais verá a cor do meu voto. Nem mesmo o cheiro daquilo que fiz por ele há quatro anos atrás.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:47 PM



   22.9.06  
PASSA LOGO
E não é que aniversário de 180 anos de Limeira passou mesmo em brancas nuvens? Bons tempos aqueles - diriam os saudosistas - em que os finados Jurandyr Paixão e Paulo D´Andréa se revezavam no phoder. Não passava um setembro sequer sem que uma obra grandiosa fosse inaugurada ou anunciada. Os tempos mudaram, dona Maria. Agora a prática administrativa é outra, seo José. O foco é a incorporação de prédios antigos (históricos, como insistem alguns), a melhoria do visual das praças públicas e a reforma de escolas. E até onde alcança minha já surrada memória, a última obra parece ter sido aquele totem colorido do portal da cidade, ainda do governo Pejon. Félix parece estar se dedicando ao asfaltamento de ruas e à manutenção de praças e jardins. Na semana passada, por exemplo, colocou novamente para funcionar a fonte luminosa da Praça Luciano Esteves. Era promessa desde 2005. E é óbvio que cuidar do visual da cidade é algo também deveras importante para atrair investidores e, conseqüentemente, desenvolvimento. Mas isso não basta para colocar as rodas da carroça do progresso novamente a rangerem. Há tempos que a cidade clama pelo surgimento de lideranças competentes e comprometidas com o futuro desse chão bendito de berços gloriosos, a nossa querida fazenda iluminada (agora, inclusive, com a ajuda das luzes coloridas da fonte). Infelizmente, parece que ainda não será dessa vez. Mas vamos em frente, dona Catarina, que 2008 está logo aí!

PÍFIOS
E meus amigos Margarete e Gerson Benedito de Souza me perguntam se os vereadores limeirenses teriam o mesmo desempenho - brilhante, diga-se - que têm hoje na Câmara, caso sejam eleitos a deputado. Penso que não, nobres amigos, pois dar nomes às ruas e distribuir títulos festivos de cidadania são tarefas - árduas, acrescente-se - entendidas como extremamente necessárias apenas na política local. É que na verdade não há muito para se consertar nessa cidade, não é verdade?

2o TURNO JÁ!
Faltando aí uma semaninha para as eleições, os institutos de pesquisas continuam insistindo que Lula será reeleito já no 1o turno. Tenho cá minhas dúvidas e arrisco o palpite que teremos sim um 2º turno. Principalmente depois do que já vimos o que alguns membros do PT são capazes de fazer. Se, entretanto, o prognóstico de vitória já no 1º turno não se confirmar nas urnas, vai pegar muito mal para os institutos e deixa-los totalmente desacreditados. É só conferir!

HORÁRIO NOBRE
E vou logo avisando aos insignes amigos: nem contem mais comigo às segundas-feiras, após as 18 horas. Não aceitarei mais convites para tomar uísque 12 anos, não atenderei a porta e desligarei o celular. É que fiquei sabendo que as sessões do Legislativo serão transmitidas em breve pela TV Assembléia. É verdade, gente, preciso mesmo espairecer. Conselho do médico: "não leve a vida tão a sério, Daniel; divirta-se mais, cara!".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:56 PM



   15.9.06  
INSPIRAÇÃO LIMEIRENSE?
Na última terça-feira foi inaugurado em São Paulo o 1o museu de maquetes do país. Aqui na terrinha, há quem diga que Limeira, antiga capital da laranja, merece hoje o título de capital das maquetes. Deveria, portanto, ter um lugar de honra reservado para ela nesse novo museu. Pensamento um tanto quanto exagerado, penso. Quando muito, o que temos por aqui são somente duas ou três maquetes. De distritos industriais e aeroporto. Empoeiradas pelo tempo, acredito.

UM MILHO GRANDE
E por falar em coisas empoeiradas, a nova Rodoviária também é outra obra que deve demorar muitos anos (ou décadas) para sair do papel. Nem maquete ainda tem. O ideal, aliás, seria construí-la às margens da Via Anhanguera, com prédios de ambos os lados da rodovia e ligados por uma passarela panorâmica. Um luxo, né? Será que ninguém da iniciativa privada se interessa por essa obra? E se por acaso algum empresário resolvesse doar um R$ 1 mi (ao município, é claro), será que daria ao menos para dar o pontapé inicial nas obras?

COM SEQUÊNCIA LÓGICA
Na semana passada Lula ressuscitou Hitler ao compará-lo a seus opositores políticos. A lembrança de Hitler fez com que eu recordasse de J. Goebbels, ministro da propaganda nazista, que dizia: "Uma mentira repetida várias vezes se transforma em verdade". Assim, o pensamento de Goebbels me fez lembrar que Lula repetiu por várias vezes que não sabia de nada a respeito do "mensalão". Ah, e vive também repetindo no horário (argh!) eleitoral que agora aprendeu a governar.

ERRAMOS FEIO
Pois quer mesmo saber onde penso que erramos nas eleições de 2002, companheiro leitor? Votamos, na verdade, na imagem daquele velho "Lula opositor". Mas quem governou este país até agora atende, quando muito, pelo nome de Luis Inácio da Silva..

EM FALTA
E quase todo mundo vive dizendo, ou pelo menos concorda, que para haver um mínimo de decência e ética na política, precisamos eleger homens honestos. Concordo, mas onde é que vamos afinal encontrar esse espécime raro e em plena extinção?

POLÍTICOS: AME-A OU DEIXE-A
E Limeira completa 180 anos. Uma adolescente, com cravos e espinhas no rosto do seu desenvolvimento.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:24 PM



   9.9.06  
INDEPENDÊNCIA
Ainda não foi possível entender porque o vice-prefeito de Limeira, Orlando José Zovico, que comemorou seu aniversário no dia 07/09, não reassumiu o cargo de Secretário de Governo e Desenvolvimento. Quando deixou a Secretaria no final de março, alegou-se como motivo uma possível candidatura a deputado pelo PMDB, que acabou não vingando. Será que nem ele bota mais fé que esse governo ainda possa promover o início do desenvolvimento de Limeira?

DUPLA JORNADA?
Embora o Secretário de Saúde, Fausto Antonio de Paula, desconverse, o qüiproquó em torno da possibilidade de sua saída do governo pode ter como causa o requerimento protocolado pela Ong Defende, em agosto, solicitando ao prefeito a sua imediata exoneração. O motivo apresentado pela entidade para o pedido de exoneração é de que ele não poderia atuar como Secretário e ao mesmo tempo atender, em sua clínica particular, candidatos a obter ou renovar a Carteira Nacional de Habilitação.

FOLHETINHO COLORIDO
Recebi essa semana da minha amiga Rogéria Bassetto de Palma (petista, acrescente-se) dois folhetos: um sobre os grandes feitos do governo Lula; o outro, sobre as idéias de Aloísio Mercadante a respeito da educação. Para não dizer que não falei das flores do PT, até penso que Mercadante ainda merece um voto de confiança, pois prometeu quando candidato a Senador que não deixaria o cargo para assumir qualquer cargo no governo. E cumpriu até hoje sua promessa. Quanto ao dono do outro folheto, aquele em que minha amiga continua acreditando que não sabia nadica-de-nada a respeito do mensalão, já não posso dizer o mesmo. Questão de desencanto, confesso. Ele afirma no folheto, por exemplo, que gerou 1,5 milhão de empregos em São Paulo em três anos e meio de governo. Se for mesmo verdade, isso quer dizer que para o resto do País foram apenas outros três milhões. Ué, mas a promessa não era de criar 10 milhões de novos empregos?

ENCENAÇÃO ELEITORAL
E no horário (argh!) político, a maioria dos candidatos só falam em mudanças. Só não explicam, entretanto, para onde afinal querem mudar o nosso Brasil varonil. Bom, ainda se for para o Continente europeu...

PEROBA NELES
E tem um candidato sugerindo que se passe óleo de peroba nos políticos cara-de-pau. Receio que se a sugestão for levada a sério, não haverá no mercado produto suficiente para todos. Bom, se faltar peroba será que a gente poderia, como alternativa, besuntar com gasolina e riscar um palitinho de fósforo?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 10:21 AM



   1.9.06  
POLÍTICO TABAJARA
Anime-se, caro leitor, seus problemas acabaram de acabar. Os meus também, é claro. Mas só a partir do próximo ano, é óbvio, quando os políticos que elegermos tomarem posse do mandato que emprestaremos a eles por intermédio do nosso sagrado voto. Por que tenho tanta certeza do fim dos nossos problemas? A resposta é simples e você mesmo pode comprovar assistindo a encenação, digo, o (argh!) horário político, para ver que todos os que por ali passam se apresentam como pessoas de idoneidade inabalável, combatentes fervorosos da corrupção e donos de soluções imediatas para a penca de problemas nacionais. E só botar fé neles, caro leitor, como já fizemos na eleição passada quando elegemos o candidato que iria acabar com a fome no país e criar 10 milhões de novos empregos. Bom, se é mesmo verdade que a esperança é a última que morre, meus dois neurônios já estão me lembrando de encomendar uma missa de sétimo dia para a minha.

MEA CULPA
A campanha que rola na mídia, veiculada sob responsabilidade do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), traz informações importantes aos eleitores sobre o pleito desse ano, tais como o mote: "o Brasil é tão bom quanto o seu voto". Uau! Se, entretanto, a gente levar essa mensagem ao pé-da-letra, a verdade é que o nosso voto andou bem capenga nos últimos tempos.

IDÉIA GENIAL
É bem possível que a gente tenha reforma política já a partir do próximo ano. A sociedade clama por mudanças e já começa a apresentar sinais de intolerância em relação aos políticos envolvidos em atos duvidosos. Entre muitas opiniões que estão surgindo a respeito do assunto, uma das idéias que mais chamou a minha atenção - e que possivelmente resolveria uma série de percalços políticos em muitas cidades como Limeira - é a proposta do Partido Federalista: "Municípios pequenos poderiam substituir o prefeito e os vereadores por um Conselho Gestor Municipal não remunerado". Proposta supimpa, acrescente-se!

FAXINA GERAL
Na verdade, o remédio para mudar o estado doentio em que se encontra a política do nosso país jamais virá de uma reforma política. A única saída eficaz é a ponta dos nossos próprios dedos, cujo movimento dependem de estímulos cerebrais. Percebeu a utilidade dos dedos? Ainda não? Pois são eles que atuarão sobre as teclas da urna eletrônica na hora de votar. Então, use os dedos com inteligência e tecle com muita consciência.

COLÓQUIO SUBITO
- Já me decidi, cara, vou mesmo votar nulo.
- Pô, meu, vai dar seu voto outra vez pro Lula?!?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:12 PM



   25.8.06  
DEMORÔ, BOSCO!
E leio aqui no Jornal de Limeira que o vereador Tarcílio Bosco deixou o PDT na última segunda feira. Justificou a decisão pelo seu descontentamento em relação ao governo Félix. Se fosse ele já teria feito isso a mais tempo, porque pertencer à bancada governista descaracterizou completamente sua conduta de vereador combativo. Em relação ao mandato anterior, a atuação de Bosco hoje cambaleava apagadinha da silva. Com a mudança, seu trabalho agora pode tomar uma injeção de ânimo. Sorte, entretanto, tem o vereador de poder mudar de partido para amenizar o descontentamento. E a penca de limeirenses que têm o mesmo tipo de problema, mas não está filiado a nenhum partido? Faz o quê com o descontentamento? Muda de cidade?

DE BOM TAMANHO
E uma das poucas dobradinhas 100% limeirense foi desfeita essa semana, depois que o advogado Valdemir Alves de Brito abriu mão de sua candidatura pelo PRP. Agora o empresário Odair Zambom, que pela primeira vez concorre a um cargo eletivo, segue só na disputa por uma vaga de deputado federal. E por falar no amigo, Zambom enviou-me e-mail com a relação de dezenas de produtos que consumimos habitualmente e os respectivos (argh!) impostos que pagamos ao adquirir cada um deles. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Será que não há imposto que baste para tantos escândalos de desvio do erário? Aliás, observando o peso da carga tributária que o cidadão carrega nos ombros, conclui-se que é por isso que tantos brasileiros se aposentam com problemas na coluna. Mas até onde sei, Zambom é um dos deputados que vai trabalhar para reduzir essa carga tributária. Bom, se ele conseguir apoio ao menos para diminuir os impostos incorporados ao preço do café (36,52%), do cigarro (81,68%) e da cerveja (56%), já estaria de bom tamanho. Se bem que acho que isso seria legislar em causa própria, né? Tanto para ele quanto para mim.

A VEZ DO GÚ
E já que não dá mais mesmo para botar muita fé que as coisas vão mudar por aqui, este anta que vos escreve continua sonhando e fazendo previsões para as eleições municipais de 2008. Essa semana, por exemplo, meus dois neurônios vislumbraram que meu amigo Gú, do Diário Tígers, é um dos candidatos a vereador que pode estourar nas paradas eleitorais de 2008. Faltando aí uns dois anos para as eleições, ele me conta que já tem até patrocinadores para a campanha que promete ter uma performance exótica e altamente diferenciada.

NEM LUIS, NEM GERALDO
Tenho o costume de questionar as pessoas com quem converso sobre as eleições que se aproximam. A sensação que me vem, entretanto, é de sempre estar falando com as pessoas erradas. Explico: até agora não dei sorte de falar com uma única viva alma que deseje ver Lula reeleito. Mesmo assim, as pesquisas continuam insistindo de que é provável que ele vença já no 1o turno. Na minha pesquisa informal, não! Está dando o voto nulo em primeiro lugar, seguido de pertinho pela senadora Heloísa Helena, do PSOL.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:09 PM



   18.8.06  
COMEÇOU A ENCENAÇÃO
Juro que ainda não consegui entender: se nenhum candidato paga para participar da encenação, digo, horário eleitoral - que é "gratuito" para eles, mas vai custar aos "cofres públicos" este ano, pasmem, cerca de R$ 190 milhões -, por que o tempo de aparição no (argh!) programa não é repartido proporcionalmente a todos?

ELEIÇÕES 2008
E as eleições municipais de 2008 devem apresentar novidades no quadro político limeirense. Claro que ainda se trata apenas de uma suposição intuitiva deste anta que vos escreve, mas meus dois neurônios, em pleno gozo de um exercício de futurologia, informam sobre a possibilidade da volta do advogado Paulo Sérgio Oliveira ao cenário político local. Questionado sobre a hipótese o ex-vereador, que foi supostamente cassado pela Câmara Municipal em 2002, desconversa. Mas não descarta.

PS VEM AÍ
Na verdade, o caso do ex-vereador pelo PTN, Paulo Sérgio Oliveira, é até um tanto quanto curioso. Se tivesse mesmo sido cassado em 2002, como reza a história política local, ele estaria inelegível até o ano de 2012. Entretanto, tudo leva a crer que ele não foi mesmo "oficialmente" cassado. Pelo menos é o que mostra a cópia de documento que recebi anexado a um e-mail que ele me enviou dias atrás. Trata-se da Certidão de Quitação Eleitoral, com a certidão de autenticidade expedida pela Justiça Eleitoral, através do Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo, expedida no dia 05/08/06. No e-mail, ele ainda explica: "está certificado que reúno a plenitude do gozo dos direitos políticos decorrente, dentre outras situações apresentadas, da inocorrência de inelegibilidade. Portanto, não só posso votar como também posso ser candidato".

AFOGANDO A FLOR
E se você amigo leitor que está aí do outro lado da página pensando que ainda é cedo demais para falar das próximas eleições municipais, explico minhas razões: é que minha alma, cansadinha da silva, me diz que já não devo esperar muito mais desse governo. Então, enquanto sonhar com dias melhores ainda é possível - e totalmente grátis -, vou regando a dita cuja flor da esperança.

MANIAS DA ENVELHECÊNCIA
A verdade é que depois dos trinta e poucos anos (mesma idade, aliás, que meu amigo João Leonardi vem anunciando ter nos últimos 15 anos), percebi que a gente começa a ficar meio que melancólico e saudosista. Quando Pedrinho Kühl estava no governo, cheguei a sentir saudades do falecido Jurandyr Paixão. Quando o prefeito era José Carlos Pejon, senti falta de Kühl à frente do governo. Sabe que já está me batendo uma pontinha de saudades do governo Pejon? Será que para isso tem remédio?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:07 AM



   11.8.06  
MÃE JOANA
Cerca de 10 mil presos devem deixar temporariamente o sistema prisional de São Paulo neste final de semana, por conta de um tal de indulto do Dia dos Pais. Então, feliz Dia dos Pais para todos nós. Ou seria melhor dizer salve-se quem puder?

E AÍ?
A Emdel já fechou as portas? A licitação do transporte coletivo vai sair? A Unicamp vinga mesmo em 2007?

RE(E)JEIÇÃO TOTAL
O Senado aprovou na semana passada a proposta de emenda que acaba com a reeleição aos cargos do Executivo a partir de 2010. Melhor notícia que essa só mesmo se estendessem a medida também aos cargos do Legislativo. E que raios de história é essa de aumentar o mandato de quatro para cinco anos? Estão querendo que o eleitor enfarte? Por que cargas d¿água nunca pensam em reduzir o mandato para três anos, aliviando um ano de penúria em nossas vidas? É consenso psicológico de que atualmente o relógio da vida parece andar mais rápido que outrora. Sendo assim, agüentar por alguns anos um governo pífio chega a nos parecer uma eternidade. Reeleição? Sou contra até para escolha da garota musa do verão!

UMA VEZ, NADA MAIS
E por falar em (argh!) reeleição, você aí amigo que está do outro lado da página já reparou que quem ascende ao poder não quer largar o osso nem a pau? E já reparou também que a conversa sempre é de que o eleitor deve dar-lhe a oportunidade de governar por mais um mandato? Já reparou, também, no argumento que vem a reboque do pedido? Pois é o mesmo de sempre, ou seja, de que só assim terá tempo suficiente para desenvolver totalmente um tal de plano de governo que prometeu durante a campanha do primeiro mandato. Mero trololó, porque quem tem que ter planos estabelecidos é município, o estado e o país, e não os políticos e sua penca de amigos de agremiação. Planos esses, aliás, formulados a partir de uma ampla participação popular. Aos eleitos, isso sim, cabe a responsabilidade de conduzir com competência as ações determinadas a se obter o futuro projetado pelo desejo popular. E passa a régua.

DÚVIDA CAIPIRA
Será que Limeira teria algum candidato se na reforma política fosse aprovado que a função de vereador deveria ser voluntária, não remunerada?

VOLTARAM?
E por falar em vereador, a Câmara voltou a ter sessões esta semana. As ordinárias.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:51 PM



   4.8.06  
CASSADO OU NÃO?
Mês e pouco atrás troquei alguns e-mails com o advogado Paulo Sérgio Oliveira, que teve seu mandato de vereador cassado em 2001 pela Câmara Municipal. Paulo Sérgio esta na Europa (Portugal e Espanha), prestando serviços ao Instituto Esactha - Gestão Pública. De lá, informou que as investigações na esfera criminal e cível abertas contra ele foram arquivadas a partir de procedimentos do Ministério Público (MP) e da Justiça. Entretanto, da penca de informações interessantes que me enviou, uma delas chamou mais a minha atenção: ele diz que "nunca foi cassado". E explica: "Quem está privado de seus direitos políticos, pelo que sei, está impedido de ser votado... mas... também de votar!!! Mas isso não ocorre comigo não, pois, desde meu afastamento do mandato eleitoral concedido pelos eleitores de Limeira, em 18 de junho de 2001, nunca deixei de votar em nenhuma das eleições." E no e-mail, Paulo Sérgio anexou cópia dos comprovantes de votação.

FIASCO
Para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), votar é um momento decisivo para a sociedade. Concordo plenamente. O problema é que nas últimas eleições esses tais de "momentos decisivos" só têm nos rendido grandes desastres.

A PEDRA
O presidente Lula andou dizendo na semana passada: "nunca sei quando sou candidato e quando sou presidente". Pois no meu humilde entendimento imagino que ele é um eterno candidato. Se um dia chegar à conclusão de que ele virou presidente, eu informo.

ESPELHO, ESPELHO MEU
E o mesmo tal de Lula andou dizendo também que só a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) colocou o falecido presidente Getúlio Vargas mais perto do povo do que ele. Fala verdade, como é bom a gente ter um governante tão humilde assim, né?

CONVERSA MOLE
E um amigo conta que, passando dia desses pela Praça Luciano Esteves, resolveu matar uma curiosidade antiga. Encostou o automóvel perto da calçada onde se encontrava uma dessas garotas que fazem ponto no local e foi logo perguntando:
- Quanto é que custa o seu serviço, menina?
- Depende do tempo, querido! - respondeu ela, já se aproximando do carro.
- Pois bem,... suponhamos que essa noite chova...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:17 PM



   28.7.06  
NAS MOSCAS!
A ong Defende protocolou na semana passada requerimentos à Prefeitura Municipal de Limeira, SAAE, Ceprosom e Câmara Municipal, solicitando lista de servidores que ocupam cargos efetivos, comissionados e de confiança. O objetivo é analisar a constitucionalidade do quadro de servidores municipais. Com base no Art. 37, incisos II e V, da Constituição Federal, a opinião do advogado Mário César Bucci, presidente da ong, é de que "servidores públicos comissionados e de confiança deverão ser escolhidos exclusivamente dentro do quadro de funcionários (concursados) de cargo efetivo ou de carreira e de nenhum outro lugar mais". Concordo plenamente com a interpretação e com o questionamento da ong. Concursos públicos, já!

ERÁRIO ANÊMICO
Depois das CPIs do Mensalão e das Sanguessugas, acredito que só um único nome poderá ser escolhido para batizar uma futura CPI de corrupção política: Anemia Profunda. É que há tempos nossos queridos corruptos tentam esgotar todo o sangue do erário e talvez o que ainda reste nas veias da saúde financeira do país seja nada mais que um líquido ralinho-da-silva, composto por um punhado de hemoglobinas totalmente pálidas. Haja, aliás, imposto para tapar tanto rombo!

LAVOU, TÁ NOVA
Primeiro foi a pavimentação e agora a Prefeitura cuida também do visual do canteiro central da Avenida Major José Levy Sobrinho, que há tempos ali jazia moribundo. Creio que é mesmo extremamente importante cuidar com carinho do visual da cidade. Principalmente de avenidas como essa que, por ser a principal entrada da cidade, é uma espécie de cartão de visita de Limeira. O motivo para o zelo com o visual da avenida, aliás, é bastante simples de entender: quando não se cuida da entrada principal, ela invariavelmente se torna a saída principal. Dos empreendimentos, do desenvolvimento, do progresso...

DESÂNIMO TOTAL
Fora um ou dois candidatos que já estão gastando a sola do sapato e apertos de mão na caça aos eleitores, a corrida eleitoral em Limeira nem parece ainda que começou. Não dei de cara até agora, por exemplo, com nenhum mísero muro pichado. Será que o mesmo desanimo que tomou conta dos eleitores depois dos últimos escândalos do mundo político já contaminou também os nossos candidatos?

TEOREMA NARÄNJENSE
Se é verdade que santo de casa não realiza milagres, então está explicado porque os governos que elegemos nunca realizam os milagres que prometem em campanha. São todos uns santos. Do pau oco, é claro, mas são!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:19 PM



   21.7.06  
HÁ LUZ NO TUNEL
Encontrei essa semana meu amigo Odair Zambom, empresário limeirense e candidato a deputado federal, que mostrou-se entusiasmado com o início da campanha, por dois motivos principais: está feliz com a receptividade das pessoas em relação à sua candidatura e com apoio maciço que vem recebendo de empresários limeirenses. Zambom, cá entre nós, é considerado um "candidato virgem". Explico: é a primeira vez que disputa um cargo político eletivo, pois, até onde o conheço, sempre atuou apenas nos bastidores, apoiando outros candidatos. Mas pelo que me contou, temo que o amigo já vai estrear sua vida política arrumando logo de cara uma boa dose de sarna-pra-se-coçar. É que uma de suas propostas, pasmem, é apresentar um projeto vinculando o aumento do salário dos políticos aos reajustes anuais do Salário Mínimo. Aleluia, há luz no fim do túnel! Só assim, finalmente, a gente conseguiria ver ao menos uma vez a classe política preocupada com o salário do povo, né? Por interesse próprio, é claro.

REGRA DE ESTILO
E com a chegada de mais de mais uma corrida eleitoral, penso que já passou da hora de incluírem como regra da língua portuguesa que todo discurso político tenha início obrigatoriamente pelo célebre mote circense: "respeitável público". A regra seria válida, é óbvio, mesmo que as trocentas promessas que se seguirem depois não respeitem um pedacinho sequer da inteligência do público eleitor.

HELDTORIAL
Penso que beira a insensatez o comportamento de alguns nobres edis que resolvem aventurar-se numa candidatura a deputado, bradando como intuito trabalhar por Limeira. Imagino que alguns parecem não ter dado conta de que se nem como vereador ainda mostraram um trabalho em nível local digno dos votos que receberam, então o que afinal pensam fazer se forem agraciados pelo destino e tiverem que labutar em esferas muito mais complexas, a estadual ou a nacional? Por isso, como eleitor rogo a esses insignes cidadãos que reflitam um pouco mais e pelo bem da cidade renunciem a essa aventura eleitoral, como sabiamente já o fez um deles, o doutor Joaquim Raposo, oferecendo apoio irrestrito aos demais candidatos locais. E que antes de insistirem em subir degraus da escada da vida política, apinhados a candidatos de outras localidades, sugiro que mostrem, por exemplo, o que afinal realizaram nesses últimos 18 meses como merecimento dos votos que receberam de seus eleitores nas eleições municipais de 2004. Creio, pois, que ainda há tempo de cada um fazer seu próprio exame de consciência, deixar a vaidade política de lado e, se for o caso, enfiar a viola no saco e não azedar o miserável molho do destino político que mais uma vez ronda Limeira. É indiscutível, óbvio, que todo político tem o direito de se candidatar ao cargo que bem quiser. Ao mesmo tempo, entretanto, penso ser seu dever utilizar também o bom senso para medir o quanto seu ato pode prejudicar a vida de milhares de cidadãos limeirenses, cansados de a cada nova eleição perceber a nulidade de seus votos, sempre repartidos entre uma penca de egos inflados.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:48 PM



   14.7.06  
PÉ-DE-ALTAR
E a tal de corrida presidencial que a gente vai assistir esse ano deve custar R$ 279 milhões. Só os dois principais (ao menos para a tchurma deles, né?) candidatos à presidência do Brasil, Inácio (PT) e Geraldo (PSDB), juntos estimam gastar R$ 174 milhões na campanha eleitoral. Para os eleitores leigos, categoria na qual me incluo, a idéia é que essa dinheirama toda deve sair dos bolsos dos cidadãos brasileiros, ou seja, dos nossos próprios bolsos. É evidente que cada vez que se toca nesse assunto, aparece uma penca de aspones partidários em defesa dos seus candidatos, explicando com a maior cara-de-pau que a verba vem de uma carrada de "doadores". M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Devo acreditar também em coelhinho da Páscoa? Quem, afinal, ao menos em sã consciência, doaria dinheiro para eleger um candidato sem esperar neca-de-pitibiriba em troca? Só se fosse algum idiota. Pois se a doação vier de empresas, é certo que vislumbram a participação em algum quinhão negociável do governo. Se o tal de doador for pessoa física, imagino que sonha acordado com as benesses de algum cargo nababesco, em alguma dessas estatais da vida. Ou não? Oras, nem me venham também uns espertinhos aí com a estória de que a doação é por pura adesão ideologia. Penso que essa palavra - ideologia -, o PT já pinchou fora do dicionário por tudo o que fez nesses últimos três anos e meio.

PAI DOS BURROS
Quer saber? Lula, na verdade, não passa de um molusco marítimo da classe dos cefalópodes, ou seja, que tem pés na cabeça. Mas se o amigo leitor imagina que acabei de falar do nosso fantástico presidente, se enganou. Essa é a descrição sucinta da palavra "lula" contida nos dicionários. Mesmo porque, qualquer semelhança entre o molusco e o presidente seria mera coincidência, pois o nosso magnífico e mui amado governante, nesses três anos e meio, em momento algum meteu os pés pela cabeça, não é verdade?

NA TCHURMA DO NULO
A pesquisa CNT/Sensus, que apontou que se a eleição fosse essa semana Lula seria reeleito no primeiro turno, trouxe também outra informação deveras interessante: 50,9% dos eleitores concentram-se no "indecisos/brancos/nulos". Faço parte integrante dessa catchiguria!

TÃO CANSADINHOS, É?
Não sei se alguém percebeu, mas acabaram-se aquelas sessões ordinárias da Câmara Municipal. Pelo menos por enquanto, já que a Casa entrou em recesso parlamentar essa semana. Só volta à ativa (por favor, não ria, amigo leitor, porque o assunto é sério) em agosto. E Limeira com certeza acumula prejuízos incalculáveis toda vez que os nobres edis entram em férias. Um verdadeiro caos; a cidade praticamente pára e fica às moscas. Dezenas de ruas, por exemplo, terão que aguardar, pacientemente, pela indicação de um nome.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:19 PM



   10.7.06  
BOM SENSO POLÍTICO
Poucas vezes na história política de Limeira vi atitudes de tamanho bom senso como a revelada, na última terça-feira, pelo vereador José Joaquim Fernandes Raposo Filho (PRP), que desistiu de concorrer a Deputado Estadual. Em documento enviado à imprensa, Joaquim Raposo justificou sua desistência apresentando uma penca de razões. Para mim, entretanto, apenas a primeira delas já seria suficiente para que tomasse a decisão, ou seja, quando declara que "a grande maioria de meus eleitores e amigos tem se manifestado para que eu termine o mandato para o qual fui eleito, permanecendo, portanto, na Câmara Municipal de Limeira". Bingo! Há luz no fim do túnel político local. Penso que a atitude do vereador é digna de louvor, chega em boa hora e vem recheada de bom senso político. Abandonar um mandato no meio do caminho para se aventurar a cargos em outras instâncias é o mesmo que trair a confiança e se divorciar de quem o elegeu. Um golpe antiético, acrescente-se, poucas vezes perdoado pelos eleitores. Pela moral e pela mudança ética na política local, outros candidatos nessa situação deveriam imitar o gesto nobre do vereador. Limeira agradece!

ZAMBOM CONTINUA
Mas quem desistiu de concorrer pelo PRP foi apenas o candidato a Deputado Estadual, Joaquim Raposo, cuja vaga será ocupada por outro candidato. Conversei com o empresário Odair Zambom e ele confirmou seu propósito de representar Limeira na Câmara Federal pelo PRP. É a primeira vez, aliás, que Zambom disputará um cargo eletivo e no meu humilde entendimento trata-se de uma das poucas e gratas surpresas locais para as próximas eleições.

É HORA DE RECICLAR
E os funcionários públicos aguardavam ansiosos por um Plano de Carreira, prometido há anos, e recebem como presente um tal de PDV (Plano de Demissão Voluntária). O objetivo, segundo soube, parece ser até nobre: otimizar e modernizar os serviços públicos. Pois aproveito a brilhante idéia e sugiro que se crie também no município o PAVP (Plano de Aposentadoria Voluntária dos Políticos). A sugestão tem o mesmo objetivo nobre do plano anunciado pelo prefeito, ou seja, tornar os nossos poderes mais eficientes. Refiro-me ao Executivo e ao Legislativo.

SEM PROPAGANDA
E na opinião do meu cunhado Luis Carlos Albergoni, quem mais perdeu com a derrota precoce daquele bando de estrelas semi-apagadas, vulgo Seleção Brasileira, foi o presidente Lula. E não é que ele tem razão?! Já imaginou, caso a constelação chegasse às finais, quantas propagandas políticas - travestidas de festividades e badalações - com o presidente e os ditos "melhores jogadores do mundo" a gente teria que agüentar?

AEQUITAS CONDICIONUM
E o finado técnico Parreira é a cópia fiel dos nossos governantes. De um lado, o povo clamando por mudanças; do outro, eles sentados apáticos e se julgando os donos da verdade. E fingindo-se de mortos.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:20 AM



   1.7.06  
É O FIM DA PICADA
Amigo leitor, tome cuidado: se você tiver o azar de sofrer um acidente automobilístico e o estado do veículo for considerado como perda total, mesmo assim terá que pagar o IPVA do moribundo. Do mesmo modo, caso você passe pelo infortúnio de ter o veículo roubado, mesmo que seja nos primeiros dias do ano, não faz mal: terá que pagar, religiosamente, o IPVA do veículo que já não lhe pertence mais. Piada? Não! Pois foi justamente o que aconteceu com o leitor Jorge Evangelista de Oliveira Junior, dentista, que teve o automóvel roubado no dia 06/01/06. Jorge até tentou livrar-se do imposto, por julgar absurdo ter que pagar um tributo de um veículo do qual já não era mais "proprietário". Principalmente porque a letra "P" que compõe do nome do imposto diz respeito à "Propriedade". Mas ao ser ressarcido pela companhia de seguro, surpresa: lá veio descontado, automaticamente, o danado do tributo. Inconformado, o leitor moveu processo contra o Estado. Não obteve êxito e teve seu pedido indeferido. Resumo da ópera: pagou IPVA duas vezes. Um imposto pelo automóvel que lhe foi surrupiado e outro referente ao novo veículo que adquiriu com o dinheiro que o seguro lhe pagou. Jorge conta que pesquisou a respeito e que esse absurdo tributário só ocorre aqui no Estado de São Paulo. Daí começo a entender as razões que levam tantos paulistas a optarem por emplacar o veículo e recolher o IPVA para outros estados. Enquanto no estado de São Paulo a alíquota de IPVA que incide sobre o valor dos automóveis de passeio é de 4,5%, no Paraná, por exemplo, é de 1,5%. Além disso, em São Paulo, o contribuinte corre ainda o risco de pagar o imposto até não sendo mais proprietário do veículo.

HELDTORIAL
Acabo de prometer a mim mesmo que é a última vez que faço comentários sobre as atividades desenvolvidas pelo nosso egrégio e mui dinâmico Legislativo. Prometi que não mais escreverei uma virgula sequer, nem mesmo se os nossos nobres edis, essas pessoas de índole reconhecidamente ilibada, resolverem finalmente aceitar a responsabilidade de fiscalizar os atos do Executivo. Prometi que não desenharei mais uma mísera vogal sequer, nem mesmo se nossos nobres edis, esses limeirenses de conduta sabidamente polida e exemplar, resolverem momentaneamente investir mais tempo discutindo temas de interesse popular em vez de despender horas a fio propondo nomes de ruas e títulos festivos. Prometi, finalmente, que não mais aporei aqui na coluna nem um solitário hífen sobre aquela Casa, nem mesmo se nossos nobres edis, esses cidadãos que são exemplo esculpido e encarnado da honestidade e da honradez, apresentarem projetos que vislumbrem o desenvolvimento da cidade e o bem estar da população. Mas como Deus parece ter me agraciado com o dom da auto-aprendizagem, aprendi também, com os próprios políticos, que não é necessário cumprir tudo o que se promete, né? Então, se na próxima semana eu não cumprir o que prometi, estejam certos: virei político.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:19 PM



   23.6.06  
RITMO DE TARTARUGA
Alguns leitores reclamam da velocidade reduzida que está sendo implementada em algumas avenidas importantes da cidade, acompanhadas, é óbvio, do famigerado radar móvel. Na Costa e Silva, por exemplo, cuja pavimentação ficou ótima, o limite fixado foi de 50 km/h. A Mogi Mirim, antes com placas indicando o limite de 60 km/h., parece que terá também, após as reformas, o limite fixado em 50 km/h. Bom, quer saber? Sou da favorável e penso que o pessoal de trânsito tem razão e acertou em cheio ao propor a redução de velocidade. Primeiro porque é notório o total despreparo e a falta de educação, tanto no trânsito quanto fora dele, de uma penca de motoristas limeirenses. Segundo, porque a velocidade tem mesmo que ser adequada e compatível com o ritmo de desenvolvimento da cidade. Ou seja, nesse caso, devagar; bem devagarinho...

PROS QUINTOS
A edição da revista Veja dessa semana traz como matéria de capa um tema preocupante, com o título: "Os sinais do Apocalipse". E relaciona quatro desses possíveis sinais: "o degelo dos pólos nunca foi tão violento; ciclones agora açoitam o Brasil; os desertos avançam rapidamente; o nível dos oceanos ameaça cidades". Entretanto, matutando cá com meus velcros, eu acrescentaria um possível quinto sinal: a reeleição de Lula.

COMO, PINÓQUIO?
E vem aí a temporada 2006 de promessas que, para não perder o costume, jamais serão cumpridas. Então, quando o amigo leitor - e eleitor - tiver oportunidade, não pergunte ao seu candidato "o que" ele vai fazer, e, sim, "como" (ou de que jeito) ele vai fazer tudo aquilo que estará prometendo.

HELDTORIAL
Sinto-me lisonjeado pelo crédito que leitores dão a este humilde jornalista. Recebo com certa freqüência manifestações e comentários desses leitores. Alguns concordando com o que escrevi; outros discordando. É o jogo democrático. O que me deixa amargurado, entretanto, é a penca de denuncias que recebo. Algumas cabeludas; outras nem tanto. A amargura, é claro, vem por conta da falta de tempo que tenho para investigar e conferir tudo o que me contam. Mesmo assim, agradeço a confiança e peço a esses leitores (alguns até anônimos) que continuem contando o que julgam ilegal. Não prometo solução para tudo. Mas prometo, no mínimo, que as denúncias serão sempre encaminhadas. E aos que me pedem sigilo de fonte, podem dormir sossegados, pois além de ser da ética do jornalismo, sou do tempo (mas não faz tanto tempo assim, né?) em que bastava um fio de bigode para que a palavra de um homem tivesse valor e fosse respeitada. Cabelos, o tal de DNA quis que eu tivesse só um pouquinho. Mas no bigode tenho fios suficientes para manter a minha palavra até meu último suspiro. Graças a Deus. E aos meus pais que sempre me educaram pelo exemplo.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:45 PM



   26.5.06  
SALTANDO DO MURO PRESIDENCIAL
Já me decidi: não vou votar no Lula (PT). Tenho dois motivos. Um é que sou contra a reeleição de políticos, em qualquer esfera; outro, é que burrada eu só faço uma vez. Não vou também dar meu valioso voto ao ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), porque aprendi a não confiar nos que pincham fora, no meio do caminho, um mandato no Executivo, anulando por mais de seis meses os votos que eleitores um dia confiaram a ele. E já deixei de pensar também no voto em branco, pois acabei entendendo com o passar dos anos que essa é o mesmo que aceitar o programa de governo de todos os candidatos. Minha esperança, então, é que ainda surja um terceiro nome na disputa e que desperte meu sentimento de irrestrita confiança. E enquanto isso não acontece, meus neurônios vão me estimulando a pensar no voto nulo. É possível, é possível.

A VIDA É BELA
E continuando com aquele meu nobre propósito de tentar enxergar sempre algo positivo em toda a situação ruim, essa semana consegui mais uma vitória. E foi ao ler a notícia de que é possível que seja aprovado que Limeira volte a ter novamente 21 vereadores a partir do próximo mandato. O lado positivo? Pelo menos a cidade não vai ter uma rua sequer sem nome e nem um único dia em todo o ano sem que se comemore alguma data especial. Valhei-me, Santo Onofre, pois não está fácil de continuar nesse meu propósito positivista. Só bebendo umas doses de uísque a mais...

LEVANTA-TE
E a construção do campus da Unicamp em Limeira, será que vai mesmo vingar além daquela solitária pedra fundamental?

POR AMOR É MELHOR
O professor Natalino Gonçalo, candidato a vice-prefeito nas últimas eleições, costumava dizer que as pessoas só conseguem mudar pelo amor ou pela dor. Lembrei-me disso durante os dias da semana passada em que a população entrou em pânico diante dos ataques audaciosos de criminosos. Será que a dor causada pela insegurança ainda não foi o suficiente para que a sociedade cobre de nossas autoridades providências imediatas e concretas para estancar o avanço da criminalidade que já vimos percebendo há tempos? Até quando vamos sentir as agulhadas de dor no coração, enquanto observamos, inertes e estarrecidos, os nossos jovens recorrerem às facilidades de ingresso no atraente mundo do crime como única perspectiva de vida? Infelizmente, a história nos prova que quando não há uma resposta do Estado à altura dos males que corroem a paz social, ou mesmo quando tal reposta patine amarrada a uma legislação caduca e ultrapassada, a própria população, sentindo-se desamparada, tende a pensar em justiça pelas próprias mãos. Queira Deus que esse dia de miséria moral e social nunca faça parte do nosso calendário. Seria o começo do fim!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:45 PM



   19.5.06  
PARABÉNS, PREFEITO
Aos poucos o prefeito Silvio Félix vem cumprindo as promessas que fez quando ainda era candidato. Uma das mais recentes foi a que deu início à distribuição de merenda escolar aos alunos que freqüentam aulas no período noturno; e outra, o anuncio das vendas de lotes do Distrito Industrial "Sebastião Fumagalli", o primogênito da cidade. Aleluia, aleluia, aleluia. E além de cumprir promessas, Félix parece ter resolvido também endurecer o tom das respostas nos esclarecimentos publicados nas primeiras páginas dos jornais, utilizando-se inclusive do ataque para se defender do que a Promotoria Pública vem questionado a respeito de sua administração. E a tática parece ser a de tentar botar grande parte da culpa, caso ela exista, nos atos do governo anterior. Entretanto, lembro-me que não foi por falta de insistência da imprensa que ele não realizou uma auditoria nas contas da administração anterior, como havia também prometido que faria, trazendo a público o resultado do levantamento e as dúvidas em relação aos atos que não estivessem claramente explicitados. Agora imagino que seja um pouco tarde demais para utilizar esse tipo de argumento, pois há um ditado que diz: "quem cala, consente".

TUDO AZUL
Tenho amigos que afirmam de pés juntos que sempre é possível encontrar algo positivo em qualquer situação, mesmo que ela nos pareça integralmente ruim. Começo a acreditar que isso seja verdade, pois até no fato de Limeira não ter representantes políticos em outras esferas é possível perceber um lado bom. Pelo menos a gente não paga o mico de ver um deputado limeirense sujando o nome de Limeira por estar envolvido num desses escândalos de corrupção, né?

É PUXAÇÃO MESMO!
E a balbúrdia criminosa no último final de semana acabou ofuscando um pouco as comemorações do Dia das Mães. O pânico que se instalou, via boataria, na segunda-feira também prejudicou as homenagens a uma categoria profissional imprescindível à sociedade, a dos Assistentes Sociais, cuja data foi comemorada no dia 15. Aliás, por conta da Lei 4.001, da vereadora Nilce Segalla (PTB), que instituiu o "Dia da Assistente Social" aqui no município, tive que cumprimentar minha queridíssima duas vezes. Uma pela lei local, outra pela comemoração que já existia em nível nacional. Dois presentes? Aí já é querer demais, né? Apesar que ela até que mereceria, por ser competente como profissional e perfeita como esposa. Uaaauuu!!!

E EM CAUSA PRÓPRIA?
E são mesmo deveras interessantes algumas leis criadas pelo Legislativo para comemorar o dia disso, a semana daquilo; outras, para homenagear essa e aquela categoria profissional. Falta pouco, imagino, para que alguém de lá apresente também um projeto para homenagear os próprios vereadores, escolhendo entre eles o mais eficaz à sociedade e atuante do ano. Bom, não imagino que haja muitos candidatos com esse perfil...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:15 PM



   12.5.06  
NO TEMPO DAS CARROÇAS
Já não passou da hora da Prefeitura pensar numa solução para a Ponte Preta, passagem sob os trilhos de trem, que liga a Avenida Campinas à Vista Alegre? Ali, nos horários de pico, o trânsito está caótico e insuportável.

CARTAS DE LISBOA
Troco e-mails com o ex-vereador Paulo Sérgio de Oliveira, que está em Portugal. É que ele leu pela Internet a ponto-e-vírgula (putz, que chique, hein?! Essa coluninha caipira é lida até na Europa, gentem!!!) e escreveu sobre o que publiquei aqui, duas semanas atrás, com o título de "Anos Dourados". Só para colocar o leitor por dentro da prosa virtual, relembro o que escrevi: "Bons tempos aqueles em que uma simples notinha do Sucão, aumentada em apenas alguns míseros reais, provocava a cassação de um vereador". Pois bem, Paulo Sérgio explicou que "embora na época a vereadora Iraciara das Dores Basseto Barollo Sagioro em seu relatório final na Comissão Processante atestou que a Nota do Sucão teria sido adulterada de R$ 6,00 para R$ 38,00 e, portanto, o município teria sido lesado em R$ 32,00 - o que implicaria na cassação do vereador; devolução do dinheiro pago à maior; pagamento de multa de três vezes o valor do prejuízo causado ao município; processo penal e de improbidade administrativa - nada disso ocorreu, pois, após três anos e meio de investigação conduzida pela Delegacia Seccional de Polícia de Limeira foi encerrado o inquérito policial. No Relatório Final encaminhado ao Ministério Público foi concluído que não houve crime algum praticado pelo ex-vereador, ao contrário, tudo não passou de uma orquestração..." E ele concluiu em outro trecho: "...assim, o Promotor Público Dr. Nelson requereu o arquivamento do Inquérito Penal e não apresentou denúncia contra o ex-vereador, o que foi ratificado pelo Juízo Criminal da Comarca de Limeira". Paulo Sérgio formulou também uma questão interessante e para qual nem imagino a resposta: "se a vereadora Iraciara das Dores Bassetto Barollo Sagioro em seu Relatório apresentado a Comissão Processante pediu minha cassação por ter havido adulteração da tal Notinha do Sucão fosse verdadeira, por que então ela e a Câmara Municipal nunca pediram a restituição do valor que teria sido adulterado?"

INSIGHT CAIPIRA
Nem é preciso saber interpretar uma lustrosa bola de cristal para chegar à conclusão de que deve ocorrer um boom na quantidade de votos nulos e brancos na próxima eleição. Grande parte do eleitorado já se mostra completamente desencantado com a classe política por causa da penca de escândalos de corrupção que assolaram (e ainda assolam) o Brasil nos últimos tempos. Há, inclusive, um movimento virtual - via e-mail e estampados em blogs - pregando o voto nulo e justificando o procedimento como uma das formas do eleitor manifestar seu descontentamento ou contrariedade em relação a todas as propostas de governo apresentadas pelos candidatos. Espere e confira!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 1:52 PM



   6.5.06  
INCOMPETÊNCIA
E toda vez que faço aqui alguma crítica ao governo Lula, um ou outro leitor amigo escreve reclamando. Penso que são petistas roxos, é claro, aqueles do tipo que ainda acreditam que o presidente não sabia de nada a respeito do mensalão. Aqueles, inclusive, que vivem dizendo que esse governo está sendo mil vezes melhor do que foi o de Fernando Henrique Cardoso. Bom, mesmo arriscando a levar uns sopapos virtuais desses amigos leitores, continuo com a opinião de que se realmente Lula não sabia de nada, então isso é uma clara demonstração de que ele é, no mínimo, um administrador incompetente. Quanto à opinião petista de que ele e melhor do que seu antecessor, penso cá com meus velcros que pode até ser. Entretanto, numa discussão política entre pessoas de bom senso, comparar o roto com o esfarrapado não vale.

12 CONTRA 2
Cada vez que vejo com que bonança política o governo Felix vem administrando Limeira, sem que nenhum de seus atos seja fiscalizado pelo Legislativo, penso num reeditado popular: "duas andorinhas só não fazem um verão". Muito menos oposição.

MEU VOTO SEMPRE FOI NULO
Tenho amigos me convidando a entrar de cabeça numa espécie de campanha contra a corrupção que rola em nível nacional, cuja principal estratégia é incentivar o voto nulo como forma de protesto. Pelo ranger das rodas da carroça, olha que até estou propenso a engrossar essa turba, pois penso que o voto nulo é uma decisão consciente de todo cidadão de bem que decida por ele depois de analisar as propostas dos candidatos e não concordar com nenhuma delas. É, portanto, uma opção viável de escolha do eleitor. Se bem que pensando melhor, meus dois neurônios acabam de me lembrar que votei no Lula na eleição passada. Quer voto mais nulo que esse, gente?

ESTRANHAS COINCIDÊNCIAS
E olha que eu já tinha considerado estranho aqui na coluna (em 07/04/06) a megasurpresa que foi no final de março o notícia da saída do vice-prefeito, Orlando José Zovico (PMDB), da Secretaria Municipal de Governo e Desenvolvimento. E nesses últimos dias, minha estranheza aumentou ainda mais. É que nem bem esfriou a cadeira do ex-secretário e o prefeito Silvio Félix veio a público para anunciar três noticias importantes relacionadas à área: nove empresas que, juntas, investirão R$ 30 milhões no município e gerarão 660 empregos diretos, o edital para venda de lotes do Distrito Industrial Prefeito Sebastião Fumagalli e a ampliação da isenção de imposto para empresas. Fala a verdade, amigo leitor, não é estranho mesmo que tantas boas notícias relacionadas à área surjam assim de repente, logo em seguida à saída do secretário? Assim, alguma coisa me diz que o vice-prefeito não abandonou aquela secretaria para se candidatar a deputado. Continuo, aliás, imaginando que alguma coisa ocorreu nos bastidores. Então o jeito é esperar. Quem sabe com o tempo ou a história possam nos revelar, não é verdade?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:21 AM



   28.4.06  
ANOS DOURADOS
Bons tempos aqueles em que uma simples notinha do Sucão, aumentada em apenas alguns míseros reais, provocava a cassação de um vereador.

DESPERDÍCIO
A Câmara Municipal investiu R$ 63 mil durante um ano para apresentar um projeto de reestruturação do quadro de funcionários, que eleva o número de colaboradores da Casa de cerca de 79 para algo em torno de 123. Pelamordedeus! Não é gente demais para propor nomes a ruas e títulos de cidadania?

...E MAL PAGO
Em nível nacional, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Confedereção Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) fazem campanha contra a corrupção. Por aqui ainda não tive notícia até agora de que tais entidades estejam se movimentando nesse sentido. Os líderes locais, aliás, sequer abriram a boca a respeito do assunto e também não o fazem mesmo quando surge uma ou outra suspeita de improbidade ou utilização indevida do erário. Imagino que deve ser porque em Limeira não existe esse tipo de câncer social chamado corrupção, né?

INCOMPETÊNCIA
Votei no Lula, já confessei várias vezes aqui. E isso prova aos leitores que vivem elogiando a coluna de que não sou tão inteligente quanto pareço, né? Mas é que fui iludido, como tantos outros milhões de brasileiros, por aquela conversa mole de que o partido das estrelas era comprometido com a ética e com o combate à corrupção. Também fui enganado por aquela promessa de que seriam criados 10 milhões de empregos. Pois é, e agora o PT confessa a sua incompetência, em horário nobre da TV, ao anunciar que foram criados ¿quase¿ 4 milhões de novos empregos. Pô, mas isso não é nem a metade do que foi prometido. Cadê os outros 6 milhões de empregos prometidos?

SÓ FRUSTRAÇÕES
Sou contra reeleição. De síndico a presidente da República. Sobram motivos, mas cito um óbvio: nunca vi um político cujo mandato não seja um verdadeiro desastre quando reeleito. Há muitos exemplos recentes aqui na terrinha, que o leitor também conhece, como o do ex-prefeito do PSDB que disse que não renunciaria para concorrer a deputado se reeleito, mas renunciou. Tem o do vereador do PDT, que era um leão feroz na fiscalização dos atos do Executivo quando o governo era da tchurma do PSDB, e hoje desenvolve um trabalho pífio por pertencer ao partido do prefeito. Assim, guardo uma penca de exemplos frustrantes que só me fazem ratificar a idéia de que não podemos mesmo confiar em políticos, sem exceção, e devemos oferecer-lhes somente uma única chance. Uma segunda é o mesmo que pinchar fora o nosso valioso voto.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:40 PM



   21.4.06  
NÃO É OBRIGAÇÃO?
Até agora ainda não entendi porque a prefeitura anda tão preocupada em divulgar a entrega à população da EMEIEF "Aldo José Kühl", que ocorreu no último dia 8. Sempre entendi que a construção e entrega de escolas é mera obrigação e até um ato corriqueiro a todo governo e, portanto, jamais deveria ser encarada como um feito extraordinário dos deuses. Além disso, no meu humilde entendimento de publicitário, o mote contido na propaganda que veiculou nos jornais e TV parece estar soando mais como uma espécie de resposta - ou provocação - aos políticos da oposição, notadamente aos do governo anterior que não tiveram a capacidade de terminar essa obra. Assim, imagino que tal verba publicitária seria melhor aproveitada se utilizassem os mesmos espaços nos jornais e na TV para a realização de campanhas de sensibilização dos cidadãos, tratando de temas importantes à vida comunitária, tais como a educação no trânsito, o desperdício de água e de energia elétrica, o combate ao mosquito da dengue, a posse responsável de animais, e outros tantos cuja lista nem caberia nesta coluna.

PAREI DE TRABALHAR
Li numa reportagem do Estadão que o brasileiro tem que trabalhar cerca de 167 dias do ano só para pagar seus impostos e juros diversos. B-a-r-b-a-r-i-d-a-d-e! Isso representa mais de cinco meses de minha suada labuta diária. Gente, já não dá mais para chamar isso de imposto. Trata-se de um verdadeiro assalto à caneta armada. Valhei-me, São Ali Babá.

A SAÍDA
Tenho acompanhado pelas notícias aqui do JL o esforço que vira e mexe tanto a presidência da Câmara Municipal quanto um ou outro vereador faz para apresentar projetos na tentativa de melhorar um pouco a desgastada imagem do Legislativo perante a opinião pública. Sinceramente? Não acredito que nada do que fizerem possa melhorar, a curto prazo, a imagem arranhada daquela Casa de Leis. Mas, espera um pouco, pois agora pensando cá com meus velcros ocorreu-me uma idéia e pode ser que exista sim uma maneira de melhorar a imagem da Casa. E talvez seja, aliás, a única e derradeira forma: uma renuncia coletiva.

NO MATO-SEM-CACHORRO
E nesse ano de festa eleitoral em que seremos obrigados a escolher deputados, penso que o eleitor limeirense está muito mais consciente do que nas eleições anteriores. Consciente de que está num verdadeiro mato-sem-cachorro, é claro. Se votar o bicho pega, se anular o bicho fica.

PHILOSOPHIA PHINA
Funcionário público, incluindo os efetivos, tem mesmo que ser sempre de confiança. Da população e não dos governos, é claro.

ENQUETE VAPT-VUPT
Afinal, quem é mais canalha, o corrupto ou o corruptor?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 4:48 PM



   7.4.06  
Putz, deu branco!
Pois foi só eu pensar alto por aqui que a falta de notícias da Secretaria Municipal de Governo e Desenvolvimento era um sinal de que o pessoal estava preparando alguma megasurpresa para nós, e veio o anuncio de que de que o secretário (e vice-prefeito) Orlando José Zovico tinha abandonado aquela pasta. Estranho. Dizem que é possível que ele candidate-se a deputado pelo PMDB. Não acredito que o faça, o que aumenta a minha incompreensão diante de sua saída. Entretanto, é justo nesse momento que se exalte que depois de 15 meses de trabalho, aquela Secretaria fez muito pelo desenvolvimento de Limeira. Realizou, por exemplo, o... Anunciou a... Ôôô, gente, por favor, ajuda aí os meus dois neurônios a lembrarem o que foi mesmo que o pessoal de lá andou fazendo de concreto esse tempo todo...

Uma luz
Nos bastidores do PPS local, as conversas dão conta da possibilidade da candidatura a deputado do professor Natalino Gonçalo, ex-diretor do SENAI e ex-candidato a vice de Lusenrique Quintal nas eleições municipais. Se vingar, penso que se trata de uma luz no fim do túnel escuro e já abarrotado por uma penca de políticos que aí estão até babando por representar Limeira. Valha-me Nossa Senhora das Graças.

Esclarecimento Público (XXV)
Dias atras um leitor questionou por que eu nunca cogitei uma candidatura à Câmara Municipal, já que vivo reclamando uma postura mais digna e eficaz dos nobres edis limeirenses. Respondi-lhe que não sou político, sou jornalista. Meia-colher, mas sou! Faço aqui a minha parte e espero que os políticos façam lá a deles. Além do que, entrar para a tchurma é uma idéia absolutamente fora de questão. Explico: sentira-me como uma espécie de patinho feio naquela Casa, um marginal mesmo, caso fosse eleito. É que o leitor bem sabe que possuo quando muito uns dois neurônios ainda em condições de uso. E gostaria de continuar assim, meio que superdotado para os padrões do mundo político. E para não correr o risco de ser marginalizado, prefiro não concorrer do que ter que cometer o pecado mortal de sacrificar uns deles. Meus dois únicos neurônios. Tico e Teco agradecem, é claro!

E a saga FJ continua
E agora é a amiga Anazilha Soares que me vem com essa conversa de que também é fã de carteirinha do tal de Fábio Junior, tanto quanto a minha queridíssima. Ela diz, aliás, que admira o cantor desde o tempo em que o dito cujo apareceu pela primeira vez na TV cantando a música "Pai" (argh!), quando ainda tinha os cabelos encaracolados. B-a-r-b-a-r-i-d-a-d-e. E acrescentou que se emociona cada vez que ouve essa música na fita K-7, que ganhou na época e que conserva até hoje. Bom, se eu escutasse também me desmancharia em lágrimas, com certeza. Ouvir "Pai" em fita K-7 ninguém merece, né? Aliás, isso é gosto musical ou uma espécie de instrumento medieval de tortura? Pior mesmo seria se a fita K-7 trouxesse também uma seleção dos clássicos da Alcione, não é verdade? Não é verdade! Pois não é que o laza..., digo, o bom rapaz que namora minha filha e se auto-intitula meu futuro genro resolveu que resolveu, para agradar a sogra, dar a ela um DVD do famigerado de presente?! Êpa, peralá!!! A sogra do meu futuro genro é a minha queridíssima. E ela já tem um CD do dito cujo. DVD do FJ aqui em casa? Nem morto, cara!

Tempos modernos
Em tempos de gripe aviária, o espirro de um frangote já está causando muito mais terror do que o rugido de um leão.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:30 PM



   31.3.06  
Tá na cara!
É provável que nas próximas eleições Limeira não eleja um único deputadozinho sequer. Nem é preciso ser um guru da política ou um bambambam da estatística para chegar a essa conclusão. Basta observar que vamos ter pelo menos uma dúzia de candidatos locais, cada qual pensando somente em angariar votos para a sua agremiação e botar a cara na mídia com vistas às eleições municipais de 2008. Assim, os votos dos limeirenses serão pulverizados para diversos partidos e nenhum dos candidatos locais fará sequer cosquinha nos pés dos que serão novamente eleitos em outras regiões. Prejuízo certo para o eleitor, que terá seu voto praticamente jogado no lixo. Prejuízo para Limeira, que segue em sua sina de não ter que a represente nas esferas superiores. É de desanimar, né?

Jornalismo Caipira - Esclarecimento Público (XXIV)
Penso que já passou da hora de colocar alguns pingos nos muitos ís que estão soltos por aí (uaauuu!!! rimou). Quando a imprensa utiliza o termo "nobre" ao se referir a um vereador, é provável que o faça como uma forma de respeito ao cargo público. Nobre, todavia, não é necessariamente um título que indica nobreza. Ou seja, não é sinônimo de que o ocupante do cargo seja um tipo de eleito dos deuses, alguém acima das leis ou de quaisquer suspeitas.

Mais placas
E alguns leitores gostaram daquela sugestão de colocar placas incentivando os governos municipais, parecidas com aquelas que são destinadas aos funcionários nas empresas ("estamos há 100 dias sem acidentes do trabalho"). Um deles inclusive me escreveu na semana passada incentivando a campanha de implementação dessas placas, sugerindo mais uma: "já estamos há quatro anos esperando para pescar no Ribeirão Tatu". Com a vara na mão, acrescente-se. No bom sentido, acrescente-se também.

Parou por quê?
Já faz um bom tempo que não tenho visto notícias a respeito do dinâmico trabalho que a Secretaria Municipal de Governo e Desenvolvimento realiza. Será que estão preparando alguma megasurpresa para os limeirenses? Deus me ouça, Deus me ouça!

Enquete vapt-vupt
Responda sem pensar: para que instalar um sistema de primeiro mundo de monitoramento por câmeras se o desenvolvimento sustentado da cidade está mais com jeitão de terceiro?

Colóquio súbito
- Pô, você só vive criticando tudo que os políticos fazem! Não dá pra de vez em quando falar também alguma coisa positiva a respeito deles?
- É claro que dá! Faz o seguinte: no dia em que eles fizerem alguma coisa positiva você corre aqui para me contar...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:36 PM



   24.3.06  
BBB Limeira?
E lá se foi um comitiva limeirense, composta por mais de 40 pessoas e liderada pelo prefeito Silvio Félix, rumo a Praia Grande para conhecer um tal de sistema de vigilância por câmeras instalado naquele município. Pois aproveito o entusiasmo excursionista do pessoal para sugerir que visitem também algumas cidades aqui da região. Talvez seja possível aprender como é que se implementa distritos industriais.

Há bons mestres
Recebo e-mail do leitor Marciél Gorrido Junior comentando sobre a forma humorada com que trato aqui os temas políticos de Limeira. E ele diz que "só mesmo com humor podemos agüentar a vergonhosa política limeirense". Concordo! Mas cá entre nós, amigo Marciél, é até fácil demais fazer humor diante de tantos mestres da palhaçada que temos por aqui, né? E jornalista não é burrego; a gente até que aprende rapidinho. Ainda mais alguém como eu que tem lá quase que uns dois neurônios vivinhos da silva, né?

Supimpa!
Já um outro leitor (GLM), tão inconformado com o ranger das rodas da carroça política limeirense como este pacóvio que vos deita algumas palavras semanalmente por aqui, envia uma sugestão que considerei no mínimo brilhante: alterar o nome da nossa egrégia Casa de Leis, de Câmara Municipal de Limeira para "Câmara de Vereadores da Prefeitura Municipal de Limeira". Ele explica que a mudança é uma questão de coerência, já que a maioria dos que ali labutam parece estar mais interessada em envernizar os atos do Executivo do que em trabalhar em benefício da população. A sugestão tem meu apoio total e irrestrito!

Hora da virada
Não sei quem foi o autor da estupenda idéia, mas um trino de vereadores ¿ Joaquim Raposo (PRP), Nilce Segalla (PTB) e Carlinhos Silva (PDT) - resolveu por bem apresentar projeto instituindo em Limeira o evento "A virada do ano". O objetivo, explicam, é promover a confraternização entre os limeirenses, comemorando publicamente a passagem do ano em 31 de dezembro. Pois sugiro então que realizem o evento num desses lugares onde serão colocados aqueles relógios indicados, na semana passada, pelo vereador Almir Pedro dos Santos (PSDB). Assim ninguém vai se atrasar e perder hora na virada do ano, não é mesmo? E entusiasmado com o grandioso projeto que traz em seu bojo tão insigne ideal, aproveito para sugerir também a criação da "Hora da Virada". No modo de encarar a política e de respeitar os votos de confiança que receberam dos eleitores, gente. Pode ser já, pelamordedeus?

Uma surpresa e os endividados
Justiça seja feita: essa semana o vereador Almir Pedro dos Santos (PSDB) me surpreendeu. Foi o único vereador - além dos do PT, é claro - a votar favorável à instalação de Comissão Processante com o objetivo de apurar compras em estabelecimentos comerciais do Guarujá. Assim, o vereador começa a fazer jus ao salário que o povo lhe paga para desenvolver diversas atividades, entre elas a de fiscalizar os atos do Executivo. Talvez a principal, acrescente-se. Quanto aos outros 11 vereadores, penso cá com meus velcros que no banco popular conservam ainda um estrondoso saldo negativo. Cuidado com os juros, hein pessoal!?!

Enquete vapt-vupt
Mais me explica aí você que observa quietinho do outro lado da página: se nada há de errado, por que essa paúra em autorizar a instalação de uma comissão de inquérito?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:55 PM



   17.3.06  
Tudo se copia
Sabe aquelas placas que as empresas colocam incentivando os funcionários à prevenção, estampadas com frases do tipo "estamos há 100 dias sem acidentes do trabalho"? Pois a gente bem que podia aproveitar essa idéia para incentivar tanto esse como os próximos governos municipais. Eis, por exemplo, uma sugestão de frase para tais placas: "já estamos há 14 meses sem Distrito Industrial, sem licitação do transporte coletivo, sem o fechamento da Emdel...".

Pelamordedeus!
Como diria meu amigo Djalma Martins: agora vai! E não é que Limeira tem lá uma carrada de problemas esperando por soluções urgentes. Em contrapartida tem vereador solicitando a instalação de relógio digital nas áreas de lazer do município? A indicação é do vereador Almir Pedro dos Santos (PSDB), que parece estar preocupado principalmente com quem anda ao lado do Limeirão. Bom, imagino que o motivo principal de tão brilhante indicação seja porque as coitadinhas das pessoas que freqüentam esses locais são de baixa renda e, portanto, não têm condições nem de adquirir um reloginho de pulso made in Paraguai, né? M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Mas responda você que está aí do outro lado da página: a gente ainda tem que pagar para o vereador ter idéias desse tipo?

Haja paciência
Pois é pena mesmo que esse ano não teremos eleições para novos vereadores. Penso até que seria muito mais saudável para todos os municípios, e em especial para Limeira, que todas as Câmaras municipais fossem renovadas de dois em dois anos. Na velocidade que o mundo anda, fica cada dia mais difícil agüentar essa gente por quatro anos. O tempo não anda nem a pau; parece uma eternidade.

Caso Guarujá
Se não tiver pelo menos uma CPIzinha instalada e tudo acabar em pizza, vou logo avisando: prefiro meu pedaço de calabresa com muito catupiry.

Um desafio
Comentam nos bastidores que dois ou três vereadores devem se candidatar a deputado nas eleições desse ano. Para tanto, têm que se afastar dos trabalhos da Câmara e só voltar depois que acabarem as eleições. Penso que deveriam contar até dez antes de fazer isso. Além de serem eleitos para trabalhar pelo povo até o ano de 2008, vão colaborar com a eleição de candidatos de outras cidades ao dividirem os votos locais com a penca de candidatos que certamente teremos. Para quem olha de fora, imagina-se que tais candidaturas tenham como objetivo apenas colaborar com os candidatos do partido a que pertencem, além de ter o nome veiculado pela mídia com vistas às próximas eleições municipais. E se acaso não forem esses os objetivos e a intenção de concorrer seja mesmo boa e vislumbrando o bem estar da comunidade limeirense, lanço aqui desde já um desafio a eles: que corram o risco e renunciem ao mandato em vez de simplesmente solicitar afastamento. Afastar-se pode até ser um direito do vereador, como justificariam alguns. Mas permanecer até o fim do mandato é um dever. E para quem escolheu trilhar a vida pública com seriedade, cumprir o dever é muito mais digno do que viver se escondendo atrás de seus direitos.

Reflexão caipira
Eleitor limeirense não tem que ter consciência, tem que ter paciência. Muita, aliás.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:52 PM



   10.3.06  
Caiu matando!
É impressão minha ou o lema da Campanha da Fraternidade 2006 foi mesmo idealizado sob medida para Limeira? "Levanta-te, vem para o meio". Do grupo de cidades em desenvolvimento, é claro.

Viagens
É preocupante a notícia publicada aqui no JL de que foi encontrado um aparelho de escuta num dos quatro veículos do Legislativo. Penso que é necessário investigar o fato com absoluto rigor, buscando a todo custo identificar e punir os responsáveis. Entretanto, na mesma notícia um outro detalhe atiçou mais uma vez minha velha curiosidade, pois se confirmou que é freqüente a utilização dos veículos da Casa em viagens para outras localidades, tais como essa para Campinas solicitada pela vereadora do PPS. Afinal, que assuntos de interesse da Câmara são tratados nessas cidades que justificariam as despesas com a utilização do veículo e que tragam, em contrapartida, algum benefício aos limeirenses?

Sem sentido
O pedágio da rodovia Limeira-Cordeirópolis parece que está se afastando do seu objetivo. Se bem me lembro, ele foi instalado com o objetivo de dificultar tanto a fuga de veículos do pedágio da Anhangüera quanto para arrecadar verba para a manutenção daquela via. Pois bem, há pelo menos uns três buracos aumentando de tamanho ali na pista, o que me permite inferir que a manutenção já está deixando a desejar. A cobrança é feita apenas num sentido da pista, o que permite a fuga de veículos no outro, motivada pela cobrança bidirecional na Anhangüera. Além disso, o fluxo de veículos deve aumentar sensivelmente se vingar a tal de parceria com o Estado para duplicação de trecho do Anel Viário. Fica, portanto, desde já uma humilde sugestão: isentar do pagamento os veículos das duas cidades, pois já recolhem impostos destinados a esse fim, e implementar a cobrança bidirecional aos veículos de outras localidades.

Haja imposto
E um amigo me conta que a Prefeitura firmou contrato em janeiro para a aquisição de 1200 computadores, a R$ 3.090,00 cada um. Total da compra: R$ 3.708.000,00. Misericórdia! Se o pessoal responsável pela compra lesse os anúncios publicados aqui no JL ou nos encartes, e aproveitasse as ofertas do comércio local, poderia ter negociado equipamentos similares a um custo bem menor. Pela quantidade adquirida, desconfio que até pela metade do preço. Com a palavra, os representantes dos lojistas.

Fosfatinho
Com tanto médico na Câmara será que nenhum deles poderia receitar um remedinho para a memória dos vereadores? Algo simples; básico mesmo. Só para lembrar que foram eleitos para trabalhar para e pelo povo, fiscalizando, inclusive, os atos do Executivo.

Desespero de causa
E vai que Deus não seja tão brasileiro como a gente vive pensando e não entende o clamor dos limeirenses. Então, do jeito que a coisa anda por aqui, o negócio é arriscar um pedido arranhando a língua inglesa: "God helps the people of orange's land". Se não surtir efeito, a gente tenta em alemão ou espanhol um outro dia. Ou quem sabe até em esperanto.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:33 PM



   4.3.06  
Deu branco!
Penso que minha memória já dá sinais de cansaço, pois não sei mais responder algumas questões que leitores me fazem nas ruas. Eis algumas delas: A Emdel já fechou totalmente as suas portas? A licitação do transporte coletivo já foi realizada? Os alunos dos cursos noturnos já estão saboreando a merenda escolar prometida? Algum Distrito Industrial, da penca dos que foram anunciados ao longos dos anos, já saiu do papel?

Empacados
E os brasileiros vivem se gabando que por aqui não tem esse negócio de terrorismo, carros-bomba, homens-bomba, e outros conflitos como os que ocorrem no Oriente Médio. Em compensação, o que temos de governos-bomba não é brincadeira. Perigoso mesmo é quando a gente ainda dá um azar danado de tê-los eleitos simultaneamente nas três esferas. Vixe!!!

Imagem vale por mil palavras
Na sexta-feira passada, logo pela manhã, meu amigo Gilson Gianotto me liga dizendo que depois que cortei a barba fiquei com a cara do pastor Jonas Zulske. Respondi-lhe que ainda não cortei a barba e que a foto que saiu aqui na coluna era do próprio Zulske, colocada devido a uma falha na edição. E teve gente que me perguntou porque não fiz a coluna ou se eu estava outra vez de férias. Férias, leitor? Quem tem a sorte de ter o período de férias expandido são os vereadores, não os jornalistas. E percebi que os leitores identificam os colunistas pela foto e não pelo nome cravado no início da coluna. Estou pensando até em pedir para trocar minha fotinha aí de cima por uma do Brad Pitt, ou quem sabe do Richard Gere. A quantidade de leitoras da coluna ia aumentar consideravelmente. Mas olha que a falha até que me rendeu bons frutos. Se por um lado alguns dos meus poucos leitores deixaram de ler o que escrevi na sexta-feira, por outro com certeza a coluna atraiu uma carrada de pessoas que se identificam com os artigos de Jonas Zulske e que acabaram lendo a ponto-e-vírgula por engano. Penso, entretanto, que esses só não entenderam porque o pastor de repente passou a escrever tantas abobrinhas, né?

Fora do ar
Acho exagerado todo esse lero-lero em torno da ida do primeiro brasileiro, o tenente-coronel Marcos César Pontes, ao espaço. Milhões de brasileiros já vivem diariamente fora da órbita. Tanto da sociedade, quanto de seus direitos de cidadão que são inclusive garantidos pela Constituição.

Democracia quase ilimitada
Mesmo depois do fim da novela do tal de Fábio Júnior aqui na coluna, uma leitora escreve reclamando que eu deveria ser imparcial, como todo bom jornalista, e defender também as esposas que sofrem sem reclamar quando são obrigadas a ouvir as preferências musicais esquisitas de seus maridos. Tudo bem, não sou bom jornalista, mas sou ferrenho defensor da democracia e dos direitos femininos. E concordando com ela perguntei-lhe qual era afinal o mau gosto musical do marido que tanto lhe incomodava. "Gino & Geno" - respondeu-me. Êpa, alto lá minha senhora, que negócio é esse?!? Democracia e direitos femininos também têm seus limites! Afinal, das músicas do Gino & Geno eu também gosto, pô!

Consolo eleitoral
Já se passaram 14 meses de governo. Agora só faltam mais 34, né?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:46 AM



   24.2.06  
Do quê mesmo?
E os vereadores aprovaram essa semana a redução de suas férias de 78 para míseros 45 dias. Não se trata lá de uma "brastemp", é claro, porque a proposta foi apresentada tempos atrás pelo vereador Tarcílio Bosco (PDT), e descansava a um bom tempo em alguma gaveta da Câmara. Talvez o assunto tenha retornado à pauta devido ao efeito dessa onda de moralismo-de-beira-de-eleições. E houve até vereador que tentou reduzir mais ainda o recesso, propondo minguados 30 dias. Deu com a burricada n´água. Afinal, 30 dias é muito pouco diante da grandeza dos trabalhos que os nobres edis desenvolvem em prol da cidade, né? E trinta dias é coisa para trabalhador assalariado, né? Bom, então para a próxima vez que resolverem discutir uma nova proposta de alteração do período de férias, antecipo a minha sugestão: que percam tempo discutindo o tamanho das férias durante o período de férias. Nesse período destinado ao trabalho, que trabalhem!

Honra ao mérito
E enquanto a Câmara de Limeira aprovou a redução no período de férias (ainda não descobri do quê) dos vereadores para ínfimos 45 dias, leio no jornal Tribuna do Povo, de Araras, que um vereador daquela cidade está propondo acabar de vez com o recesso parlamentar. Ou seja, nenhum dia de férias. Putz, e não é que ainda existem pessoas com bom senso no mundo político?!

Luber Umbrarium
Quer saber? Não vejo como acabar totalmente com o nepotismo no Brasil. Afinal, que fim daríamos às primeiras-damas?

Dúvida caipira
Escutei desde criança - e já faz um bom tempo isso - que tanto a vida quanto os negócios só embalam de verdade depois que o Carnaval passar. Olha, não quero parecer um pessimista de carteirinha, mas alguém aí do outro lado da página tem mesmo certeza de que um dia esse tal de Carnaval vai passar aqui por Limeira?

Retratação: Fábio Junior é 10!
E olha que foi só eu escrever aqui na semana passada aquela crônica da Alma Gêmea, em que falava do maravilhoso CD do Fábio Junior que minha queridíssima escuta quase que diariamente, para que uma penca de amigos que enfrentam o mesmo tipo de tortura auditiva desse o ar da graça. Pois fico aliviado em saber que não estou só nessa empreitada. Um deles, inclusive, contou-me que a esposa não passa um dia sequer sem ouvir as músicas de Frank Aguiar. Misericórdia!!! Já um outro confessou que não agüenta mais nem ouvir falar de uma tal de banda Calypso. Disse que a esposa tem o DVD e até já deixou o cabelo crescer para dar o mesmo tranco na cabeça que a cantora inclui nas coreografias da banda. Concordo com ele que isso é sofrimento em dose cavalar. Olha, pensando melhor agora, diante da situação desses amigos e do baita puxão de orelha que levei na semana passada por conta do que escrevi, começo a pensar que as músicas do Fábio Junior não são lá tão ruins assim. Aliás, já estou até inclinado a aceitar aquele CD do cantor que meu amigo (?) Norival Bonin me ameaçou presentear essa semana. Sabe duma coisa, gente: Fábio Junior é o cara; é o top da musicalidade brasileira! E antes que meus amigos estranhem essa minha mudança repentina de opinião, explico-lhes que bem sei que toda retratação é a morte para qualquer jornalista. Mas espero que entendam que nesse meu caso - cá entre nós - não passa de estratégia de sobrevivência. Hoje mesmo devo deixar de dormir no sofá da sala.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 4:45 AM



   18.2.06  
Vapt & vupt
Fico sabendo que a Câmara Municipal dessa vez foi contra a CIP e manteve o veto do prefeito à famigerada taxa de luz na sessão da última segunda-feira. No final de 2005, quando o prefeito apresentou o projeto implementando a taxa, mesmo remando contra a manifestação contrária da sociedade os vereadores votaram favoráveis. Na ocasião, houve quem se inflamasse nos discursos e até quem derramasse rios de lágrimas pró-CIP. Pois é, agora mais que nunca fica evidente que não passa de fofoca da imprensa ou maldade da oposição quando comentam por aí que os vereadores só aprovam ou desaprovam o que o prefeito mandar, né?

Enquete fast food
Você considera politicamente correto um vereador que é líder do prefeito ser também o presidente da Comissão de Fiscalização dos Atos do Executivo?

Casa da mãe Joana?
Os preços da Área Azul foram reajustados em 14,2% para o estacionamento de uma hora e 20% para o de duas horas. A explicação sobre o aumento em nota da Assessoria de Comunicações no site da prefeitura é de que se tratava de "reposição da inflação acumulada no período dos anos de 2004 e 2005, anos em que os valores cobrados pelo serviço não foram reajustados". Pois eu não entendi a explicação! Se a razão é repor a inflação acumulada, por que dois índices distintos de reajuste para o mesmo tipo de serviço? Afinal a inflação acumulada foi de 14,2% ou de 20%? E por que cargas d¿água há tanta necessidade assim de continuar com essa cultura inflacionária de ter que necessariamente repor a tal de inflação acumulada? E qual foi mesmo o vereador que questionou esse aumento? E quem foi que pediu ao menos para dar uma olhadela na planilha de custos da empresa? Cadê a tal de Comissão de Fiscalização dos Atos do Executivo?

Crônica da Alma Gêmea
Almoço com meus amigos Borck Monroe e Márcio Vasconcelos, sargentos do Tiro de Guerra de Limeira. Borck me conta um pouco das dificuldades que já passou quando em treinamento de sobrevivência em plena selva amazônica e Vasconcelos dos riscos de morte que vivenciou quando esteve em missão no Timor Leste. Para não ficar por baixo na conversa, digo-lhes que por pior que tenha sido a situação pela qual já passaram até hoje que isso ainda é pouco diante da pressão psicológica a que sou submetido quase que diariamente. E ante ao olhar de espanto de ambos, emendo rapidamente a explicação de que a minha queridíssima acaba de ganhar um CD do Fábio Junior e que vive escutando com uma certa freqüência, da primeira à última faixa. Ah, com direito a acionar o botão de "repeate" em algumas das faixas. Acho até que já sei de cor a letra da música tema da novela Alma Gêmea. Baaarbaaridade!!! Mas ainda imagino que pior que a minha, talvez seja a situação do meu cunhado, Luis Carlos Albergoni. É que minha irmã é fã de Afonso Nigro - ex-integrante do grupo Dominó - e pediu ao marido de presente um CD desse cantor. Dizem inclusive as más línguas que em Limeira esse foi o único exemplar de CD que o cantor vendeu. Penso, portanto, que tal qual meus amigos sargentos, também merecemos uma medalha por ato de bravura e resistência auditiva. Eu e o meu cunhado. Com louvor.

Luber Umbrarium
Partido político é um amontoado de letrinhas que se iniciam invariavelmente pela décima quinta do alfabeto. Nada além disso.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 11:41 PM



   11.2.06  
Trabalho árduo, né?
O vereador Tarcílio Bosco (PDT) apresentou na sessão da última segunda-feira um substitutivo propondo que a Câmara entre em recesso por 30 dias no final do ano, no período de 20/12 a 21/01, e por mais 15 dias em julho, entre os dias 15 e 1o de agosto. No total, 45 dias de férias no ano. Atualmente, o recesso é de 75 dias. Aliás, uma verdadeira afronta aos trabalhadores, principalmente aos que percebem o Salário Mínimo e são obrigados até a vender parte de suas férias de 30 dias para aumentar a renda familiar. Olha, pensando bem, com todo o respeito que merecem os nossos nobres vereadores eleitos para trabalhar pelo e para o povo, mas vossas excelências tiram férias do quê mesmo? E por que 45 dias, raios, se a vida em Limeira não entra em recesso?

Parabéns, senhor prefeito
Se não me falha o único neurônio da memória, o prefeito Silvio Félix completa hoje 42 anos de idade e penso que temos algo em comum. Nascemos sob o signo de aquário. E os astrólogos dizem que nós aquarianos somos reconhecidos como as pessoas que são consideradas exemplos de cidadão do mundo e as autênticas porta-vozes do lema "igualdade, liberdade, fraternidade". Da minha parte, deixando a modéstia um pouco de lado, concordo plenamente. Uaaauu!!! Agora o ego inflou! Dizem também que vivemos muitos anos-luz adiante do nosso tempo. Admito que sim. Tanto que deve ser por isso que vivo sempre pensando que no futuro - pelo jeito ainda muito distante, é claro - Limeira será a cidade líder em desenvolvimento na região, a ponto de oferecer amplas oportunidades de inclusão social a todos os seus cidadãos. Um verdadeiro Éden. Acredito que pela paridade astrológica o prefeito talvez tenha a mesma forma de pensar. E esse foi um dos motivos para ter lhe dado meu voto de confiança nas eleições passadas. Já disse, inclusive, isso a ele. Um outro motivo, lembrei-me agora, foi a total inaptidão de seus concorrentes. Mas de qualquer forma, voltando ao assunto, hoje é dia de parabenizá-lo. Por enquanto, apenas pela passagem do seu aniversário natalício. Pela eficácia de seu governo, quem sabe no aniversário do próximo ano...

Coluna social
Depois de passar alguns anos longe de Limeira, trabalhando nas cidades de Americana, Jundiaí, Sumaré, Campinas, Iracemápolis e Cosmópolis, meu amigo Antonio Aparecido Bronze volta à terrinha. E me convida para tomar um café com ele na Agência Prada da Caixa Econômica Federal, onde assumiu o cargo de Gerente de Atendimento no último dia 31/01. Bronze atuou como Gerente Geral nas agências por onde passou e sempre batalhou pela melhoria da qualidade no atendimento bancário à população. Trouxe consigo todo esse aprendizado e pretende colocá-lo em prática por aqui. Então seja bem-vindo e boa sorte!

Luber Umbrarium
Nas eleições, sempre sonho acordado com as promessas dos candidatos. Depois, não durmo é de raiva mesmo por ter confiado mais uma vez que eles as cumpririam.

Colóquio súbito
- Você sabia que os vereadores são eleitos para trabalhar pelo povo?
- Verdade?!? E quando é que vão começar?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 10:18 AM



   3.2.06  
Voltamos
Confesso, amigo leitor: voltei das férias meio que a contragosto. Férias é bom demais! Principalmente para o leitor, que tem a chance de tirar um descanso de tudo o que escrevo por aqui semanalmente. Pensei até em não escrever mais! É que mesmo em férias continuei lendo o Jornal de Limeira. E as notícias desanimam a gente. Principalmente as relacionadas à política local. Não é culpa dos jornalistas, é óbvio. Mas que desanima, desanima. Pensei em me igualar aos vereadores e tascar logo mais de 60 dias de férias. Não deu. E feliz mesmo é Félix que zarpou rumo ao Canadá e Japão. Seis meses atrás foi a Cuba. Com recursos próprios, é claro. Ao voltar de lá, disse que iria implementar o jogo de xadrez nas escolas municipais e outras coisinhas na Saúde. Não vingou. Que promessas alvissareiras será que ele trouxe agora do Canadá e Japão?

Egos inflados
E pelo ranger da carroça, Limeira pode ter mais de uma dúzia de candidatos a deputado nas eleições desse ano. Uma verdadeira maratona de egos inflados, penso. É bem possível que a maioria só se candidate para aparecer na mídia, com um olho no gato e outro nas eleições municipais. O negócio é por as fuças nos jornais e na televisão. Quem perde com isso, evidente, é a cidade que com uma penca de candidatos não terá fôlego sequer para eleger um solitário representante. Vide as eleições anteriores. E penso que o eleitor deve repudiar desde já a candidatura de quem já está eleito. Falo do prefeito, vice e vereadores. Afinal, se foram eleitos para essas funções, porque não cumpri-las até o fim do mandato? Desses, aliás, vereador parece ser o único que nada perde se tentar ser deputado. Não é obrigado a renunciar ao cargo para se candidatar. Pede afastamento. Se não for eleito deputado, volta correndinho para a cadeira que deixou alguém esquentando para ele na Câmara. Algo parecido com empurrar bêbado ladeira abaixo. Muita moleza, não acha?

O Hawai é aqui
Fico sabendo que para acabar com o histórico problema de enchentes na baixada da 7 de setembro o prefeito sugeriu a mudança do Mercado Modelo daquele local. A idéia é tão brilhante quanto aquela de construir um estacionamento subterrâneo na Praça Toledo Barros, aventada por um ex-candidato a prefeito. Imagino que além dos comerciantes ali instalados, teriam que se mudar também toda a população que mora nas cercanias do local. E no embalo da grandeza da idéia, sugiro então que se mudarem toda a população de lá, que na próxima enchente tapem os bueiros e transformem aquela baixada num grande piscinão municipal. Afinal, o povo precisa de lazer e jogando ali um punhado de areia e plantando uns coqueiros até que daria uma bela praia...

Pobreza de espírito
Ainda não entendi porque a troca de emprego funcionária do gabinete do vereador Nelson Caldeiras, Elaine Kairala, para o gabinete do prefeito, virou notícia e causou indignação e alvoroço em petistas e até num leitor ex-petista. Olhando pelo lado profissional, a funcionária optou por melhores condições salariais e por um local de trabalho tão digno quanto era o seu anterior. Eu faria o mesmo. Pelo lado político, não há razão alguma para tamanha estranheza. Se até vereadores que usam e abusam de seus partidos para se eleger trocam de agremiação como se trocassem de cueca, por que cargas d´água um assessor profissional não pode fazer o mesmo?

Reflexão caipira
O mal de quase todos os políticos é que preferem se arruinar politicamente pelos elogios da penca de aspones que os cercam, a buscarem a dignidade pública orientados pela crítica popular.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:25 PM



   6.1.06  
E aí, vamos copiar?
Quando os vereadores voltarem das merecidas férias de janeiro e antes que saiam novamente para as também merecidas férias de julho, fica aqui uma sugestãozinha de mudança no Regimento Interno. E ela vem por conta da declaração do chefe da Divisão de Finanças da Câmara Municipal de Araras, Nivaldo Ziani, ao jornal Opinião daquela cidade, de que os vereadores não recebem nenhum dinheiro extra pelo trabalho convocado durante o recesso. "Em Araras - explicou Ziani ao jornal Opinião - as sessões extraordinárias não são pagas. Quando elas são realizadas à noite, apenas os funcionários convocados recebem por isso".

Tomara
Em entrevista ao Jornal de Limeira, Silvio Félix disse que Limeira será a cidade dos gramados. Achei a princípio que a afirmação era meio esquisita e sem propósito. Mas como sou um otimista teimoso, espero que seja então a Capital dos Gramados! E de preferência que esses gramados estejam sempre enfeitando os jardins que cercarão as novas empresas que se pretende atrair para o município. Deus me ouça.

Aprovado
Considero acertada a aprovação pelos comerciários em relação à ampliação do horário do comércio de Limeira aos sábados. Se implementado, a medida dará uma nova opção aos limeirenses, que nesses dias normalmente deixam a cidade em busca do comércio nas cidades da região, propiciando o desenvolvimento e modernização do comércio local. A idéia veio em boa hora, pois a lógica é simples: comércio fechado não vende. E não gera mais empregos.

Interpretações
Sempre gostei de ler as previsões que fazem para o ano que se inicia. Li, por exemplo, com muita atenção as previsões indicadas pelos búzios que foram jogados por Mãe Tobi e publicadas aqui no jornal no último domingo. Entretanto, com todo o respeito, penso que Mãe Tobi foi por demais simpática ao revelar pelos búzios que os petistas estão afetados por uma "má sorte". Para mim, a interpretação mais coerente e próxima da realidade seria pura "falta de competência" mesmo!

Manual do jornalismo caipira
E não é só vereador e prefeito que têm direito a férias. Leitor também tem. Sabia? Pois nas próximas semanas este que vos escreve estará em pleno gozo de férias. Assim darei um descanso a você leitor, como forma de dizer obrigado por aturar as baboseiras que escrevo semanalmente aqui na coluna. Caso queiram me enviar algum recado, podem utilizar o endereço de e-mail que aparece aí em cima na coluna. Se Deus quiser (e o editor-chefe deixar, é claro), eu volto. Fui!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:38 AM



   30.12.05  
Félix 2006
Penso que é meu dever elogiar a atitude do prefeito em não seguir adiante com seu intento de implementar a CIP, a impopular taxa de luz. Da mesma forma como a maior parte da sociedade revoltou-se com a criação de mais esse imposto, eu também deitei aqui na coluna minha indignação para com o ato. E sugeri, como tantos outros amigos da imprensa também o fizeram, que ele repensasse a idéia e voltasse atrás em sua decisão. É claro que Félix só caiu em si de que havia tomado uma atitude impopular depois da pressão contrária advinda das entidades de classe. Antes tarde que nunca, né? Com certeza era pedir demais aos limeirenses que pisassem o ano de 2006 carregando mais um imposto nas costas. E antes de pedir ao povo uma maior contribuição, é sábio que todo governo dê algo em troca. Nem que seja uma mera explicação mais detalhada de onde será utilizada sua contribuição e que - principalmente - o que lhe está sendo prometido em troca não seja mais uma vez algo parecido com o que os eleitores escutam nos discursos que povoam o período de eleições.

Sobrou pro 6!
Bom, quem deve a partir de agora colocar as barbas de molho e refletir sobre todo esse quiproquó ocorrido por conta da idéia equivocada de se criar mais um imposto são os vereadores. Penso que devem ter a humildade de vir a público e dizer que estavam enganados quando foram favoráveis a tirar mais dinheiro do povo, da forma impositiva como aprovaram, por acharem que essa era a única solução para a implementação de um megaplano de segurança pública. O prefeito parece já ter entendido isso e o recuo estratégico, após negociação com entidades representativas, é a prova cabal de que os vereadores também se equivocaram em defender e aprovar a criação do novo imposto. Num regime democrático é imprescindível que megatemas que interessem a sociedade sejam megadiscutidos e meganegociados. Entretanto, tanto a discussão quanto a negociação devem incluir a participação do principal megainteressado: o povo. Não é sábio que elas ocorram apenas entre os membros dos poderes executivo e legislativo. Então, sugiro que numa próxima vez pensem e discutam com mais carinho os projetos que lhes são apresentados pelo Executivo para votação. Sugiro também que continuem promovendo os discursos inflamados, como alguns fizeram em plenário durante a votação da CIP. Mas que esses discursos se destinem a levantar a moral dos limeirenses e não apenas para levantar a moral política do governo. Sugiro, se acaso realmente pensavam em oferecer segurança aos limeirenses, que coloquem primeiro a mão no próprio bolso, recusando-se, por exemplo, a receber os extras pelas sessões extraordinárias ocorridas em dezembro que bem podiam ter sido realizadas de forma ordinária - como todas as outras - nas tantas quintas-feiras que ao longo do ano passaram em brancas nuvens. Sugiro, se desejavam oferecer megasegurança à população, que se empenhem um pouco mais por ela e que excluam imediatamente do regimento essa vergonha que são os 60 dias de férias no ano. Sugiro, se querem mesmo desempenhar o papel de representantes do povo, que passem a entender a vereança como um ato sublime de cidadania. O trabalho do vereador - penso humildemente - jamais deve ser entendido como uma profissão. Antes disso, penso que ele exige do eleito um estado de espírito de extrema voluntariedade comunitária.

Até 2006
No apagar das luzes de 2005, vou dizer mais o que, né? Feliz 2006, amigos leitores.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 3:54 PM



   23.12.05  
The winner is...
Leio o imperdível Diário Tígers, do meu amigo Gu, que traz a lista dos melhores e piores do ano de 2005. E eis que dou de cara com o meu nome nas páginas do criativo fanzine, pois fui indicado por eles como o "melhor colunista do ano". É evidente que não mereço tão nobre galardão, mas só o fato de terem se lembrado desse humilde artesão literário já me deixa deveras lisonjeado. Até pensei em ligar para a redação do Tígers e agradecer a honrosa indicação. Mas depois um de meus neurônios lembrou-me da irreverência generalizada do amigo Gu, e bateu-me um certo receio de perguntar-lhe que tipo de troféu ele iria me dar. Melhor deixar como está, né?

Ligeirinho
Fico preocupado toda vez que a Câmara Municipal recebe projetos considerados polêmicos e que são enviados pelo Executivo para tratamento em regime de urgência. Primeiro porque num regime democrático o que deve prevalecer sempre é o debate de idéias e a discussão de opiniões contrárias. A rapidez com que alguns projetos importantes foram votados em 2005 poderia ter causado sérios prejuízos à comunidade. Ao decidir sob pressão, imagino que os vereadores nem sempre tem o conhecimento necessário sobre o tema e corre-se o risco de aprovar algo que seja prejudicial para Limeira e, consequentemente, para os limeirenses. Penso que o governo deveria refletir duas vezes antes de recorrer ao Artigo 55 da Lei Orgânica do Município (regime de urgência), preservando-o apenas para os assuntos cuja falta de decisão implique em grandes perdas para a população. No meu humilde ponto de vista, os que entraram em pauta nesse regime em 2005 ou foram motivados pela tática política de conter a oposição ou pela absoluta falta de planejamento e competência administrativa. Tanto um motivo quanto o outro, merecem ser repensados. Em regime de urgência.

Então é Natal
E a todos os leitores e amigos que durante o ano tiveram a paciência de ler um trechinho das palavras que amontôo semanalmente aqui na coluna, desejo que o Natal seja um momento de extrema alegria e congraçamento familiar. Aproveite o clima para deixar de lado todo o rancor e pedir perdão se por ventura você prejudicou outro ser humano, mesmo que de forma não intencional. E se não for sugerir demais, dê também seu perdão aos que lhe fizeram algum mal. Em especial, tente perdoar os políticos por tudo o que não fizeram para que os limeirenses tivessem dias ainda melhores. Um dia a ficha deles cai.

Manual do jornalismo caipira
Como uma das principais funções do jornalismo é informar, sinto-me na obrigação de lembrar a maioria dos membros da nossa estimada Câmara Municipal de que Limeira tem um prefeito, mas sua população é também formada por cerca de outros 262 mil cidadãos, dos quais mais de 175 mil são eleitores.

Colóquio Súbito
- Virou moda a tramitação de projetos em regime de urgência na Câmara, como foi o caso da criação da CIP. Eu sempre pensei que regime de urgência fosse algo excepcional e destinado às grandes decisões que envolvessem catástrofes e tragédias públicas.
- E você acha que a CIP é o que?

Reflexão
No meu dicionário político, abstenção é sinônimo de ausência de voto. Algo do tipo "ficar em cima do muro".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:31 AM



   17.12.05  
Valei-me, Santa Edwirges
Para quem acha que está difícil engolir os 6% que estão nos empurrando goela abaixo com a criação da CIP, espera só para ver que outro megapresente - de sobremesa - vem vindo por aí por conta da revisão da planta genérica que serve de base para o megacalculo do IPTU.

Valei-me, Santo Expedito
Fico aqui pensando com meus velcros sobre que tipo de atitude tomaria um líder político que estivesse disposto a protestar contra a criação da CIP (Contribuição sobre a Iluminação Pública). Tempos atrás, por exemplo, já houve em Limeira até quem se dispusesse a deitar numa rodovia como forma de protestar publicamente sua insatisfação pela criação de uma praça de pedágio. E hoje, se alguém decidisse protestar contra a nova taxa de luz, qual seria a melhor estratégia: trepar num poste?

Valei-me, São Cristóvão
Pois eu já me decidi: nas próximas eleições para a escolha de representantes do Poder Executivo, vou querer ver de perto a Carteira Nacional de Habilitação - vulgo "carteira de motorista" - dos candidatos. É que normalmente não atento para esse detalhe e por azar acabo escolhendo sempre os governos que dirigem muito mal.

Valei-me, Todos os Santos
Sinceridade? Sinto um frio na barriga e chego a ficar arrepiado cada vez que os jornais anunciam que a Câmara Municipal vai entrar em recesso. Não sei se isso acontece também com você, leitor, mas no meu caso essa sensação é decorrente de uma preocupação natural que tenho com o eminente prejuízo que isso sempre representa para toda a comunidade limeirense. Acaso você já calculou, por exemplo, quantos nomes de ruas deixarão de ser propostos nesse período?

Megaférias
E por falar em recesso, será que os funcionários da Câmara também têm direito a 60 dias de férias por ano?

Mural social
E meu amigo Otacílio Monteiro, escritor e poeta, estará se apresentando em dupla com José Lourenço, cantor e compositor, no sarau natalino que a Sociedade Literária Limeirense (SOLL) e pelo CPP - Regional Limeira, com o apoio da Secretaria Municipal da Cultura, promoverão no dia 19/12, no Teatro Vitória. O evento está marcado para as 20 horas e a título de ingresso será aceito um livro como contribuição para a campanha de doação de livros lançada pela prefeitura. O sarau contará com a participação de poetas limeirenses, do Coral Feliz Idade e do Grupo Reminescências. O espetáculo conta com poemas de Otacílio e músicas do CD Raízes Regionais, lançado por Lourenço.

Megalópolis
Sai governo, entra governo, e os funcionários públicos municipais continuam em dúvida: quando é que um megaplano de carreira vai ser enviado à Câmara para aprovação em regime de megaurgência?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:08 AM



   9.12.05  
Sul, oeste, norte ou leste?
Em meio ao verdadeiro tsunami tributário provocado pela criação da CIP, pelo menos um fato positivo chama a atenção: a união de uma penca de entidades de classe que decidiram protestar contra a criação do novo imposto. Isso me faz pensar, cá com meus velcros, que já passou da hora de Limeira ser administrada pelos governos eleitos, mas num caminho traçado pela vontade popular. Não é possível a sociedade assistir da arquibancada cada novo governo que entra criar seu plano particular para a cidade, enquanto os limeirenses imploram de joelhos por outras prioridades históricas e distintas do que sempre é proposto. O destino de Limeira não pode continuar mudando de direção a cada quatro anos, sob pena de nunca chegar a lugar algum. Governos são passageiros. Limeira, não!

Recuso-se a responder!
Um dos leitores que enviaram e-mail essa semana descendo o porrete na criação da CIP (vulgo "taxa de luz"), pergunta minha opinião a respeito da atuação da Câmara Municipal no caso. Câmera, leitor, que câmera?

Ah, as flores
Para não dizer que não falei de flores (putz, isso é letra de música, né?), o recapeamento realizado pela prefeitura transformou algumas avenidas em verdadeiros tapetes. A que mais utilizo - a Campinas -, por exemplo, ficou parecendo coisa de cinema: chik-no-úrtimo. Tanto que alguns motoristas com educação e responsabilidade sensivelmente reduzidas no que diz respeito ao trânsito já estão até achando que aquilo ali virou um autódromo. E estão pisando fundo no acelerador, para chegar na frente não sei de quem. Só essa semana, quatro acidentes. Agora entendo porque houve época em que os prefeitos insistiam na colocação daquelas malditas lombadas e radares. Se não houver fiscalização, a previsão é que ocorram grandes tragédias.

Philosophia phina
E para os motoristas que vivem apressados e tentando até passar por cima de quem está à sua frente trânsito, sugiro que reflitam sobre uma frase de pára-choques que anotei outro dia: "Corno vive com pressa e nervosão pra chegar em casa antes do Ricardão".

Parabéns, PC!
Meu amigo Paulo Corrêa apresenta hoje seu trabalho de conclusão do curso de Jornalismo, no Isca, às 19h30min. Trata-se de um livro-reportagem que traz luz a um tema polêmico e que, passados mais de 10 anos, continua atual: "Caso SAAE - Bastidores da primeira concessão dos serviços públicos de água e esgoto do Brasil". Tive a honra de "orelhar" o livro, cuja leitura recomendo para reflexão de toda a sociedade.

Candidatíssimo
Conversei esse semana com o ex-prefeito José Carlos Pejon (PSDB) que se mostrou bastante confiante e animado em relação à sua candidatura a deputado nas eleições do próximo ano. Pejon, no meu humilde ponto de vista, é um dos poucos que têm chances reais de ser eleito para representar Limeira em outras esferas.

Faltam só 3 anos
E um megaplano de desenvolvimento para Limeira, quando é que sai?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:01 PM



   2.12.05  
Tá explicado!
Conversei com Antonio Montesano Neto, secretário municipal de Educação, que considera ter havido algum mal-entendido quando disseram que ele afirmou que se sentiria envergonhado caso não colocasse em funcionamento as salas de informática nas escolas, na reunião ocorrida na Apeoesp, em janeiro. É possível. Mas os professores garantem que ele falou no assunto, dando ênfase à melhoria dessas salas. Montesano contou-me que as salas de informática já existiam quando ele assumiu e que elas foram equipadas pelo governo anterior. As dificuldades atuais dizem respeito somente ao uso da Internet, pois parte das escolas já são atendidas graciosamente por uma operadora de banda larga local, enquanto outras aguardam a instalação - já solicitada, segundo o secretário - e funcionarão por intermédio de linha telefônica comum. Acrescentou também que sua secretaria colocou em prática esse ano a utilização de ônibus para transporte de alunos da área rural até o local dessas aulas. Montesano admitiu, entretanto, que a promessa de merenda escolar aos alunos do período noturno ainda não foi possível cumprir. Está feito o registro.

Megagoverno
Demorou um ano para a iluminação da Marginal Tatu ser restabelecida ¿ parcialmente, na última sexta-feira. Desse episódio a sensação que fica é que estamos mesmo num mato sem cachorro. A opção de trocar os postes e colocar a fiação aérea, justificada pelos constantes furtos de fios de cobre antes instalados via subterrânea, soa como uma espécie de declaração de insegurança pública. Como é que a população pode confiar que tem um mínimo de segurança se até a administração pública, que conta com uma eficiente Guarda Municipal para proteger o patrimônio público, já dá o braço a torcer em relação à ação dos marginais? Ao perceber que é impossível evitar tais furtos até em plena via pública - e por isso fazem opção apenas pela função em detrimento da forma, o visual da avenida -, o cidadão descobre que está completamente desprotegido e sem ter a quem pedir socorro. E no embalo dessa declaração de insegurança diante da astúcia dos ladrões, cria-se a CIP (Contribuição sobre a Iluminação Pública), como saída mágica para a grave situação. A arrecadação desse novo donativo, informam, não atenderá exclusivamente as necessidades de iluminação como reza o nome, pois possibilitará o uso das verbas alocadas anteriormente para esse fim, no aparelhamento das polícias municipal, civil e militar. Uau, nem o Estado pensaria em algo megaarrojado assim! Aquisição de helicóptero? Uau! Ações regionais bancadas pelos limeirenses? Uaaauuu! E olha que eu sempre pensei - megaerroneamente, percebo agora - que já pagava essa dita cuja iluminação pública por intermédio da TSU (Taxa de Serviços Urbanos) e que a segurança era megaresponsabilidade do Estado, para quem também megacontribuo. Será que estava megaenganado? Não me imagino, entretanto, trombando por aí com um único limeirense que, em sã consciência, seja contra um megaplano de segurança. Mas se em troca dessa espécie de ¿upgrade policial¿ é necessário a gente meter a mão no bolso, isso, em sã consciência, já é pedir e querer demais. Fica aqui, portanto, meu apoio público ao megaplano de segurança, mas junto a ele meu megarepúdio à criação da CIP. E para não perder o hábito, também uma humilde sugestão ao prefeito: ouça a voz do povo, volte atrás e não sancione a nova taxa. Voltar atrás numa decisão diante do clamor popular, aliás, é um gesto de grandeza habitual dos grandes estadistas. Voltar atrás, nesse caso em especial, não significa retroceder politicamente, mas sim saltar milhas à frente no conceito que o povo tem de um governo que seja para e por ele. Voltar atrás perante a insatisfação popular não significa covardia: é sabedoria no mais alto grau. E assim, ao desobrigar o limeirense de mais essa carga pesada, que também não engavete o megaplano de segurança, mas até peça ajuda ao Estado para efetivá-lo. Isso sim terá aprovação popular maciça e incondicional. E, consequentemente, votos garantidos para a reeleição.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:36 PM



   25.11.05  
Já corou?
Logo no começo do atual governo, no mês de janeiro, o Secretário Municipal de Educação, Antonio Montesano Neto, participou de reunião com professores na Apeoesp de Limeira. Quem esteve presente ao encontro, contou-me que ele teria dito que se sentiria envergonhado caso não colocasse em funcionamento as salas de informáticas das escolas, no prazo de um ano. Faltando apenas um mês para terminar o prazo estabelecido pelo secretário, as informações sobre o que já foi feito até agora nas escolas a esse respeito dão conta de que é mais provável então que ele em breve se sinta realmente envergonhado.

Corou!
E o prefeito Silvio Félix da Silva também participou desse encontro na Apeoesp. Na ocasião, a sua fala aos presentes versou sobre a saúde dos educandos e a necessidade de que as escolas tivessem também outros profissionais de apoio ao ensino - entre eles, por exemplo, um psicopedagogo. Citou, ainda, em conformidade com seus discursos de campanha, a intenção de implementar a merenda escolar aos alunos do período noturno e de incentivar a formação de cooperativas de produtores locais para o fornecimento de produtos ao setor de merenda escolar. Sei, sei... mas e aí?

Dedução ampliada
Um leitor - que pede anonimato - envia-me e-mail dizendo que não é só nos consultórios dos médicos proctologistas que ocorre a inclusão digital no Brasil, como afirmei aqui na semana passada. Ele acrescenta que ela - a dita cuja inclusão - vem ocorrendo também de forma habitual por intermédio da maioria das leis e projetos formulados e aprovados pela classe política, sob a surrada alegação de que irão beneficiar a sociedade. Concordo plenamente com o adendo proposto pelo leitor. Principalmente porque a única sociedade que tenho visto receber algum tipo de benefício ultimamente é a que existe entre os políticos e seus colegas de tchurma.

Prevenção
E continuo preferindo muito mais essa saudável onda de denuncismo do que o velho tsunami de cinismo político que normalmente assistimos de quatro em quatro anos. Falar nisso, amigo leitor, previna-se, pois as eleições 2006 está logo aí. Argh!

Lapsento
O presidente Lula voltou atrás e disse que foi um lapso ter deixado escapar que seria candidato à reeleição no próximo ano. Lapso maior, entretanto, penso cá com meus velcros que fui eu mesmo quem cometeu. Votei nele em 2002.

Colóquio súbito
Converso rapidamente com meu amigo Norival Bonin, da Íntima Lingerie, que comenta sobre a entrevista do presidente Lula ao programa Roda Viva, da TV Cultura. E ele conta que na entrevista o presidente insistiu mais uma vez em afirmar que não sabia da existência de caixa-dois e pagamento de mensalão aos deputados.
- Pois eu também não sabia! - disse a ele.
- Do caixa-dois e do mensalão? - redargüiu-me, estranhando a minha desinformação.
- Não, isso eu sabia! O que eu não sabia é que o Brasil tinha presidente...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 11:43 PM



   18.11.05  
Resultados positivos
Participei do Encontro com a Imprensa, realizado pela Usina Iracema no último dia 9, quando aquela empresa fez um balanço da safra 2005/2006 e que apresentaram resultados altamente positivos. Encontrei por lá uma penca de amigos que há tempos não via: Reinaldo Grassi, Reginaldo Turatti e José Eduardo Heflinger Júnior - o Toco. Então (como diria Jack, o estripador) vamos por partes. Inteligente e dono de uma voz agradabilíssima, Grassi continua sendo o melhor apresentador de eventos da região. Turatti contou-me que além do jornalismo vem prestando serviços de busca de documentos para brasileiros que desejam a cidadania italiana. Toco, por sua vez, mostrou-se entusiasmado com o importante trabalho de resgate da história dos imigrantes na região e com a recente viagem que fez à Suíça, Alemanha, Itália e Portugal, em busca de novas informações, parcerias e divulgação do Projeto "Imigração Resgate".

Perfeita
E por falar em imigrantes, estava bastante animada e concorrida a 5ª Deutsches Fest, a Festa Alemã realizada no domingo passado no Centro Rural do Pinhal. Estive por lá das 11 às 17 horas, revendo dezenas de amigos e parentes. Só não fiquei mais porque minha queridíssima ficou preocupada que eu iria acabar com o estoque de chope do pessoal, além de estar sem a carteira da habilitação para me levar de volta para casa. Excesso de zelo dela para comigo, é claro, pois nem bessbi tchantcho aschim. Mas falando sério, os membros da Associação de Amigos do Bairro dos Pires e o pessoal da Secretaria Municipal de Turismo e Eventos deram um show de organização, pois era visível a animação do grande público presente à festa. Minha sugestão é que ela seja realizada semestralmente.

Coluna social
E encontrei logo no início da Festa Alemã os secretários Domingos Furgione Filho (Turismo e Eventos) e Sérgio Sterzo (Executivo de Gabinete). Conversei rapidamente com eles e se mostravam animados e confiantes de que o evento seria um sucesso. E realmente foi. Estiveram por lá também o prefeito Silvio Félix e o ex-prefeito José Carlos Pejon - acompanhados pelas respectivas esposas -, a presidente da Câmara, Elza Tank, o Secretário Municipal da Saúde, Fausto Antonio de Paula, e meu amigo Marco Antonio Cover, que deixou essa semana o cargo de Diretor de Obras e do Horto Florestal para assumir, na Câmara Municipal, o lugar do vereador Miguel Lombardi, afastado por licença médica.

Será?
E comentam que o PDT local não tem um nome considerado de peso para concorrer às eleições do próximo ano. Com exceção, é claro, do próprio prefeito Silvio Félix. Mas não acredito que ele vai cometer o mesmo erro de estratégia do ex-prefeito Pedro Kühl, que em 2002 entregou de mão beijada o cargo ao vice e acabou não se elegendo deputado. Já pelos lados do PMDB, do vice-prefeito Orlando José Zovico, imagino que o pessoal esteja torcendo fervorosamente para que Félix perca a cabeça e decida ser candidato em 2006. Alguém duvida?

Dedução
Inclusão digital no Brasil? Por enquanto só em consultório de médico proctologista.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:03 AM



   11.11.05  
Crônica da Olga e da urucubaca
Semana passada fui procurado por jornalistas da produção do programa da Olga Bongiovanni, apresentadora da RedeTV. Estavam gravando entrevistas tendo como pauta a expressão "urucubaca", utilizada recentemente pelo sapiente presidente Lula. E chegaram até o meu nome depois de pesquisarem no Google (sistema de busca na Internet) e darem de cara com uma crônica que escrevi, tempos atrás, sobre os azares nosso de cada dia. Solicitaram então auxílio à lista e acabaram ligando na casa da minha mãe. Pediram para falar com o Daniel e, como de hábito, a resposta de minha mãe deu a entender que deveriam procurar um médium, já que meu pai faleceu em 1995. É que o telefone ainda consta no nome do meu velho, de quem herdei a retidão e o nome. Só que eu assino antes desse charmoso Daniel um outro nome também chik-nu-úrtimo: José. Quando finalmente me localizaram, a pergunta da jornalista veio de sopetão: "o senhor se considera azarado?" Hesitei por alguns segundos enquanto meus dois neurônios - os sortudos que ainda vivem - chegavam à conclusão de que, apesar dos apesares, eu não me considerava azarado. Demos azar. A jornalista e eu. Ela, por não ter encontrado um azarado para entrevistar. Eu, porque ainda não foi dessa vez que botei a cara na TV, em rede nacional. William Bonner deu sorte... Mas o episódio me fez lembrar da crônica em que descrevi a angústia de estar numa fila - de supermercado, por exemplo - e perceber que a desgraçada quase sempre enrosca por motivos fúteis: o sistema cai; a fita da registradora acaba. Bom, se isso é realmente azar eu não sei e parece até que há explicações psicológicas sobre a situação. Mas não vem ao caso no momento, pois a crônica é de dois anos atrás e por sorte essa situação já melhorou muito aqui em Limeira. Principalmente depois da lei aprovada pela Câmara Municipal que determina o tempo de espera em fila nas agências bancárias. Acabaram assim, numa canetada, com a urucubaca de centenas de pessoas azaradas que perdiam um tempo danado enroscadas em filas. Além do que, diante desse estupendo benefício proporcionado aos cidadãos, creio que nossos nobres vereadores não tardarão em estende-lo também às outras filas, que insistem em entrar para o Guinnes e burlar a lei. Vide as filas que se formam diariamente no posto do INSS. Mas enquanto escrevo, por sorte lembro-me de que ainda tenho tido sim um certo azar nos últimos anos. E por falta de sorte esqueci de comentar isso com a jornalista. É uma urucubaca até antiga. Quer saber? Não dou muita sorte na hora de votar. Por azar, todo candidato em quem eu voto não cumpre aquilo que prometeu em campanha. Será isso um surto brabo de urucubaca ou é incompetência minha como eleitor? Nas últimas eleições, por exemplo, só dei sorte na escolha do candidato a vereador. Sorte dele não ter sido eleito. E preocupado, cheguei até a comentar sobre esse azar com amigos, que me sugeriram um banho com sal grosso para esfolar a nhaca. E além do banho, receitaram também que eu dedicasse, nas próximas eleições, um pouco mais de tempo analisando a vida dos candidatos. Nem tanto pela pessoa do insigne cidadão, claro. O problema é que para acabar de vez com essa urucubaca, terei que levar em conta a penca de aspones que acompanham o dito cujo e que, por azar, acabam depois comissionados com a conivência do meu voto. Chega de farra! Xô, urucubaca!

Conselho gratuito
Os políticos de outros partidos não deveriam continuar mangando do presidente Lula quando ele insiste em dar a desculpa esfarrapada de que "não sabia" da existência do caixa dois e do mensalão. Vai que mais dia menos dia vocês precisem também lançar mão desse subterfúgio...

Zéfiní
Será que algum leitor aí do outro lado da página teria sobrando para me dar de presente um naco de esperança de que vamos acabar com a corrupção no Brasil? O meu estoque da dita cuja acabou de acabar.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:47 AM



   4.11.05  
Sopa de letrinhas
Começou a temporada de acasalamento das siglas partidárias com os olhos voltados para as eleições do próximo ano. Comenta-se nos bastidores que o PFL estaria de namoro com o PSDB, para uma possível dobradinha de Lusenrique Quintal com o ex-prefeito José Carlos Pejon. E o casamento provavelmente teria o PV como padrinho. Caso seja verdade, caem por terra os sonhos de candidatura tanto do vereador Cezar Cortez (PV) quanto do ex-candidato a vice-prefeito pelo PSDB, o neurocirurgião Joaquim Nogueira da Cruz Neto.

E mais letrinhas
E o PRP ensaia um vôo solo depois de receber como reforço um grupo de membros dissentes do PFL que deixaram a sigla após o qüiproquó - até hoje mal explicado, acrescente-se - entre o então presidente do partido, Valdemir Alves de Brito, e o ex-candidato a prefeito por aquela sigla, Lusenrique Quintal. E pode apresentar uma das raras novidades no cenário da política local nas próximas eleições: a candidatura do empresário Odair Zambom. Acredita-se que a candidatura de Zambom teria apoio majoritário entre os empresários do setor de folheados, pelo trabalho que desenvolve a tempos pela categoria à frente da ALJ - Associação Limeirense de Jóias.

Referendum
E tem gente que gostou tanto de votar no referendo sobre a proibição do comércio de armas que já reclama que todos os grandes temas de interesse nacional deveriam ser decididos dessa forma. E sugerem até um novo tema para consulta popular: "O comércio de siglas partidárias deve ser proibido no Brasil?"

Espelho
Pois é, já que não deu mesmo para fazer aquela auditoria - prometida em campanha - nas contas dos governos anteriores, que tal então realizar uma auto-auditoria desse primeiro aninho de governo?

Turista forever
Li aqui no Jornal de Limeira que o cemitério pode virar ponto turístico e essa idéia aventada pelo administrador do local, Paulo Roberto Moreira, tem meu apoio irrestrito. Mesmo porque a minha intenção sempre foi estar naquele ambiente apenas como turista. Pelo menos por mais algumas décadas, apesar das carteiras de cigarros. Que Deus me ouça.

Manual do jornalismo caipira
Quando começa a faltar argumentos para justificar a ineficácia de sua gestão, a única saída para um governo que reza pela velha cartilha dos políticos do passado é botar a culpa na visão pessimista que os jornalistas têm a respeito de tudo. E se não colar, tente essa outra máxima muito utilizada pelos incompetentes: "A elite quer nos derrubar".

Teorema naränjense da governabilidade
Se mesmo tendo a maioria dos membros do parlamento municipal totalmente simpático ao seu jeito de administrar um governo não conseguir acelerar o desenvolvimento sustentando da cidade, então quando a maioria for da oposição a cidade vai andar em marcha à ré.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:20 AM



   29.10.05  
Educação
Não se tem notícia se a prática do jogo de xadrez que o prefeito Silvio Félix da Silva fez questão de conhecer em sua viagem (particular) a Cuba será implementada nas escolas municipais no próximo ano letivo. Penso, entretanto, que se trata de um assunto que deveria ser estudado com carinho pela Secretária Municipal de Educação, pois a prática do jogo de xadrez pode trazer inúmeros benefícios aos jovens, tais como o desenvolvimento do raciocínio e da habilidade de planejamento. Trata-se, comparativamente, de um benefício de alta importância aos jovens obtido a um baixo custo.

Nuvens passageiras
E mais de uma pessoa já me contou que nos anos 60 o médium Chico Xavier foi convidado a visitar Limeira e chegando aqui perto se recusou a entrar na cidade. Justificou a recusa alegando haver sobre a cidade uma espécie de nuvem negativa no ar. E é bem possível que essa nuvem continua ainda pairando sobre as cabeças dos limeirenses e, inclusive, até que tenha aumentando um pouquinho em densidade. Por certo parte da culpa disso cabe a alguns governos que já passaram por aqui e só souberam fazer fumaça.

Manual do jornalismo caipira
Do jeito que a coisa anda, não vou estranhar nadica-de-nada se um dia até a imprensa também necessitar a aprovação do Legislativo para requerer informações na administração municipal.

Na fila
Na semana passada a Justiça de Limeira concedeu liminar obrigando as agências bancárias da cidade a cumprir a Lei Municipal 3.167, aprovada em 2000, que limita em 20 minutos o tempo para que um cliente seja atendido. Pois bem, agora só falta algum vereador propor também leis que regulem o tempo de espera nas filas no INSS, postos de saúde, casas lotéricas...

Esquerda zero
Li aqui mesmo no Jornal de Limeira que o prefeito Silvio Félix da Silva se recupera bem da cirurgia pela qual passou após ter quebrado o braço direito durante partida de futebol no feriado do Dia das Crianças. E por estar impossibilitado de assinar documentos com essa mão, apresentou projeto na Câmara instituindo na prefeitura a chancela eletrônica ou mecânica. Enquanto isso, nos bastidores da política local, o pessoal pergunta em tom de gozação: "Putz, nem assim a "esquerda" teve vez e conseguiu aparecer por aqui?"

Colóquio súbito
- Presidente, as pesquisas estão indicando uma queda acentuada nos índices de sua popularidade.
- Uééé, mas os gráficos estão apontando para cima?!
- Desculpe contrariá-lo, senhor, mas está lendo o relatório virado de cabeça pra baixo...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:38 AM



   22.10.05  
Feliz 2007
Unicamp, duplicação do Anel Viário, nova Rodoviária. Uau! Com tantos anúncios desse porte o ano de 2006 promete ser inesquecível para os limeirenses. Então vamos botar fé mais uma vez - a última, esclareço - de que o próximo ano será o primeiro de uma década de vacas gordas para a retomada do desenvolvimento de Limeira. Nas últimas duas, só convivemos com o leite aguado das vacas magras. Daqui para a frente tudo vai ser diferente (putz, isso é do Roberto Carlos, né?!). Chegou finalmente a nossa vez e é possível vislumbrar o alvorecer de uma nova era. Mas antes que alguns amigos me coloquem definitivamente uma camisa-de-força e me incluam no rol dos ingênuos, quero deixar registrado aqui minha crença sincera num fio de esperança de que o prefeito Silvio Félix ainda vai proporcionar um futuro alvissareiro para essa cidade. E se depender da fé dos cidadãos para que tudo aconteça dentro dos conformes, começo a rezar desde já ajoelhado em grãos de milho. Entretanto, como aprendi ao longo dos anos que promessas são apenas promessas, caso nada do que está sendo anunciado aconteça, não faz mal. É só o governo mudar o discurso, prometendo tudinho igual para 2007. A gente já se acostumou com isso e vai tocando a vidinha em frente...

Feliz 2010
E ao mesmo tempo em que tantas boas novas para 2006 vem brotando da Administração Municipal, olhando de fora e pensando cá com meus velcros sobre os trabalhos desenvolvidos até agora pela Câmara Municipal, já começo a pensar que a melhor forma do eleitor não entrar em depressão profunda é esperar pela nova safra de eleitos que tomarão posse em 2009.

Evolução proverbial
No mundo da política, os cães passam e a caravana ladra.

Luz é vida
Comentei tempos atrás por aqui que seria interessante se a Administração Municipal, juntamente com a intenção de revitalizar as praças públicas, desse atenção também à volta do funcionamento das fontes luminosas. Agora, informações dão conta de que as fontes situadas nas praças Luciano Esteves, São Sebastião e João Soares Pompeu serão reformadas e em breve estarão funcionando outra vez. Tomara que aconteça até dezembro, quando a cidade ganha nova vida noturna devido à abertura do comércio.

Empoeirado
E enquanto o governo pleiteia a criação de mais cargos comissionados, servidores municipais efetivos ainda aguardam ansiosos por um Plano de Carreira. Anos atrás a Administração Municipal investiu - se não me falham os ditos cujos dois neurônios da minha memória - cerca de R$ 450 mil num estudo encomendado à FIA/USP a respeito do assunto. Em que gaveta será que ele foi colocado?

Jornalismo caipira
Esse negócio de ouvir os dois lados é coisa para os tribunais. No jornalismo, nem sempre funciona. Você já viu, por exemplo, algum político consultar um jornalista antes de fazer suas lambanças com o dinheiro público?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 12:31 PM



   21.10.05  
Concurso
Por conta da sugestão de um leitor publicada aqui na semana passada, sem querer iniciei uma espécie de concurso aqui na "ponto-e-vírgula" para escolha do animal que simbolize o excepcional desenvolvimento sustentando que Limeira vem presenciando nos últimos anos. O bicho sugerido pelo leitor da semana passada - tá lembrado? - foi o urso, destacando-se que uma de suas características é a hibernação. Dessa vez, um outro leitor (que também pede anonimato) sugere como símbolo do desenvolvimento da cidade a tartaruga. E a ela ainda acrescenta algumas características: "manca, vesga, capenga e preguiçosa". Bom, assim já temos dois animais concorrendo a ícone da campanha pró-desenvolvimento de Limeira. Se você tem outra sugestão, envie-me um e-mail (heldt@globo.com). Já que a moda agora é realizar referendo, vamos fazer o nosso por aqui também.

Tá difícil
Um amigo comprou, durante o mandato do ex-prefeito Pedro Kühl, fogos de artifício e uma penca de equipamentos de pesca. Aguardava ansioso para utiliza-los - os fogos e os equipamentos - quando a temporada de pesca no límpido Ribeirão Tatu fosse anunciada, conforme prometido na época. Como é possível que isso ainda demore mais de uma década para ocorrer, resolveu vender os equipamentos de pesca e decidiu que aproveitaria os fogos para quando a iluminação da avenida marginal ao ribeirão fosse restabelecida. Com receio de que o prazo de validade dos fogos expire, sua intenção agora é utiliza-los para comemorar a passagem do ano. Sábia decisão, caro amigo! O Ano Novo esta logo aí.

Sem multas
A Guarda Municipal de Araras deixou de aplicar multas de trânsito. A notícia foi publicada essa semana no jornal Tribuna do Povo daquela cidade, e informa que o direito dos gms atuarem como fiscais de trânsito foi cassado por decisão judicial. Segundo resolução do Conselho Estadual de Trânsito (Cetran), guardas municipais não podem aplicar multas porque não têm o poder de polícia. A decisão também se apoiou no artigo 144 da Constituição, que descreve a criação das Guardas apenas para proteção de prédios públicos. Com a palavra, as autoridades limeirenses...

Turvou
No início do ano, decisão da presidente da Câmara Municipal, Elza Tank (PTB), acabou com aquele vidro ridículo que existia para separar o plenário do auditório, aproximando os trabalhos daquela Casa ao povo. Essa semana, com a aprovação do projeto da vereadora Nilce Segalla (PTB) que "regula" os requerimentos dos vereadores à Administração Municipal, penso que uma espécie de vidro voltou à cena. Só que dessa vez para colocar o governo numa redoma. Sombra e água fresca.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:25 AM



   7.10.05  
Almas gêmeas?
O furacão Rita atingiu os Estados Unidos duas semanas atrás causando, felizmente, menos mortes e danos que o Katrina, furacão que no final do mês de agosto atingiu o sul da Louisiana e do Mississippi, destruindo cidades inteiras, provocando enchentes devastadoras e deixando cerca de mil mortos. O estranho, sei lá por que cargas d´água, é que toda vez que noticiam esses fenômenos lembro-me imediatamente dos políticos. Nem tanto pelo estrago que ambos - os furacões e os políticos - fazem. O que meus neurônios reunidos - todos os dois - lembram é que durante a campanha os políticos apresentam-se sempre como verdadeiros "furacões". Depois de eleitos, entretanto, agem apenas como uma "tempestade tropical". Pior é que a maioria nem assim podem ser classificados. Transformam-se no que conhecemos por "chuva de verão". Por quatro intermináveis anos. Às vezes, infelizmente, até por mais tempo...

Sonolento
E um leitor envia-me e-mail contando que se fizessem um concurso para escolher um animal que simbolizasse o desenvolvimento de Limeira, na sua opinião o urso ganharia estourado. E ele explica a razão: uma das características desse animal são os longos períodos de hibernação. Bem pensado! Então meu voto é para o urso também.

Saúde e sucesso
Encontrei no último domingo o vereador Miguel Lombardi (PL) que comentou ter se afastado alguns dias de suas atividades da Câmara Municipal para tratamento de saúde. Desejo melhoras ao vereador e que seus projetos - os já aprovados - saiam finalmente do papel.

Coluna social
O pessoal da Comunidade de São Francisco de Assis, da Vila Independência, convida para o jantar dançante "Noite da Primavera", que acontece no dia 21/10, às 20h30min. O evento, que tem por objetivo arrecadar fundos para a construção do novo templo daquela comunidade religiosa, será realizado no Clube dos Veteranos e animado pela banda Chapéu da Máfia. Os últimos convites podem ser adquiridos pelo telefone 3451-4928.

Referendando
Para manter um certo grau de coerência, com o objetivo de evitar os acidentes domésticos, em alguns casos, e a criminalidade generalizada, em outros, o certo seria estabelecer também referendos para o comércio de facas de cozinha, facões, tesouras, podões, enxadas, alfanjes, fogos de artifício, bebidas alcoólicas, drogas. Ah, e principalmente para os conluios políticos.

Tudo pelo social
E o governo federal quer agora implementar o ¿telefone social¿ no Brasil, disponibilizando linhas com o preço da (argh!) "assinatura" reduzido para milhões de famílias de baixa renda. Bom, já que não conseguiu dar conta da promessa intitulada "Fome Zero", tinha afinal que arrumar uma outra serventia para que grande parte da população fizesse uso da boca. Se não se pode gastar a saliva com comida, o jeito é aproveita-la para falar, né? Advinha, aliás, amigo leitor e amiga leitora, quem deve pagar por mais essa conta?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:13 AM



   30.9.05  
Pense grande
Leio no Jornal de Limeira que o vereador Carlos Ferraresi (PHS) propõe a gratuidade no transporte coletivo a todos os aposentados por tempo de serviço ou invalidez. Respeito a opinião do nobre vereador, mas tenho a impressão de que aposentado não deseja que lhe ofereçam esse tipo de esmola. Quer, acredito, ter uma aposentadoria justa - pela qual pagou durante toda a sua vida profissional - e que lhe dê condições de pagar sua própria passagem. E aproveitando o assunto, não imagino que aposentado quer receber também remédios gratuitamente. Quer, sim, ter a dignidade de adquirir os medicamentos que necessita, na drogaria que lhe convier, com seus próprios recursos. Aposentado não quer que o tratem como mais um parasita da sociedade, tal qual uma penca de políticos corruptos que estamos conhecendo nas diversas CPIs instaladas no país. Quer, sim, ser atendido como gente e não ter que passar, por exemplo, a noite toda numa fila do INSS para conseguir um benefício pelo qual pagou durante a vida toda. Aposentado não quer, imagino, que vereador fique lhe propondo mimos que irão onerar o resto da sociedade. Quer, penso eu, que vereadores combatam, com dentes e unhas, a corrupção desenfreada que assola o país, em todos os níveis. Quer, inclusive, ter o mesmo direito que têm os políticos que ao serem denunciados por corrupção, renunciam ao mandato e ainda adquirem uma aposentadoria polpuda e imoral. Quer, acrescente-se, maior respeito das autoridades para com o erário, para que mais verbas públicas possam ser utilizadas em benefício de toda a sociedade. Bom, pelo menos é o que penso hoje e que com certeza estarei pensando quando chegar a minha vez de se aposentar. Isso se nossos amados políticos não falirem de vez o sistema e até lá o direito à aposentadoria ainda existir, é claro.

Feliz 2006
Mas por falar em transporte coletivo, vejo que a licitação é mais uma das tantas promessas de campanha que foi adiada para 2006, juntamente com as obras do novo aeroporto, do Distrito Industrial, da merenda escolar noturna e outras mais. Pois lá se vai mais um ano empurrado com a barriga, igual a tantos que o limeirense já se acostumou a ver passar nas últimas décadas. Bom, o jeito então agora é esperar pela vinda do Papai Noel, personagem em quem ainda é possível a gente confiar, botando fé que ele nos brinde com algum presentinho. Para mim, aliás, bem que ele poderia trazer um naco de esperança. Se possível, com recheio de paciência.

Positivo
Pois engana-se quem pensa que eu só tenho críticas ao atual governo e não vejo o que de positivo é realizado na cidade. A nova camada de asfalto colocada em algumas ruas da cidade, por exemplo, ficou ótima. Pretinha e lisinha da silva. E penso o mesmo da preocupação em revitalizar os logradouros públicos, principalmente os da área central da cidade, como é o caso da Praça Luciano Esteves. E por falar em praça, a sugestão é que voltem a funcionar, ao menos nos finais de semana, as fontes luminosas instaladas em algumas delas. Penso que isso atrairia a atenção de famílias inteiras para esses locais, proporcionando um pouco mais de vida à cidade. É preciso oferecer aos cidadãos uma opção a mais de lazer, além dos bares, restaurantes, lanchonetes, supermercados e lojas de conveniência.

Aberração
E nove meses se passaram e a cidade ainda não conseguiu parir a iluminação da avenida Marginal do Tatu. E tinha gente até rezando ajoelhada em grão de milho para que o pimpolho chegasse de forma prematura. Não vingou!
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 4:57 AM



   23.9.05  
Poesia internacional
O amigo Otacílio Cesar Monteiro, poeta, jornalista e autor de diversos livros - acabei de ler um deles, o excelente "A Greve dos Espantalhos" -, informa-me que até o dia 30 de setembro estão abertas as inscrições para o IX Prêmio Cidadão de Poesia, realizado pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Limeira (Sinecol). A participação é aberta, na categoria livre, também aos poetas que não sejam empregados no comércio. O Cidadão Poesia já extrapolou os limites de Limeira, recebendo a cada nova edição a participação de poetas de vários Estados brasileiros e inclusive de outros países, como Portugal.

Fazendo falta
E Otacílio me convida também para a inauguração da Biblioteca de Poesias Valdir Salviatti, evento que acontece hoje, às 20h, na sede do Centro do Professorado Paulista - Regional de Limeira (CPP). Não sou poeta, mas vez por outra arrisco-me a misturar algumas palavras em linha reta. Entretanto, cada vez que me falam de um evento no CPP, o que me vem à lembrança é o nome de Maria Paulina Rodrigues Provinciatto, incentivadora incansável da literatura limeirense, cujo nome merece ser perpetuado na história da cidade.

Firulas
Bom, se é que até agora eu entendi direitinho as entrelinhas tanto da Campanha do Desarmamento quanto do referendo sobre a proibição da venda de armas previsto para o dia 23/10, o foco principal parece ser o de evitar os acidentes domésticos com armas de fogo. E se for isso mesmo, a lógica então me diz que o próximo passo a ser tomado pelas autoridades será o de proibir a venda e recolher também todas as facas de cozinha das residências brasileiras. Os maridos agradecem.

Impaciente
Logo no início de seu governo, o prefeito Silvio Félix da Silva (PDT) pediu um pouquinho - só seis mesesinhos - de paciência para que seu estilo de planejar e administrar a cidade apresentasse finalmente os primeiros resultados. O pedido, é claro, não foi destinado aos grupos considerados de oposição a seu governo, pois parece que não existem. Com certeza, deve então ter sido direcionado aos jornalistas que vez por outra cobram as promessas que os governos sempre fazem quando estão entusiasmados com suas campanhas. Pois é, já se passaram quase nove meses - exatos 266 dias - e até agora não consegui ainda saber que raios de resultados eram esses.

Merendinha
Em caráter emergencial, a Prefeitura de Limeira firmou contrato com as empresas Irmãos Franco Indústria e Comércio de Cereais Ltda e Verdurama Comércio Atacadista de Alimentos Ltda para a compra de produtos para a merenda escolar. Os valores contratados foram, respectivamente, de R$ 1.120.239,36 e R$ 400.080,26. Será que dessa vez os produtos adquiridos serão finalmente destinados à prometida merenda escolar dos alunos que estudam no período noturno em Limeira?

Teorema naränjense da planejabilidade
Se um governo adquire - mesmo com a burra municipal em frangalhos - por mais R$ 1,17 mi um prédio caindo aos pedaços e sem necessidade imediata aparente, e depois estabelece um Plano Plurianual de quatro anos para as ações que a população cobra e sempre julgou urgente e essenciais, então é possível concluir que a aquisição do prédio arcaico não estava planejado e nem seguiu parâmetros técnico-administrativos.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:17 PM



   16.9.05  
Galo em alta
Mesmo atropelado pelas eternas dificuldades financeiras por que passa a maioria dos clubes do interior do Estado, o Independente de Limeira - ao contrário da Internacional que, infelizmente, amarga a última colocação do seu grupo -, vem se saindo bem na disputa da Copa Federação Paulista de Futebol. E está a um passo de passar para a próxima fase do campeonato, necessitando apenas obter mais dois pontos nos próximos dois jogos que tem pela frente. Para isso, só depende da garra do seu elenco e, principalmente, da força de sua torcida para o jogo que acontece contra o Guarani amanhã, às 19h, no Pradão.

Incentivo aos esportes
Conversei essa semana com um dos dirigentes do Independente e as informações dão conta de que são raros os empresários limeirenses que ainda investem no clube. Um deles, que ainda acredita e incentiva o futebol e outras modalidades esportivas, é o empresário Júlio Maçorano, proprietário da Rede Graal. Além do incentivo ao Galo, a paixão pelo esporte levou o empresário a montar esse ano seu próprio time, o Graal Castelo, cuja equipe vem obtendo resultados satisfatórios na disputa da 3a Divisão do Campeonato Amador de Limeira.

Cidadania
Mesmo conhecendo pouco da história de vida de Júlio Maçorano, a impressão que tenho é de que ele é o típico empresário que investe no desenvolvimento da cidade e, principalmente, na geração de empregos - da rede de postos de serviços espalhados por todo o Brasil, dois deles estão instalados aqui em Limeira -, mas cujo trabalho poucas vezes tem sido reconhecido pela sociedade. Não acredito, entretanto, que essa falta de reconhecimento afete o desejo do empresário em continuar investindo na cidade. Mas penso que já passou da hora de seu nome ser lembrado toda vez que o assunto em pauta for a respeito de personalidades que adotaram Limeira como cidade do coração e que trabalham pelo seu desenvolvimento social. Cá entre nós - e tomara que alguns amigos não me escutem -, Júlio Maçorano é mil e duas vezes mais limeirense do que uma carrada de "limeirenses" que eu conheço, que só pensam em sugar dessa laranja até o bagaço.

Muda o disco, please
E a administração municipal lança dessa vez o Plano Plurianual (PPA), prevendo investir R$ 51 milhões no quadriênio 2006/2009. Como o papel aceita de tudo e plano é somente um plano, o projeto prevê a construção de uma nova rodoviária, um novo ginásio de esportes, um terminal de ônibus e um Distrito Industrial. Uaaaau!!! Quarenta anos em quatro? Entretanto, já deveras amargurada com tal tipo de assunto, minha minguada porção de neurônios insiste em dar sinal de vida e tenta ainda entender uma coisinha: por que não um plano trienal, já que o mandato atual só vai até 2008? Vai me dizer que já estão pensando em continuar por lá em 2009?

Teorema naränjense da desculpabilidade
Se um governo se declara impossibilitado pela legislação de realizar uma prometida auditoria nas contas públicas de seus antecessores, então é possível concluir que poderá se valer dessa mesma desculpa em quaisquer das futuras promessas eleitorais.

Sabedoria caipira
De aditivo em aditivo, governos vão prorrogando os contratos públicos mais "suculentos" com o umbigo.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:22 PM



   3.9.05  
Esquecidinha da silva
A Avenida Major José Levy Sobrinho, principal via de acesso para quem visita Limeira vindo da rodovia Anhanguera, merece um pouco mais de atenção da Administração Municipal. Com exceção do radar móvel, que habitualmente faz ponto por ali, de resto parece estar abandonada. O canteiro central vive repleto de lixo, possivelmente devido à falta de educação dos motoristas e pedestres que passam pelo local. O mato começa a tomar conta da grama e de alguns pequenos coqueiros ali plantados. Assim, se for mesmo certo de que é sempre a primeira impressão a que fica, a continuar a falta de cuidado com aquela avenida, quem visita Limeira tende a imaginar que a cidade toda é suja, mal cuidada e, é claro, mal governada.

Filas...
Por conta do comentário que fiz aqui na semana passada, sobre a lei municipal que estabelece prazo para atendimento dos cidadãos nas filas das agências bancárias, recebi e-mail do amigo "AB" (que pediu para não ser identificado). Ele trabalha no setor e explica que nos últimos dez anos houve uma drástica redução do número de empregados na rede bancária, mas na outra ponta o volume dos serviços oferecidos vem aumentando desenfreadamente, sobrecarregando os empregados bancários. E acrescenta que mesmo assim a qualidade do atendimento não diminuiu e até melhorou muito. Disse também que a melhoria no atendimento e na diminuição do tempo que o cliente aguarda na fila é algo que a categoria vem buscando constantemente. Concordo. AB aprovou, portanto, a idéia aqui da coluna de que não só os bancos sejam obrigados a diminuir o tempo que os cidadãos perdem todos os dias em filas, mas também que essa obrigação seja estendida a outros serviços públicos, muito mais importantes ao cidadão do que os proporcionados pelos bancos. E faz uma sugestão aos responsáveis pela elaboração de leis - no caso os nobres vereadores: "Experimente um dia ir até uma agência do INSS e ver quanto tempo o cidadão (que na maioria das vezes são idosos, doentes, portadores de deficiência física) leva para ser atendido e como é tratado". Concordo e endosso a sugestão para que os vereadores participem dessa rica experiência.

... e mais filas
E ainda com relação às filas, AB continua sugerindo: "Experimente também ir até o setor de parcelamento de dívidas na Prefeitura Municipal de Limeira e ver quanto tempo você leva para ser atendido". Ele conta que precisou desse serviço e ficou esperando por mais de uma hora e meia para ser atendido. Nesse dia na Prefeitura, onde havia espaço para que no mínimo cinco empregados estivessem trabalhando, por um longo tempo somente uma pessoa estava atendendo. Mas AB faz questão de ressaltar que "o atendimento prestado pelo funcionário, quando a gente conseguiu chegar até ele, foi bastante cortês e eficiente". Menos mau.

Primeiro ato
Pois não é que o presidente Lula sempre esteve coberto de razão toda vez que anunciava que em breve os brasileiros veriam o inicio do "espetáculo do crescimento". Nos últimos tempos, tem sido realmente espetacular o crescimento das denúncias de corrupção envolvendo membros do seu governo e da classe política.

Ponto final
Enfim, dos males o menor. É preferível - mil e duas vezes - conviver com essas ondas sazonais de denuncismo do que continuar vendo o país se afundar no eterno mar de lama da corrupção.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:29 AM



   27.8.05  
Presente repetido
Limeira completa 179 anos agora em setembro e meu palpite é que ela ganhará de presente o mesmo de sempre: o anúncio de uma obra importante para a cidade. Quem sabe seja o anúncio de um Distrito Industrial - aleluia, aleluia. Ou será que é uma nova rodoviária? - iuupiii! Pode ser mais faculdades públicas - uaauuuu! Ou também o aeroporto - putz! Pois é somente de anúncios que a cidade vem (sobre)vivendo nos últimos anos. Obra que é bom, neca-de-pitibiriba. Pior é que são anúncios proclamados até mais que uma vez. É só o povo ou a imprensa iniciar um burburinho que a resposta vem rápida: toma lá um anúncio. Quer um exemplo? O aeroporto regional. Sua construção foi anunciada, com festa, pelo ex-prefeito José Carlos Pejon (PSDB), em meados de 2002, para ter início em 2003. Não deu. Esse mesmo aeroporto já foi anunciado também pela administração atual, para 2006. Também não deve dar, pois nem o projeto foi ainda aprovado para que a construção tenha início. Pô, então por que soltam tanto rojão assim se o motivo da festa - a obra, ou o início dela - ainda nem está certo? É preciso ter um pouco mais de respeito pelos eleitores e mudar a ordem dos verbos praticados. Em vez de anunciar, festejar, soltar (rojão) e anunciar novamente, mudem - por piedade - para a seqüência: fazer, entregar (a obra), festejar e soltar (rojão). Economizem - peloamordedeus - os rojões para o dia da festa de inauguração. Da obra, óbvio; não da maquete.

Karma, meo, karma!
Diante do marasmo que sempre rondou as questões ligadas ao desenvolvimento sustentado de Limeira na última década, até mesmo os cidadãos mais descrentes dos assuntos místicos já tendem a acreditar que a cidade tem mesmo é um sério problema de "karma". Aliás, é preciso ter muita para continuar ainda com vontade de eleger mais algum político por aqui.

Conclusão simplória
Posso estar quadradamente enganado, mas depois de oito meses de governo o fantasma da dúvida já começa a aparecer. Se nem a promessa de realizar uma auditoria necessária nas contas dos governos anteriores foi possível cumprir, quanto mais a construção de distrito industrial, aeroporto, estação rodoviária, rodoanel...

Questão alimentar
E por falar em promessas de campanha, alguém sabe me dizer se os alunos que estudam no período noturno das escolas limeirenses estão gostando da merenda escolar?

Sucesso limeirense
Mas é evidente que Limeira não anda sempre engatada em marcha à ré. A iniciativa privada vem fazendo com competência sua parte na corrida pelo desenvolvimento da cidade. A Aljoias (Feira Internacional de Jóias Folheadas, Brutos, Máquinas, Insumos e Serviços), que se encerra hoje, é um bom exemplo. Sucesso nos negócios realizados e o nome de Limeira divulgado mundialmente!

Colóquio súbito
- Putz, meu carro tá fazendo 18 km com um litro de gasolina.
- Grande coisa! Tô escrevendo mais de 40 linhas com uma mísera latinha de 350 ml de cerveja...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:45 AM



   21.8.05  
Aprovado!
Considero oportuno o projeto de lei apresentado essa semana na Câmara Municipal pelo vereador Eliseu Daniel dos Santos (PSC), regulamentando a instalação e funcionamento de empresas que prestam serviços de locação de veículos na cidade. A proposta do vereador é que as locadoras sejam obrigadas a licenciar e emplacar os veículos em Limeira, recolhendo, consequentemente, os impostos aos cofres públicos locais. Nada mais justo, óbvio, pois se é aqui que prestam serviço e percebem o lucro necessário ao funcionamento da empresa, é aqui também que devem recolher impostos para colaborar com a manutenção da malha viária.

Mote
Lembro-me de ter comentado sobre esse assunto tempos atrás. E é até simples de entender porque aumenta a cada dia o número de limeirenses que optam por emplacar seus veículos em Curitiba/PR. Enquanto no estado de São Paulo a alíquota de IPVA que incide sobre o valor dos automóveis de passeio é de 4,5%, no Paraná é 1,5%. "Estrago aqui e pago ali". Esse foi, inclusive, o mote sugerido por um leitor para ser transformado em adesivo e utilizado nos veículos particulares - e de empresas - que são licenciados no estado do Paraná, mas que trafegam diariamente pelas ruas Limeira, danificando a vias públicas e colaborando para o caos em que se transforma o trânsito da cidade em horários de pico. Bom, pelo menos os limeirenses que têm o veículo emplacado em outro estado não têm o direito de reclamar das dificuldades no trânsito local. Se um dia, entretanto, se sentirem prejudicados, que o façam então para o prefeito de Curitiba.

Lei de Gerson?
E penso também que os prefeitos dos municípios do estado de São Paulo deveriam estar cobrando do governador - e dos nobres deputados estaduais - a implementação de medidas para conter a crescente evasão de tributos, que já ocorre há tempos por conta do IPVA. Além dos cidadãos, não são poucas as empresas paulistas que licenciam frotas inteiras de veículos em outro estado, estimuladas pela diferença de alíquota que, no caso dos veículos de passeio, chega a 60%. Só nesse ano, de janeiro a julho, o governo estadual repassou para Limeira R$ 13.371.572,61 provenientes do recolhimento de IPVA. No ano passado, no mesmo período, foram R$ 11.287.359,31. Entretanto, esse variação de repasse poderia ser sensivelmente maior se houvesse mecanismos para dificultar que veículos de cidadãos paulistas recolhessem o imposto em outro estado. Não há mais, portanto, como ficar indiferente diante do rombo tributário que vem sendo praticado pelo cidadão que, para levar vantagem pessoal, contribui com o desenvolvimento das cidades de outro estado em detrimento da que vive e de cuja malha viária utiliza até o caroço.

Por que só nos bancos?
E por falar em lei, vez por outra converso cá com meus velcros sobre as ditas cujas que visam acabar com as filas nos estabelecimentos bancários, obrigando que os usuários sejam atendidos em até 20 minutos nos dias normais e 40 em vésperas e após os feriados prolongados. Trata-se claro, de uma lei saudável para o bem estar da população, assim como as que fazem referência à necessidade de existência, nesses locais, de banheiros, bebedouros e aviso de perigo de passar pelas portas giratórias para quem utiliza marca-passo. E por serem assim tão benéficas à população é que sugiro aos nobres vereadores que estudem um jeito de estender os benefícios dessas leis também aos usuários do INSS, casas lotéricas e postos de saúde municipais. Principalmente, claro, no que diz respeito ao prazo de atendimento para quem está na fila esperando para ser atendido.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:37 AM



   12.8.05  
Evolução humana
Fico maravilhado com o alto grau de desenvolvimento que a raça humana vem atingindo. Em pleno espaço sideral, por exemplo, o astronauta norte-americano Steve Robinson conseguiu consertar as avarias do ônibus espacial Discovery, que dificultava o retorno dos astronautas à Terra. No oceano Pacífico - outro exemplo recente -, a 190 metros de profundidade, técnicos britânicos utilizaram com sucesso um robô na operação de salvamento de seis tripulantes russos presos num minissubmarino. Pois estive matutando cá com meus velcros: "será que esse pessoal não estaria disposto a dar uma forcinha aqui pra gente resolver a falta de iluminação da Avenida Marginal do Tatu, um problema que já se arrasta há meses?"

Aerolula
Pelo menos um fato positivo os recentes escândalos de corrupção política estão proporcionando ao país: economia de dinheiro público. É que preocupado com o desgaste de sua popularidade, o presidente Lula - e distinta comitiva - deixou um pouco de lado suas viagens ao Exterior para se dedicar a visitas caseiras a localidades brasileiras.

É verdade
Circula pela Internet, via e-mail, uma definição um tanto quanto difícil de ser contrariada: "Depois desse gigantesco escândalo de corrupção envolvendo políticos do PT e de outros partidos da base aliada, todos os outros crimes anteriores que o Brasil um dia conheceu não passam de casos que poderiam ser tratados, pela dimensão, diretamente pelo Tribunal de Pequenas Causas".

Pedintes profissionais
Está cada vez mais difícil andar pelas ruas do Centro de Limeira sem ser abordado por um pedinte. Não falo dos guardadores de carros e jovens que abordam motoristas nos sinaleiros pedindo uns trocados. A quantidade desses até parece que estabilizou. Falo dos outros tipos, os que podem ser classificados como pedintes profissionais. É gente que trabalha nas calçadas oferecendo um penca de coisas: cartão crédito de loja, empréstimos de dinheiro, cursos de informática e - pasmem - até convites para entrar em templos religiosos. Penso que todos têm o direito de trabalhar, mas daí a buscar clientes na rua é uma estratégia um tanto quanto exagerada. Sem contar que a dimensão das calçadas já não oferecem segurança total aos pedestres, entupidas que estão de postes e lixeiras. É necessário, penso, que as autoridades estudem formas de coibir o que já está se transformando num verdadeiro empecilho ao direito de vir e ir - preferencialmente sem ser incomodado - das pessoas.

Reflexão caipira
Sou decididamente contra reeleição. De síndico a presidente da República. Meus neurônios com certeza não suportariam cometer o mesmo erro duas vezes seguidas.

Saída genial
E por falar em eleição, o amigo João Bachega quase me fez mudar minha opinião de que o voto em branco talvez seja a única saída para melhorar o quadro político que aí está. Ele sugere que nas próximas eleições eu escolha sempre o político que tiver a menor estatura. "Vote sempre no mais baixinho" - disse categoricamente. E concluiu com sabedoria: "Dos males, é o menor".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:48 PM



   5.8.05  
Estratégia perigosa
O prefeito Silvio Félix (PDT) tem se utilizado do expediente de enviar alguns projetos de lei ao Legislativo para aprovação em regime de urgência especial. O último, apresentado essa semana, prevê a abertura de créditos adicionais de até R$ 500 mil destinados à extinção da Codel (Companhia de Desenvolvimento de Limeira), empresa de economia mista criada em 1989. Não li o projeto, mas tudo indica que seja semelhante ao que meses atrás propôs a extinção da Emdel (Empresa de Desenvolvimento de Limeira), autorizando o Executivo a adquirir, pelo valor patrimonial, todas as ações da empresa. E tal como no caso da Emdel, o que sobra para um cidadão leigo como eu são sempre as mesmas dúvidas: quem, em sã consciência, compraria ações de uma empresa falida e com data de fechamento anunciada? Se há outros sócios, por que é sempre a prefeitura que arca com as despesas de fechamento? E, por fim, por que votar em regime de urgência um assunto tão antigo? Se a história nos mostra que mesmo discutindo coletivamente e cuidadosamente alguns temas públicos é possível que se cometam erros, imagina então o que podemos esperar se o Legislativo continuar votando às pressas projetos de interesse coletivo?

"Sem-cadeira" é o povo
Políticos que se sentem prejudicados com a redução do número de vagas nas câmaras municipais pedem ao STF (Supremo Tribunal Federal) que aprove ação que tenta reverter essa resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Só em Limeira, sete vagas de vereador foram extintas. Fico entusiasmado em ver a boa vontade que essa gente - os "sem-cadeira" - demonstra em trabalhar para e pelo povo, criando até o Modeve (Movimento em Defesa da Constituição e da Volta do Número Legal de Vereadores). É pena, entretanto, que não exista - pelo menos eu não conheço - um movimento que defenda os interesses dos eleitores. Se existisse, com certeza estaria defendendo que 14 vereadores é a quantidade ideal no caso de Limeira. Pois os atuais eleitos vem demonstrando grande competência, tendo em vista que raramente recorrem a uma segunda sessão semanal para dar conta dos projetos que lá são apresentados.

Bodas do quê?
Amigos que freqüentam o Centro de Atividades do Trabalhador - Sesi, perguntam por que parte das ruas que circundam aquele conjunto esportivo, situado na avenida Major José Levy Sobrinho, entrada de Limeira, não são asfaltadas. Repassei a questão ao amigo Moisés de Sousa Silveira, diretor do Sesi, que informou que o asfaltamento daquelas ruas é de responsabilidade da Prefeitura Municipal desde 1973, ano em que foi lavrada a escritura de doação do terreno para a construção do prédio. Passados 32 anos, e uma penca de governos, a situação continua a mesma. As ruas possuem guias e sarjetas e além de servir de estacionamento para quem freqüenta o local, são utilizadas também como acesso aos moradores do Jardim Residencial Granja Machado. Como se sabe, não e de hoje que o Sesi realiza ações sociais de grande importância para os limeirenses, tais como a conhecida Ação Global, em parceria com a Rede Globo, que todo ano atende milhares de pessoas em assuntos ligados à promoção da cidadania. Além disso, aquele conjunto esportivo tem servido de palco para torneios regionais, é considerado modelo e tido como um dos cartões de visita de Limeira. Merece, por isso, um pouco mais de respeito e um mínimo de atenção de nossas autoridades.

Tá na cara
Matutando cá com meus velcros chego à conclusão de que não é exatamente falta de decoro parlamentar o quem vem ocorrendo com alguns políticos no Brasil. É falta de couro mesmo.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:58 PM



   29.7.05  
Diferente!
O prefeito Silvio Félix retorna de Cuba no próximo domingo, dia 31, país para onde viajou juntamente com a esposa, Constância Félix, presidente do Ceprosom (Centro de Promoção Social Municipal). Considero interessante o fato do prefeito juntar o agradável ao útil. Tirou uma espécie de miniférias após os seis árduos primeiros meses de governo, e aproveita a viagem para tratar de assuntos considerados de grande importância para os limeirenses. É de estranhar, claro, pois o que normalmente se vê são os políticos utilizando os recursos públicos em viagens disfarçadas como sendo de interesse comunitário, mas que seriam melhor classificadas se anunciadas como de turismo pessoal. Ou familiar, em algumas ocasiões. Ao que tudo indica, Félix inovou! Viajou com recursos próprios, segundo informa a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, e aproveita o descanso para carregar pedras. Um dos objetivos da visita a Cuba anunciados é conhecer o Programa de Saúde da Família (PSF), que é tido como modelo mundial e que o prefeito julga ser importante não apenas para a área de saúde, mas também como um apontador de políticas públicas destinadas a cada área do município. Outro é o de conhecer os programas de promoção social cubanos, que se baseiam em práticas que proporcionam às pessoas assistidas a possibilidade de gerar renda e, portanto, não mais dependerem dos recursos públicos.

Na mosca!
O prefeito aproveita também sua viagem a Cuba para ver de perto a aplicação do jogo de xadrez como modalidade esportiva de incentivo à educação. Julgo ser esse, no meu entendimento, talvez o assunto mais importante. Num país como o Brasil onde notadamente a maior parte dos jovens do sexo masculino é estimulada a se interessar apenas pelo futebol e do sexo feminino pelo vôlei, incluir a prática do xadrez em nossas escolas é uma medida altamente benéfica para a saúde mental da sociedade. É claro que o futebol, o vôlei, e todos os outros esportes que têm características relacionadas à coordenação motora e ao preparo físico são saudáveis e bem-vindos. Mas a prática do xadrez mexe com uma área do corpo pouco utilizada pelos brasileiros - o cérebro -, permitindo o desenvolvimento da visão espacial, da habilidade de planejamento, do raciocínio, entre outras. Enfim, estimula a pensar. O ideal, claro, é a prática das diversas modalidades esportivas. Se, entretanto, dentre os temas incluídos na visita a Cuba, Félix conseguir pelo menos implementar a prática do xadrez nas escolas municipais, só por isso sua viagem já terá valido a pena.

Sugestão de visita
Considero importante que administradores visitem localidades onde existam ações públicas que apresentam resultados positivos e que podem ser facilmente copiadas. A sugestão, entretanto, é que da próxima vez o prefeito visite também algumas cidades próximas a Limeira para conhecer como fizeram para ter qualidade de vida e, por exemplo, para implementar Distritos Industriais, aeroporto, auditorias, etc, etc...

Problema miúdo?
E enquanto o prefeito visita outro país em busca de soluções internacionais para problemas locais, os limeirenses já começam a se irritar com a falta de iluminação na Avenida Marginal do Tatu - problema que se arrasta há meses. Caramba, será que está faltando luz a alguns setores da administração municipal? Pô, não dá para incluir a solução no rol de obras consideradas de caráter emergencial, tal como alguns projetos do Executivo já enviados à Câmara? E que tal a idéia de "puxar um gato" enquanto a solução final não vem?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:55 PM



   22.7.05  
Bom exemplo
Leio no jornal Tribuna do Povo, de Araras, uma notícia que bem poderia servir de estímulo e exemplo aos nobres vereadores limeirenses. É que a Câmara Municipal daquele município está anunciando a abertura de concurso publico para preenchimento de cargos já criados. Não há garantia imediata de contratação, explicam, pois as vagas serão preenchidas conforme necessidade. O resultado do concurso é válido por quatro anos. Enquanto isso, por aqui parece não haver ainda qualquer esperança de que os cargos existentes no Legislativo venham um dia a serem preenchidos por concurso público. A coragem de enfrentar riscos e dissabores advindos de algumas nomeações - como as que fizeram parte do noticiário nos últimos meses - chega a ser algo admirável. E inexplicável.

Pois reforme os políticos
Agradeço a amável preocupação do vereador Eliseu Daniel (sem partido) em responder, no último dia 14, aqui no Jornal de Limeira, as humildes considerações que fiz a respeito da necessidade de reforma política em nosso país. Nem precisava se dar ao trabalho, mas já que o fez, respeito as idéias por ele apresentadas. Entretanto, peço licença para continuar com as minhas. Num ponto, aliás, até que concordamos. O que é necessário mesmo é que se promova uma ampla reforma política no Brasil. Seja lá qual for, acrescento. Podendo ser, inclusive, a que já vem sendo proposta em trâmite pelo Congresso. Pois pior que esta venha a ser, e mesmo que depois dela não ocorram quaisquer avanços na vida política brasileira, ainda assim o eleitor continuará sempre tendo em mãos uma solução mais simples nas eleições: a reforma dos políticos. Como? Votando sempre em novos nomes e deixando de reeleger todos aqueles que um dia foram eleitos e nada fizeram pelo povo. Quem sabe seja essa a única maneira de se fazer uma verdadeira reforma nos rumos da política em curso. Acho que vale a pena tentar!

Comece já!
E por falar em política, nem iniciamos ainda o tratamento dos velhos problemas enfrentados por Limeira e já tem gente pensando e se lançando candidato às eleições de 2006. Os primeiros nomes de que se tem notícia são dos vereadores Eliseu Daniel (sem partido) e Joaquim Raposo (PFL), e do empresário Lusenrique Quintal (PFL), terceiro colocado nas eleições municipais de 2004. Bom, meu desejo é que todos eles - e quem mais vier - tenham sucesso na empreitada. Mas também se espera que eles - e quem mais vier - não percam a oportunidade de mostrar já aos limeirenses que, além de suas candidaturas, também se interessam pelas preocupações populares, apoiando ou cobrando, publicamente, uma maior eficácia e agilidade do Executivo e do Legislativo nas questões de real interesse para a população. Só não vale se acomodar em cima do muro e de lá se lançar somente quando estiver bem próximo das eleições.

Coluna social
O pessoal da Comunidade de São Francisco de Assis avisa que neste final de semana se encerra a Fejuca - Festa Julina daquela comunidade, com animada quermesse, realizada na Vila Independência, a partir das 19 horas. E convida também para o Jantar Dançante de Inverno, que acontecerá no dia 13 de agosto, no salão social da Associação Atlética Banco do Brasil, animado pela banda Acalanto. Os eventos, explicam, têm por objetivo arrecadar fundos para a construção do novo templo daquela comunidade católica.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:24 PM



   15.7.05  
Na volta das férias
Penso que caberia aos egrégios membros da nossa magnífica e mui digna Câmara Municipal explicar aos limeirenses em quais critérios se baseiam para iniciar a investigação das denúncias de supostas irregularidades na administração municipal. Ainda não ficou claro porque aquela Casa aceitou, por exemplo, o pedido de afastamento do vereador Ronei Costa Martins (PT), a partir de uma acusação dele ter supostamente cometido falta de decoro na função de parlamentar, mas não se decidiu a investigar a também suposta irregularidade no Setor de Merenda Escolar, motivo, aliás, que gerou todo esse quiproqüó em torno do vereador petista. O processo contra Ronei continua correndo mesmo ele tendo deixado a Câmara Municipal para o retorno providencial do titular da cadeira, Nelson Caldeiras (PT), que estava de licença por motivo de saúde. Já sobre as supostas irregularidades no Setor de Merenda que ele investigava, a Câmara até agora parece que não se deu ao trabalho de mexer uma única palha para saber do que se tratava. Estranho, muito estranho. Pois suposição por suposição, penso que todas elas merecem no mínimo uma investigação. E em nome da população, esse é um dos principais deveres tanto dos vereadores da oposição, quanto da situação. Ou não?

A lingüiça, o remédio...
Vi essa semana numa drogaria de Limeira a campanha da Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias), que tenta combater a alta carga tributária existente sobre os medicamentos e pede a redução no ICMS que incide sobre eles. Apus minha rubrica no abaixo-assinado, claro. Principalmente depois de ler a informação sobre a alíquota de ICMS que incide sobre alguns produtos - como a da lingüiça, que é de 7%, e a dos medicamentos, de 18%. Penso que os dois produtos são de primeira necessidade, principalmente para a classe mais carente da população. Comida e remédio. A falta de um deles pode levar à morte. Até onde se sabe, pelo preço, a lingüiça é uma das principais misturas nas refeições dessas pessoas. Os medicamentos, pelas condições que vivem, são igualmente imprescindíveis. Mas tenho cá meus receios, pelas muitas barbaridades que já vi e vivi. Meu medo, pois, é que na ânsia de manter arrecadação nos atuais patamares o governo decida-se por baixar o ICMS dos remédios para 7%, mas, em contrapartida elevar o da lingüiça a 18%. Pelas notícias políticas dos últimos dias, se isso ocorrer vou achar até normal...

... e os folheados
E lembrei-me enquanto escrevia a nota anterior que alguns empresários limeirenses - entre eles, meu amigo Odair Zambom - ligados ao setor de folheados e políticos do PFL local também fazem campanha junto ao governo estadual para a redução do percentual de ICMS do setor - dos atuais 18% para 7%. O motivo principal é que no Estado de Minas Gerais esses produtos já tem a alíquota de ICMS taxada em 7%, e em algumas regiões chega até a ser de 3%. O ICMS reduzido daquele estado acaba provocando uma concorrência desleal para as empresas paulistas. Penso que é hora das chamadas "forças vivas" de Limeira juntarem as forças e apoiarem o setor, pois empresas limeirenses já se sentem atraídas pelas condições oferecidas em Minas Gerais. Se decidirem mudar para lá, levarão consigo os empregos que elas aqui proporcionam. E como se sabe, assim como a lingüiça e o remédio, emprego também é "produto" de primeira necessidade.

Diz o ditado
E se é verdade o ditado que diz que "a primeira impressão é a que fica", baseado nos seis primeiros meses do atual governo, penso cá com meus velcros que se nada mudar até o final do mandato, não terei formado uma boa impressão sobre ele.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:53 AM



   8.7.05  
Reforma política, já
O vereador Eliseu Daniel comunicou na semana passada seu desligamento do PSDB e passa a ser o primeiro político eleito a deixar, em 2005, uma penca de eleitores viúvos. Falo daqueles eleitores cujo voto não foram destinados diretamente ao nobre vereador, mas que se somaram aos deles para emprestar-lhe, por quatro anos, um assento na admirável Câmara Municipal. São votos, aliás, que pertenciam a outros candidatos, tanto do PSDB quanto dos partidos que a ele se juntaram em coligação nas eleições 2004, e que acabaram por definir o número de vagas a que cada agremiação teria direito no Legislativo. Bem que o PSDB poderia ter agora o direito de recorrer à Justiça Eleitoral para obter de volta os votos que emprestou ao ex-filiado. É claro que a legislação eleitoral ainda não contempla esse tipo de mecanismo. Mas penso cá com meus velcros que deveria. E seria muito interessante se o assunto fosse tratado com carinho numa futura reforma política, evitando-se que as siglas partidárias sejam utilizadas apenas como muleta eleitoral. E enquanto isso não acontece, penso também que seria um gesto de nobreza, e digno das mais efusivas honrarias, se os próprios vereadores que deixam suas agremiações após serem eleitos, formulassem eles mesmos um documento à Justiça Eleitoral devolvendo aos seus partidos os votos - os emprestados - que, s.m.j, já não mais lhes pertenceriam.

Questão interessante
É sábio esclarecer aqui que não estou julgando a decisão do egrégio vereador, que faz da vida política dele o que bem entender. Nem mesmo estou insinuando que ele está incorrendo numa possível infração eleitoral. Ao contrário, pois além de não existir legislação a respeito, até onde se sabe o atuante vereador é também reconhecido como um brilhante advogado e, portanto, cumpridor e defensor nato das leis. O foco aqui, explico, é que seu desligamento do partido que o elegeu oferece-nos mais uma vez a oportunidade de iniciar uma discussão que sempre julguei interessante: a quem realmente pertence a vaga de vereador - ao partido ou ao candidato? Pois inclino-me a pensar que seja ao partido. Eis os motivos óbvios: 1 - nenhum cidadão consegue se candidatar se não estiver filiado a um partido político; 2 - somente com os votos que recebeu, nenhum vereador da Câmara teria condições de se eleger; 3 - quando um vereador renuncia ao cargo, seu lugar é ocupado por um suplente do partido que o elegeu - o PSDB, no caso em questão, e não a sigla partidária onde o vereador cogita se abrigar vislumbrando aspirações particulares nas eleições 2006.

Começou!
Barbaridade! Eu aqui chorando as mágoas na semana passada por causa de um aumentozinho de 9,8% na tarifa dos pedágios nas praças das rodovias estaduais e no mesmo dia a Prefeitura Municipal decreta nada menos que 15,38% na Rodovia Limeira-Cordeirópolis (SPV-17). Em apenas um ano e meio, 50% de aumento, contando com o reajuste em janeiro de 2004, quando a tarifa era de R$1,00 e passou agora a R$ 1,50. Tenho dúvidas! Em 2004, foi possível engolir o aumento de 30% pois acreditava-se que os custos de manutenção daquela rodovia eram exorbitantes porque seu gerenciamento era tocado pela finada Emdel que, segundo o prefeito, era uma espécie de "atravessador caro". Mas e agora que a Emdel está fora?

De olho
Frase supimpa de autoria do amigo e jornalista João Batista Leonardi, postada recentemente em seu blog Olho Vivo: "Só tem chapeuzinho vermelho na Câmara de Limeira. Lobo mau é a imprensa".
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:42 AM



   1.7.05  
Tatu, gato, vaca e velas
E até o momento em que encerro a redação aqui da coluna, a escuridão que se instalou na Marginal Tatu continua na mesma e quase comemorando aniversário. Não sei dizer se o problema ali é técnico, financeiro ou político. Se for técnico, a questão é: não daria para fazer um "gato", uma gambiarrazinha? Se for financeiro - porque recolhemos poucos impostos aos cofres públicos, né? -, será que não resolveria se a gente fizesse uma "vaquinha" entre os limeirenses que mais necessitam daquela via? Ou até quem sabe a gente pudesse implementar uma pracinha de pedágio por ali. E se for político, será que a situação não se resolveria se a gente acendesse uma penca de velas de sete dias e pedisse de joelhos? Bom, de qualquer forma, se depois dessa última opção nem mesmo os santos (e os silvas) se decidissem interceder por nós, pelos menos as velas amenizariam um pouquinho o breu que ali se instalou.

De passagem
Mesmo contrariando o que dizem os meus neurônios - todos os dois - sou obrigado a admitir que Limeira tem mesmo vocação de cidade turística. O desenvolvimento sustentado, por exemplo, só aparece por aqui a passeio. Em raras ocasiões, acrescente-se.

Mão única
E tenho que admitir também que as porteiras da cidade sempre estiveram abertas às empresas. Mas enquanto amargamos a falta de - pelo menos unzinho - Distrito Industrial, a abertura só vem servindo para a saída delas.

Medida acertada
Considero positiva a notícia de que a Prefeitura de Limeira decidiu utilizar todos os recursos possíveis para cobrar os milhares de contribuintes devedores de IPTU (Imposto Predial Territorial e Urbano). A medida, que visa recolher aos cofres públicos algo em torno de R$ 130 milhões, inclui até ações entendidas como politicamente impopulares, como os processos de execução até a fase de leilão de bens dos devedores. Penso que esse tipo de medida é mais justa à maioria dos cidadãos e reconhecidamente saudável à saúde financeira do município. As ações dos governos anteriores de que se tem notícia nesse sentido não passaram de tentativas de incentivar o pagamento do IPTU em troca de sorteio de prêmios e campanhas de parcelamento da dívida. Tais esforços, entretanto, sempre se mostraram pouco eficazes e imagino que - em alguns casos - acabavam até estimulando os bons pagadores a ser tornarem também inadimplentes. Assim, se é obrigação do governo cuidar com responsabilidade do dinheiro público e ao mesmo tempo existem leis que permitem a cobrança dos impostos não recolhidos, elas - as leis - jamais deveriam ser cambiadas por atos simpáticos ao eleitor ou festivamente políticos.

Caba não, mundão!
Subsídio de R$ 4,2 mil mensais; reunião semanal sem chefe cobrando produtividade; férias duas vezes no ano; aumento salarial idem; assessores e condução à disposição. Querer mais o quê, né?

Recordar é viver
E os pedágios estão 9,08% mais caros a partir de hoje. Fala verdade, bons tempos aqueles em que a gente tinha quem deitasse por nós na rodovia como forma de protesto, hein?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:16 AM



   24.6.05  
260.640 minutos depois
Dia 30 de junho, tanto o governo Silvio Félix (PDT) quanto os 14 vereadores eleitos para a Câmara Municipal completam seus seis primeiros meses de mandato. Cento e oitenta e um dias depois, para simplificar meu humilde ponto de vista de eleitor, ambos, Executivo e Legislativo, só conseguiram apresentar resultados pífios. Esperava-se mais do prefeito, claro, que acabou repetindo, em alguns casos, atitudes já conhecidas na história da política local. Reclamou, por exemplo, de que seu antecessor havia deixado os cofres em pandarecos, mas em seguida adquiriu - não consegui ainda entender porque - um imóvel por R$ 1,1 mi. Da mesma forma, esperava-se também muito mais da Câmara Municipal que, para quem observa de fora, se limitou a caminhar experimentando uma política ultrapassada de apoio irrestrito à situação e de esvaziamento da oposição. No caso do prefeito, até ele mesmo parece que esperava esse resultado, pois já sinalizava dificuldades quando solicitou uma espécie de trégua para a apresentação de resultados concretos de seu governo, que não ocorreriam antes dos seis primeiros meses. No caso da Câmara, o resultado também já era esperado, pois bastou observar que o ano de trabalho ali teve início em clima de recesso e as pautas das sessões que se seguiram mostravam-se - tal como a quantidade de membros da Casa - enxutas o suficiente para a realização de um solitário encontro semanal. Torço, entretanto, para que a partir de agora os resultados positivos comecem a dar sinal de vida. O tempo necessário à integração ao cargo dos novos membros, no caso da Câmara, e o destinado a experimentar na prática o comando de uma cidade, no caso do prefeito, já foram consumados. E se o destino ainda dessa vez não nos brindar com a felicidade de ver Limeira engatinhando seus primeiros passos rumo ao progresso socialmente democrático e ao desenvolvimento sustentado, não faz mal: ainda assim o limeirense tem o que comemorar, pois agora só faltariam mais 42 meses. E do jeito que a vida vai se esvaindo assustadoramente, na mesma toada imposta pelo mundo informático, eles - os meses - até que devem passar bem rapidinho. Tomara que não seja esse o teor da comemoração!

Marginalizou a marginal?
O descaso com o sistema de iluminação da Avenida Marginal ao Ribeirão Tatu já passou dos limites e vem criando mal estar nos limeirenses que dela se utilizam. Por diversas vezes leitores rogaram para que eu falasse do assunto aqui. Como sempre imaginei que esse tipo de cobrança deveria fazer parte da listinha de deveres de casa dos vereadores - e de seus assessores, claro -, eleitos para trabalhar pelo povo e cuidar das suas necessidades, achei que a situação seria rapidamente resolvida. Não foi. Agora, passado tanto tempo, atendo a mais um amigo, Vivaldo Franco, que me pede, revoltado, que fale do abandono dessa importante via municipal, utilizada inclusive por visitantes que aqui vêm a negócios. Pronto, amigos, falei! E aos que sempre sonham com dias melhores aqui na terrinha, repasso um conselho antigo: "ora que melhora".

Criativos
Tenho que admitir que o mundo político é mesmo um grande celeiro de pessoas com criatividade à flor da pele. E não é que inventaram agora o "nepotismo religioso"?

O gato comeu?
O(s) Distrito(s) Industrial(is)? O Plano de Carreira dos funcionários públicos? A licitação do transporte coletivo? O trabalho realizado pela conferência "Limeira 2020"?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:19 PM



   19.6.05  
Quebra-cabeça
Recebo do amigo Adriano Alves, via e-mail, uma questão um tanto quanto difícil de ser respondida. Até tentei matutar aqui com meus velcros, mas os neurônios, preguiçosos como sempre, nem sequer deram sinal de vida. Como não consegui encontrar uma resposta satisfatória, repasso a dúvida aos leitores. Adriano questiona o seguinte: "Se o Brasil é uma democracia e vive sob a tutela da Constituição Federal (ao contrário dos americanos que têm uma legislação própria para cada estado e uma para todos eles em conjunto), concordo que cada cidade tenha de ter a sua peculiaridade em termos legais, tais como o uso e ocupação do solo, loteamentos, paisagismo, e outras mais. Então pergunto: qual é a função do deputado estadual? Leis para o país ele não pode fazer... Leis para a cidade ele não pode fazer... Por quê temos que pagar altos salários a este grupo que nada soma aos nossos interesses de cidadãos?" Bom, se algum leitor souber a resposta...

Capital
Pela quantidade de informações que recebo em conversa com leitores, começo a suspeitar de que em breve Limeira já possa merecer um novo título: Capital dos Laranjas.

Merendinha
"Mensalão", para quem ainda não sabe, é o nome dado a um suposto esquema de corrupção que vem sendo denunciado pelo deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, e que envolveria o pagamento de uma espécie de mesada de R$ 30 mil aos parlamentares, para que integrassem a base aliada do governo, garantindo a ele total apoio. E mesmo em meio a esse possível escândalo nacional de corrupção, o povo brasileiro não perde o humor e amigos já fazem piadas a respeito do tema. Dizem que se um dia um esquema parecido viesse a ocorrer nas cidades, envolvendo prefeitos e vereadores, certamente ele receberia o nome de "merendinha". O apelido carinhoso, justificam, fica por conta do valor da mesada, que em nível municipal seria proporcionalmente inferior à denunciada em nível federal. Penso que a gozação é maldosa e exagerada, é óbvio, pois jamais se cogita que agentes políticos desçam um dia a esse nível de podridão e falta de caráter.

Sorte ou azar?
Decisão da Justiça fez com que o vereador Ronei Costa Martins (PT) retornasse à Câmara Municipal no último dia 13 (por sinal número da sua sigla partidária), e deve agora continuar seu trabalho enquanto aguarda decisão da Comissão Processante que investiga uma suposta falta de decoro parlamentar por parte dele. E, querendo ou não, a volta do vereador que já se mostrou atuante, já provocou certa movimentação nos trabalhos daquela Casa. É que o seu retorno motivou a interrupção da sessão da última segunda-feira, cujos trabalhos foram transferidos para a noite de ontem. O dia 13, na crendice popular, continua sendo um dia de azar para uns e de sorte para outros.

Sempre crente
Sinceramente? Eu continuo acreditando em promessas de políticos. Ah, em Papai Noel e Coelhinho da Páscoa também.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:00 AM



   10.6.05  
Anúncio
Ao anunciar a auditoria nas contas da Prefeitura, Ceprosom e SAAE, entre os anos de 2001 e 2004, o prefeito Silvio Félix (PDT) cumpre mais uma de suas promessas de campanha. É claro que auditorias não têm o objetivo de buscar erros, mas caso surjam os contribuintes certamente gostariam de ser informados a respeito.

Dever de casa
E a Câmara Municipal, não vai investigar também as denúncias de possíveis irregularidades no setor de merenda escolar, assunto que acabou motivando o afastamento do vereador Ronei Costa Martins (PT)?

Sem custo
Gostei do anúncio, na semana passada, de que já no início de 2006 Limeira terá seu novo aeroporto funcionando. Não vai ser lá nenhuma "Bratemp" como se previa no projeto original, anunciado em 2002 pelo ex-prefeito José Carlos Pejon (PSDB), mas terá as condições mínimas previstas para o funcionamento de um aeroporto, gastando-se apenas R$ 3 mil - cerca de 10% do total orçado. Torço, claro, para que finalmente as obras do novo aeroporto decolem de uma vez por todas. Mas se ainda não for dessa vez, também não faz mal: o limeirense, por tudo o que já viu e ouviu, acostumou-se a não sonhar com o que lhe prometem. O mais importante é que o município não teve despesas para anunciar a retomada do projeto. A maquete já estava pronta e bastou sacudir a poeira.

Transparência opaca?
O assunto já rendeu um editorial aqui no Jornal, e sou obrigado a admitir que é mesmo muito difícil de entender o objetivo do projeto que foi apresentado pela vereadora Nilce Segalla (PTB), que tenta limitar o pedido de informações que os vereadores fazem ao Executivo. Se a intenção principal é a de evitar despesas ¿ cujo montante não consigo calcular - para os cofres públicos provenientes desses requerimentos, penso que prejuízo maior terão todos os limeirenses se não houver quem e como fiscalizar a forma como o Executivo trata do erário público. Entretanto, é saudável à democracia lembrar aos vereadores que pertencer a um bloco partidário de apoio ao governo é sempre uma situação passageira. Assim, às vezes o que hoje parece ser uma brilhante estratégia política, amanhã pode vir a representar uma armadilha letal ao processo democrático.

Outra vez?
E já que a intenção é proporcionar economia aos cofres públicos, vereadores deveriam repudiar a proposta de aumento de 9% em seus subsídios, que passarão de R$ 3,8 mil para cerca de R$ 4,2 mil mensais. É que em janeiro os vencimentos dos agentes políticos - prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e vereadores - já foram reajustados em, pasmem, 113% em relação ao que recebiam no ano passado. Precisa mais?

Com a vara na mão
Por conta do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no último domingo, meus neurônios me alertaram que devo preparar os apetrechos de pesca, pois falta pouco tempo para que o Ribeirão Tatu esteja limpo e repleto de peixes. Não me recordo bem para quando isso foi prometido aos limeirenses, mas um anúncio da época dizia que não era conversa de pescador, não.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:15 PM



   27.5.05  
Rezando, um dia...
Recebi e-mail do leitor Márcio Rodrigues Tavares comentando sobre o que tenho escrito por aqui a respeito do funcionalismo público, categoria que não vislumbra oportunidades de crescimento profissional por falta de um Plano de Carreira. Na verdade, esse tipo de assunto nem deveria estar sendo tratado nesse espaço se tivesse merecido uma atenção maior por parte dos governos que já passaram pela cidade e que sempre demonstraram estar mais preocupados em agradar seus pares de campanha, com a criação de cargos e a nomeação de comissionados. Márcio, quem sabe um dia essa mesma agilidade administrativa em criar cargos de confiança possa servir de experiência para a elaboração do tão sonhado Plano de Carreira...

Bateu asas?
A zona rural de Limeira voltou a ser alvo novamente da ação de criminosos. O aumento dos casos vem preocupando os moradores, que aguardam providências urgentes das autoridades por coibir o aumento da criminalidade no local. A situação enfrentada não é um fato novo. Em 2003, ocorriam em média cerca de 20 assaltos por mês na área rural. Na época, o policiamento dos 800 quilômetros de estradas rurais era complicado, motivo que levou sitiantes e fazendeiros a investirem cerca de R$ 60 mil e doar um ultraleve para colaborar com o trabalho de patrulhamento aéreo da Guarda Municipal. Afinal, que fim deu esse aparelho?

Litigioso
A notícia de que a Prefeitura Municipal pode decretar intervenção na concessionária Águas de Limeira, por conta da empresa ter deixado de efetuar o repasse mensal de 9,5% do faturamento ao SAAE, não é boa. Quando se recorre ao terreno judicial, é sinal de que as partes envolvidas foram incapazes de estabelecer um acordo amigável. E quando ocorre uma quebra de contrato, tal como acontece quando um casamento chega ao fim, todos sofrem. Principalmente os filhos, que na maioria das vezes não conseguem entender o pormenores que levaram àquela situação de rompimento. No caso em questão - o da concessão do serviço de água -, o que preocupa é que os filhos somos todos nós.

Vitória do bom senso
Não tem saída, o nepotismo no Legislativo está com seus dias contados. Felizmente, porque ficava cada vez mais difícil engolir as duas principais justificativas que apresentavam: a de que parente é competente e de confiança, e a de que não havia legislação proibitiva. Em relação à primeira, penso que toda vez que um político assim se justificou, cometeu o crime de discriminar a índole de todos os outros cidadãos com quem não mantêm grau de parentesco. Já a justificativa de ausência de legislação a respeito, até onde alcança a minha porção minguada de neurônios, mais se parece com uma declaração de incompetência. Pois a função principal do Legislativo não é justamente a de propor leis?

Seis meses
Pois é, estamos entrando no sexto mês da atual Administração e até agora não se tem notícia de quando será a festa de inauguração do primeiro Distrito Industrial de Limeira. Ah, só não vale em forma de maquete, hein?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 5:23 PM



   21.5.05  
Tá difícil de entender
A choradeira dos primeiros meses de governo em relação à situação de penúria em que se encontravam os cofres públicos, quando faltaram recursos para contratação de serviços essenciais, atrasaram a folha de pagamento e foi preciso até parcelar o reajuste dos salários dos servidores, é coisa do passado. De repente, como num passe de mágica, por conta da contenção de despesas, a Prefeitura Municipal consegue dinheiro para adquirir (ou seria desapropriar?) o antigo prédio da Machina São Paulo. Valor da transação: R$ 1,1 mi (ou seria R$ 3,9 mi?), pasmem, a vista. Será que dessa mesma contenção de despesas que levou o Executivo a acumular um montante desses, em tão pouco tempo, não sobrou alguns trocados para a construção de pelo menos unzinho Distrito Industrial? Pelamordedeus, gentem, ao invés de aumentar o patrimônio histórico, não seria mais saudável ao município investir na geração de empregos e no crescimento da economia? A compra do imóvel até poderia ser um "grande negócio". Mas daqui alguns anos. Hoje, com certeza, a população preferiria que essa surpreendente agilidade administrativa em adquirir prédios antigos fosse direcionada para assuntos de maior interesse da comunidade, tais como: melhorias no sistema de saúde, na educação, no transporte coletivo e na geração de empregos. Esses sim são os "grandes negócios" do momento. E de extrema urgência, acrescente-se!

Nepotismo
Gostei da atitude sensata do vereador César Cortez (PV) que decidiu ouvir o clamor público e não mais nomear parentes para cargos de confiança na Câmara. Um dia a ficha também cai para os demais, quero crer. Pois se parente é profissional competente, então não teria dificuldade alguma em disputar um concurso público, não é?

Só rezando
E pelo ranger das rodas da carroça, a Emdel (Empresa de Desenvolvimento de Limeira), deve mesmo fechar as portas sem que o limeirense fique sabendo quem foram os responsáveis pelo acumulo da dívida de quase R$ 100 milhões da empresa. Onde foram parar todos os repasses que a Prefeitura fez à empresa ao longo dos anos, que tinham como destino o pagamento dos serviços por ela contratados? Muito pior, entretanto, é o município - principal acionista da empresa - ter que tapar esse rombo estrondoso e ainda comprar as ações dos outros acionistas. M-i-s-e-r-i-c-ó-r-d-i-a! Diz aí, amigo leitor, quem em sã consciência faria um negócio desses com uma empresa que acumula tamanha dívida e cujo fechamento já está decidido?

Serviço de guincho?
Deixa eu ver se entendi direitinho? Em pleno domingo do Dia das Mães alguém liga para a Câmara e requisita um carro "oficial" para socorrer o secretário-geral José Henrique Pilon, que estaria com seu automóvel "particular" quebrado em Corumbataí. Solícito, o guarda municipal da Câmara faz alguns contatos e é orientado a liberar o veículo, cujo motorista, ao chegar ao local informado, percebe que tudo não passou de um trote. A lógica contida nessa história suscita duas questões: 1- esse tipo de conduta (serviço de socorro particular) é habitual naquela Casa? 2- se não, quem autorizou, em pleno domingo, a liberação do veículo oficial e o serviço extraordinário do motorista para um atendimento particular?

Funcionalismo
E o Plano de Carreira, está nos planos?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:56 AM



   13.5.05  
Mera coincidência
Limeira foi o município que menor crescimento teve em seu PIB (Produto Interno Bruto), no período de 1999 a 2002, em comparação às cidades da região, segundo pesquisa do IBGE. E o que é que Araras, Americana, Cordeirópolis e Iracemápolis têm em comum, que Limeira não tem? Distritos Industriais. Mais de um, por sinal. Mera coincidência, diriam os governos que por aqui passaram para justificarem o não cumprimento de suas promessas de instalação de distritos. Quando muito, as melhores intenções nunca foram além das maquetes. Sobrou, portanto, ao governo atual a oportunidade de reverter esse quadro e colocar o seu nome na história como um prefeito verdadeiramente empreendedor. O limeirense ainda sonha com a possibilidade de que daqui a algum tempo a cidade também entre para o seleto grupo de municípios que têm o Distrito Industrial como a "mera coincidência" de seu desenvolvimento. Aliás, duas ou três dessas "meras coincidências", somente nessa Administração, já estariam de bom tamanho para tirar Limeira da marcha-lenta em que se encontra há décadas.

Conversa mole
É engraçado que uma das mais conhecidas desculpas de nossos governantes para justificar a incompetência de não terem implementado distritos industriais é de que Limeira, historicamente falando, sempre foi um grande Parque Industrial. Estória. Citavam ainda - com orgulho -, que a legislação municipal disponibiliza grandes áreas para a instalação de empresas, inclusive às margens das duas melhores rodovias do País (Anhangüera e Bandeirantes). E é verdade; área tem até de sobra. Mas sem qualquer infra-estrutura, pequeno detalhe onde sempre o calo apertou. Quando uma empresa decide mudar para uma cidade, não tem intenção de, além dos gastos com o prédio e equipamentos, investir também na obtenção do mínimo necessário para iniciar suas atividades, tais como: água, luz, esgoto, transporte. Isso, todo o mundo está careca de saber, é tarefa da Administração Municipal. Chega, então, de conversa mole e inauguração de maquete. O eleitor quer ação!

Coluna social
Bem sabe o amigo leitor que não sou dado a comemorar datas por aqui. Mas ai de mim se deixar passar em branco o dia 15, dia da Assistente Social. Eu é quem vou acabar ficando sem assistência lá em casa. Além de ser uma profissão fundamental para a manutenção da igualdade e do bem-estar social, a razão principal aqui - e pela qual peço humildemente a licença ao amigo leitor - é homenagear essa nobre catchiguria por intermédio da minha queridíssima, uma das profissionais mais competentes que conheço. Uau! E sabe lá como é, né pessoal? Lá em casa, a última palavra é sempre a minha: "pois não, queridíssima".

Ajutório
E por falar em comemoração, vereadores vivem propondo a implementação de novas datas. É o dia disso, a semana não-sei-daquilo. E para colaborar com esse estafante trabalho desenvolvido naquela Casa, aí vai uma sugestão: criar a "Semana de Combate ao Nepotismo". Precisa explicar ou a decisão judicial já basta?

Vai dar samba
A recente filiação do empresário Odair Zambom ao PFL local fortaleceu a agremiação e tende a mudar o panorama político de Limeira nos próximos anos. Com base na postura empreendedora de Zambom, já há quem aposte que o empresário será uma das grandes surpresas nas próximas eleições.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 7:31 PM



   6.5.05  
É o fim!
Recebo de minha amiga Clélia Ragonha, assistente social, uma página de classificados de um importante jornal que circula em Brasília e que traz um anúncio no mínimo curioso. O título convoca: "Filhos, Parentes e Amigos de Políticos e Diplomatas". E o resto do texto incentiva: "Venha fazer parte da empresa de publicidade que mais cresce no país; Tenha sua independência financeira; Ganhos de até R$ 20.000,00 por contrato fechado; Trabalhe em sua casa nos horários livres". Pois é, se for mesmo verdade de que existe a reencarnação - como pregam algumas religiões - vou torcer desde já para da próxima vez nascer aparentado a algum político. Assim, é certo que entrarei para essa catchiguria de nobres cidadãos, considerados de máxima confiança e extrema competência.

Eu quem?
Enquanto os políticos insistem em inflar o peito ao dizer que são os legítimos representantes do povo, do outro lado, o povo - essa turba de angustiados -, tenta desesperadamente descobrir quem é que afinal o representa.

Rinha
O Leão acabou despencando a ribanceira e no próximo ano disputa a série A-2 do Campeonato Paulista. O Galo, por sua vez, disputa a A-3 e ainda tem chances de subir de catchiguria. Será que depois de décadas vamos voltar aos velhos tempos em que havia dérbis por aqui?

Momento informativo
O parágrafo 5 do artigo 118 da Lei Orgânica do Município de Limeira traz a seguinte redação: "O cônjuge e os parentes até 3o grau de vereadores não poderão ocupar cargos, empregos ou funções em comissão na Prefeitura Municipal ou em suas autarquias."

Sem comentários
O resultado da pesquisa feita pela Limite Consultoria, publicada essa semana aqui no Jornal, aponta que apenas um em cada quatro limeirense - 25% - aprova o trabalho realizado pela Câmara Municipal. E ainda há quem diga que os resultados de pesquisas de opinião não refletem a realidade....

Sem (mais) comentários
O PIB (Produto Interno Bruto) de Limeira, no período de 1999 a 2002, foi o que apresentou o menor crescimento em comparação às cidades da região, segundo pesquisa do IBGE. Trocando em miúdos, somos o município que menos riquezas produziu. Pois é, e tem gente que vivia se orgulhando de que há cidades em piores condições que a nossa...

Nada mudou
Pois responda aí com sinceridade, você que é um cidadão otimista: dá para ter ainda algum fio de esperança quando a gente percebe que, além da matéria fecal, até as moscas continuam as mesmas?
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:27 PM



   29.4.05  
Da série: contos do vigário
Depois do conto do vigário que tentaram passar num hotel da região central, aplicado por uma pessoa que dizia representar um grupo de empresários disposto a construir um aeroporto internacional em Limeira, funcionários desse setor devem colocar-se em estado de alerta. A sorte, nesse episódio, é que a história contada já era muito manjada por aqui. Em ocasiões anteriores até de uma maquete já se utilizaram. Penso, então, que a partir de agora o pessoal deve mesmo botar as barbas de molho, pois pode ser que apareçam outras pessoas querendo aplicar também o conto do Distrito Industrial, da transparência administrativa, do Plano de Carreira, da auditoria, da despoluição de ribeirão...

Benchmark
E enquanto por aqui ainda tentam aplicar o velho conto do aeroporto, a vizinha cidade de Araras, que já tem o seu há anos, segue comemorando a vinda de empresas para o seu - babem - quinto distrito industrial. E se prepara para realizar, no mês de junho, mais uma edição da Expo Aero Brasil - Feira internacional de Aviação que atrai anualmente a visita de milhares de pessoas de diversos países e negócios para aquele município. É que por lá, os governos não tentam se justificar comparando a cidade com outras que se encontram em piores condições. Miram-se sempre, creio, no exemplo das que apresentam patamares superiores de desenvolvimento. E trabalham em vez de ostentar o poder. Penso que já passou da hora dos limeirenses deixarem o orgulho de lado e aprender um pouco com seus vizinhos.

Voto Zero
E deslumbrado que estou com os zilhões de empregos criados pelo governo Lula, com os resultados alvissareiros alcançados pelo programa Fome Zero, e com o fato do presidente ainda botar a culpa pelos juros altos na acomodação do povo brasileiro, lanço aqui a campanha pelo Voto Zero. Na verdade, não se trata de nenhuma novidade. É minha eterna teimosia em lembrar do voto em branco cada vez que o comportamento dos políticos me dilacera a alma. Só inventei esse nome novo - Voto Zero - para safar-me das críticas de alguns amigos, que caem de pau cada vez que defendo o voto em branco. Pois no primeiro turno da última eleição presidencial, optei pelo candidato Ciro Gomes. No segundo, por insistência dos amigos e absoluta falta de opção melhor, acabaram me convencendo e, confesso de joelhos, fiz o que fiz: votei no Lula do PT. Agora, sentindo-me também culpado pelo fiasco que está sendo esse governo, prometi a mim mesmo nunca mais cair em futuros contos do vigário. E chegou a minha vez de convencer os amigos. Motivos não me faltam.

Sortudos
Pois penso que a sorte dos nossos políticos é que o brasileiro é mesmo um povo muito acomodado, como sabiamente afirmou nosso presidente. Manso e ordeiro, acrescente-se. Caso contrário, não acredito que durariam muito tempo em seus cargos fazendo e falando tantas asneiras.

100% urgente
Os funcionários públicos municipais continuam sem saber que fim levou o Plano de Carreira da catchiguria. E já que o prefeito Silvio Félix da Silva tem optado por pedir aprovação em regime de urgência nos projetos enviados ao Legislativo, com certeza os funcionários públicos ficariam agradecidos se o mesmo ocorresse quando o projeto dessa antiga reivindicação também fosse enviado para aquela Casa.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:18 PM



   22.4.05  
Inexplicável?
A Administração Municipal foi alertada - por empresas que prestam serviços de auditoria - das possíveis dificuldades legais para se realizar um trabalho minucioso em órgãos públicos, tarefa que parece ser da competência exclusiva do Tribunal de Contas. Assim, a Emdel (Empresa de Desenvolvimento de Limeira), cuja acionista majoritária é a própria Prefeitura, que acumula dívidas e teve a sua extinção decretada pelo Executivo e aprovada em regime de urgência pelo Legislativo, pode cerrar suas portas sem que a população saiba quem foram os responsáveis por deixá-la nessa situação de endividamento.

Turismo
O presidente Lula, que em campanha prometeu criar 10 milhões de empregos e sonhava em acabar com a fome no país, deve tentar a reeleição no próximo ano. Será que ele ainda não se cansou de viajar?

Boa viagem!
O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, ao participar no final de semana do encontro da tendência Movimento PT, defendeu as alianças partidárias e sem as quais ele considera que a reeleição do presidente Lula "não será um passeio em 2006". Pois será que até na hora de trabalhar na campanha eleitoral esse pessoal continua pensando em passear?

Eleições 2006... 2008...
Nunca é demais a gente recordar: ao reeleger um político, podemos incorrer no mesmo erro duas vezes.

Desarmamento
O Estatuto do Desarmamento prevê para breve a realização de um plebiscito, quando a população deve opinar se é contra ou a favor da proibição de vendas de armas de fogo e munição. Por enquanto, sou do bloco contrário ao desarmamento da população. Mas posso mudar imediatamente de opinião, quando souber a quantidade de bandidos que já se dispuseram a entregar suas armas à campanha.

Colóquio naränjense (I)
Dois nobres consortes naränjenses, Edvaldo Angelo Milano e Celso Leite, enviam-me missiva virtual interpelativa e, diretamente das cercanias do reino de Naränj, esse vosso humilde estafeta literário sente-se probo em lhes confirmar: "Habemus Severinus". Aliás, uma ninhada composta por um mínimo de meia dúzia de filhotes, todos provenientes da linhagem "Nepotisticus Cavalcantis". Machos e fêmeas. Entretanto, sinto-me impelido a informá-los, caríssimos fidalgos naränjenses, que há indícios de que todos eles já se encontram sob o atinado olhar do competente promovedor popular Bercle Mossam.

Colóquio naränjense (II)
Enquanto isso, o também estafeta literário Paulo Corrêa alerta-me virtualmente sobre as suas suspeitas de que a culpa pelo odor desagradável que por anos a fio é exalado das latrinas situadas na praça Doleto de Sorrab, situada na área central de Naränj, possa ser proveniente de alguns atos de monarcas que já desfilaram pelo reino encantado. Tens razão, nobre consorte, não havia cogitado essa possibilidade.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:36 AM



   16.4.05  
Ao volante
Ainda não utilizei os serviços que a Prefeitura presta aos cidadãos pelo telefone 156, mas penso que essa espécie de ouvidoria municipal é digna de elogios. Minha sugestão, entretanto, é que o prefeito tire proveito da existência desse importante serviço, utilizando-o como um termômetro para medir a quantas anda a sua administração. E lance mão de uma frase, normalmente inscrita em veículos comerciais que trafegam pelas rodovias, para perguntar ao povo: "Como estou dirigindo?".

Tamanho GGM
E por falar em ouvidoria, parece que é intenção da Câmara Municipal criar uma também. Só fico com pena de quem for contratado, digo, nomeado para a função. Imagino que para ouvir a carrada de reclamações dos eleitores que virão com a instalação do serviço, o ouvidor vai ter que ter orelhas iguais as de um elefante.

Basta!!!
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou essa semana, por unanimidade, a proposta de emenda constitucional (PEC) que proíbe a contratação de parentes em todos os níveis da administração pública. O próximo passo é a instalação de uma comissão especial que discutirá o mérito da proposta e acredita-se que com a mobilização da sociedade, ela possa ser votada em plenário até o meio do ano. Quem dera houvesse aqui em Limeira ao menos um vereador com coragem para propor o fim do nepotismo e a extinção dos cargos comissionados, obrigando a realização de concurso público para as contratações. Valei-me, Santo Expedito.

Como assim?
A Câmara Municipal aprovou na última segunda-feira a extinção da Emdel (Empresa de Desenvolvimento de Limeira), a partir de projeto de lei enviado pelo prefeito, que entrou na pauta de votação em regime de urgência. Confesso minha total ignorância diante de alguns assuntos e deve ser por essa razão - a escassez de neurônios - que não consegui entender duas coisinhas nessa história. A primeira é a necessidade da votação do projeto ser em regime de urgência, se a liquidação da empresa já vinha sendo cozinhada em banho-maria desde dezembro passado. Sempre causa uma certa apreensão quando o Legislativo aprova matérias às pressas, pois imagino que temas dessa importância mereceriam um tempo maior de discussão e estudos mais acurados. Ainda mais a extinção de uma empresa, coisa que não ocorre todo santo dia. O segundo ponto que me deixa apreensivo é que, ao aprovarem o projeto, os vereadores deram um aval à Prefeitura para realizá-lo daquela forma, ou seja, adquirindo - a preço de mercado (qual o valor das ações de uma empresa endividada e que será fechada?) - todas as ações da Emdel. O município é dono de 73% das ações e propõe pagar pelos outros 27%. Em sã consciência, quem compraria ações de uma empresa que tem dívidas beirando os R$ 100 milhões e que tem como destino certo a liquidação? E por que a Prefeitura tem que assumir a divida sozinha ao invés de reparti-la proporcionalmente com os outros acionistas? Se adquirir as ações pode ser considerado um bom negócio, a prefeitura tentou vender sua parte aos outros acionistas? Ou até mesmo doá-las, o que imagino que seria muito mais saudável aos cofres públicos? É claro que sou favorável à extinção da Emdel, mas do alto (ou seria do baixo?) da minha ignorância, me vem uma vozinha interior - já amargurada pelo tempo - questionar: será que o povo vai ter que bancar sozinho por mais esse prejuízo? Valei-me, Santa Edwirges.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:01 PM



   13.4.05  
Faltou luz!
A notícia de que a prefeitura tem um débito com a Elektro e que isso pode gerar corte da energia elétrica ocasionando a falta de luz nos prédios ocupados pela Administração Municipal, nem chega a ser novidade. Penso que em diversos momentos da história limeirense isso - a falta de luz - já deve ter ocorrido se levarmos em conta algumas decisões desastrosas que de lá partiram.

Vai de lamparina mesmo!
E por falar em claridade, só espero que não falte luz justamente na hora da realização da auditoria que o prefeito Silvio Félix da Silva prometeu.

Fe$ta
Gostei de saber que cerca de 400 funcionários públicos municipais estiveram na Câmara na última segunda-feira, protestando contra o aumento de 7,6% concedido pelo prefeito à categoria. A presidenta Elza Tank com certeza deve ter adorado ver o auditório lotado, pois tem se empenhado para atrair a atenção da população para aquela Casa. E nessa árdua empreitada, faz parte dos planos da presidenta até a instalação de um playground e a feira de artesãos. Melhor ainda que o movimento do funcionalismo, entretanto, é ver que o sindicato dos funcionários públicos começa a dar sinais de vida ao liderar o movimento de seus associados. Com relação ao aumento em pauta, é certo que os vereadores cuidarão com muito carinho do assunto. É que eles já receberam um aumento estratosférico (84,1%) no mês de janeiro e serão beneficiados também - pasmem, apenas dois meses depois - com novo aumento em seus subsídios, na mesma proporção que for concedido ao funcionalismo público. E aumento para quem se dedica com tanto afinco às causas da população nunca é demais, né?

Incheirável
Sai governo, entra governo, e o fedor exalado do banheiro público da Praça Toledo Barros continua o mesmo.

Que fim deu?
A promessa do governo atual de realizar auditoria na Prefeitura, Emdel, SAAE e Ceprosom? O trabalho realizado pela conferência "Limeira 2020"? O incêndio ocorrido num dos arquivos da Prefeitura? A fita e os documentos que evaporaram da Câmara Municipal? O Plano de Carreira do funcionalismo? As maquetes do aeroporto e do distrito industrial?

Parabéns à catchiguria
Ontem foi comemorado o dia do Jornalista. Deixo, portanto, para reflexão dos companheiros da catchiguria duas frases do mestre Millôr Fernandes: 1) "Em qualquer roda é fácil reconhecer um jornalista: é o que está falando mal do jornalismo"; 2) "Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

Introspecção
Tenho certeza de que arrependimento não mata. Senão eu já teria morrido diversas vezes depois das eleições que, contrariando o que sugeriam meus minguados neurônios, não votei em branco.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:16 PM



   1.4.05  
Bonde da alegria
O prefeito Silvio Félix da Silva (PDT) atropelou a pauta da sessão da Câmara Municipal, na última segunda-feira, ao enviar para aprovação, em regime de urgência especial, a primeira fase do projeto de reforma administrativa. Contrariando as prováveis dificuldades financeiras que a Prefeitura Municipal enfrentava em seus primeiros meses de governo, o prefeito acabou criando mais 97 cargos em comissão (leia-se: "sem que haja necessidade de realização de concurso público"). Com isso, os cofres públicos terão um aumento anual de gastos em torno de R$ 1.948.000,00. Matutando humildemente cá com meus velcros, concluo que não dá para batizar essa reforma como sendo um trem da alegria, como querem alguns. Mas que a criação de cargos comissionados sempre tem um jeitão de bonde, ah, isso tem. E por falar em aumento de despesas com a criação de cargos em comissão, que fim levou o Plano de Carreira do funcionalismo público? Não é justamente por falta de verba que ele não desgruda nem a pau do papel?

Colóquio súbito
- Nossa, que desânimo é esse, cara? O que é que você tá fazendo aí deitado?
- Tô esperando a auditoria que o Félix prometeu. De pé vai cansar...

Tudo em família
Por conta das declarações do nobre presidente da Câmara dos Deputado, Severino Cavalcanti (PP-PE), que disse prestar um favor ao país ao empregar seus parentes no serviço público, a reação da sociedade traz de volta o debate sobre o nepotismo nos três poderes - Executivo, Legislativo e Judiciário. Enquanto isso, é triste notar que em Limeira continua a eterna falta de posicionamento de entidades classistas e de lideranças políticas em relação ao nepotismo que corre solto no Legislativo.

Em banho-maria
E não é que as sessões da Câmara Municipal continuam ordinárias mesmo?!

Até quando?
Numa das melhores, mais importantes e mais seguras rodovias brasileiras, mas também onde se paga uma verdadeira fortuna em pedágio pelo quilometro rodado - a Anhangüera - um caminhão desgovernado invade o canteiro central, invade a pista contrária e colide com um automóvel. Esse acidente, ocorrido há cerca de duas semanas, teve um resultado trágico: uma vitima fatal (de Rio Claro) e um motorista com drama de consciência para o resto de sua vida. É inadmissível, entretanto, que acidentes iguais a esse voltem a acontecer, principalmente se vislumbrarmos que haveria grandes chances de ter sido evitado caso houvessem trilhos protetores (guard rail) separando as duas pistas e colocados em toda extensão da rodovia. Será que os impostos sobre os veículos e os pedágios que os contribuintes pagam não são suficientes para exigir um pouco mais de segurança nas rodovias?

1o. de abril
Não sei por que cargas d´água, mas acordei com a estranha sensação de que hoje se comemora o Dia dos Políticos.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 6:33 AM



   25.3.05  
Pingos nos ii
Para quem ainda não sabe, uma das nobres obrigações da Câmara Municipal é a de fiscalizar o Executivo em seus atos contábeis, financeiros, orçamentários e patrimoniais. Ah, quando eu souber quem é que fiscaliza o Legislativo, eu aviso.

Político ou técnico?
Depois do qüiproquó filosófico ocorrido esta semana na Câmara Municipal para concluir se o voto deve ser político ou técnico, fico matutando cá com meus velcros: afinal, os votos que cassaram o ex-vereador José Roberto de Toledo (PSC) foram tecnicamente políticos ou politicamente técnicos?

Severino é "o cara"!
Desde que assumiu a Presidência da Câmara, as declarações do deputado Severino Cavalcanti vem refletindo com fidelidade indiscutível a forma como a maioria dos políticos brasileiros certamente pensa e age. A última pérola dessa importante autoridade brasileira, cuspida em rede nacional no início da semana, foi de que estava prestando um serviço ao Brasil ao empregar seus parentes no serviço público. Não me lembro de autoridade mais sincera que ele. O serviço prestado a que se referiu provavelmente é o de mostrar ao eleitor como agem e o que realmente pensam, lá no fundinho da alma, nossos nobres representantes quando investidos do poder - fictício e temporário - ao serem eleitos. Ou o de escancarar essa verdadeira caixa de Pandora que deve ser os bastidores da vida pública. Ali, imagina-se pelas declarações, a barganha de cargos públicos vem rolando solta, sem medo e nem dó, governo após governo. E Lula, do PT, claro, passa longe de ser exceção. E nem tente questionar os porquês dessa feira-livre política, senão será obrigado a engolir a justificativa cara-de-pau de que isso é um comportamento absolutamente normal e necessário para sustentação no mundo político. Pode até ser normal para quem participa e se farta dessa barganha, mas sempre soará para o povo como um escandaloso ato de corrupção. Por um motivo óbvio: se "compro" o apoio de um político para fortalecer o meu lado da bancada e por ele pago com um cargo público, que outro nome isso teria a não ser corrupção? Ativa e passiva. Considero, portanto, como dizem na gíria, que Severino é o cara. E também a cara. Do político brasileiro. Um retrato autêntico da imagem que o povo faz dos que ingressam nessa rendosa profissão. À família e amigos correligionários, cargos públicos. Ao povo, declarações esdrúxulas. Sugiro, pois, aos políticos que dizem jamais ter se utilizado do cargo para beneficiar parentes ou amigos da agremiação partidária, que atirem a primeira pedra. Em Severino, é claro.

Faz sentido
Diante dos resultados pífios alcançados depois de dois longos anos do governo Lula e o não-cumprimento de algumas promessas de campanha - entre as quais os tais de 10 milhões de empregos, por exemplo -, a cor vermelha característica do PT até que começa a fazer algum sentido. Vergonha.

Colóquio súbito
- Meo, tomara que Félix não administre a cidade por meio de termos aditivos, como fizeram os outros governos. Tem contrato público que mais se parece com uma colcha de retalhos de tanto remendo...
- E não é que é?! Já imaginou, mano, se os 10 Mandamentos tivessem sido anunciados por aqui...
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 9:07 AM



   24.3.05  
Nem cheiro
E a prometida auditoria na prefeitura, Emdel, Saae e Ceprosom: pode ser ou está difícil? Não seria mais sábio realizá-la o mais rápido possível? Acidentes acontecem e vai que ocorra alguma combustão espontânea justo na documentação que possa interessar aos auditores...

Questão de ordem
A Câmara Municipal criou comissão para estudar alterações no Regimento Interno e na Lei Orgânica Municipal. Li o documento regimental que se encontra disponível no site daquela Casa, e como bom cidadão ofereço graciosamente aos nobres vereadores duas humildes sugestões de alteração: 1 - Reduzir o recesso (argh!) parlamentar de 75 dias para apenas 30 dias, realizando-o de 20/12 a 20/01; 2 - As ausências de vereadores às sessões ordinárias (termo estranho esse, né?) podem até ser justificadas, mas devem ser descontadas de seus subsídios; pois se é justo que ganhem para participar de reuniões extraordinárias, é justo também que sejam descontados quando faltam às ordinárias.

Constatação
Não concordo quando comentam que no quesito "desenvolvimento de Limeira", os últimos governos andaram a passos de tartaruga ao serem comparados com os de outros municípios. Os prefeitos das cidades vizinhas é que se esforçaram para andar em ritmo de coelho.

Vício interrompido
Se o prefeito Silvio Félix da Silva estiver mesmo disposto a realizar uma administração diferente de todas as outras que o limeirense já viu, minha sugestão é que acabe de uma vez por todas com a mesmice de governar pela prorrogação e aditivação de contratos. Licitar é um ato de transparência benéfico à saúde financeira do município. Estabelecer concorrência, também.

Conversa mole
O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, nem precisava se dar ao trabalho de admitir, na semana passada, durante discurso no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, que a carga tributária aumentou. O povo já tinha sentido na carne, digo, no osso, porque a carne já nos arrancaram faz tempo. E os pacóvios, como eu, que tínhamos a falsa impressão de que um governo petista seria diferente de todos os outros que já tivemos, demos com os burros n´água. O mais chato, entretanto, é desconfiar que só há dois jeitos de manter a economia do país saudável e equilibrada: reduzindo os gastos do governo ou aumentando os impostos. É evidente que a última opção será sempre a preterida. E sempre também vamos ouvir o mesmo trololó defensivo de que não é possível cortar os gastos por conta do comprometimento dos projetos sociais e dos compromissos fiscais assumidos. Além, claro, das tristes comparações com os resultados obtidos por governos passados. E assim, depois de tanto ouvir repetidamente a mesma ladainha nos discursos da penca de ministros que já conduziram a economia brasileira, pelo menos uma informação útil fui capaz de assimilar: aumento da carga tributária é sempre para já; crescimento da economia e criação de empregos, são eternamente esperados para os próximos anos - um futuro esperançoso que até hoje nunca vi chegar. A sorte é que governos são passageiros.
   posted by JOSÉ DANIEL HELDT at 8:46 PM